domingo, 23 de Novembro de 2014

Tempestades comem costa

Ribeira Funda-Maia, S. Miguel. Foto de António Rego 15nov2014

As tempestades do inverno de 2013-2014 erodiram a costa da Aquitânia em mais de 10 metros.

Reflexão - quem lê o Ambiente Ondas3 e quais as preferências

No Ambiente Ondas3, as 3 postas mais populares dos últimos 8 dias foram, segundo a Google Analytics:


As visitas vieram, por ordem decrescente, dos Estados Unidos, de Portugal, da França, da China, da Alemanha, da Polónia, do Brasil, da Rússia, da Irlanda e do Reino Unido. 

Mão pesada

  • A Xplor Energy SPV-1 Inc. foi multada em 3,1 milhões de dólares por despejo, durante mais de dois anos, de água suja de óleo no golfo do México, perto de Plaquemines Parish.
  • A Tiller Corp. foi multada em 85 mil dólares por poluir o ar e produzir ruído elevado durante as suas operações de fraturação hidráulica. É a segunda vez que é multada em dois anos, por motivos semelhantes.

Bico calado

Quem é que cria mais postos de trabalho? O Bloco de Esquerda ou a Remax? por Pacheco Pereira in Público de 22nov2014.

“Esta pergunta foi feita por Paulo Portas, quando no Parlamento se explicava sobre os vistos gold, política de que é o principal patrocinador. (...)
Quem cria mais postos de trabalho? O CDS ou o BE? O CDS, claro, que está no Governo e participa na distribuição dos boys e girls e com muito afinco. Chama-se a “quota” do CDS. Quem cria mais postos de trabalho? O PSD ou o CDS? Terrível problema para o CDS, que só chega ao poder encostado nos votos do PSD e já fez disso modo de vida. A resposta é: o PSD, claro. Quem cria mais postos de trabalho? O CDS ou a Remax? A Remax claro, uma multinacional cujo nome Portas acabou por misturar nestas justificações, fazendo-lhe publicidade gratuita. Que se saiba, Portas ainda não vende casas na Micronésia, onde a Remax actua. Quem tem uma “marca” de maior prestígio e maior valor de mercado? Portas ou a Remax? A Remax, que ainda não é “irrevogável”. (...)
É por isso que a frase de Portas pode também ser formulada de outras maneiras: o que cria mais emprego? A prostituição ou Portas? A prostituição. O que cria mais emprego? O crime ou Portas? O crime. O que cria mais emprego? A corrupção ou Portas? A corrupção. O que cria mais emprego? A “economia paralela” ou Portas e a maioria? A economia paralela. O que cria mais empregos? A guerra ou Portas? A guerra. E por aí adiante. Há dez mil coisas más que criam mais emprego do que Portas e a maioria, e isso não as justifica. (...)
Dirigida na mouche ao sentido da frase de Portas estão estas afirmações [do Papa Francisco]:
"Assim como o bem tende a difundir-se, assim também o mal consentido, que é a injustiça, tende a expandir a sua força nociva e a minar, silenciosamente, as bases de qualquer sistema político e social, por mais sólido que pareça. Se cada acção tem consequências, um mal embrenhado nas estruturas duma sociedade sempre contém um potencial de dissolução e de morte. É o mal cristalizado nas estruturas sociais injustas, a partir do qual não podemos esperar um futuro melhor."
O problema dos vistos gold é simples: dinheiro inexplicado a montante, corrupção a jusante. É por isso que o caso de corrupção que hoje está a ser investigado e atinge o coração do Estado é estrutural e não conjuntural. É um resultado de se pensar como pensa Portas: se entra dinheiro, fecha-se os olhos, e depois “o mal consentido (…) tende a expandir a sua força nociva”.


sábado, 22 de Novembro de 2014

Mais articulação no combate ao crime ambiental

Cabeça da Velha, Serra da Estrela. Foto de Caminheiros do Oeste 13out2014.
  • O crime ambiental transfronteiriço é fomentado por grupos de crime organizado, diz um relatório da Eurojust. Apesar dos grandes lucros destes crimes, (entre 30 e 70 mil milhões de dólares anuais), o crime ambiental é raramente processado pelas autoridades nacionais e as penalizações são pequenas. O relatório salienta os casos de exportação ilegal de resíduos perigosos para Itália e Irlanda, poluição de água na Grécia, na Hungria e na Suécia, exportação ilegal de macacos. O relatório critica a carência de articulação entre as autoridades competentes quer a nível nacional quer anível internacional e sugere uma abordagem multidisciplinar na qual as várias autoridades possam colaborar melhor, partilhando as melhores práticas e experiências.
  • Uma plataforma petrolífera da Fieldwood Energy, situada ao largo da costa de New Orleans, foi palco de uma explosão que matou um técnico e feriu três.
  • A ArcelorMittal, a maior fabricante mundial de aço, já foi 6 vezes levada a tribunal por emissões ilegais depois de reabrir em abril, informa o ministério do Ambiente dos EUA.

