Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

  • Ambiente Ondas3

    Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

  • Ambiente Ondas3

    Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

  • Ambiente Ondas3

    Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

  • Ambiente Ondas3

    Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

  • Ambiente Ondas3

    Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

segunda-feira, 31 de março de 2014

Lixo bate recorde nas praias britânicas


Praia da Baía, Espinho, em 26fev2014.
Share:

A Praia dos Tubarões (37)

“Dois exemplos de praias onde a alimentação artificial foi aplicada com sucesso total foram as praias do Flamengo e a de Copacabana (Rio de Janeiro).
Na praia do Flamengo, praticamente inexistente em 1964, foram repulsadas areias retiradas da baía de Guanabara mediante tubagem flutuante, sendo conseguida a reconstrução artificial daquela praia numa extensão de cerca de 1800 metros de comprimento por 150 metros de largura. Salienta-se o facto de não ter havido necessidade posterior de novas descargas de areia nesta praia. Em Copacabana, no ano de 1970 e numa extensão de 5 Km foi conseguido um aumento de 90 metros na largura da praia emersa mediante a descarga de 3.5 milhões de m3 de areia por empilhamento na praia e descarga ao largo.
A citação destes dois casos revela um interesse muito particular, não tanto pelo simbolismo turístico que estas praias representam a nível mundial, mas sobretudo porque os estudos de projecto foram realizados em ambos os casos em Portugal no Laboratorio Nacional de Engenharia Civil.”
A Praia dos Tubarões, por Álvaro Reis, 2006, p174
Share:

sexta-feira, 28 de março de 2014

Governo vai demolir 800 casas clandestinas no Algarve


Fenais da Ajuda. Foto: Paulo Machado 17mar2014.
  • Ministro do Ambiente promete derrubar mais de 800 casas clandestinas no Algarve. No imediato, vão ser demolidas as barracas dos ilhotes da ria Formosa. A seguir, vêm as casas de segunda habitação nas ilhas de Faro, Hangares e Farol. 
  • O PSOE contesta a privatização unilateral dos serviços de abastecimento de água ao domicílio em Alcázar. O alcaide, Diego Ortega, do Partido Popular, terá feito o contrato com a adjudicatária sem a presença de notários, pelo que o Tribunal Administrativo Central de Recursos Contractuales interpôs uma providência cautelar para tentar travar a privatização daqueles serviços.
Share:

Reflexão – secando ao sol pela liberdade


O realizador britânico Steven Lake correu o mundo para captar as razões e as consequências da proibição de usar os estendais de roupa em benefício de máquinas de secar roupa que fazem aumentar a procura de energia suja em todo o mundo. Nem os países em vias de desenvolvimento se livram deste presente envenenado.
Secando ao sol pela liberdade é uma viagem ao novo campo de batalha ambiental onde o dinheiro, o estatuto e a classe têm prioridade em relação ao nosso planeta. O nosso futuo está pendurado na corda.
Share:

quinta-feira, 27 de março de 2014

Arnold Schwarzenegger, Forest Terminator


Parque da Cabreia, Silva Escura, Sever do Vouga.
Share:

Mão pesada por ruído

O dono de um bar de Granada foi condenado a 6 anos de prisão por excesso de ruído. Deverá ainda a pagar multa de 6.800 euros e indemnizar cada um dos 4 membros de uma família em 6 mil euros  pelos prejuízos causados.
Por idêntidos motivos o proprietário de um edifício em Huelva foi condenado a dois anos de prisão e pagamento de 10 mil euros a uma vizinha pelas lesões psíquicas provocadas. Fonte.
Share:

A Praia dos Tubarões (36)

“Os processos de alimentação artificial das praias muito energéticas do norte e centro do pais exigem para o seu sucesso o cumprimento de algumas condicionantes.
Por um lado, é necessário que todo o material a ser utilizado seja de boa qualidade, isto é, os dragados possuam teores aceitáveis de compostos orgânicos e de metais pesados incorporados. Efetivamcnte, os sedimentos dragados das bacias portuárias, dos estuários e do curso médio dos rios, embora sejam constituídos essencialmcnte por uma mistura de calhaus, areias, argilas e silte, podem ainda incorporar frações de contaminantes orgânicos e inorgânicos arrastados pelo vento, pela chuva e por escorrências, bem como, contaminantes bacteriológicos.
Por outro lado, é necessário que esses dragados possuam uma granulometria semelhante à dos sedimentos nativos da praia em causa, de modo a evitar-se o fácil arrasto de sedimentos finos para o largo ou seja para fora da corrente de deriva litoral.
Finalmente, é importante que durante e após a operação de descarga das areias na praia ou no cordão dunar se proceda à sua compactação de modo a evitar a sua rápida e ineficaz dispersão pelo vento.”
A Praia dos Tubarões, por Álvaro Reis, 2006, p174
Share:

Bico calado

  • “Sabendo alguma coisa de jornais e televisões, não tenho qualquer dúvida que José Rodrigues dos Santos não agiu espontaneamente nem sequer por decisão individual. Tratou-se, vamos chamar as coisas pelos nomes, de uma encomenda. Basta ver Rodrigues dos Santos com Morais Sarmento para saber que não se trata de um "estilo". Mas ainda que se tratasse, esse estilo tem um problema: o debate agressivo exige muita preparação política. E, quando de um dos lados está um jornalista, exige uma enorme habilidade para que este não passe a ser visto pelos telespetadores como uma das partes. No fim, depois de várias semanas a que Sócrates, com bastante experiência de debate, resistirá facilmente, será Rodrigues dos Santos que ficará a perder na sua própria imagem de isenção. Foi ele que subiu a parada. Parece-me que não percebeu bem em que jogo perigoso se meteu.” Daniel Oliveira in A cilada da RTP a Sócrates, Expresso.
  • Descubra um Belmiro de Azevedo desconhecido, por Gaspar Martins, bancário reformado, ex-deputado.
Share:

quarta-feira, 26 de março de 2014

PS apoia câmaras contra privatização da EGF


Ribeira do Mouco, Ilha das Flores, Açores. Foto: Azores
  • 29-30 de março, sábado e domingo, a partir das 10h30, a Surfrider Foundation Europe, organização não-governamental para a defesa dos oceanos, das ondas e da orla costeira, representada nos Açores, organiza mais uma edição das “Ocean Initiatives” sob o slogan “Deitar no chão é deitar no mar” nos seguintes lugares:
Fajã do Santo Cristo (São Jorge) - 29 Março
Baía dos Anjos (Santa Maria) – 29 Março
Porto da Feteira (Faial) – 30 Março
Baía de Santa Iria (São Miguel) – 30 Março
Share:

Mão pesada

  • Um agricultor de Shipdham foi multado em 12 mil libras por ter contaminado uma ribeira com lamas da sua unidade agropecuária.
  • A Alpha Natural Resources, Inc., a Alpha Appalachian Holdings e 66 filiais destas empresas de carvão foram multadas em mais de 27 milhões de dólares por pouirem cursos de água e foram intimadas a investir 200 milhões de dólares em sistemas de tratamento de efluentes para reduzir as descargas das suas operações em minas de carvão em vários estados norte-americanos.
  • A Flint Hills Resources, foi multada em 350 mil dólares por poluição na sua fábrica de químicos em Port Arthur, Texas.
  • A LSB Industries Inc, a maior produtorade ácido nítrico dos EUA, foram intimadas a investir mais de 17 milhões de dólares em equipamento para reduzir as fugas de nitrogénio nas suas unidades industriais em vários estados.
Share:

A Praia dos Tubarões (35)

“Deste modo, é importante sublinhar que, definitivamente e em primeira instância, caberá às autarquias locais tomarem consciência da necessidade de cessarem com novos licenciamentos nos actuais aglomerados litorais, bem como, de conceberem a muito curto prazo todas as estratégias necessárias conducentes a uma nova centralização dos aglomerados em posições bem mais recuadas face à linha de costa, garantindo às populações que neles vivem o direito à sua segurança.
Por outro lado, deveraá também o govemo central legislar no sentido de incentivar, desde já, à interiorização dos povoados litorais, nomeadamente numa primeira fase, atravás do agravamento dos prémios de seguro sobre construções localizadas em zonas de ‘risco muito elevado a elevado’ e numa fase posterior pela impossibiiidade de ser efectuado qualquer contrato de seguro para as referidas construções.
Nenhuma lei sobre urbanismo, por muito hem redigida que tenha sido, poderá escapar ao estatuto de obsoleta, caso a sua aplicação deixe perigar o bem-estar das populações. Por esse facto, todo o responsável autáirquico, pese embora actuando dentro da máxima legalidade, não deixará de ter a sua quota parte de responsabilidade em toda e qualquer situação de risco que advenha do avanço do mar se, atempadarnente alertado e confrontado com as realidades, não resolveu prevenir, obstando à segurança das populações...  afastando-as do perigo.”
A Praia dos Tubarões, por Álvaro Reis, 2006, p170
Share:

Bico calado

  • Cada português produz 453 quilos de lixo por ano, cada televisão portuguesa produz 453 horas de lixo por mês. O Inimigo Público.
  • Em 2009, Obama, ao lançar a ideia de uma cimeira global sobre segurança nuclear defendeu a busca da paz e segurança de um mundo sem armas nucleares. Cinco anos depois, parece que Obama mandou às urtigas a jura anterior. Segundo um artigo de Kate Hudson publicado na Al Jazeera, os EUA preparam-se para investir, durante a próxima década, 214 mil milhões de dólares na modernização de ogivas nucleares, na criação de um novo tipo de mísseis balísticos submarinos e de cruzeiro, entre outras coisas.
  • “Este facto é tanto mais estranho quanto a corrupção é um fenómeno especialmente ligado à prática política dos partidos do chamado “arco da governação” — tanto, aliás, que seria mais rigoroso usar a expressão “arco da corrupção” — e quanto as suspeitas ou casos de corrupção são raros e combatidos com particular veemência nos partidos à esquerda destes. Apesar disso, esta esquerda, piedosamente, continua a considerar a corrupção como um epifenómeno da política, independente das ideologias, e recusa-se no seu discurso político a estabelecer um laço entre os partidos do “arco da governação” e a corrupção, como a simples correlação estatística sugeriria.” José Vitor Malheiros, in O arco da corrupção, in Público 25mar2014.
  • Os chefes de Estado de mais de 50 países participantes na terceira cimeira internacional sobre segurança nuclear comprometeram-se, ontem em Haia, a reforçar a cooperação e adoptar medidas para impedir que grupos terroristas consigam ter acesso a materiais nucleares e construir uma bomba atómica. Refira-se que, antes desta cimeira e antes deste acordo, os EUA receberam diretamente do Japão mais de 600 quilos de urânio enriquecido e plutónio para reciclagem.
Share:

terça-feira, 25 de março de 2014

A Barrinha de Esmoriz vai ser desassoreada


Aspeto da Barrinha de Esmoriz/Lagoa de Paramos em 26 de fevereiro de 2014.
  • Em Corpo Santo, em Angra do Heroísmo, o ruído de uma discoteca não deixa os moradores repousar ao fim de semana. As queixas sobem agora à Provedoria de Justiça dada a aparente ineficácia junto da PSP e da autarquia. 
  • O ministro do Ambiente, Jorge Moreira da Silva, acusou os municípios que são servidos pela Valorsul e que se opõem à privatização de estarem a contribuir para a desvalorização da empresa de tratamento de resíduos e para a fuga de eventuais interessados na sua compra.
  • O Conselho da Europa atribuiu o Diploma Europeu para as Áreas Protegidas às Ilhas Desertas, em reconhecimento pelo trabalho desenvolvido nesta reserva natural há 26 anos. Conhecidas por serem o habitat da reserva de lobos-marinhos, as Ilhas Desertas passam a ser em Portugal, depois das Selvagens, a segunda reserva distinguida com o Diploma Europeu para Áreas Protegidas.
  • A Barrinha de Esmoriz vai ser desassoreada em 2015, anunciou Salvador Malheiro, presidente da Câmara de Ovar, eleito pelo PSD. A requalificação do local incluirá ainda a colocação de passadiços e zonas para passear, andar de bicicleta, correr à volta da zona lagunar, a construção de uma ponte que ligará Esmoriz a Espinho, a instalação de equipamentos de apoio, como um quiosque e um café, e ainda a reabilitação do dique-fusível, o mecanismo que permite as descargas controladas da barrinha ao mar, e que ficou destruído com os temporais de invernos anteriores. Entretanto, na preparação da próxima época balnear, Ovar vai erguer uma barreira de areia entre a barrinha e o mar. “O dique-fusível foi completamente destruído pela intempérie, temos de controlar as descargas da barrinha para o mar, porque pode estar em causa a nossa bandeira azul”, explica. 
  • Moçambique poderá ser suspenso da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas depois de ter falhado a entrega de um relatório com medidas para travar a caça furtiva de rinocerontes. 
  • Nove empresas pesqueiras norte-americanas desperdiçam cerca de metade do peixe capturado, denuncia um relatório da Oceana.
  • Centenas de quilos de urânio enriquecido e plutónio, material atómico passível de ser usado no fabrico de bombas, vai ser entregue aos EUA para aí ser alegadamente reciclado em matéria menos sensível. O negócio foi tratado entre os dois países na véspera de uma cimeira de segurança nuclear.
Share:

A Praia dos Tubarões (34)

“Neste sentido deve também ser imposta a proibição da construção em áreas directamente influenciáveis pelos fenómenos marítimos, como sejam as margens lagunares sujeitas ao regime de marés e às inundações fluviais, mesmo que sobre estas áreas pendam eventualmente ‘direitos adquiridos’ sob a Iuz ténue de uma legislação sem significado no contexto das realidades actuais da zona costeira.  Na verdade, neste último terceiro milénio da história do homem não se pode considerar acertado, mesmo que sob a capa duma pretensa legalidade, aquilo que constitui um gravíssimo erro de gestão do território. Ames pelo contrério, ao litoral e às Zonas Húmidas devia ser dada pelas autarquias uma nova atenção, que passasse também pela valorização dos habitats naturais. Refira-se a propósito de contradições como estas, a necessidade de reavaliação continua da aplicabilidade dos PDM, bem como, da concordância de cada um destes com os Planos de Pormenor e com os Planos de Urbanização.”
A Praia dos Tubarões, por Álvaro Reis, 2006, p169
Share:

Bico calado

  • David Graeber, no Guardian de 18 de março, troca por miúdos o que o próprio Bank of England revela num estudo intitulado "Money Creation in the Modern Economy". O documento dá razão às teorias mais populistas divulgadas pelo movimento Occupy Wall Street segundo as quais nunca haverá falta de dinheiro e a austeridade é uma grande treta. Este artigo apareceu há precisamente uma semana e nenhum dos politólogos ou tudólogos disponíveis nos celeiros das televisões desceu a terreiro para perorar e cotejar o conteúdo daquele documento. Aposto que teriam debitado horas de paleio, e quem sabe, teria havido um ou outro levantamento popular se o Banco de Inglaterra tivesse chamado pedante a José Mourinho ou pateta ao Cristiano Ronaldo.
  • O BES foi  multado em mais de um milhão de euros por infracções à normativa sobre prevenção de branqueamento de capitais. 
  • “Chamem-se fascistas ou não, o que esta gente tem de comum é uma insinceridade e deslealdade de base em relação à democracia. A democracia só lhes interessa para manipular até chegar ao poder. E uma democracia sem ideias abre-lhes o caminho. Uma democracia que não acredite no futuro pode bem acabar por não o ter.” Rui Tavaares in A Europa e o refascismo, Público de 24mar2014.
  • Como os chamados media de referência têm fabricado notícias recentes e feito certos lideres parecerem mais fortes do que na realidade. RT/Youtube (13:20). Talvez por isso tenham vindo a descer nas audiências...
Share:

sexta-feira, 21 de março de 2014

Já há seguro de viagem para viagens estragadas pela poluição


Mosteiros, S. Miguel. Foto: Pedro Silva, 16mar2014.
Share:

A Praia dos Tubarões (33)

Em 26 de fevereiro de 2014, era este o aspeto de parte da orla costeira de Silvalde após temporais.

"Será assim um facto consumado, face ao exposto ao longo dos vários capitulos desta obra, bem como, da leitura de ‘Quando o mar enrola na areia’, que a frente litoral não pode mais ser olhada como local adequado para novas construções para habitação. Antes, revela-se imperioso projectar as novas construções e proceder ao desenvolvimento dos núcleos urbanos litorais seguindo um modelo de expansão em cunha no sentido do interior e nunca um modelo de expansão paralelo à linha de costa

Curioso e preocupante, contudo, e justificativo das duas questões levantadas algumas linhas atrás, é o facto de na prática não se constatar a concretização desta estratégia de desenvolvimento ‘migratório’ para o interior, quando na realidade a lei portuguesa, através do referido Regime de Gestão Urbanistica do Litoral, já a rccomenda desde há mais de uma década!
É importante delimitar, à semelhança do que se faz noutros paises, uma ‘linha de controlo para a construção em zona costeira’ para lá da qual seja proibida toda e qualquer edificação ou remoção de terras e seja garantida a proteção do campo dunar.

Assim, todo o planeamento urbanístico futuro da zona costeira norte-centro portuguesa deve ser enquadrado pelas exigências desta zonação territorial, bem como, pela limitação de carga do meio, pela existência de espaços verdes e pela obrigatoriedade da recuperação do ecossistema litoral."
A Praia dos Tubarões, por Álvaro Reis, 2006, p168
Share:

quinta-feira, 20 de março de 2014

Quercus contra frete ao eucalipto


Fenais da Ajuda – Foto: Paulo Machado 17mar2014.
  • A Quercus contesta o apoio à plantação de eucaliptos previsto no próximo Plano de Desenvolvimento Rural (PDR 2014-2020), que pode ir até 40% a fundo perdido.  A Quercus defende que os fundos públicos e comunitários devem ser usados para reconverter os eucaliptais mal instalados e sem gestão em novos eucaliptais ou na substituição do eucalipto por espécies autótones para resolver o problema de abastecimento e mitigar os impactos ambientais.
  • A Ribeira dos Milagres sofreu mais uma descarga de efluentes poluentes.
  • Portugal tem quase 3000 ninhos de cegonhas em torres eléctricas.
  • Mais um derrame de crude ocorreu num oleoduto em Colerain Township, no Ohio. Este é, pelo menos, o terceiro derrame de crude a acontecer nos últimos 10 anos nesta região e o 40º acidente neste oleoduto operado por sucursais da Sunoco. Este oleoduto foi lançado em meados dos anos 50 e transporta crude do Texas para o Michigan ao longo de mais de 1.700 Km. A operadora já fora multada em 2006 e em 2012, respetivamente em 35 e em 48 mil dólares por problemas detetados neste oleoduto.
  • San Francisco proibiu a venda de água em garrafas de plástico em edifícios públicos.
  • A China está a usar drones para inspecionar indústrias poluidoras.
Share:

A Praia dos Tubarões (32)

"Tomemos mais uma vez como exemplo, meramente por uma questão de comodidade, o povoado do Furadouro (Ovar).
Na frente deste povoado o cordão dunar não existe faz muitas décadas, tendo o mesmo sido ocupado pela frente urbana marginal, transformada a sul num parqueamento de terra batida coberta posteriorrnente com a areia arrastada da praia pelos ventos mareiros. Devido à forte erosão manifestada nesta praia ao longo dos anos e como forma de defesa das habitações fronteiriças ao oceano foram sendo construídas estruturas pesadas transversais, as quais acabaram por acentuar os fenómenos erosivos a sotamar das mesmas.
Pese embora este cenário extremamente grave, a ocupação intensiva desta faixa litoral continuou a verificar-se no presente, com novos empreendimentos na parte sul da praia denotando um total desrespeito pelos mais elementares princípios de gestão urbanística do litoral e consequentemente um profundo esquecimento dos cuidados elementares de proteção civil.
Apesar de o leitor poder encontrar razões fortes para a complacência em tais loucuras, será impensável poder continuar-se a assistir a estes ‘licenciamentos em cima da praia’. A existência no local de estruturas de ‘defesa costeira’ não pode criar na população a ideia (falsa) de segurança, nem justificar a permissão de novas construções por parte dos responssáveis, sob pena de a estes últimos caberem por inteiro no futuro (porque há vários anos devidamente alertados) as responsabilidades em caso de danos pessoais ou materiais.
Espera-se, deste modo, das próximas gerações de responsáveis autárquicos uma inversão das visões miopes e eleitoralistas de desenvolvimento do litoral assumidas nos últimos anos.
A Praia dos Tubarões, por Álvaro Reis, 2006, p163
Share:

Bico calado

Portugueses cada vez mais insatisfeitos com a democracia. Este título é miserável e cheia a Estado Novo.
Share:

quarta-feira, 19 de março de 2014

Vouzela vai plantar 11 mil árvores


Rio Zela, Vouzela
Share:

A Praia dos Tubarões (31)

“Na verdade, as dunas com sua flora e fauna características constituem numa grande parte do litoral norte-centro do país uma relíquia do passado. Um biótopo em vias de extinção. Formadas ao longo do tempo por areias eolizadas e fixadas pela vegetação, o desaparecimento destes importantes areais não se evita com o teimoso arremesso de pedra, mas antes, com a necessaria reposição da areia ern falta. A protecção da orla costeira será apenas uma realidade quando os investimentos em intervenções destinadas à conservação da natureza deixarem de representar como que a ‘esmola’ no orgamento dum qualquer Plano de Ordenamento da Orla Costeira.
Ao invés, essa opção pela conservação deverá constituir uma das primazias dos futuros Planos de Ordenamento e Protccgio da Orla Costeira.
Neste sentido será recomendável a revisão rápida dos actuais POOC face às lacunas demonstradas nos mesmos, tanto mais notórias quanto o ritmo de destruição que tem vigorado nosúiltimos tempos na faixa litoral portuguesa.
Assim, a existir uma política de defesa costeira não poderá ser esta dirigida unicamente para as praias balneares, antes deverá ser pensada para toda a faixa litoral.
Concretamente e no que diz respeito a projectos de melhoramento e reconversão propostos para certas estâncias balneares, os quais poderão vir a mostrar-se agressivos para o equilíbrio do cordão dunar e sectores de praia adjacentes, importa que os mesmos venham a ser reformulados no sentido de uma correcta compatibilização entre os interesses turísticos e ambientais.”
A Praia dos Tubarões, por Álvaro Reis, 2006, p161
Share:

Bico calado

José Miguel Judice tenta branquear o seu passado, mas tem azar.
Share:

terça-feira, 18 de março de 2014

Os autarcas de Espinho querem mesmo poupar energia?


A assembleia municipal de Espinho aprovou em 14 de março, sexta-feira, uma recomendação do PS no sentido de o executivo camarário proceder ao levantamento e tomada de medidas de eficiência energética, como forma de redução da fatura energética e sustentabilidade dos edifícios municipais.

Apesar de ter merecido a unanimidade, a recomendação foi alvo de vários ataques provenientes do PSD. Para Vicente Pinho, vice-presidente da câmara, os 40% líquidos de aumentos registados entre 2009 e 2013 na fatura de eletricidade do município, referidos por José Carvalhinho (PS), tinham sido empolados, devendo antes ser vistos sob o prisma do aumento do IVA para 23%. Pinto Moreira, presidente, considerava, de forma bastante veemente e crispada, que a recomendação era "vergonhosa" (sic) porque o PS estava a fingir-se preocupado com a poupança de energia quando, durante 16 anos de maioria socialista, nunca tinha feito nada para alterar a situação e, recentemente, no executivo de maioria social-democrata, os vereadores socialistas tinham votado contra os projetos de eficiência energética entretanto concretizados, como a introdução do gás natural no aquecimento da piscina municipal. 

Entretanto, a tranquilidade do fim de semana fez aclarar algumas memórias, nomeadamente uma relacionada com o que fora exarado na ata da reunião ordinária da Câmara Municipal de Espinho de 28 de junho de 2011. Lá se refere que um projeto de eficiência energética na iluminação pública tinha sido aprovado POR UNANIMIDADE pelo executivo constituído por eleitos do PSD e do PS.

