Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

domingo, 28 de julho de 2019

Bico calado


«Boris Johnson, Nigel Farage, Donald Trump, Narendra Modi, Jair Bolsonaro, Scott Morrison, Rodrigo Duterte, Matteo Salvini, Recep Tayyip Erdoğan, Viktor Orbán e uma série de outros homens fortes ridículos - ou homens fracos, como tantas vezes acabam sendo – dominam países que teriam rido deles fora do palco. A questão é porquê? Porque é que os tecnocratas que dominavam quase tudo estão a dar lugar a estes palhaços extravagantes? (…) Porque é que os milionários, que até há pouco tempo usavam o seu dinheiro e jornais para promover político sem carisma, financiam agora este circo? (…)
A razão, creio eu, é que a natureza do capitalismo mudou. A força dominante do poder corporativo dos anos 90 e início dos anos 2000 exigia um governo tecnocrático. Exigia-se pessoas que pudessem simultaneamente administrar um estado competente e seguro e proteger os lucros da mudança democrática. (…) 
As políticas que deveriam promover a empresa - reduzindo os impostos para os ricos, arrasando as proteções públicas, destruindo os sindicatos - estimulavam uma poderosa espiral de acumulação de riqueza patrimonial. As maiores fortunas são agora feitas não por meio do empreendedorismo, mas por herança, monopólio e renda: garantir o controlo exclusivo de ativos cruciais como terrenos e edifícios, utilidades privatizadas e propriedade intelectual, e concentrar monopólios de serviços como centros comerciais, software e plataformas de redes sociais, cobrando taxas de uso muito mais altas do que os custos de produção e comercialização. (…) 
Hoje, o poder corporativo transforma-se em poder oligárquico. O que os oligarcas querem não é o mesmo que as antigas corporações queriam. Segundo o seu teórico favorito, Steve Bannon, eles buscam a “desconstrução do estado administrativo”. O caos é o multiplicador do lucro para o capitalismo de desastre onde prosperam os novos bilionários. Cada rutura é usada para agarrar bens de que dependem as nossas vidas. O caos de um Brexit litigioso, as constantes paralisações da administração Trump são exemplos de desconstruções previstas por Bannon. À medida que instituições, regras e supervisão democrática implodem, os oligarcas ampliam a  sua riqueza e poder à nossa custa.
Os palhaços assassinos também oferecem aos oligarcas outra coisa: distração. Enquanto os cleptocratas nos abafam, somos levados a olhar para o lado. Somos hipnotizados por bobos que nos encorajam a canalizar a raiva que deveria ser dirigida contra os bilionários para imigrantes, mulheres, judeus, muçulmanos, pessoas de cor e outros inimigos imaginários e outros bodes expiatórios do costume. Assim como foi nos anos 1930, a nova demagogia é um golpe, uma revolta contra os impactos do capital, financiados pelos capitalistas.
Os interesses do oligarca estão sempre numa offshore: em paraísos fiscais e regimes de sigilo. Paradoxalmente, estes interesses são mais bem promovidos por nacionalistas e nativistas. Os políticos que mais proclamam o seu patriotismo e defesa da soberania são sempre os primeiros a vender as suas nações. Não é por acaso que a maioria dos jornais que promove a agenda nativista, incitando o ódio contra os imigrantes e bramando sobre soberania, seja propriedade de exilados bilionários, vivendo numa offshore. (...) 
Defender-nos da oligarquia significa taxá-la ao máximo. É fácil enredarmo-nos em discussões sobre qual o nível de imposto que maximiza a geração de receita. Existem infinitas discussões sobre a curva de Laffer, que pretende mostrar onde está este nível. Mas essas discussões ignoram algo crucial: aumentar a receita é apenas um dos propósitos do imposto. Outra será quebrar a espiral de acumulação patrimonial.
Quebrar essa espiral é uma necessidade democrática: senão os oligarcas, como vimos, passam a dominar a vida nacional e internacional. A espiral não pára por si só: somente a ação do governo pode fazê-lo. Esta é uma das razões pelas quais, durante a década de 1940, a taxa máxima de imposto de sobre os rendimentos nos EUA subiu para 94% e no Reino Unido para 98%. Uma sociedade justa precisa de correções periódicas nesta escala. Mas hoje em dia os impostos mais altos seriam mais bem direcionados para a riqueza acumulada não adquirida.(…)» 

George Monbiot, in From Trump to Johnson, nationalists are on the rise – backed by billionaire oligarchs - The Guardian.
Share:

0 comments:

Translate

Pesquisar no Ambiente Ondas3

Património

O passado do Ambiente Ondas3

Ver aqui.

Amig@s do Ambiente Ondas3

Etiquetas

Arquivo do blogue