Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

Reflexão – A alvorada da desnuclearização

O desastre de Fukushima. Imagem recoilhida aqui.

A energia nuclear em crise: estamos a entrar na era da desnuclearização, escreve Jim Green no Energy Post.

Era suposto 2017 ser um bom ano para a energia nuclear - o pico de um mini-renascimento resultante do início de um grande número de construções de reatores começa três anos antes do desastre de Fukushima. A World Nuclear Association (WNA) previa 19 ligações de reatores à rede em 2017, mas de facto só 4 se verificaram (Chasnupp-4 no Paquistão, Fuqing-4, Yangjiang-4 e Tianwan-3 na China). As quatro empresas emergentes foram ultrapassadas por cinco desconexões definitivas (Kori-1 na Coreia do Sul, Oskashamn-1 na Suécia, Gundremmingen-B na Alemanha, Ohi 1 e 2 no Japão).
Nos últimos 20 anos houve um crescimento modesto (12,6%, 44 GW) da capacidade de energia nuclear global. 36 reatores, 31 dos quais no Japão, serão desligados a longo prazo.  Prevê-se o encerramento de 200 reatores entre 2014 e 2040. 
Para manter a capacidade atual, seria necessário construir 10 reatores por ano, mas o que acontece é o seguinte: em janeiro de 2014 estavam em construção 71 reatores, enquanto em 2018 estão apenas 58. 
A energia nuclear representou 10,5% da produção global de eletricidade em 2016, muito abaixo do pico histórico de 17,5% em 1996. As energias renováveis (24,5% da produção global) geram mais do dobro da eletricidade produzida pela energia nuclear (<10 a="" aumentar.="" continua="" diferen="" e="" span=""> A Agência Internacional de Energia prevê um crescimento da capacidade de energia renovável de 43% (920 GW) de 2017 a 2022. A participação das energias renováveis na produção de energia atingirá 30% em 2022 de acordo com a AIE. Até então, a participação da energia nuclear será de cerca de 10% e as energias renováveis estarão a produzir energia nuclear por um fator de três.

O maior desastre da indústria nuclear em 2017 foi a falência da Westinghouse, que quase pôs em risco a parceira Toshiba. Além disso, nenhum reator foi construído na China em 2017. 
A era do desmantelamento nuclear será caracterizada por batalhas crescentes relacionadas com o prolongamento de vida útil, o desmantelamento e a gestão de resíduos nucleares. Parece improvável o plano para reduzir a dependência da França em relação à energia nuclear de 75% para 50% até 2025, mas o governo está empenhado em reduzir a dependência da energia nuclear a favor das energias renováveis.
Para além da Westinghouse, outro fator de peso foi a Suíça anunciar um referendo para o desmantelamento gradual do seu potencial nuclear. A Coreia do Sul também disse ter suspendido os projetos de futuras centrais nucleares. Taiwan também decidiu acabar com a energia nuclear até 2025. No Japão, apenas 5 reatores estão operacionais, tendo sido encerrados 14 após o desastre de Fukushima. No Reino Unido, apenas 2 reatores estão a ser construídos e a indústria luta com enormes dificuldades financeiras. Na Índia, os investimentos no nuclear não são muito evidentes. A Alemanha anunciou o encerramento de todos os seus reatores até ao fim de 2022 e a Bélgica até ao fim de 2025. A Rússia vai construir um reator no Bangladesh, outro no Egito e outro na Turquia. Na África do Sul, o futuro do nuclear é uma incógnita.
Perante este cenário, a World Nuclear Association considera que o futuro está no desmantelamento, e prevê 111 biliões de dólares até 2035 para projetos nesse sentido.

Share:

0 comments:

Translate

Pesquisar no Ambiente Ondas3

Património

O passado do Ambiente Ondas3

Ver aqui.

Amig@s do Ambiente Ondas3

Etiquetas

Arquivo do blogue