quarta-feira, 28 de fevereiro de 2024

O DANIONELLA CEREBRUM PRODUZ SONS SUPERIORES A 140 DECÍBEIS

Foto:: Ralf Britz/Courtesy of Shoal
  • Descoberto um dos menores peixes do mundo que emite um som tão alto como um tiro. Cientistas descobrem como o Danionella cerebrum, um peixe de cerca de 12 mm de comprimento medindo a largura da unha humana adulta e encontrado nos riachos de Mianmar, pode criar ruídos superiores a 140 decibéis. Jamie Grierson, The Guardian.
  • As águas que correm nos rios da Grã-Bretanha e da Irlanda do Norte estão em péssimo estado, pois nenhum consta de uma lista como estando em boa saúde geral, conclui um relatório da Rivers Trust. O documento sublinha que o impacto da poluição proveniente de esgotos tratados e não tratados e do escoamento agrícola e industrial significa que os rios estão em piores condições do que nunca. 54% dos rios em Inglaterra não passaram nos testes químicos e ecológicos devido à poluição proveniente das descargas de esgoto tratado e não tratado pela indústria da água. A poluição agrícola contribui para que 62% dos cursos de água em Inglaterra não cumpram os bons padrões de poluição química e biológica. O escoamento urbano proveniente dos transportes contribui para que 26% dos rios não alcancem um bom estado geral. Sandra Laville, The Guardian.
  • As principais províncias produtoras de petróleo da Argentina ameaçaram cortar o fornecimento ao resto do país se o presidente Javier Milei avançar com um plano para cortar financiamento e reter milhares de milhões em receitas fiscais federais. O governo de Milei reteve ilegalmente 13,5 mil milhões de pesos (15,3 milhões de dólares) em transferências mensais de receitas fiscais federais da principal província produtora de petróleo, Chubut, na Patagónia. A medida é vista como uma forma de cobrar dívidas não pagas de Chubut e de outras nove províncias produtoras de petróleo. A Patagónia, no sul da Argentina, abriga a maior parte da produção de petróleo do país. ANR.

BICO CALADO

 
  • Aaron Bushnell, um militar ativo da Força Aérea dos EUA imolou-se à frente da embaixada de Israel em Washington D.C.. O militar transmitiu ao vivo a sua aproximação à embaixada, declarando que “não serei mais cúmplice do genocídio”.
  • Dez anos depois de Maidan: Porque é que o Ocidente não admite que o golpe foi baseado numa mentira? Felix Livshitz, SCOTT
  • Os serviços secretos dos EUA não só têm sido fundamentais na tomada de decisões da Ucrânia em tempo de guerra, como também estabeleceram e financiaram centros de espionagem de comando e controlo de alta tecnologia, e já o fazia muito antes da invasão russa de 24 de Fevereiro, há dois anos. NYTimes.
  • A indústria alemã domina o livrinho negro de Ursula von der Leyen. O sector privado, especialmente as empresas alemãs, tiveram acesso privilegiado à presidente da Comissão. GIOVANNA COI e SARAH WHEATON, Politico.
  • "Na passada quinta-feira, pelas 17 horas, um incêndio consumiu por completo dois blocos de habitação ligados entre si no bairro de Campanar, em Valência, onde viviam cerca de 500 pessoas. As chamas propagaram-se a grande velocidade e, em apenas meia hora, atingiram todo o edifício, construído em 2005, quando Rita Barberá, do Partido Popular, era presidente da Câmara Municipal de Valência e Francisco Camps, do mesmo partido, era presidente da Generalitat. Segundo a Polícia Científica, houve cerca de dez vítimas mortais e muitos feridos. (...) O local onde aconteceram estes factos, Campanar, foi historicamente uma zona com um grande tecido comunitário que soube combinar o rural e o urbano. Havia hortas, casas rústicas e outros espaços comunitários que experimentavam de maneira incipiente a soberania alimentar. Em 1897, foi integrado à força para se tornar, juntamente com Poble Nou e Vilanova del Grau, no que é atualmente um bairro. Mais de um século depois, na época da bolha imobiliária, quando os negócios se faziam à base de tijolos e cimento e de chamadas telefónicas, políticos e homens de negócios fixaram o seu olhar no bairro. O modelo urbanístico que o Partido Popular valenciano estava a impor, tanto na Generalitat como na Câmara Municipal, podia resumir-se à seguinte máxima: desinvestir, degradar, expulsar, construir e especular. (...) Algo semelhante aconteceu em Campanar há quase 30 anos: a Câmara Municipal começou a atribuir cada vez menos recursos com o objetivo de degradar o bairro e expulsar os seus habitantes. A isto juntou-se o problema da droga, que contou com a passividade dos líderes populares, que se limitaram a olhar para o outro lado. É foi o caso da zona de Las Cañas, também conhecida como o “hipermercado da droga”, onde um grande número de heroinómanos se reunia diariamente para obter a sua dose. (...) após o processo de desinvestimento, de degradação e de expulsão da classe trabalhadora, foi posta em marcha a segunda parte da operação dos populares: a especulação com o bairro e a sua utilização para fins de promoção. Em 1996, a relativa proximidade do Cabanyal do centro de Valência e a sua boa localização atraíram a atenção de um grupo de construtores, que apresentaram a Rita Barberà a possibilidade de construir um bairro novo e exclusivo que se enquadrasse no projeto de cidade defendido pela então presidente da câmara. (...)foi construída uma enorme quantidade de edifícios no Estado espanhol e também na cidade de Valência, incluindo o edifício que foi arrasado na passada quinta-feira. A empresa responsável por esta construção foi a promotora Fbex, que entrou em processo de insolvência em 2010 porque a sua dívida atingiu os 640 milhões de euros, pelo que todos os imóveis passaram a ser propriedade do Banestro, que tinha financiado parte da obra. (...) O promotor construiu apartamentos novos e reluzentes, mas reduziu os custos ao mínimo. Em seguida, colocou-os à venda por 600 mil euros, numa zona onde um apartamento deste tipo era vendido por cerca de 360 mil euros, apesar da subida dos preços. Porém, era o tempo da bolha e, pouco a pouco, foram comprados por pessoas que pensavam estar a comprar um apartamento de "luxo". Hoje, sabemos que não o eram. (…)” Tomàs P. Alfonso, El Salto. Via Esquerda, trad. de Carlos Carujo.

