quinta-feira, 18 de Setembro de 2014

Gronelândia: licença para caçar baleias

Costa do Miradouro de Santa Iria, Ribeira Grande. Foto: Luís Noronha Botelho 21ag2014.

Bico calado

Como os meios de comunicação lixaram o povo da Escócia, por George Monbiot in  The Guardian, 16set2014

Pontos a reter:
(1) Nas sua torres de marfim, os jornalistas estão dessintonizados com o sentimento popular e bolsam calúnias perante qualquer desejo de mudança;
(2) Nenhum meio de comunicação social local, regional, nacional, inglês ou mesmo escocês, à exceção do Sunday Herald, fez eco dos que apoiam a independência;
(3) Ao longo dos anos que passei a trabalhar com os movimentos de protesto e a tentar salientar questões negligenciadas, registei sempre isto: salvo raras e honrosas exceções, os jornalistas são sempre os últimos a dizer que as coisas mudaram. Não será por acaso que os resultados das sondagens os apanharam de surpresa;
(4) O próprio The Guardian, que não tem dono e foi fundado para representar e dar voz aos que não o são nem a têm, deixou muito a desejar, quedando-se por uma colagem de opiniões repescadas do resto da imprensa;
(5) O consenso neoliberal que paralisa Westminster deve-se, em parte, aos media corporativos, controlados pelos seus beneficiários, que assim o exigem. Qualquer partido que desafie esta visão do mundo é brutalmente disciplinado. Qualquer partido que mais ruidosamente promova o poder corporativo é elogiado e defendido;
(6) Apesar da ascensão dos media sociais, os media de referência continuam a definir o perfil da política representativa na Grã-Bretanha, para moldar as exigências políticas e para punir e eliminar aqueles que resistem. É uma câmara do coração corrupto da Grã-Bretanha, bombeando medo, desinformação e ódio contra o povo de um país;
(7) O facto de tantos escoceses, criticados por todos como tolos, vigaristas e ingratos, se terem recusado a continuar a ser intimidados é já um triunfo político. Se eles votarem pela independência, fá-lo-ão desafiando não só o consenso de Westminster, mas também os seus executores: os estranhos, pessoas complacentes que afirmam falar em seu nome.

quarta-feira, 17 de Setembro de 2014

Taxa sobre os resíduos vai subir cinco vezes?

Foz do Cabril. Foto: Natureza e Poesia 3set2014.

Mão pesada

A Occidental Chemical Corp está judicialmente obrigada a pagar 190 milhões de dólares ao estado de New Jersey para descontaminar o rio Psaaic.

terça-feira, 16 de Setembro de 2014

Governador nega racionamento de água

Fajã do Ouvidor, Piscina Natural do Simão Dias, São Jorge–Açores, ao entardecer. Foto de Rui Vieira 9set2014.

Mão pesada

Bico calado

sexta-feira, 5 de Setembro de 2014

Apicultores canadianos processam Bayer e Syngenta


Foz d'Égua – Arganil. Foto da CM Arganil 14mar2013.
  • Duas empresas de apicultores canadianas (Sun Parlour Honey e Munro Honey) acabam de processar as filiais da Bayer e da Syngenta, fabricantes de pesticidas, alegando que toxinas como os neonicotinoides estão a dizimar as suas abelhas.
  • Terrenos no delta do Mecão, partilhado pelo Vietnamne e pelo Cambodja, estão a baixar entre 1 e 4 centímetros por ano, revela uma investigação da Stanford University. Não é por acaso que têm aumentado as inundações provocadas pelo avanço das águas do rio e das águas do mar. Este abaixamento do nível dos terrenos deve-se ao enorme volume de água extraída do milhão de poços na região.

Mão pesada

quinta-feira, 4 de Setembro de 2014

Espanha campeã da reciclagem


Amanhecer na Ilha das Flores. Foto de Graça Quaresma 24ag2014.

Reflexão – proibir os eletrodomésticos potentes ajuda a combater as alterações climáticas?

Os eurocéticos e os céticos do clima já criticaram a medida europeia e garantem que eliminar os potentes eletrodomésticos pouco ou nada influirá na redução das emissões. Muitos argumentam que os eletrodomésticos menos potentes terão de consumir mais energia para cumprir uma determinada tarefa que duraria muito menos se a potência do eletroméstico fosse maior. Outros dizem que os eletrodomésticos mais baratos e energeticamente mais eficientes poderão estimular mais consumo. The Guardian.

Mão pesada

  • A Thames Water foi multada em 257 mil libras por responsabilidades na fuga de esgotos não tratados e consequente contaminação da Chase Brook, em Newbury.
  • A Pacific Gas & Electric Co. deverá ser multada em 1,4 mil milhões de dólares por explosão que matou 8 pessoas, destruiu 38 casas e provocou feriu 66 pessoas em San Bruno, perto do aeroporto internacional de San Francisco.

Bico calado

“Uma coisa é não ter vergonha do passado – outra é ter orgulho nele e continuar a alimentar duvidosas memórias através de arranjos florais. Se a cara de Salazar lá estivesse desenhada com gardénias e hortências também seria para manter? Não, isto não é apagar a História coisíssima nenhuma. É apenas não continuar a engalanar um jardim como se estivéssemos em 1940. Sá Fernandes tem razão. Nós já não somos aquele país. E convém dizê-lo, vezes sem conta, aos senhores do PSD e do CDS: não somos e ainda bem. Graças a Deus e ao 25 de Abril. Deixem o buxo crescer em paz.” João Miguel Tavares in O patriótico buxo, Público 4set2014.

quarta-feira, 3 de Setembro de 2014

Município acusado de vandalismo por ter autorizado abate de árvores

Migração de caranguejo eremitão – cenas impressionantes captadas por Steve Simonsen em Nanny Point, na ilha de St. John.

