sábado, 22 de janeiro de 2022

“Plantar Lousada no seu Quintal”

A campanha “Plantar Lousada no seu Quintal” convida a população a plantar árvores no seu quintal, jardim ou terreno, recebendo-as, gratuitamente, até 25 de março de 2022. A autarquia tem 20 mil para oferta, devendo os pedidos ser submetidos através de formulários disponíveis aqui.

Austrália exporta hidrogénio liquefeito produzido a partir de carvão

  • O governo britânico rejeitou avançar com a instalação de um cabo que transportaria 2.000 MW de energia de França. O negócio mereceu oposições várias e envolve pormenores nubelosos, nomeadamente o comprometimento de dois homens de negócios por trás da Aquind - Alexander Temerko e Victor Fedotov -  que têm ligações com a Rússia, tendo ambos sido figuras de topo em negócios de petróleo e gás no país. O primeiro terá doado £730,000 ao Partido Conservador e aos seus deputados desde 2012 e o segundo é amigo íntimo de Boris Johnson. Fontes: Bloomberg, Times, e Financial Times.
  • A Britishvolt recebe um impulso de 100 milhões de libras para construir a primeira gigafábrica de baterias do Reino Unido. Jasper Jolly, The Guardian.
  • A Austrália vai exportar a sua primeira carga de hidrogénio liquefeito produzido a partir de carvão, o que, segundo investigadores, poderá descambar numa nova indústria de combustíveis fósseis e aumentar as emissões de carbono do país. O hidrogénio será fabricado no vale LaTrobe, em Victoria, a partir de lenhite e transportado num navio construído propositadamente para o Japão, onde será queimado em centrais elétricas alimentadas a carvão. Royce Kurmelovs, The Guardian. Depois chorarão lágrimas de crocodilo perante efeitos da crise climática como secas prolongadas, chuvas diluvianas, tsunamis, etc.

Reflexão - Bicicletas elétricas descartáveis?

O mercado das bicicletas elétricas está a crescer rapidamente. Agora enfrenta um dilema de reparabilidade: será mais sustentável substituir ou reparar baterias de bicicletas elétricas? E quais são as opções para ciclistas quando as baterias de substituição não estão disponíveis?

As baterias constituem o componente mais valioso das bicicletas elétricos, podendo custar entre 300 a mais de 1000 EUR, perfazendo até 50% do custo total. No entanto, as baterias são consumíveis, e com base no seu uso, terão de ser trocadas entre cada 2 a 7 anos, quando a bateria começa a perder força.

As baterias das bicicletas elétricas são compostas por células da bateria, a caixa e o sistema de gestão da bateria. Enquanto as células de bateria têm um formato padrão (sendo 18650 o mais popular), as baterias e os sistemas de gestão são adaptados aos fabricantes e por vezes a modelos específicos de bicicletas - o que pode criar barreiras à sua reparação e substituição.

Tal como nos telemóveis, as baterias não substituíveis ou não reparáveis em bicicletas e trotinetes podem resultar em vidas mais curtas do produto, maior desperdício eletrónico, perda de materiais raros, e despesas desnecessárias para os consumidores.

Um número crescente de pequenas empresas em toda a Europa está a oferecer serviços de reparação e renovação de baterias. O custo de reparação de uma bateria é normalmente uma fração do custo de substituição de todo o pacote.

Entretanto, os legisladores europeus debatem o futuro regulamento da UE sobre baterias. Um dos pontos de discussão é se as baterias dos chamados "meios de transporte leves", incluindo as bicicletas e trotinetes, devem ser cobertas por requisitos mínimos de reparação e substituibilidade. Isto poderia facilitar a reparação e renovação de baterias, por exemplo, introduzindo requisitos para as baterias de modo a facilitar a sua manutenção, tornando as peças sobressalentes disponíveis, ou impedindo a utilização de software que possa parar o funcionamento das baterias reparadas.