terça-feira, 27 de fevereiro de 2024

BARRAGEM DE PEDRÓGÃO ABRE COMPORTAS PARA SIMULAR CAUDAL DE CHEIA

  • Alqueva vai libertar 45 hm3 de água a partir da barragem de Pedrógão, numa simulação de caudal de cheia, garantindo o cumprimento do regime natural daquele curso de água, uma medida essencial para limpeza e manutenção dos ecossistemas ribeirinhos no leito do rio Guadiana até à foz. EDIA.
  • Espanha proíbe voos domésticos se houver uma rota de comboio que viaje tão rápido. The Mayor.
  • O Brasil quer aproveitar a sua presidência do G20 neste ano para ampliar as discussões internacionais em torno de biocombustíveis. A articulação acontece no âmbito da Aliança Global de Biocombustíveis, lançada pelo Brasil na última cúpula do G20, com o apoio dos Estados Unidos e da Índia. A ideia do governo brasileiro é aumentar a participação de atores governamentais e não governamentais dentro da iniciativa (hoje composta por 19 governos e 15 organizações internacionais), em especial a indústria de bioenergia. Um ponto que a Aliança pode abordar é a definição de critérios de sustentabilidade para os biocombustíveis. Valor, via ClimaInfo.
  • No meio de uma crise hídrica global, as maiores empresas tecnológicas do mundo aumentaram substancialmente a sua utilização de água para arrefecer os centros de dados, suscitando preocupações sobre o impacto ambiental do boom da inteligência artificial generativa. A procura de IA poderá aumentar a captação de água para entre 4,2 mil milhões e 6,6 mil milhões de metros cúbicos até 2027, ou cerca de metade da quantidade consumida anualmente pelo Reino Unido. FT15fev2024.
  • Um novo relatório concluiu que quase dois terços (63%) das empresas de energia do Reino Unido transferiram, ou planeiam transferir, investimentos no estrangeiro para um mercado que mais apoia os seus objetivos de sustentabilidade. O relatório identificou três medidas políticas necessárias para facilitar um maior investimento e uma entrega mais rápida da futura infra-estrutura energética do Reino Unido: a revisão das regras de planeamento para projetos de energias renováveis, a garantia de capacidade adequada da rede e a reforma dos mecanismos de preços. O relatório apontou a Dinamarca como um estudo de caso a ser seguido pelo Reino Unido na reforma das licenças para energia eólica offshore. Energy Voice.
  • A Beyond Pesticides lançou uma ação para impedir uma campanha nacional dos fabricantes de produtos químicos para se protegerem de processos de responsabilidade movidos por aqueles que foram prejudicados por pesticidas. A Bayer/Monsanto foi atingida com numerosos processos totalizando biliões de dólares por efeitos adversos à saúde associados ao seu herbicida glifosato (Roundup). Depois de procurar, sem sucesso, a revisão de dois destes casos pelo Supremo Tribunal dos EUA, a indústria está agora a promover legislação nas legislaturas estaduais que os protegerá de futuros litígios de responsabilidade. Esta não é a primeira vez que a indústria de pesticidas e produtos químicos tóxicos busca proteção dos estados depois de perder no mais alto tribunal dos EUA. Depois do Supremo Tribunal ter confirmado o direito das localidades de restringir os pesticidas de forma mais rigorosa do que a Agência de Proteção Ambiental dos EUA e as agências reguladoras estaduais no caso Wisconsin Public Intervenor v. Mortier, a indústria recorreu a todas as legislaturas estaduais do país para buscar a moratória estatal da autoridade de suas jurisdições locais para restringir pesticidas. Eles tiveram sucesso na implementação de leis estaduais de preempção em 43 estados. Embora os patrocinadores destas leis afirmem que os rótulos dos produtos pesticidas fornecem avisos suficientes sobre os perigos, os utilizadores têm sido induzidos em erro por publicidade que apregoa falsamente a segurança dos produtos. Relembrando anteriores batalhas legislativas estaduais, a indústria química está agora a apoiar-se em autoridades eleitas, seja nas legislaturas estaduais ou no Congresso dos EUA, para cumprirem as suas ordens no sentido de bloquear, ou antecipar, ações judiciais. Beyond Pesticides.