Mão pesada

A Glazewing Ltd foi multada em 8.300 libras por espalhar 3.900 toneladas de resíduos contaminados com plástico, esferovite, e metais num campo perto de Wretton.

Bico calado

  • Lello escondeu conta milionária durante 14 anos. Vagamente relacionado: Pode um deputado eleito pelo povo, ser membro da Comissão de Defesa Nacional e ser consultor de uma sucursal de uma das maiores empresas fornecedoras de serviços militares a nível mundial? José Lello, do PS, pode!
  • "As coisas ocorrem às ocultas e o que devia ser civicamente transparente é politicamente opaco e tenebroso. O caso das causas da legionella é significativo: as empresas responsáveis por uma desgraça que matou nove pessoas continuam numa impunidade indecorosa, embora os nomes e os factos sejam conhecidos." Baptista Bastos in CM.

sexta-feira, 21 de Novembro de 2014

São os pobres que mais sofrem com a fraturação hidráulica

Ponte de Santiago, Pessegueiro do Vouga. Foto de Peter Mooney 15nov2014.

Mão pesada

  • A dona de um galo vai ter de se livrar da ave de estimação. Tudo porque canta muito e os vizinhos queixaram-se às autoridades. Isto acontece em Cornelius, no Oregon. A página eletrónica desta cidade diz que “é um paraíso agrícola, onde abundam as colinas, as vinhas e as quintas”. Os galos não estão proibidos, mas uma lei local é rigorosa para com animais que perturbem a tranquilidade da vizinhança.
  • O Procurador-geral do estado de Washington vai processar a administração Obama por pouco ou nada ter feito para proteger adequadamente os trabalhadores envolvidos na descontaminação de um laboratório nuclear encerrado há décadas, alegando que dezenas ficaram doentes por contacto com vapores tóxicos. A Hanford Nuclear Reservation, no sudeste do estado, fabricou armas nucleares durante a II Guerra mundial.

Bico calado

  • “A comoção que provocou o facto de Cavaco Silva não ter endereçado votos de parabéns a Carlos do Carmo é injustificada. Que se lixe Carlos do Carmo, esse sortudo. Na mesma semana, o cantor teve duas alegrias: recebeu um prémio internacional pela sua carreira e não recebeu os parabéns do Presidente da República. Isto, para mim, é a definição de prestígio. Desconfiamos que alguma coisa está mal na nossa vida quando Cavaco Silva nos distingue. Recordo que Cavaco distinguiu Dias Loureiro com a sua amizade e Oliveira e Costa com o lugar de secretário de Estado dos Assuntos Fiscais. A recusa de fazer chegar um parabém a Carlos do Carmo acrescenta honra à semana já honrosa do fadista. Foi dos mais belos ultrajes que já vi, uma das mais dignificantes desconsiderações que o Presidente já concedeu.” Ricardo Araújo Pereira in Visão 17jul2014. E o Ricardo esqueceu-se de acrescentar à lista o Zeinal Bava.
  • Campanha de Cavaco gastou 25 mil euros para oferecer 110 relógios a colaboradores.
  • “O sr. João César das Neves cumpre assim, desta forma cínica, a tarefa de ilibar o governo. Fala como se vivêssemos todos com reformas milionárias e trata os pensionistas como imbecis que não são capazes de fazer contas ou compreender a realidade. Faz tudo isso numa prosa coloquial e aparentemente amiga (aqui está a hipocrisia do dito), para desferir depois grandes caneladas ou punhaladas no magro lombo dos reformados. Nas suas brilhantes equações sociais, João César das Neves, deve concluir que a solução do problema radica na execução sumária dos idosos. Uma solução final à escala da demografia portuguesa. Leio isto e lembro-me do Padre José Agostinho de Macedo que, quanto aos sujeitos que destilavam prosas como a de João César das Neves, dizia que havia muitos indivíduos que davam coices com as palavras. E logo acrescentava sabiamente: se uma besta dá um coice, não se corta a pata, puxa-se pela arreata. Doutra forma, João César das Neves há muito que andava ao pé coxinho...” Fernando Paulouro Neves
  • Carta aberta a um personagem menor, por Carlos Paz.
  • Deputado do PS «rouba» microfone a secretário de Estado.
  • Não há situações de escravatura no mundo da moda de Los Angeles, pois não?