Contudo, a associação da indústria de bicicletas, CONEBI, considera que a reparação de baterias não é segura, mesmo para profissionais independentes, argumentando que, devido à falta de um processo de certificação, a segurança das baterias reparadas não poderia ser garantida. Sustenta também que há um benefício ambiental limitado com a reparação de baterias. Por isso, a CONEBI sugere que as pessoas comprem baterias originais novas.

As próprias empresas de reparação de baterias argumentam que em muitos casos os pacotes de baterias já não são disponibilizados pelo fabricante, pelo que, sem a opção de serviços de reparação, alguns ciclistas podem não ter alternativa a substituir toda a sua bicicleta. Da mesma forma, a falha da bateria pode ser associada à falha do interruptor, para o qual a bateria inteira não precisa de ser substituída. Nestes cenários, a reparação da bateria pode poupar recursos, desperdícios e despesas de consumo.

Alguns reparadores dizem estar prontos para a certificação e que aceitam a responsabilidade se uma bateria que reparassem enfrentasse problemas.

É tempo de a indústria mudar e assumir o Direito à Reparação. À medida que mais bicicletas elétricas são vendidas anualmente e que a crise ecológica se intensifica, isto está a tornar-se uma questão premente para os consumidores e para o planeta. Entre 2019-2020, 3 milhões de bicicletas elétricas foram vendidas na Europa, representando cerca de 20% de todas as bicicletas vendidas em todo o continente.

Chloé Mikolajczak e Jean-Pierre Schwei, EEB.

Bico calado

  • A CIA veio, finalmente, admitir que nunca houve ataque contra o pessoal dos EUA em Havana. A CIA concluiu que a maioria dos casos de doenças misteriosas conhecidas como ‘síndrome de Havana’ são pouco prováveis de terem sido causados pela Rússia ou por outro adversário estrangeiro. Julian E. Barnes, NYTimes.
  • Quando os EUA foram acusados de bombardear a maior barragem da Síria, o Pentágono rejeitou a alegação como "reportagem louca". O NYTimes revela agora que estavam o Pentágono estava a mentir: os EUA bombardearam-na. NYTimes 20jan2022, via The International.
  • A alemã Thyssenkrupp Marine Systems vai construir três submarinos para a marinha israelita num negócio no valor de 3 mil milhões de euros. DW.

sexta-feira, 21 de janeiro de 2022

Ovar: parte do pinhal abatido é para clube de ténis e reflorestação será espontânea

Parte da zona de Ovar onde o abate de pinheiros tem sido criticado será afeta ao Clube de Ténis de Ovar e na restante a reflorestação será espontânea, sem intervenção humana, diz o Instituto de Conservação da Natureza e Floresta.

Em causa está o corte massivo de árvores no Perímetro Florestal das Dunas de Ovar, onde o desbaste tem sido criticado pela população e motivou, na segunda-feira, o lançamento de uma petição ‘online’ apelando à “reversão da decisão do corte de pinheiro-bravo em cerca de 30 talhões”, numa operação que se prevê decorrer até 2026 em terrenos entre as praias de Esmoriz e do Torrão do Lameiro.

Cerca de 80 hectares já foram intervencionados com resinagem intensiva e abate de árvores, mas o ICNF não revelou o valor exato da venda desses produtos.

Quanto à matéria lenhosa, cujo lucro é dividido em 60% para o dono da terra e 40% para o Estado, o leilão de 2021 disponibilizou a madeira de 34,18 hectares de pinhal ao valor base total de 198.500 euros. Nessa transação, a Junta de Freguesia de Cortegaça vendeu 1.571 árvores (o que representa 10,3 hectares de corte, 1.843 metros cúbicos de madeira e 47.000 euros) à empresa Salvador Soares & Cia. Lda. e transacionou ainda mais 3.294 pinheiros (cortados em 5,1 hectares, com um volume de 829 metros cúbicos e ao preço de 18.000 euros) com a firma Ângulo Verde Lda.. A Junta da União de Ovar, São João, Arada e São Vicente Pereira também vendeu 2.805 árvores à Salvador Soares e Cia. (o que corresponde a 10,3 hectares, 2.556 metros cúbicos e 65.000 euros), destinando outros 2.385 pinheiros (de 9,5 hectares, 2.547 metros de volume e outros 65.000 euros) à Bioflorestal S.A.. Foi igualmente a essa terceira empresa que a Câmara Municipal de Ovar, após o desbaste de 0,8 hectares, alienou 96 árvores e os respetivos 109 metros cúbicos de madeira pelo valor de 3.500 euros.