BICO CALADO

David Cameron foi nomeado Lorde para poder ser ministro dos negócios estrangeiros. (Foto: Parlamento do Reino Unido)

Gaza mostra que a Grã-Bretanha é uma oligarquia: vamos parar de fingir que não é. Quando se trata da política externa do Reino Unido, o nosso sistema de governação não é realmente democrático. A Grã-Bretanha é governada como uma oligarquia – e é vital que reconheçamos que o Reino Unido precisa de uma revolução democrática.

Um governo liderado por um primeiro-ministro que não foi eleito por votação popular apoia a guerra brutal de Israel, completada com assassinatos em massa e crimes de guerra, com apoio militar e diplomático. Fá-lo com o apoio do principal partido da oposição do país, face aos apelos públicos a um cessar-fogo. O seu governo rejeita explicitamente uma decisão legal do Tribunal Mundial no sentido de que Israel está plausivelmente a promover o genocídio. Os ministros não enfrentam, e nunca enfrentarão, investigação pela sua cumplicidade nesses crimes ou mesmo qualquer sanção política. O secretário dos Negócios Estrangeiros, Lord Cameron de Chipping Norton, nem sequer foi eleito. Ao mesmo tempo, os media ocultam caraterísticas chave do apoio do Reino Unido a Israel – tais como voos secretos de espionagem e facilitação de envios de armas para a máquina de guerra israelita. Isto parece uma democracia?

Bem, não, não é – é a Grã-Bretanha. Mas é assim que a governação do Reino Unido tende a funcionar, não só em todas as suas guerras, mas também na sua política externa diária. Uma oligarquia é onde um pequeno número de pessoas exerce controle sobre o estado. (...)

A formulação da política externa britânica é tão centralizada que se assemelha a um regime autoritário. Um primeiro-ministro pode enviar tropas para a guerra ou bombardear outro país sem sequer consultar o parlamento, como o Reino Unido tem feito recentemente no Iémen. Não que isso tivesse importância – uma vez que o principal partido da “oposição” em Inglaterra apoia a ilegalidade no Reino Unido tanto quanto o partido no poder. Em 1976, Lord Hailsham considerou o Reino Unido uma “ditadura eletiva” porque o parlamento é facilmente dominado pelo governo da época e enfrenta poucas restrições ao seu poder. Isto aconteceu antes de a primeira-ministra Margaret Thatcher centralizar ainda mais a tomada de decisões na década de 1980, contornando regularmente o gabinete e confiando num pequeno conjunto de conselheiros. (...) Isto continuou com Tony Blair, levando à desastrosa invasão do Iraque, entre outras coisas. Basicamente, o primeiro-ministro – e um eleito apenas pelos seus próprios deputados conservadores, no caso de Sunak – e alguns dos seus companheiros podem escapar impunes de homicídio, e tudo isso é considerado perfeitamente aceitável. Blair conduziu o país a uma guerra ilegal no Iraque, matando centenas de milhares de pessoas, e não enfrentou qualquer processo. Os ministros britânicos facilitaram crimes de guerra sauditas no Iémen durante sete anos, entre 2015 e 2022 – e raramente alguém em posição de autoridade foi questionado sobre isso. Agora, mais de 27.000 palestinianos morreram no genocídio de Israel em Gaza e nenhum ministro que forneça apoio político e militar a Israel pode ser responsabilizado por isso no nosso sistema. A governação britânica é tão extrema que nenhum ministro foi alguma vez responsabilizado por crimes no estrangeiro – apesar das numerosas guerras, das operações secretas, dos golpes de estado e da cumplicidade em violações dos direitos humanos.

