sexta-feira, 7 de outubro de 2022

Dinamarca: abate massivo de martas provoca eleições antecipadas

  • A primeira-ministra dinamarquesa convocou eleições antecipadas na sequência de ameaças de uma moção de desconfiança do partido Social Liberal por causa de um escândalo envolvendo o abate de vários milhões de martas para alegadamente estancar uma vaga de Covid-19. Charles Szumski, EurActiv.
  • Ocorreu uma fuga durante operações de descarga na central nuclear de Brunsbuettel, no norte da Alemanha. A central nuclear de Brunsbuettel foi definitivamente encerrada em 2007. A licença de desactivação foi emitida no final de 2018 e o desmantelamento da central foi iniciado. Rachel More e Miranda Murray, Reuters.
  • Consulta pública até 26 de outubro: instalação de uma linha elétrica, a 400 kV, em Sines, que fará a ligação da Subestação do Parque Eólico à Rede Nacional de Transporte. O projeto está associado ao projeto do Parque Eólico de Morgavel, que se desenvolve em torno da albufeira da barragem com este nome, no concelho de Sines.
  • A Greenpeace criticou a construção de uma estância de esqui na Arábia Saudita após o país ter ganho a sua candidatura para acolher os Jogos Asiáticos de Inverno de 2029. A estância de Trojena ficará situada nas montanhas Sarawat, a apenas 50 quilómetros para o interior, a partir do Mar Vermelho. A área é cerca de 10 graus mais fresca do que o resto da região, mas a neve terá de ser artificial. A estância estará aberta aos esquiadores durante todo o ano. A Greenpeace criticou o impacto ambiental do projeto. Ahmed El Droubi aponta para o lago como um exemplo. "Terá de ser constantemente alimentado com água e, por conseguinte, continuará a utilizar grandes quantidades de energia a longo prazo. Mesmo que seja alimentado através de energias renováveis, é um desperdício de energia", disse ele. "Só porque algo é alimentado por energias renováveis, não o torna sustentável ou amigo do ambiente”, acrescentou. Charlotte Elton, Euronews.
  • Níveis elevados de chumbo foram detetados nas estruturas de acolhimento de crianças na Carolina do Norte. O envelhecimento dos edifícios e das canalizações são as causas. O estudo da RTI e da Divisão de Saúde Pública do Departamento de Saúde e Serviços Humanos do estado incluiu mais de 4.000 estruturas de acolhimento de crianças de todo o estado. É o maior conjunto de dados revisto por pares do seu género nos EUA. Will Atwater, NC Health News.
  • As exportações de sistemas de energia solar da China para a UE aumentaram 138% nos primeiros oito meses de 2022, em comparação com o mesmo período em 2021. SCMP.

Bico calado

  • «(…) Que temos fuga ao fisco do selecionador num esquema no qual a federação entrou, é outro caso e não é para aqui chamado. A fuga ao fisco é um jogo talqual o ‘fetebol’ dos fora de jogo, das mãos na área, das caneladas, das cuspidelas e dos gestos feios para as bancadas. Não pagar os impostos devidos quando se dá tudo e sempre o seu melhor num relvado de ‘fetebol’ é uma honra e tarde ou cedo o relapso merece uma medalha e um diploma de comendador; nem se discute, é assim mesmo ou não ‘sêramos’ campeões da europa daquela vez ! Mas para ser em grande, nos tempos que correm, um qualquer campeonato tem de ser feito também em nome dos nazis, com a sua contribuição, as suas bandeiras e a nossa caridade de 2 euritos no supermercado e das roupas e brinquedos sem uso e a atafulharem as gavetas da cave. Então está bem, porque há que dar à tradição o seu melhor: um país que teve salazar e outro que sofreu um f franco vão emparceirar com a terra dos nazis assumidos e tatuados de suásticas, retratos do bandera, SS’s e a fronha de hitler !!! Fica bem, mostramos que somos obedientes e ‘apoiadores’ (desculpem, ainda não me desligo dos poios ). Lá de os tipos serem de índole agressiva, assassinos e cheios de ódio, no ‘fetebol’ é cousa de somenos, está lá o árbitro e o var para que tudo corra nos eixos. E se fôr o caso de chamar a malta da nato para comandar o apito e as descargas de morteiro, o cravinho trata de tudo num ápice. (…) O pontapé de saída será dado por borrell, um falangista de gema e a entrega da taça será de autoria de dona vonder lidl, a ponta de lança dos penteados tufados, aquela cabecinha que só pensa e não acerta, neta sofrida e enlutada de um nazi hitleriano. (…)» Fonte.
  • Paris anunciou que não vai criar áreas de visualização pública e zonas de fãs durante o próximo Campeonato do Mundo da FIFA no Qatar. Com isso, a capital francesa junta-se a uma série de outras cidades do país (Estrasburgo, Marselha, Lille, Rodez, Bordeaux, Nancy e Reims) que decidiram boicotar o lado social e comunitário do torneio, como forma protesto contra as violações do ambiente e dos direitos humanos durante a organização do evento. Desde que o Qatar ganhou a candidatura para receber o Campeonato do Mundo em 2010, mais de 6.500 trabalhadores migrantes morreram no país. A maioria dos trabalhadores, segundo o relatório, estava envolvida em trabalho de baixo salário e perigoso, muitas vezes feito em condições de extremo calor. Refira-se que a equipa de futebol local Paris Saint-Germain é propriedade de uma empresa do Qatar estreitamente ligada ao Estado do Qatar e tem um presidente do Qatar - Nasser Al Khelaifi. TZVETOZAR VINCENT IOLOV, The Mayor.

