terça-feira, 2 de Setembro de 2014

Quem tem medo de usar a energia solar?


Mão pesada

As autoridades mexicanas encerraram, pela segunda vez este ano, parte da mina de cobre Buenavista na sequência de um enorme derrame de ácido sulfúrico no rio Sonora e que obrigou ao fecho de 80 escolas e ao corte de água em 7 cidades. 

segunda-feira, 1 de Setembro de 2014

Selfies com lixo ao fundo?


Ninho de vespas. Foto Município de Celorico de Basto 26ag2014
  • Que fazer quando uma rua de Copenhagen não tem ciclovia? Uma sugestão a ponderar.
  • Na Tunísia está na moda as selfies com montes de lixo ao fundo. O objetivo é alertar as autoridades locais e governamentais para a necessidade de limparem os sítios. Esta atitude é apenas o começo de algo que poderá tornar-se + direto, mais ativo, mais assertivo. Convenhamos que limitarmo-nos a selfies com montes de lixo ao fundo poderá ser interpretado como demasiado passivo, quiçá exibicionista. Porque não usar a moda das selfies para mostrar uma determinada zona antes e depois de ter sido limpa por nós com a ajuda dos vizinhos?
  • Como a vespa velutina dizima enxames de abelhas, e como os franceses estão a encarar o problema.

Motivos para exigir água pela vida e não pelo carvão

  • 1 2 mil milhões de pessoas, cerca de um terço da população mundial, vive em países onde a água é escassa;
  • 2 A eletricidade produzida a partir do carvão exige imensa água: de 3 em 3 minutos e meio uma central a carvão usa água que dá para encher uma piscina olímpica;
  • 3 1200 novas centrais a carvão estão projetadas para zonas onde a água é escassa;
  • 4 Por exemplo, a sul-africana Eskom usa 10 mil litros de água por segundo, enquanto os vizinhos são obrigados a comprar água engarrafada porque não há água limpa para eles;
  • 5 As 16 mega centrais a carvão previstas para a China vão consumir 10 mil milhões de m3 de água por dia. 
  • 6 Apesar de 6 mil agricultores indianos se terem suicidado entre 2001 e 2010 por falta de água para irrigar os seus campos, estão previstas 71 centrais a carvão num dos distritos onde reina a escassez de água. Fonte

Reflexão - A Ucrânica e os transgénicos

O Banco Mundial e o FMI decidiram em 2013 assinar um acordo de ajuda à Ucrânia no valor de 17 mil milhões de dólares com o objetivo de fomentar naquele país o cultivo e a comercialização de transgénicos.
Viktor Yanukovych, o presidente da Ucrânia na altura, rejeitou este apoio e preferiu aceitar outro, da Rússia, no valor de 15 mil milhões, com direito a descontos no gás natural importado. Esta atitude provocou uma violenta onda de protestos que culminaram no seu afastamento em fevereiro de 2014. 
Acontece que as leis em vigor na Ucrânia proibem o uso de transgénicos, mas o artigo 404 de um acordo europeu, prevê a cooperação no desenvolvimento do uso de transgénicos. Conclui-se, assim, que a Ucrânia em particular, e os antigos países de leste em geral estão na mira da poderosa indústria agroalimentar, incluindo a indústria de maquinaria como a Deere.
Note-se que em maio de 2013, a Monsanto anunciara o investimento de 140 milhões numa fábrica de sementes não transgénicas, mas logo em novembro desse mesmo ano, o acordo estendia-se para a criação, transporte e uso de transgénicos. 
Já em 2011 a Wikileaks divulgara pormenores acerca de pressões exercidas por embaixadores norte-americanos a nível mundial favorecendo negócios de transgénicos envolvendo empresas como a DuPont, a Syngenta, a Bayer e a Dow. Fonte.

Mão pesada

A Petros&Concretos S.R.L. foi encerrada e multada em cerca de 20 mil euros por continuada violação de regras ambientais no distrito de José Leonardo Ortiz.

