Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

quinta-feira, 4 de julho de 2019

Açores: reportagem do Expresso sobre a contaminação dos solos na Terceira pela atividade da Base das Lajes galardoada com Prémio Gazeta de Imprensa 2018


«O Expresso volta a publicar a reportagem de 10 de março de 2018 sobre a contaminação dos solos na Terceira pela atividade da Base das Lajes - a investigação acaba de ser galardoada pelo Clube de Jornalistas com o Prémio Gazeta de Imprensa 2018. Há relatórios americanos que alertam para riscos na saúde pública mas estiveram em segredo durante uma década. O Expresso publicou 14 artigos sobre o tema nas suas edições em papel e online entre 10 de março e 14 de setembro de 2018
Um estudo encomendado pela Força Aérea Americana na Europa (USAFE) relaciona pela primeira vez a contaminação dos solos pela Base das Lajes com o risco de cancro. E um relatório do LNEC revela que há quatro locais da Praia da Vitória, onde fica a base, contaminados por hidrocarbonetos e metais pesados, devido ao armazenamento e manuseamento de combustíveis e de outras substâncias pela USAFE. Existem ainda 14 locais potencialmente contaminados de maior risco.

A investigação da USAFE na ilha Terceira foi feita pela empresa americana Bhate Associates em 2006, mas foi mantida em segredo até recentemente. E o relatório do LNEC, pedido pelo Ministério da Defesa Nacional, foi entregue em dezembro de 2016, mas apenas há algumas semanas se tornou público, estando estes documentos a provocar grande polémica nos Açores. O relatório do Laboratório Nacional de Engenharia Civil estava classificado como "Confidencial", mas uma fuga de informação levou vários media, entre os quais o Expresso, a conseguirem cópias do documento. Entretanto, tornou-se público depois de o governo regional dos Açores ter decidido entregá-lo na Assembleia Legislativa do arquipélago a 21 de fevereiro. A Assembleia acabou por aprovar dois Projetos de Resolução para exigir ao Governo da República a reparação dos danos ambientais causados pela Base das Lajes e para uma comissão parlamentar visitar os locais contaminados. Há ainda mais relatórios feitos pelo LNEC e pelos americanos sobre os solos e os aquíferos da Terceira.

A Bhate Associates enviou amostras de solos e de aquíferos a 23 metros de profundidade recolhidas em três locais nas Lajes - conhecidos por South Tank Farm, Main Gate Area (principal entrada da base) e Fire Training Pit - para o laboratório Theolab, em Itália. O laboratório detetou gasolina e diesel, bem como metais pesados tóxicos como bário, crómio e chumbo, com concentrações acima dos limites recomendados na legislação da Holanda, usada como referência internacional. A empresa americana revelou que havia "risco carcinogénico" seis vezes superior ao máximo tolerável para os trabalhadores da construção na South Tank Farm, porque estavam demasiado expostos a benzeno e a componentes orgânicos do diesel.
Entre a vila das Lajes, em frente à base, e a maior concentração de tanques de combustível de avião - a South Tank Farm -, à saída da cidade da Praia da Vitória, há uma estrada ladeada por dezenas de moradias que acolheram no passado famílias americanas. Hoje estão ocupadas por açorianos e muitas delas foram modernizadas. Chama-se Estrada 25 de Abril, mas já não representa a esperança que o nome sugere, porque existe ao longo dela e nas zonas mais próximas uma grande concentração de pessoas atingidas pelo cancro.

Descobrimos histórias de famílias com quatro, cinco e até seis casos de cancro nos últimos anos. Não foi fácil encontrar membros destas famílias que quisessem falar, por serem funcionários públicos, por trabalharem na base ou simplesmente por ainda estarem muito marcados pela partida recente de irmãos, pais, tios, avós. Só à sétima tentativa fomos bem-sucedidos, depois de andarmos a bater de porta em porta, ajudados por dois moradores locais.

"A contaminação está a ser desvalorizada pelas autoridades e continua tudo obscuro", critica Maria Gomes, 22 anos, lembrando que "os relatórios americanos relatam zonas contaminadas e causalidade da exposição no aparecimento do cancro". A jovem vive com os pais numa moradia da Estrada 25 de Abril muito próxima da South Tank Farm e é estudante de enfermagem na Escola Superior de Saúde do campus de Angra do Heroísmo (Terceira) da Universidade dos Açores. É muito determinada e tem ideias seguras sobre o que deve ser estudado e feito para enfrentar a contaminação dos solos e proteger a saúde das populações. Tudo porque a mãe, Ana Soares, tem um cancro da mama e há mais quatro membros da família atingidos pela doença que já morreram. E porque está a participar num estudo organizado pelo professor da cadeira de Enfermagem Comunitária, Norberto Messias, sobre a incidência de cancro nos 21 mil habitantes do concelho da Praia da Vitória.

"Estive a fazer 31 sessões de radioterapia durante três meses numa clínica em Ponta Delgada. E as quatro médicas assistentes diziam que 90% dos doentes de cancro que recebiam vinham da Terceira", conta Ana Soares. A tarefa do grupo de trabalho da sua filha, Maria Gomes, é estudar o impacto das lamas de hidrocarbonetos geradas pelos depósitos de combustíveis da Base das Lajes na saúde humana. Os estudantes entrevistaram habitantes do concelho, ouviram especialistas e querem saber "como eram feitos os armazenamentos de combustíveis, os riscos para os trabalhadores e as taxas de incidência do cancro nos casos de exposição ao fator de risco".