O Reino Unido tem um sistema peculiar que permite aos ministros matar impunemente. É a chamada “imunidade da coroa”. Esta doutrina, que certamente não deveria ter saído da Idade Média, considera que os ministros não podem cometer um erro jurídico. Considera-se que não agem como pessoas, mas como agentes imbuídos da autoridade da Coroa e, portanto, são intocáveis ​​perante a lei. Se um ministro viola o direito penal fora das suas funções públicas, está sujeito ao direito penal como qualquer outra pessoa. Mas se ele toma decisões como ministro, por mais repreensíveis ou incompetentes que sejam, estas são consideradas atos de governo e não para os tribunais criminais. Quer se trate de crimes de guerra cometidos por um primeiro-ministro, da cumplicidade de um ministro na tortura e da rendição ou de decisões catastróficas de saúde e de política social, a responsabilização, dizem-nos, deve passar pela democracia e pelo parlamento. Mas isso não acontece. Os inquéritos públicos tendem a levar anos e podem embaraçar os ministros, mas invariavelmente não conseguem censurá-los formalmente, e muito menos responsabilizá-los legalmente. Em vez de responsabilização, temos “códigos” inúteis que são rotineiramente quebrados, como o Código Ministerial – uma das muitas caraterísticas da governação britânica destinada a dar a aparência de responsabilização na vida pública sem ter qualquer efeito real.

Quem é que de facto examina o que a Grã-Bretanha faz no mundo? As políticas governamentais devem ser examinadas por comissões parlamentares de todos os partidos. Contudo, embora estes possam ocasionalmente repreender os ministros do governo, são invariavelmente apenas ligeiramente críticos ou investigativos e raramente responsabilizam verdadeiramente o governo. As comissões de inquérito tendem a estar repletas de apoiantes do governo que não investigam as principais políticas ou interrogam os ministros. A sua escolha de tópicos a examinar ignora rotineiramente políticas controversas. Mesmo quando essas comissões apresentam relatórios, a única obrigação de um governo é responder – não há qualquer obrigação de alterar a política como resultado. Outra forma importante de responsabilizar o governo é através de questões parlamentares. Qualquer deputado pode fazer perguntas estranhas ao governo e às vezes fá-lo. Mas os ministros têm ampla liberdade nas suas respostas: muitas vezes ignoram completamente as perguntas ou revelam informações mínimas. Isto pode violar o Código Ministerial, mas poucos se importam e quase nunca alguém é castigado. Quando os ministros mentem, o que fazem regularmente (...) nada acontece. Johnson foi um mentiroso compulsivo durante todo o tempo em que esteve no cargo e só foi destituído por outros motivos.

Provavelmente não há Estado mais secreto na Europa do que a Grã-Bretanha, com as possíveis excepções da Bielorrússia e da Rússia. Presume-se que o público não tem o direito de saber. Somos súditos da coroa e só podemos saber o que as autoridades querem-nos dizer. A Grã-Bretanha tem forças militares especiais que lutam em numerosas guerras secretas, mas não há qualquer responsabilização sobre elas perante o público ou mesmo o parlamento. Só costumamos ouvir falar das suas operações quando um jornalista complacente tem um telefonema amigável com o seu contacto no Ministério da Defesa (MoD), que tem uma “história” para ele. Em seguida, escreve-se isso num cantinho como “notícia”. Os ministros recusam-se terminantemente a responder a quaisquer perguntas sobre as forças especiais, e isto é considerado perfeitamente razoável para a “segurança nacional”. “Confie em nós” é a lógica funcional e ridícula. O mesmo vale para os serviços secretos. Os ministros costumam dizer que é “política de longa data” não comentar sobre eles – uma recusa geral. A Comissão de Inteligência e Segurança do parlamento destina-se a fornecer alguma supervisão sobre os serviços de segurança, mas o seu papel é mínimo.

Na verdade, as secretas funcionam como uma lei para si mesmas. Eles podem infringir a lei e todos os seus chefes merecem total impunidade. Sabe-se que eles espiam o público, especialmente pessoas que representam uma ameaça à ordem estabelecida – e aqueles considerados “subversivos” são quem eles dizem ser. Mesmo pequenas informações são ocultadas do público sobre assuntos “sensíveis”. Para citar apenas um exemplo quase ao acaso, quando um d eputado perguntou ao governo quanto é que o governo dos EUA reembolsa a Grã-Bretanha pelos custos da polícia do Ministério da Defesa na base de espionagem americana em Menwith Hill, no Yorkshire, um ministro do governo recusou-se a dizer. Mesmo quando colocadas questões parlamentares sobre política externa aberta, as respostas ministeriais tendem a ser rotineiramente minimalistas nas suas respostas e são muitas vezes enganadoras.

É verdade que, ao abrigo das leis de liberdade de informação, o governo é obrigado a divulgar algumas informações sensíveis, que podem ser incriminatórias. Mas qualquer pessoa que tenha feito pedidos de liberdade de informação saberá que estes são normalmente negados sob o pretexto de proteger a “segurança nacional”. Os organismos públicos estão atualmente a conceder apenas um terço dos pedidos de FOI, enquanto agências como o MI6 não podem de todo estar sujeitas a pedidos de FOI. Mesmo os documentos de planeamento governamentais anteriores que são divulgados nos Arquivos Nacionais após 20 ou 30 anos costumam ser fortemente censurados ou eliminados. O chamado painel de supervisão “independente”, que decide o que é divulgado e o que permanece oculto, inclui ex-espiões e funcionários do governo.