Bico caldado

“Nesse submundo, entre almoços onde todos se encontram de férias onde todos se conhecem, coexistem em perfeita harmonia políticos, banqueiros, advogados de negócios, consultores e jornalistas, aos quais em momentos precisos se juntaram lojas maçónicas e até os serviços secretos. Todos aceitam tacitamente relações de dependência e de patrocínio: eu protejo o teu negócio, tu cuidas do meu e ambos afastamos terceiros com a ajuda preciosa do poder político que há de legislar, contratar, privatizar, pressionar ou chumbar todas as veleidades de outsiders inoportunos. Os mais fortes, duques do quilate de Ricardo Espírito Santo Salgado, dispõem de vastos impérios de influência, seja através de posições minoritárias ou pelo poder de impor condes ou viscondes nas empresas, ministros ou secretários de Estado nos governos.” Manuel Carvalho in A culpa do sistema, Público 31ag2014.

domingo, 31 de Agosto de 2014

Pesca desportiva e de competição não é sustentável


Bico calado


  • O comboio descendente, por Filipe Tourais.
  • “O Banco Mundial prometeu logo 200 milhões de dólares aos quatro países africanos mais afetados e Obama assumiu, na cimeira com cinquenta líderes daquele continente, o compromisso de atribuir 33 mil milhões de dólares para ajuda às economias africanas. É mais do que ironia que os Estados que agora prometem ajuda sejam os mesmos que impuseram uma redução para metade, entre 2012 e 2014, do orçamento da Organização Mundial de Saúde dedicado a respostas a surtos epidémicos.” José Manuel Pureza in Ébola, nome de hipocrisia, DN 29ag2014.
  • O Tribunal de Pequena Instância Criminal de Lisboa confirmou a condenação de cinco antigos administradores do BCP. Os ex-administradores vão ter de pagar quase 3 milhões de euros em coimas ao Banco de Portugal. O processo incluía também Jardim Gonçalves. Mas no caso desde antigo administrador, o caso acabou por prescrever. RTP.
  • Os utilizadores do Facebook e do Twitter tendem a refrear mais a partilha de opiniões sobre questões polémicas, revela  uma investigação do Centro de Pesquisa Pew, em Washington DC, em conjunto com a Universidade de Rutgers, em New Jerse. Isto é um autêntico balde de água fria sobre o mito de que estas redes sociais eram veículos de debate por excelência. Os investigadores concluíram que há uma espécie de espiral do silêncio, no qual as pessoas só partilham opiniões sobre assuntos polémicos se souberem previamente que a sua audiência aceita os seus pontos de vista, abstendo-se de comentar e discutir se o assunto for polémico. Em suma, a maioria das pessoas sentem-se mais confortáveis com os desafios do balde de água gelada do que lidar com temas de cariz político.

sábado, 30 de Agosto de 2014

Enrocamento vai proteger ETAR de Paramos

Paramos 26fev2014 - a empresa Irmãos Cavaco aplica enrocamento de proteção à ETAR de Espinho. Em primeiro plano, podem ser vistos os rombos feitos pelo mar, durante as tempestades de inverno, no esporão a sul da Capela de S. João.

Mais 350 mil euros para um enrocamento em Paramos. Será esta verba uma tranche do anunciado milhão e 100 mil euros do Fundo de Coesão para fazer este enrocamento de 480 metros entre a Capela de S. João e o esporão a sul? Ou será uma espécie de... 'trabalhos a mais'? É que já em fevereiro deste ano, logo após as tempestades que varreram o litoral espinhense, a empresa Irmãos Cavaco procediam à colocação de enormes pedras de granito ao longo da fustigada duna da ETAR de Paramos...


Sobre a situação deste enrocamento em fevereiro e em julho de de 2014, vale a pena (re)ler isto
Para acesso a mais imagens dos impactos das tempestades de janeiro e fevereiro na orla costeira de Espinho, clicar nas seguintes hiperligações: (1), (2), (3), (4), (5), (6), (7), (8), (9), (10), (11), (12), (13) e (14).

Ovar com parque fotovoltaico

Reflexão – O que querem os rankings provar?

Rankings há muitos e para todos os gostos. A prová-lo eis o último, sobre as 10 cidades mais limpas do mundo. Sendo as fontes aparentemente as mesmas, as conclusões são as mais díspares, conforme pude concluir após alguma investigação. Será caso para desconfiar deste tipo de rankings que mais parecem feitos à medida de quem os encomenda e divulga? 

Bico calado

Já viram um forum sobre A Alimentação de Amanhã sem um único agricultor convidado para falar? Vai acontecer em 11 e 12 de novembro em New York. Pela mão do New York Times.

sexta-feira, 29 de Agosto de 2014

Monsanto tentou pressionar Reuters

Iguaçu, Brasil. Foto de Fernando Vilarinho 19ag2014.