Masih Alinejad com Mark Pompeo, fev. 2019. Com Madeleine Albreit.

  • Conheça Masih Alinejad, a arma de eleição de Washington para a maior tentativa de revolução colorida no Irão. "Estou a liderar este movimento", disse Alinejad, 46 anos. O regime iraniano será derrubado pelas mulheres. Eu acredito nisto". Alinejad tem vivido nos EUA durante a última década a trabalhar a tmpo inteiro para a Voice of America, Persia – o porta-voz de propaganda de Washington totalmente financiado pelo Congresso dos EUA, feito para capitalizar narrativas prejudiciais em favor da corporatocracia de Washington. Alinejad tem posado com os políticos pró-guerra mais eficazes do mundo que tudo têm feito para acabar com a Ásia Ocidental, tais como Mike "Mentimos, enganámos, roubámos" Pompeo, e Madeleine "O preço vale a pena para matar crianças iraquianas” Albright. Entre 2015 e 2022, a US Agency for Global Media pagou à Alinejad mais de 628.000 dólares para assediar mulheres veladas, fazer propaganda, e exigir mais sanções contra o seu próprio país. Alinejad tem feito tudo o que está ao seu alcance para isolar o seu país, tentando torná-lo um Estado pária banido de todos os privilégios diplomáticos, económicos e políticos na arena global. Fonte.
  • As forças de ocupação israelitas abriram fogo contra pescadores palestinianos ao largo da costa da Faixa de Gaza. Os pescadores estavam a apenas três milhas da costa e foram obrigados a regressar ao pequeno porto de pesca de Gaza. As organizações de direitos humanos em Gaza têm documentado centenas de violações israelitas contra pescadores palestinianos desde outubro de 2000. Os seus barcos têm sido danificados, destruídos ou confiscados, e muitos pescadores foram mortos e feridos pela marinha de ocupação israelita. Apesar dos acordos israelo-palestinianos que permitem aos pescadores trabalharem até 12 milhas náuticas ao largo da costa de Gaza, a marinha de ocupação ataca os pescadores quase todos os dias e não lhes permite navegar para além de três milhas náuticas. Os pescadores insistem, compreensivelmente, que isto não é suficiente para capturar um volume de peixe comercialmente viável. MEM.

  • «O armamento britânico de Israel continuou mesmo quando cidadãos britânicos desarmados eram abatidos a tiro nos territórios ocupados, três dos quais entre dezembro de 2002 e maio de 2003. O Ministério dos Negócios Estrangeiros terá adotado uma abordagem extremamente branda e suave para questionar os israelitas por estas mortes. No início de 2004 o governo britânico garantiu ao Ministro da Defesa israelita, Shaul Mofaz, na sua visita a Londres, que seria imune à prisão por crimes contra a humanidade. Mofaz era o chefe do pessoal do exército durante a brutal reocupação militar de Israel na Cisjordânia em 2002, sendo assim responsável por assassinatos seletivos e outras violações do direito internacional. Os advogados de direitos humanos acusaram o governo de uma "interpretação jurídica criativa" para proteger Mofaz de uma investigação da Scotland Yard; a base do seu argumento foi que, sendo ele um ministro do governo em exercício, estava imune à investigação".» Mark Curtis, Unpeople, Britains’s secret human rights abuses – Vintage 2004, 152-153.