A principal caraterística de uma democracia não deveria ser a capacidade do público de ter alguma influência sobre as políticas governamentais? Mas o que tem o público a dizer sobre a relação militar do Reino Unido com os EUA? Ou a relação especial de Whitehall com a Arábia Saudita ou outras ditaduras árabes? Ou exportações de armas para numerosos regimes repressivos? Ou a aquisição de novas armas nucleares pela Grã-Bretanha? Estas “políticas elevadas” são de grande importância pública e podem ser uma questão de vida ou morte para as pessoas que estão no exterior. Mas são levadas a cabo à porta fechada pelos “meninos”, a quem é dada ampla liberdade para agirem como se tivessem no coração os interesses nacionais. É tudo muito íntimo e totalmente absurdo.

Nós, na Grã-Bretanha, somos incapazes de influenciar e muito menos de mudar a maioria das políticas governamentais. Depois de elegermos um governo, ou destituirmos um governo anterior, os mecanismos formais para ter influência são extremamente limitados. O sistema do Reino Unido não foi concebido para que o público tenha influência, mas sim para excluir a possibilidade de que a pressão pública possa desviar os funcionários dos seus objetivos. Isso é algo que fica claro nos arquivos desclassificados que tenho visto ao longo dos anos.

O professor Jeremy Gilbert escreveu sobre a “incapacidade crónica das nossas instituições políticas em dar ao público qualquer influência real sobre a política”. Os deputados, observa ele, “devem atuar como canais para as opiniões dos seus eleitores, fazendo com que essas opiniões informem tão completamente quanto possível as principais decisões legislativas do parlamento”. Mas, em vez disso, há um “profundo desfasamento entre a noção recebida sobre a função dos deputados e o seu verdadeiro papel e função nos circuitos de poder que moldam os resultados sociais, culturais e económicos”. Os deputados são simplesmente membros juniores de uma elite administrativa e tecnocrática.

Não ter nenhuma oposição política real ao partido no poder é uma revelação absoluta quando se trata de detetar uma oligarquia. Aqui, há claramente uma diferença atualmente entre a Inglaterra e a Escócia. Neste último caso, o SNP tem criticado a guerra de Israel em Gaza e o apoio que o governo do Reino Unido lhe dá. Em Inglaterra, o Partido Trabalhista atua como uma extensão dos Conservadores em Israel, como em quase todas as outras políticas externas. Historicamente, os governos trabalhistas têm sido tão abusivos dos direitos humanos no estrangeiro como os conservadores e são responsáveis ​​por muitos dos piores episódios da recente política externa do Reino Unido com base nisso. Por alguma razão, ainda prevalece em muitos círculos a ideia de que o Partido Trabalhista promove um internacionalismo progressista – um mito que não está enraizado em evidências.

Quando Jeremy Corbyn dirigiu o Partido Trabalhista entre 2015 e 2019, toda a classe política e mediática britânica garantiu que o seu projeto em grande parte social-democrata – considerado demasiado radical – fosse destruído. Corbyn ousou opor-se ao intervencionismo militar britânico e ameaçou introduzir uma política externa centrada nos direitos humanos, algo que não pode ser tolerado em Whitehall, que continua determinado a governar o mundo pela força. Esse período de 2015-19 deveria ter sido um alerta para quem pensa que uma mudança progressista pode ocorrer sem uma revolução nos nossos media. A mensagem clara para o público foi: a oligarquia está no comando e não tolerará um desafio ao seu poder. Oficiais do Exército intervieram para dizer que poderia haver um golpe se Corbyn fosse eleito. Os media divulgaram numerosas figuras militares e de inteligência alegando ridiculamente que Corbyn era uma ameaça à segurança nacional. A campanha envolveu todo o espetro dos media, do Mail ao Guardian.

Pode-se pensar que o papel dos media é o de responsabilizar os governos em nome do público. Esta é a imagem que Hollywood faz dos media, que tem pouca relação com a realidade. Na Grã-Bretanha (e nos EUA), os principais jornalistas amplificam e justificam rotineiramente as políticas externas e mantêm as políticas controversas fora da vista do público. Eles actuam como intermediários entre o Estado e o público e não são organizações de notícias, mas sim entidades financeiras corporativas com agendas políticas. (...) Muitas das principais políticas externas do Reino Unido não são de todo abrangidas pelo mainstream. Outros são higienizados. De outra forma, revelações ocasionais são enterradas em avalanches de propaganda. O Ministério da Defesa, para todos os efeitos, controla em grande parte os media britânicos. Não num sentido formal, não é obrigatório, mas confiando em jornalistas carreiristas e complacentes para divulgar as suas histórias. Muitos, talvez a maioria, dos artigos sobre os militares do Reino Unido que aparecem nos media vêm do Ministério da Defesa.