O ICNF informou que, na propriedade da autarquia, há um outro talhão que, “desafetado do Regime Florestal Parcial no passado”, acolhe atualmente infraestruturas do Clube de Ténis de Ovar. “Esse lote, por intermédio dos Serviços da Câmara Municipal, foi constituído por solicitação da direção do Clube de Ténis, apresentando como justificação para a necessidade de corte do arvoredo o facto de estar prevista para aquele local a instalação de novas infraestruturas desportivas”, esclarece o instituto.

Partidos, ambientalistas, moradores de Ovar e até industriais de resinagem têm criticado a forma como autarquia e juntas de freguesia estão a conduzir o processo de abate, cuja planificação teve início em 2016, mas não evitou a surpresa da população em março de 2021, quando os referidos pinhais começaram a ser sujeitos a uma operação massiva da chamada “resinagem até à morte”.

O ICNF realçou, contudo, que o Plano de Gestão Florestal para a zona em causa, “elaborado com o apoio da Câmara Municipal de Ovar, foi submetido a consulta pública em 2016 e, após emissão de declarações de concordância pelas juntas de freguesia envolvidas e na ausência de qualquer proposta de alteração, foi aprovado nesse mesmo ano”. Notícias do Centro.

Entretanto, o presidente da Junta de Freguesia de Cortegaça, Sérgio Vicente, solicitou uma reunião com caráter de urgência com o ICNF para discutir e minimizar o impacto do abate de árvores que se tem verificado e tentar obter a garantia de reflorestação ordenada que permita, dentro de 40 anos, manter esta floresta. “Há casos em que se fez o abate e a reflorestação natural foi eficaz mas, além dos pinheiros, verificamos que há muitas invasoras e não há uma floresta devidamente ordenada e, portanto, não é solução, entendemos nós. Estamos empenhados nessa defesa”, afirmou. A autarquia diz-se disposta, com esforço financeiro próprio, a aplicar verbas da exploração arbórea, nessa reflorestação. Ovar News.

Perú: erupção vulcânica e tsunami nas ilhas Tonga provoca maré negra histórica

  • O tsunami causado pela erupção vulcânica e que atingiu as Ilhas Tonga, a leste da Austrália, provocou ondas de choque a 9.000 Kms de distância, na costa do Perú. A poderosa ondulação destabilizou um petroleiro que descarregava petróleo na refinaria de Ventanilla, propriedade da espanhola Repsol. Mais de 18.000 metros quadrados de costa e mar foram atingidos por umamaré negra, duas áreas naturais protegidas, lar de aves marinhas, foram contaminadas e centenas de famílias de pescadores ficaram sem meios de subsistência. Estima-se que o óleo derramado daria para encher os tanques de 25.000 carros. A Repsol está a ser responsabilizada pela sua falta de capacidade de resposta. "A Repsol deve pagar imediatamente por estes danos", disse o Ministério dos Negócios Estrangeiros. O governo do Peru exigiu uma compensação à companhia petrolífera espanhola Repsol pelos danos causados pelo derrame de 6.000 barris de crude na costa do país. O ministro do ambiente advertiu que a multa poderia ser superior a 30 milhões de euros. Concepcion Alvarez, NovEthic.
  • Mais de 450 cientistas apelam a empresas de criatividade e relações públicas para que não aceitarem os clientes de empresas de combustíveis fósseis. Aleda Stam, PR Week.
  • O pessoal da Agência do Ambiente de Inglaterra diz ter sido reduzido a tal ponto que não podem cumprir as suas obrigações e que o regulador já não é um dissuasor para os poluidores. Os denunciantes desejam permanecer anónimos porque o chefe executivo da Agência, Sir James Bevan, demitirá qualquer pessoa apanhada a criticar abertamente a agência. Os orçamentos da Agência subiram de £880m para £1.05bn nos últimos dois anos, e o dinheiro para operações relacionado com inundações tem aumentado constantemente. Mas o financiamento governamental para o trabalho de proteção ambiental caiu de cerca de £170m em 2009-10 para um mínimo de £76m em 2019-20, e £94m no ano passado. Por isso, o trabalho que não gera qualquer rendimento para a Agência, como o apoio a incidentes de poluição, tem sido menosprezado, dizem os denunciantes. Rachel Salvidge, The Guardian.
  • O Canadá precisa de cemitério para enterrar resíduos nucleares de 60 anos. E quer enterrá-los no subsolo profundo da bacia dos Grandes Lagos. Emma McIntosh, The Narwhal.