quinta-feira, 6 de outubro de 2022

Biomassa: facilitada a instalação e exploração de novas centrais

  • O Governo aprovou o decreto-lei que introduz alterações ao regime especial e extraordinário para instalação e exploração de novas centrais de valorização de biomassa, de forma a agilizar a criação destas unidades industriais de produção de energia. Produtores Florestais. Mais agilização, mais facilitismos, mais deixa-andar. Pobre floresta.
  • Ativistas da Greenpeace interromperam a primeira-ministra britânica  quando falava na conferência anual do seu partido em Birmingham. "Quem votou nisto? Ninguém votou pela fraturação hidráulica, ninguém votou pela redução de benefícios, ninguém votou na destruição da da natureza, ninguém votou pelo desmantelamento dos direitos dos trabalhadores” foram algumas das palavras de ordem exibidas e gritadas. JULIA CONLEY, Common Dreams.
  • Pagar 2 euros para fazer a lavagem verde de um voo para Nova Iorque com esquema de aviação da ONU? A ICAO, o organismo da ONU encarregado de reduzir as emissões globais das aeronaves, utiliza um sistema de aquisição de compensações de emissões que se tem revelado até agora totalmente ineficaz para reduzir o impacto climático da aviação.  Jo Dardenne, director de aviação da T&E, afirma: "A compensação é uma fraude climática, perpetuada sobre passageiros insuspeitos por uma indústria que resiste a uma verdadeira ação climática. Pagar 2 euros para voar "sem culpa" para Nova Iorque é um absurdo climático.” Com um setor que há décadas beneficia de isenções fiscais e subsídios, o princípio do poluidor-pagador deve ser utilizado para incentivar as companhias aéreas a reduzir a sua pegada de carbono, diz a T&E. Quanto mais caro se torna poluir, mais rapidamente se pode fazer a mudança para alternativas sustentáveis. A UE implementou esse mecanismo com o mercado do carbono para a aviação, segundo o qual as companhias aéreas têm de pagar pelas suas emissões. Após anos de poluição gratuita, a legislação deve assegurar que as companhias aéreas paguem pela sua poluição, diz a T&E. Estas receitas podem então ser reinvestidas em soluções sustentáveis e combustíveis mais limpos, como o e-querosene e o hidrogénio verde. T&E.
  • Glossário da lavagem verde do agronegócio. Grain.

Reflexão: ‘O Mar Mediterrâneo está tão quente que está a formar cristais de carbonato’

O Mar Mediterrâneo está tão quente que a água se estratifica em camadas, como um bolo, permitindo a formação de cristais de carbono. A forte luz solar aquece a camada superior da água que se senta em camadas mais frescas, mais profundas por baixo. No mar alto, onde as temperaturas da água são mais baixas, o CO2 dissolve-se na água salgada - o que permite aos mares da Terra absorver coletivamente um quarto das emissões de carbono que os seres humanos bombeiam para a atmosfera. Mas como o Mar Mediterrâneo oriental aquece no Verão, já não pode absorver esse gás e, em vez disso, começa a libertá-lo.

Acontece o mesmo a uma garrafa de refrigerante que é carbonatada com dióxido de carbono. "Normalmente, mantemo-la fria para manter os gases dissolvidos", diz Or Bialik, um geocientista da Universidade de Münster, Alemanha. "Se a deixarmos no carro durante algum tempo e tentarmos abri-la, os gases vão sair de uma só vez, porque quando aquece, a capacidade do fluido para reter o CO2 desce". Bum, efervescência, uma porcaria nas suas mãos.

No Mediterrâneo Oriental, esta dinâmica é bastante mais consequente para o clima do que o interior de um carro pegajoso, uma vez que o mar começa a arrotar grandes quantidades de CO2 que a água já não consegue aguentar. E Bialik e os seus colegas descobriram que estas águas quentes e estratificantes estão repletas de um segundo problema de carbono: a equipa detetou recentemente cristais de aragonite em armadilhas sedimentares. A aragonite é uma forma de carbonato de cálcio, que criaturas oceânicas como os caracóis utilizam para construir as suas conchas. Exceto no cada vez mais quente Mediterrâneo Oriental, a aragonite está a formar-se aioticamente. Este é outro sinal de que a água está a ficar tão quente que está a libertar a sua carga de carbono.

