Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

quinta-feira, 27 de junho de 2019

Reflexão: Cuidado com o apartheid climático entre ricos e pobres


Um especialista da ONU alertou para um possível apartheid climático, em que os ricos pagam para escapar da fome enquanto o resto do mundo sofre. 
Philip Alston, relator especial da ONU sobre pobreza extrema, criticou ainda as medidas tomadas pelos órgãos da ONU como inadequadas. Segundo ele, os pobres serão provavelmente os mais afetados pela subida das temperaturas e pela potencial escassez de alimentos e conflitos que poderão acompanhar essas alterações. Os países pobres deverão sofrer pelo menos 75% dos custos da crise climática, apesar de a metade mais pobre da população mundial gerar apenas 10% das emissões.
Por outro lado, Alston cita exemplos de como os ricos lidam com eventos climáticos extremos.
Quando o furacão Sandy atingiu New York em 2012, a maioria dos cidadãos ficou sem energia, enquanto «a sede da Goldman Sachs era protegida por dezenas de milhares de sacos de areia e energia do seu gerador». Da mesma forma, «bombeiros privados de luvas brancas foram enviados para salvar as mansões» dos ricos. É isto o apartheid climático, aliás já previsto em 2007 pelo Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas.
"Discursos pessimistas de funcionários governernamentais em conferências periódicas não têm despoletado nenhuma ação significativa», diz Alston. «Trinta anos de cimeiras parecem ter feito muito pouco».
O Brasil é lavo de críticas por, após a vitória de Bolsonaro, ter escancarado a Amazónia à mineração e pela desregulamentação ambiental em curso. Os EUA também não escapam, sobretudo depois de Trump ter colocado lobistas de grandes interesses corporativos privados na chefia de ministérios importantes e de ter revertido grande parte da legislação ambiental anterior.
Philip Alston alerta ainda o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas: «O Conselho de Direitos Humanos não pode dar-se ao luxo de confiar apenas nas técnicas consagradas de organização de painéis de especialistas, pedindo relatórios que não levem a lugar nenhum, exortando os outros a fazerem mais, mas fazendo pouco e adotando amplas, mas inconclusivas medidas». A própria democracia poderá estar em risco se se concretizar o cenário, previsto em 2014, de uma vaga de entre 25 milhões e um bilião de migrantes climáticos em 2050. 
BBC.


Share:

0 comments:

Translate

Pesquisar no Ambiente Ondas3

Património

O passado do Ambiente Ondas3

Ver aqui.

Amig@s do Ambiente Ondas3

Etiquetas

Arquivo do blogue