Reflexão – Altere-se o Tratado da Carta da Energia

 

Enquanto avançam as negociações para atualizar o Tratado da Carta da Energia, o governo esloveno prepara-se para aprovar projectos de fraturação hidráulica após ter sido ameaçado com um processo judicial no valor de 100 milhões de euros. Isto permitirá que a Ascent Resources, uma empresa britânica de energia, lance um projecto de fraturação hidráulica no campo de gás de Petišovci no leste do país. Em 2019, o governo esloveno anunciou que a Ascent Resources tinha de realizar uma Avaliação de Impacto Ambiental e obter o consentimento ambiental da agência competente. A empresa opôs-se veementemente e intentou uma ação judicial contra o país, exigindo 100 milhões de euros de indemnização.

Este caso demonstra, mais uma vez, como o Tratado da Carta da Energia pode ser utilizado para extorquir dinheiro aos governos para os forçar a baixar os objetivos, no todo ou em parte, das políticas ambientais e climáticas que são essenciais para o planeta e para as pessoas.

Aconteceu o mesmo em França: em 2017, baixou os objetivos de uma lei destinada a proibir a extração de combustíveis fósseis até 2040, depois de ter sido ameaçada com uma acção judicial pela canadiana Vermillion. A realidade é que nunca saberemos quantas leis foram arquivadas devido ao receio dos governos de processos milionários ou multi-milionários ao abrigo do Tratado da Carta da Energia.

Países como a Espanha, França e Polónia já expressaram publicamente a possibilidade de abandonar o Tratado se a modernização falhar. Estes países devem exercer mais pressão do que nunca sobre a UE para saírem o mais depressa possível, salienta a campanha Não à TTIP.

Bico calado

  • Estoril Éden recebeu apoios, agora despede. Sete trabalhadores serão alvo de um despedimento coletivo por parte deste hotel. Um deles é o presidente da Comissão de Trabalhadores. Esquerda.
  • A Igreja Católica é a maior beneficiária das verbas do Fundo de Solidariedade da UE. Dos 150 projetos contratados no valor de 466 milhões de euros através de medidas de proteção do património cultural, 50 projetos no valor de 160 milhões de euros foram contratados através do Ministério da Cultura. Um terço de todos os projetos de restauro do património cultural diz respeito a edifícios sacros danificados nos sismos de Zagreb e Banija. Só a Catedral de Zagreb vai receber 25,3 milhões. Željko Trkanjec, EurActiv.
  • Os ministérios dos negócios estrangeiros de França, Alemanha, Itália e Espanha instaram as autoridades israelitas a parar a construção de novas unidades habitacionais em Jerusalém Oriental. EurActiv.

