Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

sábado, 16 de janeiro de 2016

Reflexão – Recordando o circo corporativo na cimeira climática de Paris

Imagem colhida aqui.

A cimeira climática de Paris permitiu a concentração de lobistas de multinacionais que pressionaram a organização no sentido da adoção de políticas à medida dos seus interesses, escreve Rachel Tansey no Corporate Europe Observatory.

Os nossos líderes e os media de referência podem aplaudir o acordo final, mas o certo é que ele não garante o nosso futuro e abandona muita gente. Os países ricos ficaram dispensados de qualquer tipo de responsabilidade pelas perdas ou prejuízos ocorridos nos países mais pobres. Os direitos humanos não aparecem no texto. O objetivo de 1,5º é apenas uma ambição. Não há qualquer data que sirva de referência. O conceito de «neutralidade de emissões» foi introduzido, implicando que pode-se continuar a poluir através de truques tecnológicos e não só. 

A enorme pressão dos lobistas e representantes das grandes multinacionais concentrou-se 
(1) no aumento da captura e armazenamento do carbono, uma tecnologia comprovadamente cara, perigosa e inexequível e que, no fundo, significa a continuação da extração de mais carvão; 
(2) no apoio à bioenergia, o que representa mais desflorestação, mais uso de fertilizantes químicos, mais biodiversidade destruída e violação de direitos humanos;
(3) no reforço do mercado global de carvão, que até ao momento já provou ser um poderoso fator de enriquecimento dos ricos, do atropelo da justiça e do falhanço na redução das emissões.
Share:

0 comments:

Translate

Pesquisar no Ambiente Ondas3

Património

O passado do Ambiente Ondas3

Ver aqui.

Amig@s do Ambiente Ondas3

Etiquetas

Arquivo do blogue