O grupo decidiu ainda criar um projeto de intervenção na Terceira. "Estamos a estudar os relatórios americanos e portugueses e a tentar perceber o que se sabia. E vamos apostar no ensino clínico, na sensibilização da comunidade e no registo de casos de cancro, para depois iniciarmos um estudo epidemiológico que possa ser apresentado às autoridades locais, para as pressionar a resolverem o problema", antecipa Maria Gomes. E acrescenta com grande convicção: "Não vamos deixar que o estudo fique esquecido."
Há ainda outra 'contaminação', mas nas relações entre o governo regional dos Açores e o Governo da República, apesar de ambos serem socialistas. Fontes contactadas pelo Expresso revelam que no governo de Ponta Delgada, presidido por Vasco Cordeiro, existe um mal-estar quanto à "forma desastrosa" como o Governo de Lisboa tem gerido todo o processo em termos de comunicação pública através do ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva. Este mal-estar já terá sido partilhado pelo líder parlamentar do PS, o açoriano Carlos César.

O Governo optou praticamente pelo silêncio até às declarações do ministro dos Negócios Estrangeiros aos jornalistas a 28 de fevereiro, no final da reunião da Comissão Parlamentar dos Negócios Estrangeiros, onde foi ouvido por requerimento do grupo parlamentar do PS sobre a situação da Base das Lajes. Augusto Santos Silva disse que havia uma campanha internacional sobre o grau de contaminação deixada pelos americanos. E insistiu que não há nenhum fundamento científico para a relação da contaminação dos solos com a taxa de incidência do cancro. O ministro acrescentou que "os dados estatísticos existentes, que permitem comparar a incidência de doenças oncológicas na Praia da Vitória com o restante território dos Açores, não indicam nenhuma prevalência adicional" no concelho.

Félix Rodrigues, professor da Universidade dos Açores, tem denunciado o perigo para a saúde pública da contaminação dos solos com hidrocarbonetos e metais pesados, devido aos derrames dos tanques de combustível de avião, "muito mais perigosos do que os combustíveis de automóvel". Há mais tanques na South Tank Farm, que se vê ao fundo na foto
António Félix Rodrigues, especialista em contaminações e professor da Faculdade de Ciências Agrárias e do Ambiente na Universidade dos Açores, contesta a posição do Governo da República. "As declarações do ministro Augusto Santos Silva são arrepiantes", afirma o investigador ao Expresso, "porque não se aplica aqui o princípio da justiça, em que até prova em contrário as pessoas são inocentes, mas o princípio da precaução, ou seja, há fortes indícios e factos que apontam para um problema, e portanto é necessário agir já, em vez de esperar pela prova inequívoca de uma relação causa-efeito entre a contaminação dos solos e a incidência de cancro na população".
O professor avisa que "se formos pelo princípio da justiça haverá impactos muito negativos no ambiente e na saúde das populações, que não se compadecem com demoras de uma relação estatística". E como explicar a política de silêncio das autoridades nacionais e regionais? "Não se pode fechar os relatórios nas gavetas, mas há aqui um dilema grave: a população sofre com a contaminação e para resolver este problema é preciso denunciar, o que tem efeitos negativos no turismo na ilha Terceira". Deste modo, "há dois impactos na população - na saúde e na economia - em vez de um, devido a toda esta inércia de não se resolverem os problemas atempadamente".

A poluição "faz-se às escondidas, mas a despoluição tem de ser feita às claras, pelo efeito que tem na vida das pessoas", defende Félix Rodrigues, que esclarece que os solos contaminados "estão circunscritos a certas zonas, não ameaçam o turismo, mas ameaçam a saúde das pessoas que moram na sua proximidade". Em suma, "o risco não é para quem cá passa, mas para quem cá vive".

Orlando Lima, que trabalhou na gestão de programas ambientais na Base das Lajes, mostra óleo recolhido nos esgotos da Praia da Vitória
"Existe óleo a correr para a ETAR da Praia da Vitória", revela Orlando Lima, um empresário que trabalhou durante 18 anos na Base das Lajes como inspetor de construção e na gestão de programas ambientais. A descoberta foi feita há pouco dias por um morador. O empresário leva-nos para uma rua à entrada da cidade, de onde se avista a South Tank Farm, e levanta uma tampa de esgoto onde pende um pano branco adsorvente, isto é, que retém na sua superfície materiais arrastados pelas águas. O pano está todo sujo de óleo. "Há cada vez mais evidências sobre a contaminação da ilha", constata o especialista. Mas Orlando Lima tem também investigado uma contaminação mais complexa: radiações no solo.
Expresso 1jul2019.
https://expresso.pt/sociedade/2019-07-01-Relatorios-confirmam-contaminacao-com-metais-pesados-e-risco-de-cancro-na-ilha-Terceira-a-reportagem-do-Expresso-que-venceu-o-Gazeta

Conferir aqui referências feitas pelo Ambiente Ondas3 a este tema.


Share:

0 comments:

Translate

Pesquisar no Ambiente Ondas3

Património

O passado do Ambiente Ondas3

Ver aqui.

Amig@s do Ambiente Ondas3

Etiquetas

Arquivo do blogue