Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

sábado, 9 de junho de 2018

Bico calado

Foto: Andrew Fusek-Peters/SWNS
  •  «Há dias, uma televisão convidou-me a dar um testemunho, por ocasião da morte de Frank Carlucci, o embaixador que os americanos enviaram para Portugal, alguns meses depois do 25 de abril. Agradeci, mas não aceitei. (…) Segundo alguns historiadores, Carlucci terá convencido o chefe da diplomacia do presidente Nixon, Henry Kissinger, de que a deriva revolucionária portuguesa, subsequente ao 25 de abril, não condenava necessariamente o país a converter-se numa república socialista radical, que este via como uma espécie inevitável de "vacina" para a Europa ocidental. Para o embaixador, havia a opção de apoiar os líderes dos partidos moderados, tentando, com a ajuda de regimes pluralistas europeus, promover a instauração da democracia no país. O facto de isso ter assim sucedido é tido por muitos a crédito de Carlucci. Por este facto, Carlucci transformou-se, aos olhos de alguns, num "herói" da democracia portuguesa, uma espécie de "santo padroeiro" do 25 de novembro. E os descendentes políticos dessa gratidão apresentaram, na Assembleia da República, votos (diferenciados) de pesar pelo passamento do político americano. Esse voto tem de ser respeitado. Quero, porém, deixar aqui claro que, se acaso fosse deputado, não me teria associado a ele, abstendo-me ou saindo da sala. Porquê? Porque não aplaudo cínicos. Frank Carlucci apoiou os democratas portugueses, não pelo sentido humanista decorrente de uma opção a favor da vida política em liberdade no nosso país, mas exclusivamente porque esse era o interesse geoestratégico americano de ocasião. Mas não será isto um preconceito? Não creio. Em outras ocasiões, a História prova que o mesmo Frank Carlucci deu apoio, claro e deliberado, a golpes políticos conducentes à instauração de ditaduras e regimes opressivos noutras partes do Mundo. Com orgulho declarado e sem o menor remorso. Aliás, não é necessário ir muito longe para constatar essa duplicidade: a mesma administração americana que enviou Carlucci, para substituir um diplomata que não tinha "visto chegar" a Revolução cujas consequências pretendia combater, era precisamente o mesmo que até então se mostrara plenamente confortável com o regime ditatorial de Marcelo Caetano. (…).» Francisco Seixas da Costa, FB.
  • »(…) Alcindo Monteiro teria hoje 50 anos. Em 1995 era um jovem pacato de 27 anos, que trabalhava numa oficina no Barreiro, que poupava para um dia construir uma vivenda, e que fora cozinheiro durante o serviço militar. Nascera português em Cabo Verde e depois de vir para Portugal com os pais tivera de conquistar a nacionalidade portuguesa de novo. Era discreto e tinha apenas uma extravagância conhecida: gostava de dançar. Naquele dia 10 de junho de 1995 veio a Lisboa para dançar. Foi assassinado por um grupo de criminosos racistas que o espancaram até à morte por não ser branco. Fará este domingo 23 anos e por isso eu já tinha decidido escrever sobre Alcindo Monteiro. (…) Alcindo Monteiro não teve oportunidade de levar a vida pacata de que gostava. Os seus sonhos foram cortados pela raiz. A sua família tem de lidar com a dor há mais de duas décadas. Por outro lado, um dos criminosos que o matou está em todo o lado na TV, nos jornais e nas redes sociais. Chama-se Mário Machado e está nas notícias por causa do futebol, mas poderia ser outra coisa qualquer. Durante todos estes anos, sempre que não esteve preso por um dos seus vários crimes — não só as agressões que levaram à morte de Alcindo Monteiro, mas diversas outras condenações por extorsão, posse de arma ilegal, ofensas à integridade física, coação agravada e discriminação racial — Mário Machado conseguiu sempre um acesso fácil ao tempo de antena por que tanto anseia. Seja para mostrar as armas ilegais que tem em casa, como há uns anos. Seja porque a televisão pública o decide entrevistar, como há poucos dias, para lhe dar oportunidade de dizer que quer estar mais ativo na vida do seu clube de futebol. Seja porque se decide candidatar à chefia de uma claque de adeptos — cujos anteriores líderes estão a ser investigados por sequestro e terrorismo, nada menos do que isso — e então aí está em todo o lado. No café onde entrei há pouco a televisão mostrava em letras garrafais o título: “Extrema-direita chega às claques de futebol”. Chega?! Agora é que deram por isso? Já se esqueceram que Alcindo Monteiro foi assassinado precisamente num dia de final de Taça de Portugal, por um grupo de skinheads que tinha assistido ao jogo umas horas antes integrados numa claque de futebol, Mário Machado incluído? Para cúmulo, as televisões e os sites que mostram um “comunicado” de Mário Machado noticiam também que no mesmo dia e local do lançamento da candidatura à claque de futebol o criminoso racista que ajudou a matar Alcindo Monteiro vai também lançar um novo partido nacionalista. Se isto se passasse em qualquer outra área que não o jornalismo, que tem por obrigação informar-se para poder informar, esta dificuldade em juntar 2+2 seria ingenuidade. Aqui nem irresponsabilidade se poderia chamar: é cumplicidade. Cumplicidade com uma estratégia escancarada para usar as audiências em torno das notícias do futebol como forma de aproveitamento político em favor de um assassino. Mas ninguém se dá conta de que estão a promover um sujeito que é apenas e unicamente conhecido, não pelas suas ideias, não pelas suas realizações, não por nada que alguma vez tenha pensado ou dito, mas exclusivamente por ser um criminoso que ajudou a matar um concidadão inocente que tinha a pele de outra cor? No esgoto a céu aberto das notícias sobre futebol nada parece ter já gravidade. E por isso ninguém se pergunta como pode uma claque ser apoiada por uma instituição de utilidade pública como é um clube de futebol, ainda que em crise, e ao mesmo tempo admitir a candidatura à sua presidência de um criminoso. E ninguém se pergunta como podem jornalistas fingir que caem na armadilha de divulgar essa candidatura apenas e só porque dá audiências. Quando a vítima é esquecida e o perpetrador aparece quase que celebrado em todo o lado estamos perante o sinal claro de um falhanço coletivo. Que provocará novas vítimas, estejam certos. Vítimas que vos ficarão na consciência quando as audiências já estiverem esquecida» Rui Tavares, in Só faltava o assassino racista no esgoto a céu aberto - Público 8jun2018.
Share:

0 comments:

Translate

Pesquisar no Ambiente Ondas3

Património

O passado do Ambiente Ondas3

Ver aqui.

Amig@s do Ambiente Ondas3

Etiquetas

Arquivo do blogue