Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

domingo, 2 de junho de 2019

Bico calado

  • O castigo final de Julian Assange lembra aos jornalistas que o seu trabalho é descobrir o que o estado mantém escondido, escreve Robert Fisk no The Independent de 30mai2019. «(…) Estou cada vez mais convencido de que a detenção de Assange e o novo encarceramento de Manning nada têm a ver com traição ou traição ou alegado prejuízo à nossa segurança.(…) Vamos esquecer, só por um momento, o massacre de civis, a crueldade mortal de mercenários dos EUA (alguns envolvidos no tráfico de crianças), o assassinato de colaboradores da Reuters pelas forças dos EUA em Bagdá, o exército de inocentes detidos em Guantánamo, a tortura , as mentiras oficiais, as falsas vítimas, as mentiras da embaixada, o treino norte-americano dos torturadores do Egito e todos os outros crimes descobertos pelas atividades de Assange e Manning. Suponhamos que o que eles revelaram foi bom em vez de mau, que os documentos diplomáticos e militares forneciam um exemplo brilhante de um grande país (…). Vamos fingir que as forças dos EUA no Iraque deram as suas vidas para proteger os civis, que eles denunciaram as torturas dos seus aliados, que eles trataram os prisioneiros de Abu Ghraib (muitos deles completamente inocentes) não com crueldade sexual, mas com respeito e gentileza; que eles quebraram o poder dos mercenários e os prenderam nos Estados Unidos acorrentados. (…) Vamos até imaginar por um momento que a tripulação de helicóptero dos EUA que abateu 12 civis numa rua de Bagdá não os "desperdiçou" com as suas armas. Imaginemos que a voz no rádio do helicóptero exclamou: “Esperem, acho que esses tipos são civis - e essa arma pode ser apenas uma câmara de televisão. Não disparem!” Sabemos que tudo isso é escapismo. Porque o que essas centenas de milhares de documentos representavam era a vergonha da América, dos seus políticos, dos seus soldados, dos seus torturadores, dos seus diplomatas. Havia até mesmo um elemento de farsa (…) Lembro-me sempre da indignação manifestada por Hillary Clinton quando se revelou que ela enviara colaboradores para espiar as Nações Unidas; funcionários do Departamento de Estado tiveram que estudar os pormenores de criptografia dos delegados, transações com cartão de crédito e até cartões de passageiro frequente. Mas quem nesta terra iria querer perder o seu tempo (…) ouvindo as conversas telefónicas particulares de Angela Merkel com Ban Ki Moon? (…) Que dizer das monstruosas revelações da crueldade americana; o relato, por exemplo, de como as tropas dos EUA mataram cerca de 700 civis por se aproximarem demais de seus postos de controlo, incluindo mulheres grávidas e doentes mentais. E a ordem às forças dos EUA (…) para não se investigar quando os seus aliados militares iraquianos chicoteavam prisioneiros com cabos pesados, penduravam-nos de ganchos ao teto, faziam buracos nas pernas com berbequins elétricos e os agrediam sexualmente. Na avaliação secreta dos EUA de 109.000 mortes no Iraque e no Afeganistão, 66.081 foram oficialmente classificadas como não-combatentes. Qual teria sido a reação norte-americana ao assassinato de 66 mil cidadãos americanos, 20 vezes mais do que os mortos do 11 de setembro? É evidente que não devíamos saber nada disto. E você pode ver porque não. O pior desse material era secreto não porque ele acidentalmente escorregasse para um arquivo de administração militar rotulado de "confidencial" ou "apenas para os seus olhos", mas porque representava o encobrimento do crime estatal em grande escala. Os responsáveis por estas atrocidades deviam ser julgados, extraditados de onde quer que estejam escondidos e detidos pelos crimes  que cometeram contra a humanidade. Mas não, vamos punir os denunciadores - por mais patéticos que possamos considerar os seus motivos. Nós, jornalistas, podemos preocupar-nos com as implicações de tudo isso na nossa profissão. (…) Por que não descobrir, por exemplo, o que Mike Pompeo disse em particular para Mohammed bin Salman? Que promessas tóxicas Donald Trump pode ter feito a Netanyahu? Que relações secretas os Estados Unidos ainda mantêm com o Irãp, por que manteve até mesmo um importante contato - desinteressado, silencioso e encoberto - com elementos do regime sírio. Porquê esperar 10 anos que um próximo Assange nos envie outra carga de segredos de Estado? O que descobrimos através do velho jornalismo convencional, da história obtida através de gargantas profundas ou contatos de confiança, vai revelar, se fizermos o nosso trabalho, a mesma desonestidade vil dos nossos donos que levou ao clamor de ódio contra Assange, Manning e Edward Snowden. Não seremos acusados porque a acusação destes três cria um perigoso precedente legal. Mas nós seremos processados pelas mesmas razões: porque o que revelaremos inevitavelmente provará que os nossos governos e os dos nossos aliados cometem crimes de guerra; e os responsáveis por essas iniquidades tentarão fazer-nos pagar por tal indiscrição com uma vida atrás das grades. A vergonha e o medo da responsabilidade pelo que foi feito pelas nossas autoridades de “segurança”, não pelos denunciantes cumpridores, é disso que se trata.»
  • «Em 20 anos de trabalho com vítimas de guerra, violência e perseguição política, nunca vi estados democráticos unirem-se para, deliberadamente isolar, demonizar e abusar de um único indivíduo durante tanto tempo e com tão pouca consideração pela dignidade humana e pela lei. A perseguição coletiva a Julian Assange tem de acabar aqui e agora ». Nils Melzer, relator das Nações Unidas. Outra entrevista aqui.
Share:

0 comments:

Translate

Pesquisar no Ambiente Ondas3

Património

O passado do Ambiente Ondas3

Ver aqui.

Amig@s do Ambiente Ondas3

Etiquetas

Arquivo do blogue