Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

quinta-feira, 29 de março de 2018

Reflexão – Será que o glifosato tempera melhor o vinho e a cerveja?

Imagem colhida aqui.

Algumas cervejeiras e produtoras de vinhos estão a tomar medidas para evitar que os seus produtos sejam contaminados pelo glifosato, a substância ativa do Roundup, o herbicida mais popular do mundo. 

Em 2015, a insuspeita CBS divulgava um processo judicial contra 31 marcas de vinhos por registarem elevados níveis de arsénio inorgânio.

Em 2016, análises feitas na Alemanha revelavam resíduos de glifosato em todas as amostras das 14 marcas de cerveja recolhidas, incluindo marcas independentes.

Posteriormente, a Moms Across America levou a cabo outras análises que confirmaram a existência de resíduos de glifosato em 12 marcas de vinhos da Califórnia.

A semana passada, resultados idênticos foram conseguidos por análises levadas a cabo às marcas mais populares de vinhos americanos e de outras partes do mundo

Em janeiro de 2018, o biólogo molecular francês Gilles-Éric Séralini publicou os resultados acerca dos testes realizados a produtos tratados com Roundup: mais de 12 tinham níveis elevados de arsénio – mais de 5 vezes acima do limite estabelecido e níveis perigosos de metais pesados.

O Roundup é pulverizado em campos de vinha para manter as fileiras limpas e livres das chamadas ervas daninhas e nas culturas de grãos (usadas na cerveja) como um agente de secagem pouco antes da colheita. Os herbicidas com glifosato já provaram ser neurotóxicos, cancerígenos, disruptores endócrinos e uma causa de doença hepática de nível baixo.

As marcas de vinho testadas incluem Gallo, Beringer, Mondavi, Barefoot e Sutter Home. Asmarcas de cerveja testadas incluem Budweiser, Busch, Coors, Michelob, Miller Lite, Sam Adams, Samuel Smith, Peak Organic and Sierra Nevada.

«Deixei de usar o RoundUp em 1977», diz Phil Coturri, diretor das vinhas Sonoma, reconhecidas pela Golden Gate Salmon Association pela sua viticultura ambientalmente saudável. «Não se pode usar constantemente um produto e pensar que não vai ter efeito. O glifosato foi feito para matar.»

Mais de mil pessoas, a maioria agricultores, entraram com ações judiciais contra a Monsanto, uma importante fabricante de glifosato, pela exposição ao Roundup, levando ao Linfoma não-Hodgkin.

Mesmo grandes marcas de cerveja estão a descobrir o benefício do orgânico. A Anheuser-Busch anunciou a semana passada que a sua marca Michelob lançou uma nova cerveja feita com trigo orgânico chamado Ultra Pure Gold.
A Associação de Cervejeiras, que certifica pequenas cervejas artesanais e independentes, fez esta declaração a respeito dos novos resultados do teste de glifosato da MAA: Os fabricantes de cerveja não querem que o glifosato seja usado na cevada ou em qualquer material cru, e as organizações de produtores de cevada também estão fortemente contra o glifosato. É claro que as indústrias de malte e de produção de cerveja estão contra o uso do glifosato na cevada para malte.
Resultados completos, marcas e relatório do laboratório podem ser consultados aqui.

Share:

0 comments:

Translate

Pesquisar no Ambiente Ondas3

Património

O passado do Ambiente Ondas3

Ver aqui.

Amig@s do Ambiente Ondas3

Etiquetas

Arquivo do blogue