Reflexão - guerra de balões de água!?

Uma Guerra de Balões de Água vai acontecer no centro histórico de Leiria. São esperados milhares de participantes, que serão divididos em dois grupos: adultos e crianças. Os responsáveis dizem que atirar 50 mil balões de água vai ser uma guerra saudável, para além de proporcionar uma sessão de banho público que está muito na moda nos últimos tempos.
Esta gente não se enxerga. É disparate atrás de disparate. Para além de se desperdiçar milhares de m3 de tão precioso líquido, tão necesssário para regas especialmente no verão, o evento vai produzir quilos de resídfuos de plástico e borracha. Já não bastava esta patetice ter estado longos anos limitada ao dia de Carnaval em Ponta delgada. Agora veio para Leiria e já se pensa estendê-la a Coimbra, Lisboa e Porto. Tenham juízo, poupai água.

Bico calado

  • Maria Fernandes, uma portuguesa de New Jersey, morreu enquanto dormitava no seu jipe. Tentava descansar entre os seus 4 empregos.
  • “Vivemos no preconceito do número, e o «economês» substituiu-se à análise política dos factos. O idioma críptico utilizado pelos preopinantes que infestam jornais, rádios e televisões chega a atingir as fronteiras do absurdo. Jornalismo, propriamente dito, a reportagem, a crónica, a notícia, o artigo que esclarece, desenvolve o raciocínio e explica a natureza dos acontecimentos, foram engolidos por uma massa caótica de palavras, as mais das vezes sem direcção nem sentido.” Baptista Bastos in Os homens de palha, DN 28ag2014.

quinta-feira, 28 de Agosto de 2014

Cristas faz frete ao lóbi da indústria agroquímica

Abate de árvores em Aveiro. Foto Rosa Pinho 27ag2014.
  • A ministra da Agricultura e do Mar Assunção Cristas alinhou com o lóbi da indústria agroquímica e votou contra a retirada dos pesticidas tipo neonicotinóides (tioametoxam, imidacloprid e clotianidin), responsáveis pelo extermínio das abelhas. A Bayer e a Syngenta agradecem.
  • A câmara de Aveiro acaba de abater 9 choupos entre o Bairro da Gulbenkian e a cadeia por alegado perigo em caso de ventos fortes.
  • As caminhadas em áreas protegidas deixam de exigir pagamento de taxa.

Mão pesada

A DuPont foi multada em mais de 3 milhões de dólares por fugas de substâncias tóxicas entre maio de 2006 e janeiro de 2010 da sua fábrica de Belle, West Virginia.

Bico calado

  • Christine  Lagarde, a diretora do FMI, é suspeita de atos de corrupção ocorridos nos anos 90 enquanto minitra das Finanças de França.
  • “O que havia, nesta quarta-feira, era um número invulgar de profissionais da comunicação social à porta do Colombo. À volta de vinte. Alguns andavam de entrada em entrada, dentro e fora do centro, e iam consultando, nos telemóveis, a página do evento, na qual havia já várias publicações de tom humorístico. Um utilizador publicou uma fotografia de um carro blindado a dizer que estava a chegar e a estacionar e outros diziam que a polícia e os jornalistas tinham sido enganados. Repórteres, fotojornalistas, televisões com carros de exteriores, microfones, câmaras. Foi um meet de jornalistas.” É de facto, um baile a toda a largura do palco. Valia a pena os media pararem um pouco para pensar. Pensar no que realmente é essencial para a sociedade. Se não o fizerem, se preferirem realçar eventos impostos por modinhas de gosto e substância duvidosos, poderão ter a certeza de que cairão em mais situações deste género.  Sobre este tipo de jornalismo, valerá a pena ler Samuel Quedas.

quarta-feira, 27 de Agosto de 2014

Sydney não está bem de saúde

Silvalde, Espinho. Foto de Paulo Horta Carinha 23ag2014.

Sydney anda mal de saúde, a fazer fé nos resultados de estudos agora publicados por investigadores universitários. 
Não é apenas o solo contaminado com chumbo com quantidades 13 vezes superiores ao legalmente estabelecido. É também o elevadíssimo volume de resíduos de plástico no seu porto.

Bico calado

  • Por que será que os recentes terramotos no Chile e no Peru praticamente passam despercebidos mas o da Califórnia é tão badalado?
  • Não querem pulseira eletrónica para os seus rebanhos? Então não recebem subsídios europeus!