Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Reflexão – máscaras de uma sustentabilidade marinha

Imagem captada aqui.

A Fundação Oceano Azul diz ter por objetivo «reaproximar Portugal do mar e ser um dos líderes mundiais da sustentabilidade dos oceanos». Sedeada no Oceanário de Lisboa, é patrocinada pelo Grupo Jerónimo Martins.  A comissão executiva é presidida por Tiago Pitta e Cunha, ex conselheiro de Cavaco Silva. Integram o conselho de curadores  a princesa Laurentien van Oranje-Nassau  (Holanda), Jane Lubchenco  (enviada científica dos EUA para os oceanos), Kristian Parker (Oak Foundation - Suíça) e o almirante Nuno Vieira Martins, ex-chefe do Estado-maior da Armada. Expresso 18fev2017.

Sobre a importância estratégica dos mares, afirmou José Soares dos Santos ao Expresso de 1ago2015:
«Nos últimos 100 a 150 anos dedicámo-nos à exploração dos recursos terrestres. Nos próximos 100 a 150 vamos dedicar-nos à dos fundos marítimos. As grandes nações estão a posicionar-se para comandar essa agenda. Com a nossa plataforma continental e zona económica exclusiva, temos o terceiro maior território da União Europeia e estamos no topo do mundo. Portugal tem aqui uma possibilidade única de ter um projeto geracional. É muito importante que os países tenham centros que garantam que a importância deste assunto se mantenha do ponto de vista político.»

Será que esta Fundação vai estar ancorada no conceito de «offshore», termo usado para falar de paraíso fiscal e de plataformas petrolíferas no mar?
Share:

1 comments:

OLima disse...

A Fundação Oceano Azul quer influenciar a agenda mundial dos oceanos para o século XXI. Conta, para tal, com 55 milhões durante os próximos 10 anos. A atividade da instituição vai assentar em três pilares: a educação ambiental, destinada, para já, ao público infantil entre o 1.º e o 4.º anos de escolaridade; a promoção da sustentabilidade dos oceanos, através de atividades de conservação de ecossistemas marinhos, em colaboração com parceiros nacionais e estrangeiros, e ainda o que os responsáveis da fundação designam "capacitação". Esta, explica Tiago Pitta e Cunha, "é uma das marcas distintivas da fundação, relativamente a outras que também fazem conservação dos oceanos". A ideia é "contribuir para o desenvolvimento do pensamento estratégico da conservação e da sustentabilidade dos oceanos e na economia do mar para este século, que tem ser a da preservação do capital natural."
A Fundação Oceano Azul quer influenciar a agenda internacional para as questões do mar, através "da participação em conferências das Nações Unidas" mas também "junto da Comissão Europeia e de outras instâncias internacionais". Este pilar da capacitação passará também por um programa dedicado aos oceanos e à sua relação com o clima. "Vamos querer inventar uma nova figura chamada "clima azul", e com isso vamos ter de encontrar maneiras de investir, provavelmente através da atribuição de um prémio, em projetos que consigam mostrar às pessoas que a ligação entre o oceano e o clima é profundamente umbilical", explica Tiago Pitta e Cunha.
Em parceria com a WWF Portugal, a Fundação fez o levantamento das áreas marinhas protegidas em Portugal, e, em colaboração com a Waitt Foundation, fez uma expedição científica aos Açores, durante dez dias, em setembro, para fazer o levantamento dos valores naturais marinhos na zona do Grupo Oriental do arquipélago. DN.
http://www.dn.pt/sociedade/interior/fundacao-oceano-azul-tem-55-milhoes-para-o-mar-ate-2027-5730227.html

Translate

Pesquisar no Ambiente Ondas3

Património

O passado do Ambiente Ondas3

Ver aqui.

Amig@s do Ambiente Ondas3

Etiquetas

Arquivo do blogue