Bico calado

  • O PSD-Madeira proíbe a entrada nas suas sedes a jornalistas. A situação não é inédita. Já em Março de 1994, os correspondentes da SIC,Diário de Notícias e PÚBLICO foram expulsos de uma conferência de imprensa realizada na sede regional do partido, à rua dos Netos, no Funchal. Em Julho de 2011, o PSD-M recusou facultar aos Diário de Notícias da Madeira e de Lisboa, TSF/Madeira e jornal PÚBLICO credenciais de acesso e livre trânsito nas zonas reservadas à comunicação social na sua herdade do Chão da Lagoa, para a cobertura da festa anual.
  • “ESTOU FARTO de políticos mentirosos que na oposição prometem tudo e que no Governo nada fazem. ESTOU FARTO de políticos despudorados que concorrem a eleições com um programa e que, quando eleitos, o rasgam sem ponta de vergonha. ESTOU FARTO de políticos autistas que não percebem que a elevada abstenção representa um não ao actual sistema político. ESTOU FARTO de políticos malabaristas que jogam com números já hoje duvidosos e amanhã falsos, tentando fazer de nós estúpidos e ineptos. ESTOU FARTO da promiscuidade entre políticos e poderes financeiro e empresarial. ESTOU FARTO de ministros que são nomeados e que depois se volatilizam, tal como o dinheiro dos contribuintes que o Estado coloca nos bancos falidos. ESTOU FARTO de pagar mais impostos, ver a pensão reduzida e a dívida a aumentar. ESTOU FARTO de ouvir dizer que o problema são os juros da dívida e não ver coragem para negociar a sua reestruturação. ESTOU FARTO de banqueiros e de presidentes de empresas com prejuízo receberem milhões de indemnização e definirem para si próprios reformas obscenas. ESTOU FARTO de bancos e empresas com conselhos de administração de 20 membros a ganharem quantias exorbitantes. ESTOU FARTO de uma AR cujos deputados passam parte do tempo a trabalhar para empresas privadas. ESTOU FARTO das juventudes partidárias que só produzem políticos incultos, arrogantes e inexperientes. ESTOU FARTO de ex-ministros muito críticos, esquecidos de que já tiveram o poder e não resolveram os problemas do País. ESTOU FARTO dos reguladores que não regulam nada e no final ainda são promovidos. ESTOU FARTO de uma classe dirigente com salários muito superiores aos dos seus colegas europeus, enquanto o salário mínimo nacional está muito abaixo da média europeia. ESTOU FARTO das fugas de informação que beneficiam os depositantes que têm 10 M euros e nunca os que têm 10 000 euros. ESTOU FARTO de um sistema judicial que está estruturado para proteger os fortes e poderosos e aniquilar os fracos e desprotegidos. ESTOU FARTO de uma justiça lenta, inoperante e que deixa prescrever processos importantes. ESTOU FARTO de ouvir dizer que o nosso sistema de pensões é insustentável porque o número de idosos é muito superior ao dos jovens, enquanto na Alemanha há percentualmente mais idosos e menos jovens do que em Portugal e o sistema ali é viável e as reformas intocáveis. ESTOU FARTO de ser acusado, juntamente com os outros reformados e funcionários públicos, de sermos as gorduras do Estado, de termos vivido acima das nossas possibilidades e daí arcarmos com a maioria das medidas correctivas. Mas pergunto: e as gorduras dos gabinetes de governo e empresas? E as reformas de políticos e gestores de empresas? ESTOU FARTO de ver o Governo corajoso a reduzir as pensões e medroso frente às PPP. ESTOU FARTO dos offshores, das pessoas que lá colocam o dinheiro e dos governos incapazes de travar esta fuga aos impostos. ESTOU FARTO dos empresários que obtêm lucros em Portugal e depois os aplicam no exterior." Mário Cabrita, tenente-general in Basta, estou farto! DN 27ag2014.
  • Professor norte-americano desaparecido depois de detido e interrogado por publicar 2 livros de ficção científica.
  • “Ser preso por roubar um banco ou numa aloja dá direito a prisão. Ser apanhado a vender cocaína ou a roubar um carro dá direito a rpisão. Mas se for um CEO de um dos maiores bancos da América e esse banco for multado em milhares de milhões por fraudes, você não precisa preocupar-se porque o Departamento de Justiça dos EUA dá-lhe um passe de livre circulação; você está, de facto, acima da lei.” Michael Payne.
  • "Imagina um documento, desconhecido pela maioria da população da União Europeia e dos Estados Unidos, que substituía as leis nacionais e comunitárias de uma só vez. Imagina que esse documento era discutido atrás de portas fechadas, com as negociações entregues a burocratas não eleitos e representantes de empresas multinacionais. Imagina que esse documento quebrava à partida a legislação comunitária ao ser discutido em segredo. Imagina que o documento entrava em vigor e tu nem sabias de nada. Era uma obra de ficção ao nível da Guerra das Estrelas, com traições, acordos secretos e subversão das instituições. Não precisas imaginar mais. Esse documento chama-se Tratado de Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (sigla TTIP) e está em discussão há meses em Bruxelas e Washington. (...) É por tudo isto que o tratado tem de ser negociado de maneira secreta. É por isso que não querem escrutínio público ou democrático. É a política da Guerra das Estrelas, com tecnologias de ponta a ser dirigidas por pessoas que defendem os princípios da Idade Média.”  João Camargo in Tratado Transatlântico: O Império Contra-Ataca, Público.