Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Radioatividade de acidente grave em Almaraz pode afetar 800 mil portugueses

Fraga da Pena, Serra do Açor.
  • Cerca de 800 mil pessoas em Portugal podem ser afetadas pela radioatividade despoletada por acidente grave na central nuclear de Almaraz, em Espanha, revela uma simulação feita pelo Exército Português em 2010. Logo depois do acidente, «a nuvem avança para oeste. A seguir, e por influência tanto da cordilheira a norte da central como da Serra da Estrela, passa a deslocar-se para norte», explica a major Ana Silva, sublinhando que Castelo Branco seria o distrito mais afetado e que apenas os 170 habitantes de Segura, uma aldeia do concelho de Idanha-a-Nova, teriam que ser retirados de suas casas como medida de precaução. Apesar de coordenar a intervenção em caso de acidente nuclear, a Proteção Civil não conhece o estudo do Exército que prevê as primeiras 40 horas após uma explosão em Almaraz. O diretor nacional do planeamento de emergência, José Oliveira, garante que a Proteção Civil está atenta à situação e tem feito exercícios de simulação, mas sem ter em conta o contributo dos militares. Espanha também nunca participou em nenhum exercício nem existem planos de intervenção transfronteiriços, reconhece o responsável da Protecção Civil. Entretanto, o coordenador do Movimento Ibérico Antinuclear (MIA) pede, a título pessoal, a demissão do ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, depois da divulgação do estudo do Exército. Aliás, o ministro do Ambiente é alvo de duras críticas por parte de António Eloy: «Fez várias birras, várias manobras dissuasoras, andou a brincar aos simulacros e, finalmente, deu um parecer favorável a um relatório da Agência Portuguesa do Ambiente [que viabiliza a construção do armazém temporário de resíduos nucleares em Almaraz] que tinha todas as condições para levar um parecer negativo».
  • Maus cheiros outra vez invadiram Oliveira de Frades. Locais dizem que cheirava a Uniávila. No verão de 2016, os maus cheiros vinham da Campoaves, por alegada falha técnica. Consta que «eles» pagam as festas do concelho para poderem fazer isto. Enfim, compram o silencio dos pobres com frango de churrasco.
  • O Reino Unido é o maior investidor europeu na produção de carvão térmico e está entre os dez maiores investidores a nível mundial, revela um relatório da Influence Map.
Share:

0 comments:

Translate

Pesquisar no Ambiente Ondas3

Património

O passado do Ambiente Ondas3

Ver aqui.

Amig@s do Ambiente Ondas3

Etiquetas

Arquivo do blogue