Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

quarta-feira, 18 de julho de 2018

Bico calado

Foto: Paulo Andrade.

Já que os habituais comentadores de futebol parecem ter perdido o pio ou entrado de férias…
  1. «(…) O futebol croata é o último bastião das “instituições tudjmanistas”, sendo dominado por homens fortes, cheios de nepotismo e corruptos. O maior homem forte de todos eles foi Zdravko Mamic, ex-chefe do Dínamo de Zagreb e vice-presidente da Federação Croata de Futebol. Ele ajudou a financiar a eleição de Kolinda Grabar-Kitarovic, presidente da Croácia. Em 6 de junho, foi condenado por corrupção num caso envolvendo Luka Modric, capitão da seleção da Croácia e o defesa Dejan Lovren, que vão ser julgados por perjúrio (…) Mamic, que apelou contra o veredicto, fugiu para a Bósnia (...)» The Economist;
  2. «(…) Zdravko Mamic e a sua família estão profundamente envolvidos neste esquema. O ex-presidente do Dínamo de Zagreb mudou-se para a Bósnia-Herzegovina antes do início da Taça do Mundo. Um tribunal considerou-o culpado de enriquecimento sem causa, fraude fiscal e outros crimes. Mamic, que começou a vender almofadas de assento de estádio, é acusado de ter recebido uma redução anual dos salários dos jogadores de futebol croatas que jogam no estrangeiro - durante toda a sua carreira. Estrelas como Luka Modric, Mario Mandzukic, Dejan Lovren e o ex-jogador Ivica Olic estão alegadamente envolvidos no caso. Modric, o capitão da seleção nacional, fez declarações contraditórias em tribunal sobre o assunto. Primeiro, ele admitiu os pagamentos, mas depois negou. Agora é suspeito de ter mentido sob juramento. O panorama do futebol da Croácia está atolada em escândalos. Durante o Campeonato da Europa de 2016, o presidente da Federação Croata de Futebol, Suker, estrela da Taça do Mundo de 1998, instruiu infamemente o técnico croata que os jogadores deviam ser substituídos e que táticas deviam ser aplicadas no meio da partida. Os clubes sedeados em Split, Rijeka ou Osijek sentem-se impotentes frente aos truques a favor do Dínamo de Zagreb. A combinação de resultados não é apenas um rumor, os rivais ficariam surpreendidos se os jogos não fossem manipulados a favor do Dínamo. (…)» Deutsche Welle;
  3. «(…) Envergando um fato vermelho brilhante com a camisa da seleção croata por baixo, Grabar-Kitarovic aplaudiu a sua equipa perante o primeiro-ministro russo Dmitri Medvedev e o presidente da Fifa, Gianni Infantino. Alguns dias antes, após a vitória sobre a Dinamarca, ela invadiu o balneário da Croácia, fazendo questão de abraçar todos os jogadores, alguns dos quais ainda não estavam completamente vestidos. Um ano antes das eleições presidenciais, esta atitude foi considerada populista e de mau gosto. (…)  No jogo da Rússia, ao lado de Grabar-Kitarovic estava Damir Vrbanovic, ex-executivo do Dínamo Zagreb e atual diretor executivo da federação croata. Ele ainda é capaz de manter sua posição e viajar para a Rússia ao lado da presidente, apesar de ter sido condenado a três anos de prisão no início de junho por acusações relacionadas com o futebol. (…) Mas a figura mais proeminente nesse julgamento é Zdravko Mamic, o ex-executivo do Dínamo, o homem que sozinho controla basicamente todos os aspetos do futebol croata. Mamic foi condenado a seis anos e meio de prisão, enquanto o seu irmão Zoran, ex-técnico do Dínamo e membro de segundo plano da seleção croata de 1998, enfrenta quatro anos e 11 meses. O veredito confirmou que eles obtiveram lucros ilegais nas transferências de jogadores do Dínamo de Zagreb, sendo Luka Modric e Dejan Lovrenbeing os rostos mais famosos envolvidos. Uma investigação mostrou e o julgamento confirmou que Lovren e Modric receberam ilegalmente metade das taxas de transferência que o Dínamo recebeu do Tottenham Hotspur e Lyon, respetivamente. Eles depois entregaram a maior parte desse dinheiro à família Mamic, que também conseguiu evitar o pagamento de impostos.(…)  Pode dizer-se que o futebol na Croácia é muito usado como cobertura para todas as coisas más que envolvem não apenas o desporto em si, mas a sociedade em geral. Desde que Franjo Tudman, o primeiro presidente croata autocrático - que também tinha um ponto extremamente fraco por usar futebolistas como elemento unificador da sociedade - plantou a ideia de atletas como “os melhores embaixadores do país”, os políticos começaram a usar o poder do futebol para impor o controlo sobre o crescente sentimento de insatisfação. O tempo fez os jogadores de futebol reivindicar um status divino, e questionar as suas atitudes duvidosas passou a ser visto como um comportamento "antipatriótico" ou mesmo dissidente. Por exemplo, quando questionado sobre o grande desempenho da seleção nacional nesta Taça do Mundo, Vrbanovic apressou-se a dizer que as pessoas em casa “deveriam esquecer o seu julgamento”, bem como “as histórias sobre Zdravko Mamic”, devendo, em vez disso, concentrar-se apenas em aproveitar este resultado fantástico. (…)» The Independent.
Share:

0 comments:

Translate

Pesquisar no Ambiente Ondas3

Património

O passado do Ambiente Ondas3

Ver aqui.

Amig@s do Ambiente Ondas3

Etiquetas

Arquivo do blogue