Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

terça-feira, 4 de julho de 2017

Reflexão - «Eu não limpava. Isto depois acontece. Olhe, paciência!»


Reportagem de Bárbara Baldaia, TSF.


«Uma proprietária e um madeireiro. Uma estrada ladeada por árvores negras, em Campelos, Pedrógão Grande. Uma conversa sobre a falta da limpeza, o excesso de eucalipto e o preço da madeira queimada. 

Maria Odete tem um sorriso de orelha a orelha. Arderam-lhe os campos todos, mas entende que só há uma forma de encarar a vida: «Não vale a pena chorar em cima de leite derramado». Por isso, acabada de chegar de Lisboa, garante que leva a situação a brincar. «Vou sorrindo porque não habito aqui, por isso para mim é mais fácil. Perdi e mentalizei-me que era para perder mesmo». Mas também confessa que «ficava admirada» quando «chegava ao fim do verão e escapava sem arder». E porquê? «É um horror, eu não limpo, se me mandarem limpar entrego à câmara, porque o rendimento que a gente tira não dá». Se pagasse para limpar, diz ela, «deixava de ter lucro». «Não posso vir aqui enterrar a minha reforma», acrescenta, para concluir: «Isto depois acontece, olhe, paciência. Morreram muitas pessoas, isso é que foi mau».
Maria Odete está já sentada dentro da carrinha do madeireiro com quem vai negociar a venda das árvores queimadas. Antes de arrancarem, ainda há tempo para uma análise à política florestal. «Acho que o Estado deve por outra vegetação, outras plantas. Isto era só eucalipto e pinheiro, tudo inflamável. A gente tem que cuidar do nosso Planeta. Isto era a receita mais fácil, mas a gente não pode querer só lucro. Eu não plantei nada, foi nascendo. Há trinta e tal anos houve um incêndio e o vento levou as sementes e os eucaliptos foram nascendo», explica ela.
Carlos Simões, o madeireiro, não sorri tanto como Maria Odete. Mora em Castanheira de Pera e também tem propriedades que arderam. «Tínhamos aí madeira para os anos todos, todos os ano podíamos cortar madeira. Agora os eucaliptos só daqui a 12 ou 15 anos [estão prontos a cortar] e o pinho só daqui a 40 ou 50 anos».
Carlos Simões compra aos proprietários para vender à indústria de celulose. Confessa que não sabe o que vai fazer nos próximos anos. Fala em «miséria», diz que «vai haver fome para muita gente que tinha alguma coisa e ficou sem nada».
«A madeira queimada vai descer, o eucalipto só dá para descascar daqui a quatro ou cinco meses e o delgado nem se aproveita, só o mais grosso é que dá para aproveitar para as celuloses», elucida.
Depois, encolhe os ombros, lança as mãos ao volante, roda a chave na ignição, escapa-lhe um sorriso ligeiro, diz que vai viver «um dia de cada vez».

Share:

0 comments:

Translate

Pesquisar no Ambiente Ondas3

Património

O passado do Ambiente Ondas3

Ver aqui.

Amig@s do Ambiente Ondas3

Etiquetas

Arquivo do blogue