Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

quarta-feira, 7 de março de 2018

Bico calado

Foto: Nendy Lie.
  • «Marcelo Rebelo de Sousa teve a sensatez e a sensibilidade de emitir uma nota "a lamentar" (lê-se no título) a morte do coronel João Varela Gomes: "O Presidente da República apresenta à Família do Senhor Coronel João Varela Gomes condolências invocando a sua militância cívica, em particular, a sua consistente luta contra a ditadura constitucionalizada antes do 25 de Abril de 1974", diz o texto enviado às redações no passado dia 28 de fevereiro. (…) Varela Gomes passou pelas prisões da PIDE (a polícia política de Salazar), participou na campanha eleitoral do general Humberto Delgado (que desafiou o regime), esteve na conspiração da Sé em 1959 e no assalto ao quartel de Beja em 1962 (que o qualificaram como um dos heróis da resistência). Depois do 25 de Abril, Varela Gomes liderou a 5.ª Divisão do Estado-Maior das Forças Armadas, que percorreu o país a promover sessões de esclarecimento e de propaganda sobre a Revolução dos Cravos e o Movimento das Forças Armadas. No 25 de novembro de 1975 ficou do lado dos derrotados e teve de fugir do país. Voltou em 1979. (…) Esta versão agora adotada por Marcelo Rebelo de Sousa é a demonstração de como Portugal ainda tem muitos problemas para falar do seu passado, encerrado há 43 anos: o esforço para encontrar uma formulação bateriologicamente pura da infeção ideológica para dizer aos portugueses o que era o regime que Varela Gomes combateu é, por si só, um exercício de ideologia, pois parte da presunção de que falar sobre fascismo em Portugal é uma incorreção, uma inconveniência ou uma infelicidade. (…) O problema é que quando ouvimos a palavra "fascismo" pensamos em opressão, em repressão, em escuridão. Quando ouvimos "ditadura constitucionalizada" pensamos em legislação, ordem e autoridade. Há aqui um planeta de distância, estamos a falar de dois países diferentes. (…)» Pedro Tadeu, in Marcelo não conheceu o fascismo? - DN 6mar2018.
  • «(…) E depois há um lado negro pouco conhecido que passa pela manipulação dos “tops”, pelas relações preferenciais entre editores e jornalistas da área da cultura da televisão, rádio e jornais, que promovem apenas alguns livros e alguns autores, há o amiguismo de grupos intelectuais ou das cortes de A e B e C que se autopromovem mutuamente, colocando-se na moda, ou estando presentes nos sítios certos e nos momentos certos, há muitas formas de pequena corrupção nos meios culturais que a ideia da intangibilidade de tudo o que é da cultura impede de ser escrutinado como devia. (…)» José Pacheco Pereira, in O combate civilizacional pelos livros e pela leituraPúblico
  • «(… ) Aceita-se que um ou uma religiosa que entre num convento para rezar o faça sem contrapartidas e que em regime de economia de subsistência trabalhe em conjunto com outros frades e freiras para assegurar a subsistência. Mas se a freira é colocada numa cantina, num hotel, como criada de um bispo ou de um padre, está a trabalhar como se de um qualquer trabalhador se tratasse. Se estas mulheres trabalham tanto ou mais do que um qualquer trabalhador em funções semelhantes e não têm quaisquer contrapartidas ou direitos estamos perante escravas, poderão ser escravas do senhor, mas são escravas que dão lucro e que fazem as tarefas que os padres não querem fazer.» O Jumento.
  • "Perguntei à BBC como é que eles justificavam o uso de imagens de propaganda, alegadamente da cidade síria de Ghouta, num noticiário em hora nobre sem referir que era proveniente de uma fonte parcial. Eles admitiram ter feito isso. Admitiram que era contra as suas regras. Mas não fiquei com a impressão de que estavam muito incomodados com isso, e não ficaria surpreendido de os ver fazer isso mais vezes. A BBC "relata" muitas coisas da Síria que não pode confirmar, desde supostos ataques de gás levados a cabo pelo estado de Assad a mortes e filmes (geralmente de crianças feridas a ser levadas por homens jovens desarmados). A BBC abandonou completamente qualquer aparência de independência ou imparcialidade. Como é que, então, pode justificar a taxa de licença que nos cobra?» Peter Hitchens in Mail.
Share:

0 comments:

Translate

Pesquisar no Ambiente Ondas3

Património

O passado do Ambiente Ondas3

Ver aqui.

Amig@s do Ambiente Ondas3

Etiquetas

Arquivo do blogue