Suposições falsas estão por toda parte na imprensa e na TV, de que as políticas do Reino Unido se baseiam no apoio à democracia e aos direitos humanos. As posições absurdas adoptadas por Whitehall são rotineiramente levadas a sério, como a de que apoia o direito internacional ou uma ordem mundial “baseada em regras”. Os Estados inimigos são considerados os desonestos, nunca nós. Os media seguem invariavelmente os interesses da política externa do Estado em termos do que cobrem e como. Os editores dos media cumprem de bom grado os pedidos de censura do governo, como quando o comité D-Notice, gerido pelos militares, pede aos jornalistas que não publiquem histórias que, segundo eles, desafiam a “segurança nacional”. Quando esta comissão uma vez me pediu, como editor do Declassified, para retirar parte de uma história, eu disse não. Obviamente.

Há muito que acredito que nada mudará seriamente na Grã-Bretanha até que o público deixe de sofrer uma lavagem cerebral por parte dos media nacionais. Uma pluralidade de organizações noticiosas independentes que trabalham no interesse público deve ser estimulada para se tornarem maiores e se tornarem fontes predominantes de informação pública.

É claro que há uma questão ainda mais ampla sobre a nossa governação: será que os políticos eleitos realmente exercem o poder e escolhem as políticas de qualquer maneira? Há décadas que tem se concluiu que as empresas governam cada vez mais o mundo e que é a sua procura de lucros que molda mais a elaboração de políticas do que os políticos eleitos. O Estado já não tem o poder de regular os fluxos de capital ou de ideias que já teve. Isto aconteceu porque as elites políticas permitiram. Quem realmente determina a política externa do Reino Unido? As necessidades das gigantes petrolíferas BP e Shell determinam grande parte disso. As empresas de armas, especialmente a principal empresa britânica, a BAE Systems, ajudam a moldar o apoio do Reino Unido aos regimes que compram as suas armas. As guerras são lucrativas para as empresas armamentistas e a Grã-Bretanha procura sempre lucro nos conflitos. A guerra é um aspecto fundamental do modelo de negócios de Whitehall. Essas empresas de armas e energia praticam uma porta giratória de pessoal com Whitehall – o que significa que existem incentivos pessoais para os funcionários desafiarem as suas operações.

O Reino Unido é o lar do dinheiro sujo do mundo e o centro global dos paraísos fiscais mundiais, privando os países de milhares de milhões em receitas fiscais. Estes interesses financeiros enraizados, defendidos por ambos os principais partidos, determinam em grande parte as políticas económicas globais do Reino Unido. O controlo sobre recursos essenciais – não apenas o petróleo, mas minerais como o ouro, a bauxite e a borracha – há muito que levou a Grã-Bretanha a exercer influência sobre muitos países em desenvolvimento e moldou o seu imperialismo, com consequências muitas vezes desastrosas. No Reino Unido, a corrupção corporativa está institucionalizada. “Com um Estado subserviente, as empresas sentem que podem escapar impunes de quase tudo”, escreve o especialista financeiro Lord Prem Sikka. Ele acrescenta: “As empresas destacam-se em práticas corruptas, financiando partidos políticos e legisladores para garantir que os seus interesses sejam priorizados. Ministros e legisladores obrigam-se a castrar… leis e a encher órgãos reguladores desdentados com elites corporativas”.

Há inúmeras formas em que essa oligarquia está entrincheirada. Uma deles é o nosso sistema de votação do tipo "first-past-the-post", que garante que a vontade do povo é sempre violada - nenhum governo alguma vez obteve mais de 50% dos votos, o que significa que a maioria das pessoas sempre votou contra o atual governo, que, no entanto, é permitido exercer um enorme poder. De qualquer forma, os políticos são facilmente comprados. A maior parte do dinheiro destinado ao Partido Conservador provém de um pequeno número de pessoas muito ricas, como gestores de fundos de cobertura, que podem obter acesso especial a ministros em troca do seu dinheiro. A corrupção é normalizada e raramente considerada como tal.

“A política britânica funciona um pouco como uma rede de proteção”, escreve Adam Ramsay. Milhões de libras em financiamento também são canalizados para partidos a partir de doadores de dinheiro obscuro. As viagens dos deputados ao estrangeiro também são regularmente financiadas por Estados estrangeiros, nomeadamente ditaduras familiares governadas pelos sauditas e pelos bahreinianos. Um terço do gabinete conservador de Boris Johnson, e dois quintos do gabinete paralelo do Partido Trabalhista de Keir Starmer, foram financiados pelo lóbi israelita. Dezenas de deputados foram financiados para visitar Israel, em esquemas destinados a cultivar o seu apoio a um Estado que há muito subjuga e que agora massacra os palestinianos. A interferência na política britânica por parte dos aliados de Whitehall é vista como normal e é um tabu para investigar – apenas o envolvimento russo e chinês é visto como um problema.

