Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

terça-feira, 4 de julho de 2017

Bico calado

Imagem captada aqui.
  • «É uma bela frase, a do cantor Salvador Sobral depois da polémica: "Sempre falei duas vezes antes de pensar." E ele tira desse seu hábito uma lúcida conclusão: "Esta minha característica tem a sua parte boa e também a parte má." Falar com o coração na boca é isso, é bom. Permite ir para lá das palavras ouvidas e encontrar a autenticidade de quem fala. Mas falar num repente, sem medir, pode também levar ao que não queremos. O cantor, no concerto, não ofendeu - isso faz-se com má-fé, vontade de ferir. Para tais funções usam-se palavrões, insultos, escárnio. Salvador limitou-se a uma palavrinha de mau gosto. De meu mau gosto. Eu já escrevi aqui, contra outros, palavras para ofender, más - e não me lembraria de usar aquela que ele usou em palco. E não há mérito nenhum em mim, só isto, não gosto daquela palavrinha. Meu bom gosto. Que outros a usem, não concluo grande coisa sobre eles (nem do gosto deles) - por isso a discussão que por aí anda sobre a palavrinha do Salvador diz mais sobre os polemistas do que sobre ele. Escreveu-se muito sobre a palavrinha dele. É que somos, quase todos, candidatos a superintendente das Belas-Artes, do supremo Bom Gosto. No Segundo Império francês, ninguém ocupou melhor o cargo que Émilien Nieuwerkerke, fraco escultor mas exímio em tapar o "mau gosto" pelos museus. Por certas partes das estátuas, ele distribuía "as folhas de vinha do senhor Nieuwerkerke." Continua a ser uma função muito requestada.» Ferreira Fernandes in A palavrinha de Salvador - DN 29jun2017.
  • «(…) Passos Coelho, que faltou deliberadamente a uma reunião com o primeiro-ministro para debater a floresta, tentando depois criar um falso incidente dizendo que não tinha sido convidado, vem agora fazer insinuações imbecis, acusando o governo de odiar o eucalipto por causa de um acordo com os Verdes. Estamos perante mais uma estratégia manhosa e desonesta do líder da oposição. Em vez de debater a floresta, Passos Coelho opta por se aproveitar dos incêndios e de uma iniciativa legislativa que ignorou e sobre a qual nunca se pronunciou, depois de se aproveitar dos mortos, depois de inventar suicídios, Passos mata dois coelhos com uma cajadada, vai de encontro aos interesses das empresas de celulose e lança o pânico entre os pequenos proprietários rurais que encontram no eucalipto uma importante fonte de rendimentos (…)» O Jumento in Cuidado, agora os comunistas comem eucaliptos!
Share:

0 comments:

Translate

Pesquisar no Ambiente Ondas3

Património

O passado do Ambiente Ondas3

Ver aqui.

Amig@s do Ambiente Ondas3

Etiquetas

Arquivo do blogue