Felizmente, esta recomendação teve muito melhor sorte do que uma semelhante, apresentada pelo BE em 15 de maio de 2006, que mereceu apenas o voto favorável do vogal do BE. Resta agora saber se, apesar da festejada unanimidade, o município vai de facto tomar medidas que façam a fatura da iluminação pública e dos edifícios municipais baixar significativamente, de modo a ajudar a resgatar a dívida que há anos tem para com a EDP. Estou como S. Tomé: ver para crer. É que a iluminação pública de muitas zonas  de Espinho insiste em estar ligada quando ainda o dia é claro, e insiste em manter-se ligada quando a manhã já é clara.
Share:

Escolas de surf limpam praias

Share:

Mão pesada

A Linha SOS Ambiente recebeu 2600 denúncias em 2013, tendo sido elaborados 1741 autos de notícia por contra-ordenação.
Share:

A Praia dos Tubarões (30)

"Outras interrogações se poderão e deverão colocar, num rnomento em que se denotam falhas irnportantes nos objectivos destes instrumentos de gestão.
Que razoes de fundo levam os POOC a não poderem interferir nos dominios portuários, se estes mesmos dominios têm tão grandes e graves implicações na dinâmica das zonas litorais que lhes ficam adjacentes?
E que razões impediram os POOC de surgirem com as competências necessárias para ordenar e corrigir ‘tudo’ aquilo que se encontra desordenado e indevidamente construído sobre a zona costeira? Acaso, a par dos apoios de praia não haverá tantas e tantas toneladas de betão e ferro implantados indevidamente e inclusivamente em ternpos recentes sobre as dunas frontais?"
A Praia dos Tubarões, por Álvaro Reis, 2006, p160
Share:

Bico calado

No Ambiente Ondas3, as 5 postas mais populares da semana que passou foram, segundo a Google Analytics:
As visitas vieram, por ordem decrescente, de Portugal, Estados Unidos, Brasil, Alemanha Rússia, China, França, Coreia do Sul, Canadá e Ucrânia.
Share:

segunda-feira, 17 de março de 2014

A independência dos cientistas conselheiros de Cameron


Ilhéu de Vila Franca do Campo, S. Miguel. Foto de João Paulino, 9mar2014.
Share:

A Praia dos Tubarões (29)

"Ao procurarem valorizar as praias, classificando-as, os POOC estão a promover o desenvolvimento do turismo balnear em cada concelho litoral, ao mesmo tempo que poderão constituir como que o trampolim para campanhas de sensibilização e de educação ambiental das populações. Ao condicionarem as ocupações das praias, nomeadamente no que respeita às artes de pesca e aos apoios de praia, estes Planos procuram aliviar de algum modo a sobrecarga deste meio tão sensível.
Mas, o que irão fazer estes Planos, efetivamente, para promover a defesa e conservação da natureza, tal como afirmam? Ou questionando de outra forma, quais serão as estratégias adoptadas por estes Planos para protegererm os campos dunares, as lagoas costeiras, os biótopos estuarinos, o ecossistema da Ria de Aveiro, etc? É que a leitura dos respectivos diplomas não permite descortinar.
E o que vão fazer estes Planos das habitações de férias construidas na frente litoral ameaçada? E daquelas outras onde as pessoas nelas vivem durante todo o ano? É urgente haver respostas."
A Praia dos Tubarões, por Álvaro Reis, 2006, pp159-160
Share:

Bico calado

  • "Uma das iniciativas mais mesquinhas na guerra de desgaste do governo dos Estados Unidos contra Cuba chama-se Cuban Medical Professional Parole. É o programa do Departamento de Estado que procura a deserção e compra de profissionais médicos que integram as brigadas de solidariedade cubana no mundo." in O Diário.
  • "A “Primavera russa da Crimeia” foi também uma conspiração de homens de negócios. Empresários ligados à Rússia sentiam-se discriminados pela corrupção ucraniana. Agora, um novo grupo de oligarcas, que patrocinou o golpe e o referendo, assume o poder na região. O referendo ainda não se realizou, mas já se fazem os negócios." Paulo Moura in Público.
Share:

domingo, 16 de março de 2014

Demolições na orla costeira avançam já em junho


Ponta da Ajuda, S. Miguel, Açores. Foto: Pedro Silva 4mar2014. 
  • O governo regional dos Açores publicou o último relatório sobre a Monitorização da Qualidade da Água das Lagoas de São Miguel, que inclui a comparação de resultados entre 2009 e 2012. As Lagoas do Fogo e Azul das Sete Cidades, encontram-se num estado de oligotrofia, enquanto que a Lagoa Verde das Sete Cidades é classificada como eutrófica, à exceção do ano de 2009, que também atingiu valores caraterísticos de meios oligotróficos. As Lagoas do Canário e Empadadas Norte e Sul encontram-se num estado de mesotrofia. As Lagoas das Furnas, São Brás e Congro classificam-se como eutróficas, embora esta última no ano de 2012 atingisse valores de mesotrofia. 
  • Vão ser demolidas mais de 800 construções na orla costeira, devendo as primeiras começar em São Bartolomeu do Mar, Esposende, já no próximo mês de junho.
  • A Fundação Luso e a Quercus vão plantar 24 mil árvores durante os próximos três anos, em 24 hectares da Serra do Buçaco, no concelho da Mealhada, onde se situa a zona de recarga do aquífero mineral da Água de Luso.
  • O governo francês proibiu o cultivo de milho transgénico da Monsanto, alegando que o seu cultivo, sem medidas de gestão adequadas, representaria riscos graves para o ambiente, assim como perigo de propagação de organismos danosos. 
  • O rododendro pode vir a ser proibido no Reino Unido. A União Europeia alega que se trata de uma espécie invasiva e que pode prejudicar os ecossistemas.
Share:

A Praia dos Tubarões (28)

Alameda Maia-Brenha, Espinho, em 26 de fevereiro de 2014.