O sistema de clientelismo britânico – que noutros países seria chamado de corrupção – funciona como um sonho. O primeiro-ministro faz nomeações para a Câmara dos Lordes para manter o poder em pequenos círculos e comprar influência política contínua, enquanto alguns outros assentos na segunda câmara são reservados a aristocratas hereditários. O sistema perpetua-se porque os amigos estabelecem as suas próprias regras. A extensa porta giratória de pessoal entre o governo e as empresas garante que os interesses da elite estejam alinhados. David Omand, ex-diretor do GCHQ, passou a trabalhar para a empresa de armas Babcock; John Sawers, antigo chefe do MI6, foi nomeado diretor não executivo da BP, entre numerosos exemplos. Um ridículo órgão do governo chamado Acoba destina-se a monitorizar possíveis conflitos de interesses quando antigos funcionários do governo se candidatam a empregos no setor privado – mas o objetivo da Acoba é dar luz verde a conflitos de interesses tão óbvios. Assim, a elite auto-regula-se – uma caraterística de todos os sistemas autoritários e irresponsáveis. Parte disto, naturalmente, consiste em decidir quando realizar ou não um inquérito público ou oficial. (...)

O inquérito Chilcot sobre a invasão do Iraque revelou muito sobre Blair – mas foi conduzido 13 anos depois e não sancionou o antigo primeiro-ministro, mesmo depois de ele e a sua comitiva terem cometido o crime internacional de agressão.

Os primeiros-ministros podem governar através de conselheiros especiais, como Dominic Cummings, e quando cometem erros ou pior, têm o poder de decidir se deve haver um inquérito público. “É como se fosse permitido a um arguido num julgamento criminal decidir se o julgamento prossegue e, em caso afirmativo, quais devem ser as acusações e quem são o juiz e o júri”, escreve George Monbiot. O recente inquérito sobre o ataque à Manchester Arena em 2017 foi um escândalo. Não foi feita nenhuma tentativa para descobrir as ligações entre o homem-bomba e os serviços secretos do Reino Unido – enquanto o MI5 foi autorizado a prestar depoimento em segredo e o MI6 nem sequer foi chamado.

Qualquer analista crítico da governação britânica poderia continuar indefinidamente… Nem sequer mencionei o monarca, o chefe da oligarquia, e como a realeza censura o escrutínio dos seus papéis no apoio à repressão severa no Médio Oriente. Ou as escolas privadas de elite que ainda cultivam uma classe dominante que partilha muitos dos mesmos pontos de vista mundiais e, em última análise, um desprezo pela verdadeira democracia. (...)

Quando alguém realmente revela segredos cruciais e brutais, pode ser encarcerado sem julgamento e enviado para uma prisão de segurança máxima. O tratamento dispensado ao prisioneiro político britânico Julian Assange, juntamente com a forma como o sistema judicial foi sequestrado para fins políticos, ilustra bem a natureza do poder arbitrário e autoritário britânico.

A Grã-Bretanha parece mais um clube privado do que um país. Como observou Adam Ramsay, apenas cinco universidades britânicas produziram um primeiro-ministro, e mais do dobro do número de estudantes frequentou Eton do que frequentou escolas gratuitas.

Tente encontrar referências à “oligarquia britânica” nos media, ou qualquer reconhecimento de que o nosso sistema está aquém de uma democracia liberal. Este conceito mal pode ser reconhecido e há uma conspiração de silêncio sobre ele. Há uma marca registrada de “democracia britânica” que é impingida ao público para nos manter na linha. É para que apenas votemos e não percamos muito tempo pensando no que realmente estamos a votar e qual é o objetivo. A ideia de que Westminster é a “mãe de todos os parlamentos” – mesmo como alguns afirmam, representa um modelo democrático para o mundo – é um mito cultivado. É um enorme pilar ideológico de propaganda que mantém o nosso sistema de governação antidemocrático.

O primeiro passo para nos libertarmos disto é perceber que a democracia britânica é certamente uma grande ideia, mas que atualmente é propaganda. Estamos sofrendo uma lavagem cerebral para aceitar um sistema que não funciona no nosso interesse. O “governo permanente” em Whitehall está profundamente enraizado e tem importantes ativos mediáticos empenhados em manter o público como espectador, na ignorância e longe de ser ator na sua própria governação. Ele tentará destruir qualquer pessoa que perturbe o sistema. Mas a oligarquia britânica também é frágil, como são todos os sistemas autoritários, porque não tem o verdadeiro consentimento popular. Torna-se óbvio como o sistema funciona quando se olha para ele de forma independente e elimina a mitologia.

A destruição física de Gaza, tal como a destruição ideológica de Corbyn, deveria ser um fator de mudança para aqueles que se preocupam com a forma como somos governados. Está a esmagar a natureza da nossa verdadeira governação não apenas nos rostos palestinianos, mas também nos nossos.