  • «Como membro da raça humana, fiquei envergonhado por o século XX ter terminado da mesma forma como começara, com guerras e violência. Periodicamente, os líderes norte-americanos reúnem-se para decidir uma questão: Que filhos da mãe, numa terra distante, que não nos fizeram mal, vamos matar hoje? Na Primavera de 1999, escolheram os filhos da mãe da Jugoslávia. Tal como com o bombardeamento do Iraque, perturbou a minha paz de espírito e o meu sono, e fez-me desviar os olhos de grande parte dos media. Só agora foi o dobro do tempo, 78 dias. Forcei-me a ler pelo menos partes de alguns artigos - notando, por exemplo, que um dos ataques com mísseis matou com sucesso aqueles jornalistas e raparigas perigosas na televisão sérvia - mas recortei muitos mais depois de ler pouco mais do que o título. Quando o bombardeamento acabasse, eu seria capaz de os digerir um pouco melhor. (…) Disseram-nos que foi por razões "humanitárias" (…). Tivemos de bombardear para pôr fim à "limpeza étnica" sérvia, disseram eles. Vi logo que se tratava de uma patranha, mesmo só com uma leitura superficial das notícias. Mas a grande maioria dos norte-americanos, incluindo muitos da esquerda, que deveriam saber mais, engoliu a história inteira sem se engasgar. Foi para todos estes verdadeiros crentes que comecei a trabalhar num novo livro, um livro de resposta à pretensão da "intervenção humanitária", o truque mais recente fabricado pela corte imperial para substituir o "comunismo" como desculpa para intervenções. O meu livro seria uma mini-agenda-enciclopédia de todas as acções não-humanitárias do governo dos EUA na era moderna, desde os bombardeamentos e torturas até à subversão de eleições e ao apoio ao terrorismo. O livro, intitulado Rogue State: a Guide to the World's Only Superpower, foi publicado em maio de 2000. Ele imediatamente virou a política externa dos EUA de pernas para o ar –interrompeu-se todo o apoio de Washington a regimes repressivos, movimentos populares rebeldes contra tais regimes foram abraçados como aliados pela CIA, cessaram todos os bombardeamentos e sanções, cortou-se o orçamento militar em 90%, as manipulações eleitorais foram confinadas à Florida, os assassinatos de líderes políticos foram confinados a Dallas, e a escritura de propriedade do mundo detida pela Globalization Incorporated foi declarada inválida por ter sido obtida através de extorsão.» William Blum, West-block dissent: a cold war memoir – Soft Skull Press 2002, pp 225-226

quinta-feira, 20 de janeiro de 2022

Reino Unido: subida do custo do gás levou à falência 27 fornecedoras de energia

  • Sete companhias de água em Inglaterra e no País de Gales descarregaram esgotos não tratados em rios e no mar mais de 3.000 vezes entre 2017 e 2021. Zoe Conway, BBC.
  • A Together Energy e a sua filial Bristol Energy são as mais recentes fornecedores de energia com sede no Reino Unido a entrar em falência na sequência do aumento do custo do gás. Detido parcialmente pela Câmara Municipal de Warrington, em Cheshire, o fornecedor que tem cerca de 176.000 residências como clientes, é a 27ª fornecedora do Reino Unido a falir em seis meses. James Sillars, Sky News.
  • Como a Georgia Power convenceu o estado da Geórgia enterrar resíduos tóxicos em águas subterrâneas. Documentos revelam que a Georgia Power exerceu uma enorme pressão para defender o armazenamento de resíduos perigosos. Após uma investigação e denúncia da ProPublica, a EPA está a tentar bloquear a pretensão. Max Blau, ProPublica.