À medida que estes cristais se formam, libertam CO2. Tanto assim, calcula Bialik, que representam talvez 15% do gás que o Mar Mediterrâneo emite para a atmosfera.

À medida que o mar aquece e perde o seu CO2, tanto da água que o arrota para cima como dos cristais que proliferam, a sua acidez diminui de facto. Este é o processo oposto àquele que está a causar a acidificação generalizada do oceano: à medida que os seres humanos lançam mais CO2 na atmosfera, os oceanos absorvem mais, e a reação química que se segue aumenta a acidez. A acidificação torna mais difícil para organismos como corais e caracóis a formação de conchas ou exoesqueletos a partir do carbonato de cálcio. Mas à medida que o Mediterrâneo aquece e liberta o seu carbono absorvido de volta para a atmosfera, torna-se mais básico, invertendo essa acidificação.

Isso não deveria ser óptimo para os calcificadores? Não necessariamente. "Muitos deles têm intervalos de temperatura específicos nos quais podem construir as suas conchas - não demasiado quentes, não demasiado frias", diz Bialik. Portanto, mesmo que o mar esteja a ficar menos ácido à medida que aquece, o calor estressa estes organismos de uma forma diferente.

MATT SIMON, Wired.

Bico calado

  • O antigo senador norte-americano Richard Black diz que o Nord Stream foi rebentado pela CIA com o consentimento de Scholz: "O Chanceler alemão Scholz parece mostrar muito pouca lealdade ou afeto pelo povo alemão e não está preocupado com a ameaça à estabilidade financeira que enfrenta. Sob a sua liderança, eles cortaram o fornecimento de gás natural, e para ser honesto, não consigo imaginar que ele tenha permitido à CIA ou tenha concordado com a CIA em destruir os gasodutos alemães. E ao mesmo tempo, penso que os EUA não o teriam feito sem o seu consentimento. Portanto, e isto é apenas uma suposição da minha parte, a CIA não admitiu destruir os gasodutos, mas parece que a opinião geral dos peritos em política externa é que isso foi feito pela CIA, ou pela CIA juntamente com o Departamento de Estado e o Departamento de Defesa dos EUA".
  • Para acabar com o caos das trotinetes em Lisboa, Carlos Moedas descartou o apoio dos 236 juristas ao serviço da autarquia e contratou um escritório de advogados, o Gama Gloria, que tem como cliente uma das principais empresas do setor como a Link e a Uber. Tal&Qual 5out2022.
  • Fornecedor da Nestlé usou carne de gado criado ilegalmente em terra indígena. O Joio e o trigo.

  • «As exportações britânicas de armas duplicaram de 2000 para 2001, atingindo 22,5 milhões de libras, no ano que marcou uma forte escalada da agressão israelita nos territórios ocupados. Os fornecimentos incluíam armas ligeiras, kits de fabrico de granadas e componentes para uma gama de equipamentos como veículos blindados de combate, tanques e aviões de combate. Em 2002, a imprensa observava que a Grã-Bretanha estava aparentemente a bloquear a exportação de alguns artigos militares para Israel e a considerá-los numa base casuística. Foi depois disto, porém, que o governo aprovou a exportação de peças sobresselentes britânicas para serem utilizadas em aviões F-16 norte-americanos que estavam a ser utilizados contra os palestinianos. Ao longo de 2001/2002, 14 oficiais militares israelitas foram treinados na Grã-BretanhaMark Curtis, Unpeople, Britains’s secret human rights abuses – Vintage 2004, pp 151-152.