A independência escocesa é uma forma de sair desta situação – simplesmente desmantelando o Reino Unido tal como existe atualmente. Mas para os escoceses após a independência e para aqueles de nós nos outros países de origem, não é uma solução perfeita porque pode não mudar a forma como o nosso governo realmente funciona. Poderia consolidar o autoritarismo inglês. (...)

Com a política externa e muitos aspectos das políticas internas, democratizar o Reino Unido é literalmente uma questão de vida ou morte. Apoiamos o massacre em Gaza, bombardeamos o Iémen, apregoamos uma guerra com a Rússia e violamos o direito internacional como rotina. Os nossos próprios líderes são a nossa maior ameaça. O Reino Unido é um estado desonesto. Se não democratizarmos o nosso sistema, estaremos matando estrangeiros e promovendo guerras eternas. Temos, primeiro, de reconhecer a oligarquia britânica pelo que ela é.

MARK CURTIS, Declassified UK.
Trad. OLima

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2024

SERRA DA ESTRELA: ASSOCIAÇÕES CRITICAM PROGRAMA DE REVITALIZAÇÃO DO PARQUE NATURAL

 


 

Foto: Seia Digital.

  • 28 associações cívicas e ambientais criticam o Programa de Revitalização do Parque Natural da Serra da Estrela, denunciando várias falhas no seu processo de elaboração, falta de transparência e participação. Dizem que foram confrontados com um comunicado que fala em grandes obras sem uma palavra dirigida à conservação ou resiliência, completamente desligado das verdadeiras origens das catástrofes cíclicas que assolam este parque natural. Na perspetiva dos signatários, “este programa deveria ter como principal preocupação a sustentação e regeneração de um território de conservação e de prestação de serviços de ecossistema, nomeadamente ao nível da água e dos solos, do carbono e da própria biodiversidade.” Joana Viveiro, do Movimento Estrela Viva, criado na sequência da calamidade de 2017, diz: "As associações depositavam neste ‘Plano Marshall’ para a Serra da Estrela, alguma esperança. Mas o processo começou mal, com a falta de envolvimento efetivo da sociedade civil e a pouca transparência na elaboração do documento, que não foi alvo de qualquer consulta pública. Para além disso, este programa deveria ter como principal preocupação a regeneração de um território de conservação e a remuneração justa pelos serviços de ecossistema, e parece-nos que não será bem essa a prioridade!" Via Esquerda.
  • A Marinha auxiliou um navio à deriva carregado com 13 toneladas de fertilizante e mais de 200 de combustível, evitando uma catástrofe ecológica e salvaguardando a navegação e a proteção da orla costeira alentejana, a 22 quilómetros do cabo Espichel. JN 25fev2024.

BICO CALADO

  • O aumento dos gastos militares provocado pela guerra da Rússia contra a Ucrânia e pelo conflito Israel-Gaza ajudou o fabricante britânico de armas BAE Systems a registar lucros em 2023, com maior crescimento esperado em 2025. A empresa FTSE 100 obteve lucros subjacentes antes de juros e impostos de 2,7 mil milhões de libras em vendas recorde de 25,3 mil milhões de libras em 2023. Jasper Jolly, The Guardian.
  • “O genocídio em Gaza – ou mais precisamente o apoio ativo e prático das principais potências da NATO ao genocídio em Gaza – forçou-me a reavaliar os meus pontos de vista sobre a Ucrânia de uma forma mais simpática à narrativa russa. Em particular, fui complacente na minha atitude desdenhosa face ao argumento de que as potências ocidentais apoiariam a limpeza étnica e o massacre no Donbass por forças, incluindo algumas motivadas pela ideologia nazi. As mesmas potências que financiam e armam a Ucrânia financiam e armam um genocídio levado a cabo pelas forças supremacistas raciais israelitas em Gaza. É indiscutível que a minha crença em algum tipo de decência inerente ao sistema político ocidental era ingénua. Peço desculpas. (...) antes eu não acreditava que o Ocidente patrocinaria a limpeza étnica em massa e o ataque genocida ao Donbass por forças armadas ocidentais lideradas por nacionalistas ucranianos extremistas. Achei que o ‘Ocidente’ fosse mais civilizado do que isso. Tenho agora de encarar o facto de que estava errado sobre o caráter das potências da NATO.” Craig Murray.
  • “(...) Quem tem poder nesta sociedade tenderá a tornar invisível a situação de injustiça dos que são explorados, colocados fora da cidadania e da democracia. Com o racismo acontece a mesma coisa: aqueles que beneficiam dele tendem a não ver a situação de desigualdade gritante que existe na sociedade. Naturalizam-na, negando-a. (...)” Nuno Ramos de Almeida, Estranhos frutos – DN 25fev2024.
  • Uma intoxicação alimentar num hotel em Fátima provocou vómitos e diarreias em 22 turistas italianos. JN 25fev2024.