quinta-feira, 20 de Novembro de 2014

Syngenta alvo de 50 processos nos EUA

Cascatas das Lombadas, S. Miguel. Foto: Pedro Silva 31mai2014

Mão pesada

Bico calado

  • “Nos últimos 6 anos, a General Electric registou cerca de 34 mil milhões de lucros nos EUA. Quanto pagou de impostos? Zero. Não, menos do que zero. Eles receberam um desconto fiscal de cerca de 3 mil milhões depois de terem desviado muito do seu dinheiro para as Bahamas, as Bermudas e outros paraísos fiscais.” Bernie Sanders, senador por Vermont.
  • O Fisco detetou vendas ilegais de ações da Isohidra feitas por Marques Mendes e Joaquim Coimbra, em 2010 e 2011, e que terão lesado o Estado em 773 mil euros. As ações foram vendidas por 51 mil euros, mas valiam 60 vezes mais: 3,09 milhões.

quarta-feira, 19 de Novembro de 2014

O Parque Natural do Vale do Guadiana merece mais cuidado

Lagoa da Ervedeira, Leiria.
  • A Quercus defende a necessidade de alargar a área protegida do Parque Natural do Vale do Guadiana e atrair mais investimento público e privado para a sua conservação. A Quercus alerta ainda para a inexistência de saneamento básico em algumas povoações na área do parque natural e o aumento de atividades de lazer como o desporto motorizado de todo-o-terreno, o BTT e as atividades aquáticas motorizadas, suscetíveis de provocarem poluição da água ou de deteriorarem os valores naturais.  O agravamento da erosão do solo e desertificação, o elevado risco de incêndio, a captura e o abate ilegais de espécies protegidas, a utilização de artes ilegais de caça, o abandono de entulho, a abertura de caminhos e a construção de grandes empreendimentos turísticos são outros dos fatores apontados pelos ambientalistas como ameaça.
  • A Greenpeace Espanha denuncia as mentiras oficiais que têm permeado os comunicados governamentais e as notícias dos media corporativos: (1) É mentira que as prospeções petrolíferas da Repsol ao largo das Canárias sejam seguras e não afetem o ambiente. Richard Steiner, professor da universidade do Alaska e perito em prospeções profundas, não tem dúvidas: o projeto da Repsol nas Canárias é um desastre anunciado. (2) Se há gente que ainda acredita na segurança das plataformas de petróleo, não devem esquecer-se da explosão e das consequências do enorme derrame de crude da BP no golfo do México (20 abril 2010) e da catástrofe do Prestige ao largo da Corunha (19 novembro 2002). (3) Uma ativista de 21 anos, com pouco mais de 50 quilos, caindo sozinha e cortando-se na hélice do seu próprio barco, tendo sido socorrida pela Armada? As filmagens mostram barcos da Armada a chocar a grande velocidade contra um barco da Greenpeace e a ferir a ativista. A Armada tirou fotos de outro barco que a Greenpeace usa para comunicações e que não estava na zona e fez constar que a ativista se tinha ferido no seu próprio barco. Os barcos da Greenpeace NÃO TÊM HÉLICES porque são movidos a jato. (4) Acusar a Greenpeace de pirataria? Isso é que era bom, nem Putin conseguiu fazer isso após protestos iguais levados a cabo na Rússia.
  • A maior central fotovoltaica africana já está operacional. Situa-se na África do Sul, foi implantada pela SolarReserve e financiada pela Google.
  • Sabia que New York City é campeã das descargas de esgotos não tratadas para linhas de água, canais e ribeiras? E que os responsáveis tardam em tomar medidas apesar de terem recebido imensas propostas?
  • O Centre for Science and Environment de Dehli considera o acordo climático assinado em segredo entre os EUA e a China não foi nem histórico nem ambicioso. Foi puro negócio e defesa de interesses mútuos. Os dois países terão estabelecido metas que representaraão uma subida catastrófica de 4º nas temperaturas globais, muito mais do que os 2º estabelecidos pelo Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas.