quarta-feira, 5 de outubro de 2022

Trotinetas: 43% do impacto ambiental só na recolha e recarga

  • Cresce o protesto contra a construção de um parque de estacionamento subterrâneo para 314 automóveis no centro de Sète, França. Para os opositores, construir mais um parque de estacionamento quando os três já no centro raramente estão cheios significa trazer mais carros para a cidade. O projeto é, portanto, segundo eles, inútil e, sobretudo, perigoso. No centro das suas preocupações está a água. O subsolo é de facto o lar de um grande lençol freático, alimentado pelas chuvas do Monte Saint-Clair e do maciço vizinho Gardiole. Poderá o estaleiro de construção afectar este precioso recurso? Impossível dizer, uma vez que as autoridades solicitaram - e obtiveram - uma isenção do estudo de impacto. O primeiro estudo hidrológico realizado indicou que seria necessário bombear cerca de 160 m3 por hora durante o período de construção, por outras palavras, um caudal enorme que teria exigido uma perfuração adicional e uma licença ambiental. Infelizmente, este estudo, publicado em abril de 2021, desapareceu rapidamente dos sites oficiais. Foi substituído por uma segunda versão, mencionando uma bombagem média de 30 m3/h durante doze semanas.  Lorène Lavocat, Reporterre.
  • Três ativistas da Extinction Rebellion foram multados em 4,200 euros por sabotarem 22 trotinetas em Lyon. Em 2019, as trotinetas em Paris emitiam cerca de 109 gramas de CO2 por quilómetro. Isto é metade da quantidade de um carro, mas o dobro das bicicletas elétricas de aluguer e dez vezes mais do que o comboio ou metro. Metade das suas emissões provém do seu fabrico. A extração dos minerais necessários para fabricar as suas baterias de lítio tem um custo elevado nos territórios que possuem os depósitos. O que também quebra o orçamento de carbono destas trotinetas são as carrinhas que se deslocam para as recolher e recarregar. De facto, a recolha, recarga e redistribuição das trotinetas representam 43% do seu impacto ambiental. E estas trotinetas apenas contribuem marginalmente para a mudança modal para a chamada mobilidade "suave". Por outras palavras, substituem as deslocações a pé, de bicicleta e os transportes públicos, em vez de encorajarem as pessoas a prescindir dos seus carros. Moran Kerinec, Reporterre.
  • 11 das 17 companhias de água terão de devolver aos seus clientes 150 milhões de libras no próximo ano, depois de falharem os objetivos de poluição de esgotos e inundação das casas das pessoas. Emma Gatten, The Telegraph.
  • A dessalinização da água do mar pode não ser tão sustentável como parece. As infraestruturas de dessalinização podem danificar os ecossistemas aquáticos com águas residuais e consumir grandes quantidades de energia. GREGORY PIERCE, Undark.

Reflexão – Porque é que a cimeira do Clima precisa do patrocínio da maior poluidora mundial de plástico?

A Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas anunciou que a Coca-Cola será a patrocinadora corporativa da cimeira do clima, COP27, que se realizada no Egito no próximo mês.

Porque é que um evento da ONU precisa de um patrocínio corporativo? Que esperar quando a COP27 escolhe  a maior poluidora mundial de plástico como patrocinadora?

Que disparate. Isto não passa de puro greenwashing, de lavagem verde: a Coca-Cola precisa de limpar maciçamente a sua imagem. Mas em vez de investir na redução efetiva do uso e consume de plástico, faz marketing e relações públicas.

O plástico está a sufocar o nosso planeta e, ano após ano, uma empresa lidera o pacote de poluidores - Coca-Cola. A Coca-Cola gasta milhões de dólares a fazer lavagem verde à sua marca, tendo fazer-nos acreditar que estão a resolver o problema. Mas, nos bastidores, eles têm uma longa história de lóbi para adiar e descarrilar regulamentos que impediriam a poluição, mantendo-nos viciados em plástico descartável.

Isto tem de acabar. As cimeiras climáticas são em princípio reuniões de líderes nacionais, empenhados em negociações urgentes para prevenir as alterações climáticas, e não uma festa multi-milionária para os poluidores corporativos e os seus lobistas.

Por isso, há uma petição pedindo a ejeção da Coca-Cola comopatrocinadora da COP27. Não queremos que os poluidores se imiscuam nas políticas climáticas.

