Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

quinta-feira, 5 de setembro de 2019

Reflexão – «As árvores são essenciais para combater o calor urbano, mas as cidades continuam a perdê-las»


«A cobertura arbórea de Park DuValle, Louisville, Kentucky, é cerca de metade da média da cidade. Sendo uma das zonas mais pobres de Louisville, alinha com a tendência de toda a cidade: as áreas mais ricas da cidade têm até duas vezes mais árvores do que as áreas mais pobres. 
As árvores podem desempenhar um papel enorme na saúde das pessoas que vivem nas cidades, mas em todo o país, as cidades estão a perder milhões de árvores ano após ano. E muitos bairros urbanos pobres lideram essa tendência.
«O mapa da cobertura arbórea de qualquer cidade da América corresponde ao mapa do rendimento das pessoas que vivem nessas zonas», diz Jad Daley, presidente e CEO da American Forests. «Muitas vezes isso revela um mapa de raça e etnia.»
Essa falta de cobertura de árvores pode tornar o bairro mais quente, e uma investigação conjunta da NPR e do Howard Center for Investigative Journalism da Universidade de Maryland descobriu exatamente o seguinte: zonas de baixos rendimentos em dezenas de grandes cidades dos EUA têm mais probabilidade de ser mais quentes do que as zonas correspondentes mais ricas, e essas zonas são desproporcionalmente comunidades de cor.
Um estudo do Instituto de Tecnologia da Geórgia descobriu que Louisville está a ficar mais quente mais rapidamente do que qualquer uma das 50 maiores áreas metropolitanas dos EUA, em comparação com as áreas rurais à sua volta. Uma razão pela qual as cidades tendem a ser mais quentes? Menos árvores.
Louisville tem perdido 54.000 árvores por ano devido ao desenvolvimento, desastres naturais, doenças, espécies invasoras e falta de cuidados com as árvores. E não está só. De 2009 a 2014, 44 estados perderam a cobertura arbórea em áreas urbanas - cerca de 28,5 milhões de árvores perdidas por ano, segundo o Serviço Florestal dos EUA.
Louisville luta contra um déficit orçamental de 35 milhões de dólares, e isso já implicou cortes em bibliotecas, piscinas e bombeiros.» NPR.


Share:

0 comments:

Translate

Pesquisar no Ambiente Ondas3

Património

O passado do Ambiente Ondas3

Ver aqui.

Amig@s do Ambiente Ondas3

Etiquetas

Arquivo do blogue