Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

quarta-feira, 9 de outubro de 2019

Bico calado




  • 125.000€ de renda anual para 1800 lugares de estacionamento pago à superfície em Espinho em concessão da CM de Espinho à ESSE, equivale a dizer (1) que 1800 lugares de estacionamento são arrendados por 10.416 € mensais; (2) que 1800 lugares de estacionamento são arrendados por 1385.80€ diários; (3) que 1800 lugares de estacionamento são arrendados por 58€ hora; (4) que 1 lugar de estacionamento é arrendado a 0,0322€ /hora (três cêntimos à hora). 1800 lugares ocupam uma área aproximadamente de 20000m2, o que equivale a dizer (1) que a renda anual de 125000/20000=6.25€/m2 p.ano; (2) que a renda mensal de 10.416€/20000=0,52€/m2 p.mês; (3) que a renda diária de 1385,80/20000=0.069€/m2 p.dia; (4) que 1m2 de domínio publico devidamente preparado de baía de estacionamento ou de área para aparcamento, o Povo arrecada, por cada três dias, 2 cêntimos. Receita bruta anual de 500000€ corresponde sensivelmente a uma taxa de ocupação de 25,% dos 800 lugares reais. Receita bruta anual de 500000€ corresponde sensivelmente a uma taxa de ocupação de 11,5,% dos 1800 lugares previstos.» Fonte: Alexandre Duarte.
  • «Os racistas e os ultraliberais entraram no parlamento. São poucos (um de cada) e nāo vão crescer muito. Mas vão fazer-se ouvir mais do que o costume. Vamos ouvir mais vezes que os problemas do país se devem aos pretos, aos ciganos, aos impostos a mais e a liberdade individual a menos. Vão apresentar as suas ideias como novas, mesmo que já andem por aí há séculos e já tenham causado muitos estragos. Mesmo nāo votando neles, aquelas palermices entranham-se em muita gente. Há que repetir à exaustão que a discriminação e a luta de todos contra todos nunca produziram sociedades coesas. E que é a coesão que faz as sociedades mais prósperas.» Ricardo Paes Mamede.
  • Contam os media do sistema, nomeadamente a CBS, que a esposa de um diplomata norte-americano baseado no Reino Unido é acusada de usar imunidade diplomática para escapar à justiça. Ela é suspeita de responsabilidade num acidente mortal e fugiu do país. A condutora de 42 anos foi vista a sair da Royal Air Force Croughton, uma base de espionagem, e conduzia pela faixa errada da estrada quando colidiu com a vítima. Carig Murray, ex embaixador britânico desmente alguns pormenores: Jonathan Sacoolas não consta de nenhuma lista de diplomatas, pelo que nem ele nem a esposa podem usufruir da imunidade diplomática. Sacoolas trabalha como oficial técnico da NSA no posto de interceção de comunicações da RAF Croughton, o seu papel é apoiar a interceção de comunicações de cidadãos britânicos. O que aparentemente existe entre o Reino Unido e os EUA é um acordo bilateral secreto para tratar os funcionários do GCHQ e da NSA como se tivessem imunidade diplomática, mas isso não é o mesmo que a proteção da Convenção de Viena sob o direito internacional, sublinha Craig Murray.
  • A Apple voltou a disponibilizar uma aplicação que permite a localização de protestos e a presença policial em Hong Kong. Os críticos dizem que a proibição inicial se deveu à cedência da Apple perante as pressões da China continental. Por outro lado, a Apple alega que isso se deveu ao facto de a sua aplicação estar a incentivar atividades ilegais e que mais não queria senão promover a segurança e ajudar as pessoas a evitar áreas perigosas. A disponibilização da aplicação pode representar uma grande vitória para os ativistas da «pró-democracia», mas pode fazer mossa nos lucros da Apple na China. OZY.
  • As autoridades escolares de Long Island (New York), Johnson County (Kansas) e St. Charles County (Missouri), processaram a Juul Labs, acusando-a de atingir intencionalmente adolescentes com cigarros eletrónicos e de criar um incómodo público com os problemas de saúde associados ao vaping. Bloomberg.
  • «Ficas todo sujo, e ainda por cima o porco gosta. Esta frase, do dramaturgo irlandês Bernard Shaw, encerra em si mais do que o sarcasmo em que ele era exímio: é uma lição de sabedoria política. Mas tem limitações, como todas. Às vezes somos mesmo forçados a lutar com porcos, quando algo muito importante depende disso, quando tem mesmo de ser. A questão é a de saber se chegou a altura de o fazer. Porque o risco é sempre enorme, e não tem nada que ver com coragem, ou falta dela: é que o porco leva-nos uma incomensurável vantagem na porcaria, e é muito difícil terçar, com seriedade, argumentos com alguém apostado em sacar de todos os truques baixos do cardápio, de todas as cartadas do populismo, da demagogia e das falsidades mais abjetas, usar todos os maus sentimentos e toda a ignorância e ingenuidade dos que assistem à refrega no sentido de fazer valer a sua posição. (…) O que lembra outra frase famosa atribuída a outro famoso ironista, Mark Twain: "Uma mentira pode dar meia volta ao mundo antes de a verdade ter tempo de calçar os sapatos." Porque a verdade - aqui também no sentido de decência e de complexidade do mundo - é chata e comprida, empalidece e gagueja ante o descaramento da falsidade e da demagogia. Porque a verdade necessita de tempo para desmontar as mentiras, para se demonstrar. Porque ser sério e fundamentado dá muito mais trabalho do que mandar bocas e dizer coisas que vão ao encontro dos estereótipos, dos preconceitos, dos ódios. E agora, ainda por cima, temos o estribilho da "censura do politicamente correto" de cada vez que nos indignamos contra afirmações e posições que põem em causa valores basilares da civilização europeia que julgávamos (et pour cause) inquestionáveis para sempre, como a igualdade e o princípio da não discriminação. O problema é portanto o de saber quando entrar na liça, se alguma vez. Quando estamos, ao rebater um demagogo populista, a fazer o que ele mais quer - dar-lhe oxigénio, atenção, fazê-lo conhecido, acicatar a sua possível base de apoio através daquilo que ele qualificará como a "censura" dos "elitistas" e "politicamente corretos" - e quando temos mesmo de o combater. (…)» Fernanda Câncio, in Nunca lutes com um porco - DN 7ago2017.
  • Os estudantes simpatizantes do movimento «pró-democracia» da Universidade Politécnica de Hong Kong usam canetas laser sobre a cara de um professor que apoia a lei anti máscara, eles até o insultam verbalmente e ameaçam-no dentro da sala de aula. 
Share:

0 comments:

Translate

Pesquisar no Ambiente Ondas3

Património

O passado do Ambiente Ondas3

Ver aqui.

Amig@s do Ambiente Ondas3

Etiquetas

Arquivo do blogue