“As ‘zonas de risco moderado’ correspondem aquelas zonas que se situam a cotas variéveis entre os 15 e os 25 metros ou àquelas outras que encontrando-se a cotas inferiores se acham afastadas da linha de costa ou das margens da Ria de Aveiro de uma distância igual ou superior a 3 Km. Tais zonas não revelam uma perigosidade especial quanto à sua ocupacão.
As ‘zonas de risco elevado’ serão todas aquelas que encontrando-se até 3 Km da linha de costa ou das margens da Ria de Aveiro se situarn a cotas variáveis entre os 5 e os 15 metros.  Nestas zonas toda e qualquer ocupação do solo deverá estar rigorosamente condicionada, devendo nelas ser evitadas novas construções fixas para habitação.
As ‘zonas de risco muito elevado’ correspondem a todas aquelas que encontrando-se até 3 Km da linha de costa ou das margens da Ria de Aveiro se situam a cotas inferiores a 5 metros. Estas zonas não deverão ser habitadas, pelo que se recomenda a sua evacuação, bem como, a proibição total de novas edificações fixas.”
A Praia dos Tubarões, por Álvaro Reis, 2006, p155
Share:

Bico calado

  • "Sevinate e Martins foram os bodes expiatórios desta insignificância arrogante e poderosa que nos submete. E a destituição de que foram objecto também reflecte a soberba de um medíocre encolerizado, que nos coube no caminho, que não ouve quem sabe, que enrola as frases em estribilhos desarvorados; um homem inculto, ignorante de História e da simples teoria do conhecimento, que não resiste à mais vulgar sabatina, e que se vinga como um adolescente amuado." Baptista Bastos in O manifesto que desassossega in JNegócios 14mar2014.
  • População do Maranhão amarra político em poste e os direitos humanos infartam.
Share:

sábado, 15 de março de 2014

Obama quer eliminar benefícios fiscais às petrolíferas


Ilha das Flores. Foto: José Borges 7fev2014.
Share:

Reflexão - Cultivar milho para produzir biogás é uma falsa resposta para combater as alterações climáticas e prejudica o mundo natural

Cultivar milho para produzir biogás é uma falsa resposta para combater as alterações climáticas e prejudica o mundo natural, escreve George Monbiot no Guardian de 14 de março

Pontos a reter: 
(1) Cultivar milho intensiva e extensamente para produzir biogás representa excluir terras que produzem alimento. Uma central de biogás com a capacidade de 1 megawatt exige cerca de 25 mil toneladas de milho por ano, produzido em cerca de 500 hectares de terra. 
(2) O cultivo intensivo do milho provoca a erosão dos solos especialmente entre a colheita e a sementeira, o que significa mais cheias, mais perda de solo, mais sedimentos e assoreamento. - Esta campanha de apoio à produção de milho para biogás conta com legislação que omite o milho da lista de cereais obrigados a seguirem determinadas regras para poderem ser subsidiados. 
(3) Há dois anos, na Alemanha, esta política de subsídios ao milho par produção de biogás representou uma uma autêntitica corrida ao ouro e um desastre ecológhico, para além de que o país, pela primeira vez em 25 anos, não conseguiu produzir milho para consumo interno.
Share:

sexta-feira, 14 de março de 2014

Transportes públicos 3 dias por semana


Foto: AFP/TOSHIFUMI KITAMURA
Share:

Mão pesada

A empresa de movimentação e comercialização de inertes 'Madmar' arrisca pagar à Administração dos Portos da Madeira (APRAM) uma dívida no montante de 635.732,00 euros, referente a taxas liquidadas pela APRAM, relativas ao período de Novembro de 1998 a Novembro de 1999 pela extração de inertes no domínio Público Marítimo.
Share:

Bico calado

  • A primeira ministra da província de Alberta, Canadá, pagou os 45 mil dólares da sua viagem à África do Sul por ocasião do funeral de Mandela.
  • A ADSE é dos beneficiários, não do Governo, por Alberto Pinto Nogueira (Procurador-geral adjunto) in Público de 27jan2014: "Sou beneficiário da ADSE há dezenas de anos. Pago, como os outros, as minhas contribuições. Para que se saiba de que lado estou. O que sucedeu com a Caixa Geral de Aposentações (CGA) é indício bastante do que se está a passar com a ADSE. O PÚBLICO de 6/12/2013 anunciava importantes dados de que toda a gente suspeitava e outros tantos afirmavam com conhecimento da matéria. Com fonte no Partido Socialista e sua declaração na Assembleia da República, o jornal dizia que, durante anos e anos, sucessivos governos exauriram os cofres da CGA em milhares de milhões. A mesma fonte acrescentava que "por imperiosas razões de interesse público”, o Estado tinha “optado” por não entregar as contribuições para a CGA que, como entidade patronal, devia ter entregado. Fica-se esclarecido:  durante dezenas de anos, o Estado andou a gastar o dinheiro dos seus funcionários que estava nos cofres da CGA. Em Direito Penal, isso tem uma designação: abuso de confiança. Não entregou as percentagens que devia ter entregado como entidade patronal. Delapidou tudo. Em “imperiosas razões de interesse público"! Os velhos não fazem parte deste. Nunca repôs tão volumosas quantias. Com cinismo, apregoa a insustentabilidade da CGA. Agora responsabiliza os pensionistas. Mingua-lhes as pensões. Sempre pronto a meter a foice nestas com os mais diversos pretextos. As instituições e sociedades são administradas e geridas pelos detentores do capital. Isto é o que “eles” pregam. Na ADSE, os trabalhadores pagam. O Governo gere como demonstrou: desvia o capital. Como se este fosse dele. Tem em mira afectar tais recursos ao financiamento do Orçamento do Estado (OE). Confessadamente, querem a ADSE a servir para o dito défice. Depois, apontam para a levar ao “mercado”, como dizem. Privatizam tudo. Hoje, a ADSE basta-se a si própria. Dispensa as migalhas do OE. Mas também dispensa ser pagadora da dívida pública. Não é função de um serviço de apoio na doença. Para isso, os funcionários e pensionistas pagam impostos. ADSE e CGA estão integradas no Ministério das Finanças. Sob tutela do ministro respectivo. Essa “tutela” tem permitido ao Ministério das Finanças usar abusivamente o capital que não é do Estado. Como fez ultimamente com os Fundos de Reserva da Segurança Social. Vários mil milhões de euros aplicados em compra de dívida. Os funcionários públicos e pensionistas dispensam tutelas. Não são inimputáveis. Nem lavraram procuração a favor do Governo. Nem padecem de “capitis deminutio”. Não correrão o risco de ver o capital que descontam há dezenas de anos delapidado nas dívidas que a política irresponsável contrai. Nem de ver a ADSE no jogo especulativo da bolsa e ser adquirida pelos “investidores institucionais”. Ou negociada entre hospitais privados, seguradoras ou outros grupos privados de saúde que já em muito vivem à sua custa. Não existe qualquer razão para que o Estado administre o capital que é dos beneficiários da ADSE. Muito menos agora que a inscrição e manutenção nesta é de carácter facultativo. A César o que é de César. A Deus o que é de Deus."
Share:

quarta-feira, 12 de março de 2014

Alunos preservam duna


Paramos, 26fev2014 - cordão dunar muito erodido após série de tempestades. Será interessante notar a importância da vegetação na contenção da duna. Notar, com mágoa, a existência de resíduos de plástico há muito enterrados...
Share:

Bico calado

Share:

terça-feira, 11 de março de 2014

Nunca o lixo plástico foi tão louvado

Foto: José Borges, 4mar2014.