  • A ExxonMobil está a tentar usar uma lei invulgar do Texas para atingir e intimidar os seus críticos, alegando que as ações judiciais contra a empresa ao longo da sua longa história de negação da crise climática violam as garantias de liberdade de expressão da Constituição dos EUA. A ExxonMobil pede ao Supremo Tribunal do Texas que lhe permita utilizar a lei, conhecida como lei 202, para intentar uma ação judicial contra mais de uma dúzia de funcionários municipais da Califórnia. A Exxon alega que ao intentarem ações judiciais contra a empresa por causa do seu papel na crise climática, os funcionários estão a orquestrar uma conspiração contra os direitos estabelecidos pela primeira emenda da Constituição e que a ação judicial nos tribunais da Califórnia viola a soberania do Texas, onde a empresa tem a sua sede. Oito cidades e distritos da Califórnia acusaram a Exxon e outras petrolíferas de violarem leis estatais ao deturparem e sonegarem provas, incluindo dos seus próprios cientistas, da ameaça colocada pelo aumento das temperaturas. Os municípios pedem milhares de milhões de dólares de indemnização por danos causados por incêndios, inundações e outros eventos climáticos extremos, e para fazer face aos custos de construção de novas infra-estruturas para se prepararem para as consequências da subida das temperaturas globais. Chris McGreal, The Guardian.
  • A Indonésia aprovou a deslocalização da sua capital de Jacarta, que está a afundar-se lentamente, para um local a 1.200 milhas de distância na ilha de Bornéu. O nome da futura capital será Nusantara, que significa "arquipélago", foi escolhido de uma lista de 80 nomes porque era amplamente reconhecido pelos indonésios e fácil de memorizer. A Indonésia não é o primeiro país da região a deslocalizar-se de uma capital superpovoada. A Malásia transferiu o seu governo de Kuala Lumpur para Putrajaya em 2003, enquanto Myanmar transferiu a sua capital de Yangon para Naypyidaw em 2006. Telegraph.

Reflexão – «A geoengenharia solar é potencialmente perigosa e devia ser proibida pelos governos»

Os planos para bloquear os raios do Sol a fim de retardar os efeitos do aquecimento global são potencialmente perigosos e deveriam ser proibidos pelos governos, diz um grupo de cientistas. Um dos planos inclui a injeção de biliões de partículas de enxofre na atmosfera, mas o sucesso de qualquer plano seria de longe ultrapassado pelos inconvenientes.

"A implantação da geoengenharia solar não pode ser governada globalmente de uma forma justa, inclusiva e eficaz. Por isso, apelamos à ação política imediata dos governos, das Nações Unidas e de outros agentes para impedir a normalização da geoengenharia solar como uma opção de política climática", diz a carta dos peritos.

É provável que o bloqueio artificial do Sol possa, por exemplo, perturbar as monções na Ásia do Sul e em África, bem como causar problemas com as culturas noutras zonas terrestres.

A tecnologia também não faria nada para parar a acumulação de dióxido de carbono na atmosfera, o que está a mudar consideravelmente a química dos mares. Tais esperanças de uma solução rápida poderiam, como a carta afirma, "desincentivar governos, empresas e sociedades a fazer o seu melhor para alcançar a descarbonização ou a neutralidade de carbono o mais rapidamente possível".

A carta apela a um acordo internacional de não utilização para bloquear o financiamento destas tecnologias, bem como a recusa de concessão de patentes para as mesmas. 

Adam Smith, The Independent.

Bico calado

  • «Naquele programa de debate e comentário, “Sem Moderação”, que a SIC comprou em trespasse ao canalQ, Francisco Mendes daSilva, comentador residente e ex-deputado do CDS, explicou que o PCP e o BE tinham nascido contra o PS. A afirmação mostra que não é preciso um grande grau de alfabetização política e histórica para ganhar umas massas na comentadoria televisiva. Ó santinho, o PCP nasceu em 1921 e o PS em 1973 – ele sim, contra o PCP, conforme Mário Soares exaustivamente explicou mesmo antes, aquando da formação da CEUD, tentando desmobilizar e dividir a CDE. (…) Vai estudar, ó Francisco.» José Gabriel.
  • «Os escândalos dos Conservadores britânicos são uma fachada para a guerra. Os factos omissos são: (1) as tropas russas estão na Rússia; (2) as tropas britânicas estão nas fronteiras da Rússia; (3) a Rússia está cercada por mísseis norte-americanos; (4) o governo eleito na Ucrânia foi derrubado por Obama e substituído por um regime anti-russo infestado de nazis.» John Pilger.