Mão pesada

  • A Southern Water foi multada em 519 mil libras por derrame de esgoto não tratado na ribeira de Swalecliffe. 
  • A Ibstock Bricks Limited foi multada em 33 mil libras por contaminação da ribeira de Silverdale com resíduos de barro da pedreira de Knutton, em Newcastle-under-Lyme, Staffordshire.
  • Um operador de resíduos foi condenado a pena de prisão suspensa por 18 meses, a 200 horas de trabalho comunitário e a pagamento de multa de 17 mil libras,  por deposição de resíduos em lugares inadequados.

Bico calado

terça-feira, 18 de Novembro de 2014

Para que serve uma ciclovia em Espinho?

Rua 23, Espinho. Foto de Paulo Duarte/Espnho Alerta 13nov2014.
Para que serve uma ciclovia? Para estacionar automóveis e camiões, pois claro.

Reflexão

Obama faz a fita do Ambiente, por Rob Urie, in Counterpunch.

Pontos a sublinhar:

1 Ao anunciar que a China e os EUA vão reduzir as emissões de carbono, Obama conta com a energia alegadamente limpa do nuclear, para a qual não existe solução para armazenar resíduos que são tóxicos durante milhares de anos. Os EUA dizem que vão reduzir as suas emissões porque vão fazer o outsourcing da sua produção suja para a China. Aliás, durante a última década os EUA ganharam 24 mil milhões de dólares para instalar centrais nucleares na China.
2 Enquanto aprovava a segunda fase do projeto do oleoduto Keystone XL, Obama extraía carvão de uma mina na bacia hidrográfica do rio Powder, no Wyoming, para o exportar para a China, para a Índia e para o Japão.
3 Os acordos comerciais Trans Pacific Partnership e Transatlantic Trade and Investment Partnership que Obama estabeleceu impõem uma governance supranacional que limita a competência das autoridades civis para criar e aplicar regulamentos ambientais. Já foi feito o outsourcing dessas competências para lóbis empresariais e o American Legislative Exchange Council.

Bico calado

  • As relações suspeitas nos vistos dourados – infográfico do JN.
  • "Como não havia lido a tal sua crónica de 7 de Novembro (...) devo começar por referir que o que escrevi no blogue nunca poderia responder ao que desconhecia. Por isso, João Miguel Tavares enfiou, de facto, uma carapuça que não lhe era destinada. E foi, por demais, presunçoso. (...) João Miguel Tavares está, evidentemente, no direito de pensar o que muito bem entender sobre o que escrevo. Mas reconhecerá que se precipitou no nexo de causalidade crítica que criou no seu texto. Dirigindo-me mais directamente a si, João Miguel Tavares: nos posts não falei, nem pensei sequer em si. Não lhe mandei indirectas sem nunca pronunciar o seu nome. Aliás, devo dizer-lhe que, talvez por já pertencer a algumas dessas brigadas agora tão invocadas, não tenho por hábito despender o meu tempo em pingue-pongues retóricos. A minha vida já é longa e tem-me ensinado a discernir cada vez melhor o essencial do acessório, o determinante do espumoso, o útil do inútil e do fútil, e até o infantil do juvenil (ou senil, se quiser). Uma última nota: à míngua de melhores argumentos, o seu texto está prenhe de processos de intenção “esquivos e angulosos”, para utilizar as suas mesmas palavras. Dizer, por exemplo, que o meu hábito pode ter sido adquirido nos tempos da Outra Senhora (maiúsculas suas) é cair no “pecado” de que me acusa e é – voltando a utilizar termos seus — “uma coisa infantil e popular”. Em 25 de Abril de 1974 tinha 26 anos, trabalhava arduamente, havia cumprido serviço militar por três anos, havia-me licenciado com o meu esforço, havia sido pai e – imagine – até já havia votado na Oposição Democrática (1969). Eram estes os meus hábitos." Bagão Félix in O erro de paralaxe de João Miguel Tavares.
  • A França de Hollande funciona como uma offshore para empresas como a Microsoft, a Huawei e a R&D.