Lindo, espetacular, fantástico, belo, foram alguns dos adjetivos usados com forte espírito militante por alguns membros de um grupo açoriano sediado no Facebook. Foram esgrimidos argumentos como o da tradição que fomenta o turismo e dá trabalho, e o da eficácia da equipa camarária que, após o show, deixou tudo limpinho pouco tempo depois. O que se vê na foto é um troço da avenida marginal de Ponta Delgada juncado de sacos de plástico. No dia de carnaval, mais uma vez uma batalha campal opôs grupos que, empoleirados em tratores e arreados a rigor com fatos impermeáveis e capacetes, bombardearam os adversários com, entre outras coisas, sacos de plástico e balões cheios de água. Nunca o lixo plástico foi tão louvado, credo.
Share:

Floresta nacional afinal já tem estratégia e planeamento


                         Cascatas do Salto da Farinha, na Salga, S. Miguel. Foto: Pedro Silva 8mar2014.
  • O secretário Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Gomes da Silva, defendeu que a floresta nacional tem uma estratégia e segue um planeamento, não estando lançada ao abandono como por vezes se quer fazer crer. Esta ideia não é partilhada pelo presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, Jaime Soares. O ano passado foi implacável:  “Temos uma floresta maltratada, abandonada e sem planeamento”, afirmou a propósito de vários acidentes graves em que bombeiros faleceram ou ficaram feridos.
  • O glifosato, princípio ativo do herbicida Roundup, da Monsanto, é responsável por uma grave doença renal que está a afetar os agricultores do Sri Lanka, conclui um estudo publicado há cerca de um mês. A doença, conhecida como CKDu (Doença Renal Crónica de etiologia desconhecida), atingiu 400 mil agricultores, 15% da população da província centro-norte do Sri Lanka, causando cerca de 20 mil mortes . Tudo isto aconteceu durante um período em que as vendas do Roundup registaram um aumento de 150%.
  • A Califórnia enfrente uma dos seus piores períodos de seca prolongada, e, por causa disso, grandes atritos lavram entre os agricultores do vale de San Joaquin e os do delta de Sacramento-San Joaquin. Os do vale exigem mais água para as suas culturas e sugerem que, para tal, o delta seja dragado. Os do delta alegam que não é aonselhável dragar as águas do delta porque o salmão que lá vive dá sustento a muito negócio e, com o eperlano, funciona como antigamente funcionava o canário nas minas: se houvesse problema morria o canário. Por isso, se aquelas espécies desaparecerem com as dragagens, não há garantia para aqualidade da água.
Share:

Reflexão – joaninhas e pulgões


Sabia que a formiga era amiga do pulgão mas que, perante a escassez de alimento, acabava por o devorar?
Share:

A Praia dos Tubarões (27)

Paramos 26fev2014 - a empresa Irmãos Cavaco aplica enrocamento de proteção à ETAR de Espinho. Em primeiro plano, podem ser vistos os rombos feitos pelo mar, durante as tempestades, no esporão.

"A comprovar estas palavras estão diversas situações surgidas ao longo do litoral norte-centro, como por exemplo, a do empreendimento residencial construido muito recentemente sobre o cordão dunar na parte sul da praia do Furadouro, num local previsivelmente defendido pelos dois esporões aí existentes.
Sendo o Furadouro, à semelhança de outros povoados litorais, anualmente e desde há várias décadas fortemente fustigado pelo mar, será no mínimo chocante como os responsáveis autárquicos apesar de confrontados com os problemas existentes, ainda permitiram esta nova construção. Este é, aliás, um exemplo claro do licenciamento de empreendimentos imobiliários em local impróprio, relativamente ao qual estariam vedados à priori quaisquer licenciamentos de construção para habitação face às recomendações (esquecidas!) e disposições legais, no sentido da não construção na frente marítima."
A Praia dos Tubarões, por Álvaro Reis, 2006, p142
Share:

Bico calado

  • Tribunal diz que chamar “palhaços” a autarcas não é crime, ouviu-se na RR. Pois claro, só é crime quando se chama palhaço ao Cavaco, ouviu-se na TSF.
  • “Alguém tem de pôr mão nesta desgraça que nos assola e tende a destroçar o País. Não é o dr. Cavaco que nos salva. Ele já provou, à puridade, ser cúmplice da ideologia do empobrecimento, expressão outra do capitalismo mais selvagem e predador que se encobre na capa do neoliberalismo. Quase na mesma ocasião em que o dr. Cavaco elogiava, no estrangeiro, as admiráveis qualidades do "milagre" português, cuja mentirosa vacuidade corresponde ao espírito da época - quase na mesma ocasião, três dezenas de enfermeiros abandonavam a pátria, que os não desejava, para procurar a felicidade do trabalho no Reino Unido. Iam juntar-se aos mais de duzentos, que já lá estão, e em outros países, na urgência e na necessidade de aplicar as suas qualificações, indesejadas em Portugal, por um Governo que começa a ter a designação de "celerado". Não devemos temer o uso das palavras, quando estas são prostituídas pelo embuste e pela pouca-vergonha. Celerado - é essa mesma a classificação adequada à prática do Executivo de Passos Coelho e os seus.” Baptista Bastos in Os miúdos já pedem pelos pais, JNegócios 7mar2014.
  • O presidente do Bayern de Munique, Uli Hoeness, pode ser condenado a 10 anos de prisão por evasão fiscal calculada em mais de 3 milhões de euros.
Share:

segunda-feira, 10 de março de 2014

Menos inspetores, menor orçamento = menos inspeções


Lombadas, S. Miguel. Foto: Pedro Silva 26fev2014.
  • A Inspeção Regional do Ambiente dos Açores fez menos 30% de inspeções em 2013 do que no ano anterior devido à redução do número de inspetores e do orçamento respetivo.
  • A mudança da hora foi introduzida para poupar energia. Matthew Kotchen investigou a evolução dos consumos de energia no estado de Indiana após a introdução do sistema de mudança da hora em 2006 e concluiu que o consumo de eletricidade por parte das famílias aumentou 1%, chegando a verificar-se aumentos de 4% no fim do verão e início do outono. Kotchen afirma que enquanto a mudança da hora, por um lado,reduz a procura de eletricidade para a iluminação doméstica, por outro aumenta a procura de eletricidade  para o ar condicionado. É por esta razão que o Arizona, um dos estados onde se registam temperaturas mais altas, não aderiu ao esquema da mudança de hora. Via NYTimes.
  • New Jersey registou o inverno com mais neve de que há memória, o que obrigou o departamento dos Transportes a aplicar cerca de 500 mil toneladas de sal nas ruas e estradas do estado. As consequências começam a evidenciar-se: o sal e o gelo estão a deslizar para as linhas de água, para os rios e lagos, ameaçando os peixes e a qualidade de água que abastece as cidades. Não é por acaso que algumas companhias de água alertaram os seus consumidores para a eventualidade da água correr nas torneiras com níveis elevados de sódio ou de cloreto.
  • Mais de um terço dos autocarros escolares do estado do Utah são velhos e poluentes, admitem as autoridades de educação.
  • Os 10 estados dos EUA com mais energia solar instalada – infografia.
  • A energia eólica nos EUA em 2013 – mapa.
Share:

Reflexão-ação – champô com óleo de palma de área desmatada?

A Procter & Gamble compra óleo de palma de área desmatada para produzir os seus produtos, como o Head & Shoulders. 
Assine a petição e exija que seu shampô não destrua as florestas.
Share:

A Praia dos Tubarões (26)


"Torna-se, pois, previsível que a manutenção de todas as obras transversais de engenharia costeira existentes na zona norte do país, bem como, de outras que eventualmente venham a ser construídas, ao interromperem o trânsito sedimentar e ao obrigarem os sedimentos a desviarem-se para o largo continuem a agravar no futuro o défice no abastecimento sedimentar do litoral. Por outro lado, se houve um tempo em que os efeitos dos diferentes factores de erosão costeira poderiam ainda não estar suficientemente bem equacionados e em que as obras de engenharia poderiam, então, encontrar alguma justificação como ‘obras correctivas’ dos erros cometidos na ocupação urbanistica do litoral, o mesmo
não se passará hoje. De facto, as obras de ‘defesa’ mostram-se totalmente reprováveis, nomeadamente porque também têm sido obras indutoras de novas e muito recentes ocupações urbanisticas em zonas de risco."
A Praia dos Tubarões, por Álvaro Reis, 2006, pp 141-142
Share:

Bico calado

No Ambiente Ondas3, as 5 postas mais populares da semana que passou foram, segundo a Google Analytics:

As visitas vieram, por ordem decrescente, de Portugal, Estados Unidos, Brasil, Alemanha Ucrânia, França, China, Indonésia e Suécia.
Share:

domingo, 9 de março de 2014

Drones vão combater poluição atmosférica

Fenais da Ajuda. Foto: Pedro Silva 4mar2014.
Share:

Reflexão - porque escasseiam as lapas?

Sta Catarina, Terceira, Açores. Foto: Luís Matos 28fev2014.

Lapa em risco sério de extinção devido a apanha exagerada, diz a manchete do Diário dos Açores de 9 de março. A apanha é exagerada por causa da procura e do consumo que também são exagerados. A apanha comercial de lapas tem as suas regras, mas, apesar de este momento ser de defeso da lapa, o facebook está inundado de fotografias de pratos cheios de lapas. A fiscalização parece estar a falhar ao longo da costa de S. Miguel. Há quem diga que há carregamentos clandestinos de lapas para o Canadá. Metidas em caixas rotuladas de peixe, as lapas acabam sendo vendidas no mercado negro nas comunidades canadianas.
Share:

A Praia dos Tubarões (25)


“A permissao das autarquias no licenciamento das citadas ‘cabanas de cimento’ assentes na frente dunar tem sido acompanhada pela complacência no aumento exagerado da volurnetria das construções tendo-se originado, deste modo, densos e desordenados povoados litorais. Esta sobrecarga do meio litoral aumentará ainda e inevitavelmente pela necessidade futura da implantação de diversas infra-estruturas de apoio.
Deste modo, aumentarão as siluações de risco, com a falsa necessidade de muitas mais ‘defesas’ pesadas, as quais, contudo, muito rapidamente se transformam em “obras de destruição’ para todo o litoral a sotamar das mesmas, (...) pois em vez de defenderem irão continuar a agredir e a destruir promovendo a artificialização e a erosão irreversíveis do litoral. Cada vez mais se perderá o equilíbrio estético das praias e enfraquecidas ficarão as suas defesas naturais.”
A Praia dos Tubarões, por Álvaro Reis, 2006, p141
Share:

Bico calado

Um jardim à beira-mar escavacado, por Gonçalo Gomes in Sul Informação.
Share:

sábado, 8 de março de 2014

Mar visita bares de Espinho

Foto: Fátima Quelhas 3mar2014

Estes bares de praia não são ilegais, muito menos clandestinos. Pagaram licenças, pagam taxas, foram pensados por arquitetos e engenheiros e executados há meia dúzia de anos por uma empresa com nome firmado em edifícios préfabricados. Todos sabiam que estes bares iam ser implantados em zona de praia-mar. Que dizem as seguradoras?
Share:

Fenprof intima ministério por causa do amianto

Share:

Translate

Pesquisar no Ambiente Ondas3

Património

O passado do Ambiente Ondas3

Ver aqui.

Amig@s do Ambiente Ondas3

Etiquetas

Arquivo do blogue