Bico calado

  • O programa da Alemanha para proteger os agregados familiares e as empresas da atual crise energética com um investimento de 200 mil milhões de euros foi muito criticado pela Comissão Europeia e pelos Estados membros por ser uma abordagem isolada. Para Viktor Orbán, primeiro-ministro húngaro, trata-se de uma atitude canibalística que pode colocar em risco a unidade europeia, uma vez que mostra que os países ricos podem dar-se ao luxo de resgatar as suas empresas enquanto os pobres não o podem fazer. Davide BassoFederica Pascale e Oliver Noyan, EurActiv.
  • "Não importa o que lhe digam na NBC News. Zelensky não é um líder independente de um Estado democrático. Não, nem de perto. Isso é ficção. Zelensky é um cliente da administração Biden, que dirige o seu país.” Tucker Carlson, FOX News/Twitter.
  • Já sabíamos que Mussolini fora subsidiado pelos serviços secretos britânicos em 1917. Agora um novo livro fornece provas de que o Reino Unido apoiou ativamente a sua marcha de 1922 sobre Roma e a tomada do poder. Tom Kington. É de Giovanni Fasanella e chama-se Nero di Londra. "O Projecto" é o nome que os serviços militares britânicos dão ao seu plano ultra-secreto para o controlo total da Itália, com início no outono de 1917. O arquiteto do projecto é o Tenente Coronel Sir Samuel Hoare, chefe da Direção dos Serviços Secretos Militares em Itália. A sua missão é impedir a Itália de sair da guerra contra os impérios da altura e, ao mesmo tempo, lançar as bases para um sistema oculto baseado em grupos de poder transversais leais à Coroa de Windsor, garantindo assim interesses vitais do Império Britânico no Mediterrâneo e no Próximo Oriente. Com o consentimento de Londres, Sir Hoare cria o arquétipo da "estratégia de tensão" como modelo terrorista. Financiado pelos Serviços Secretos desde o início de 1918 com o nome de código "O Conde", o futuro líder conquistou o poder em outubro de 1922 e estabeleceu um regime autoritário de massas que iria influenciar a cena internacional durante o século XX. Fonte. Vagamente relacionado: Peter Day, em Franco’s Friends, comprova o envolvimento da secreta britânica e de Churchill na manutenção de Franco no poder.

  • Liz Truss é a testa de ferro dos oligarcas neoliberais que há 40 anos mandam no Reino Unido, tendo Margaret Thatcher e Tony Blair como acólitos que a antecederam. George Monbiot, DDN.

Blair entre o diretor-geral da BP e o governador da Califórnia
  • «O apoio britânico ao terrorismo estatal na Colômbia não é totalmente alheio ao investimento maciço da BP no país. O projeto de 2 mil milhões de libras da BP nos campos petrolíferos de Caanare é o maior investimento comercial da Grã-Bretanha em toda a América Latina e controla metade da produção petrolífera da Colômbia. A Baronesa Symons afirmou em outubro de 1997 que "a economia da Colômbia tem sido uma das mais estáveis da região" e "é esse desempenho que tem atraído um investimento britânico substancial para o país, ao ponto de a Grã-Bretanha ser agora o maior investidor, mesmo à frente dos Estados Unidos". Em 2003, os investimentos britânicos na Colômbia ascenderam a cerca de 10 biliões de dólares. O chefe executivo da BP, Lord Browne, é considerado muito próximo de Blair, enquanto alguns dos adjuntos do primeiro-ministro têm estreitas ligações e amizades com altos executivos da BP. A BP também faz parte de um grupo de empresas da parceria empresarial EUA-Colômbia que tem feito lóbi junto da administração dos EUA para promover políticas favoráveis dos EUA em relação à Colômbia. A BP terá estado envolvida em lóbi junto da administração Clinton para promover uma solução militar chamada Plano Colômbia. As operações petrolíferas e as violações dos direitos humanos são duas faces da mesma moeda. A BP recebe a proteção dos militares colombianos e recrutou ex-soldados das SAS para proteger os seus campos de petróleo e infra-estruturas. Antigos soldados das SAS terão treinado secretamente a polícia colombiana em táticas de contra-insurgência nas plataformas petrolíferas da BP. A companhia de oleodutos Ocensa, na qual a BP é a principal acionista, terá comprado e fornecido equipamento paramilitar em 1998 para a proteção do seu oleoduto a uma brigada do exército colombiano que tinha sido implicada em dois massacres realizados por esquadrões da morte de extrema direita. Este complexo nexo de atores e interesses garante a permanência de recursos nas mãos correctas.» Mark Curtis, Unpeople, Britains’s secret human rights abuses – Vintage 2004, pp 149-150.