segunda-feira, 17 de Novembro de 2014

Tribos deslocalizadas em nome da conservação

Espinho. Foto de Sónia Pereira 13nov2014.
  • Os lideres reunidos na cimeira do G20 apelaram ao governo australiano para ser mais assertivo em relação às suas políticas de combate às alterações climáticas e para colaborar mais no fundo estabelecido para o efeito. Tony Abbot respondeu que continuará a defender o carvão porque é lider de um país que é um dos maiores produtores de carvão do mundo.
  • Quatro trabalhadores morreram durante uma fuga de metilo mercaptan na fábrica da DuPont em La Porte, perto de Houston. O metilo mercaptan é um químico utlizado na produção de inseticidas e fungicidas.
  • Centenas de comunidades nativas de zonas de conservação e de parques naturais têm sido expulsas e deslocalizadas em nome da preservação da vida selvagem e do combate às alterações climáticas, denuncia um relatório da Survival International. Esta tendência baseia-se em pressupostos alegadamente científicos que consideram que as tribos são incapazes de gerir as suas terras, de que elas caçam em demasia e esgotam os recursos, sublinha Stephen Corry, diretor da Survival. É também, acrescenta, um desejo racista dos governos de integrar, modernizar e controlar os povos tribais.

Reflexão

Imagem de IvanSolyaev.

A Idade da Solidão está a matar-nos,
por George Monbiot, in The Guardian, 14out2014

1 Thomas Hobbes estava errado ao defender que, antes de haver autoridade para controlar o homem, este estava envolvido numa guerra do homem contra o homem. Os homens são animais gregários e não conseguiriam sobreviver sem se apoiar mutuamente. 
2 A solidão tornou-se epidémica não só nos jovens adultos mas também nos idosos, alerta um estudo da Independent Age.
3 As fábricas fecharam, as pessoas viajam de carro em vez de autocarro e usam o YouTube em vez de iemr ao cinema. Mas estas alterações não conseguem explicar a velocidade do nosso colapso social. Estas mudanças estruturais foram acompanhadas de uma ideologia que nega a vida, o que reforça e celebra nosso isolamento social. A guerra do homem contra o homem - competição e individualismo, por outras palavras - é a religião do nosso tempo, justificada por uma mitologia de rangers solitários, empresários em nome individual, empreendedores, self-made men, solitário. O que importa é ganhar. O resto é um dano colateral.
4 Os jovens britânicos já não querem ser maquinistas ou enfermeiros. Mais de um quinto dizem que só querem ser ricos; aliás, riqueza e fama sáo as únicas ambições de 40% dos questionados. Até mesmo a nossa linguagem reflete isso: maior insulto atual é “perdedor”.
5 Um dos resultados trágicos da solidão é que as pessoas viram-se para seus televisores em busca de consolo: dois quintos dos idosos dizem que a televisão é sua principal companhia. 
6 Mas afinal o que ganhamos com esta guerra do homem contra o homem? A concorrência gera crescimento, mas o crescimento já não nos faz mais ricos. Números publicados esta semana mostram que, enquanto o rendimento dos diretores de empresa aumentou mais de um quinto, os salários para a força de trabalho como um todo caíram em termos reais em relação ao ano passado. Os patrões ganha 120 vezes mais do que o trabalhador médio em tempo inteiro. (Em 2000, foi 47 vezes). E mesmo se a concorrência nos tornasse mais ricos, não nos faria mais felizes, uma vez que a satisfação derivada de um aumento do rendimento seria prejudicada pelos impactos da concorrência.
7 1% detém 48% da riqueza mundial, mas mesmo eles não estão felizes. Uma pesquisa realizada pelo Boston College de pessoas com um património líquido médio de 78 milhões de dólares revelou que eles também foram assaltados por ansiedade, insatisfação e solidão. Muitos deles dizem sentir-se financeiramente inseguros. 
8 Para tudo isto, destruímos o mundo natural, degradámos as nossas condições de vida, hipotecamos as nossas liberdades e expetativas de satisfação a um hedonismo compulsivo, amorfo e sem alegria que, depois de tudo consumirmos, começamos a canibalizar-nos.

Bico calado

  • "O esquema de corrupção nos "vistos dourados" provocou 11 (onze) detenções. Este programa criou até hoje 10 (dez) postos de trabalho (que se conheça!). O programa gerou mais presos do que empregos!" Paulo Morais 15nov2014.
  • Que dizer de um tanque de polícia israelita lançar, com uma agulheta, urina para as fachadas de casas habitadas por palestinianos da alta? O video mostra tudo. Só não mostra as faltas às aulas que 4.500 crianças foram forçadas a dar por terem sido obrigadas a ficar em casa devido ao cheiro pestilento que persistiu na zona durante bastante tempo.
  • Concentração da propriedade da terra na ilha de S. Miguel é "sui generis" - in Açoriano Oriental.