Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

  • Ambiente Ondas3

    Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

  • Ambiente Ondas3

    Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

  • Ambiente Ondas3

    Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

  • Ambiente Ondas3

    Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

  • Ambiente Ondas3

    Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

sexta-feira, 29 de março de 2019

FAPAS: Caça à cabra-brava no Gerês é «puro oportunismo»

  • A vocação cinegética do Parque Nacional da Peneda-Gerês é o tema base das primeiras Jornadas Internacionais da Sustentabilidade Económica dos Espaços Ordenados e Protegidos. «Os animais já têm predadores naturais no PNPG, não precisam de certas atividades humanas», escreve Nuno Oliveira. «Infelizmente as jornadas não incidem sobre a coexistência da pastorícia com o parque por exemplo», concluiu. Nuno Gomes Oliveira não hesita em considerar a iniciativa «puro oportunismo»: «Quem nunca fez nada pelo regresso da cabra-brava a Portugal quer, agora, a sua caça no Gerês». Entretanto, o FAPAS denuncia esta promoção da caça à cabra-brava como «um inaceitável oportunismo!». «Trata-se da manifestação de uma total insensibilidade quanto aos objetivos de um Parque Nacional, como é a Peneda-Gerês, (…) de um desconhecimento absoluto do que é desenvolvimento local» diz o comunicado, sublinhando que «a caça não é nenhuma ferramenta de conservação, antes pelo contrário, vejam-se os múltiplos exemplos, este da cabra-brava, ou o da rola-brava que, depois de quase extinta em Portugal, é agora caçada em safaris no Norte de África.» Por isso, o FAPAS apela à Câmara Municipal de Arcos de Valdevez para anular o evento e ao Ministro do Ambiente e ao Secretário de Estado das Florestas para que não participem nele.
  • O Mexia leva tudo e depois a EDP não tem recursos para evitar que postes peguem fogo a eucaliptal que medra à vontade. Twitter.
Share:

Brasil: Ativista dos direitos de barragens da Amazônia, cônjuge e amigo assassinados

  • Dilma Ferreira Silva, coordenadora regional do Movimento dos Atingidos por Barragens na região de Tucuruí, Pará, foi brutalmente assassinada em sua casa, junto com seu marido Claudionor Costa da Silva e Hilton Lopes, um amigo. Dilma foi uma das 32 mil pessoas deslocalizadas durante a construção da mega-barragem de Tucuruí.  A Polícia prendeu um suspeito, o grande fazendeiro, agricultor e empresário, Fernando Ferreira Rosa Filho, conhecido como Fernando Shalom. O mandante era vizinho do assentamento de Dilma e queria as famílias fora da área. Ele também seria o responsável pelo massacre ocorrido dois dias depois, do casal de caseiros e do tratorista de sua fazenda que, segundo a polícia, estariam insatisfeitos com o incumprimento dos seus direitos laborais
  • As ilhas Orkney, na Escócia estão a fazer uma forte aposta na energia a hidrogénio, conta a BBC.
  • Uma nova era de mineração no fundo do mar está iminente, mas até agora o Canadá não tomou medidas para identificar e proteger áreas marinhas vulneráveis, como o Deepsea Oasis ao largo da costa da ilha de Vancouver, desta indústria em expansão, escreve a The Narwhal.
  • Em novembro, dois poços de fraturação hidráulica causaram um terremoto tão forte que forçou a interrupção dos trabalhos no Site C, a 20 Km de distância. O incidente está a levar os vizinhos a questionarem como a British Columbia regula a abundante atividade de gás e petróleo da região perto de escolas, hospitais e campos. The Narwhal.
  • As autoridades do Texas processaram a Intercontinental Terminals Co (ITC) da Mitsui & Co., proprietários de instalações de armazenamento de produtos petroquímicos na área de Houston, alegando violações das leis ambientais e pedidos de indemnização para cobrir os custos de resposta ao incêndio que durou dias, liberando substâncias químicas no ar e nas águas. Reuters.
Share:

Mão pesada

A Monsanto foi condenada a indemnizar um cidadão da Califórnia em 80 milhões de dólares por cancro provocado por exposição prolongada ao glifosato. Common Dreams.
Share:

Bico calado

  • «(…) A Dr.ª Cristas é um Marta Soares com mais habilitações e sem erros de gramática, mas falta-lhe um corpo de bombeiros para chantagear o Governo. À falta de argumentos ela é a rã que inchou nas autárquicas de Lisboa e chegou a vereadora, tendo como principal adversário o partido que a mostrou às televisões – o PSD –, a quem agora morde a mão.(…)» Carlos Esperança, FB.
  • Presidente da República exonera embaixadora em Angola suspeita de corrupção. Lusa/Macua.
  • Berlim não reconheceu o enviado de Gaidó como embaixador na Alemanha. A resposta: ele tinha 30 dias para as eleições e não as fez. Chile Okulto.
  • O Secretário de Energia dos EUA, Rick Perry, aprovou seis autorizações secretas a empresas para venderem tecnologia de energia nuclear e assistência à Arábia Saudita, conta a Reuters.
Share:

quinta-feira, 28 de março de 2019

Aljezur: Ministério Público recorre da decisão do Tribunal Central Administrativo do Sul que revogou a sentença de suspensão da licença de prospeção de petróleo

  • O Ministério Público recorreu da decisão do Tribunal Central Administrativo do Sul que revogou a sentença de suspensão da licença de prospeção de petróleo ao largo de Aljezur, decretada pelo Tribunal Administrativo de Loulé. O MP avançou com o recurso «por considerar que a decisão do Tribunal Central Administrativo não foi a correta, até porque não teve em conta o princípio da precaução». Sul Informação.
  • Duas refinarias da Coreia do Sul rejeitaram carregamentos de petróleo de xisto norte-americano alegando contaminação que dificulta o processamento. Tudo por causa da mixórdia das proveniências da matéria-prima. Energy Voice.
  • A Indonésia avisou que poderá abandonar o acordo climático de Paris se a União Europeia concretizar o plano de eliminar o óleo de palma no combustível para transportes. Reuters.
  • Há muito que os habitantes de Jenjarom, na Malásia, se queixavam dos maus cheiros que não os deixavam dormir e lhes provocavam graves problemas de saúde. Pua Lay Peng investigou e, apesar de sofrer humilhações por parte das autoridades locais e de ameaças de morte anónimas, descobriu várias instalações onde, de forma ilegal e clandestina, se queimavam  resíduos plásticos importados dos EUA, do Reino Unido e da Austrália. Huffington Post.
Share:

Mão pesada

A Chemours, a Dow DuPont, a DuPont, a Solvay e a 3M foram condenadas em 3 milhões de dólares por poluírem a água com polifluoroalquílicas e perfluoroalquílicas, substâncias cancerígenas. NJ.com.
Share:

Bico calado

  • «Há 27 anos, um primeiro-ministro amoral, de rudimentar cultura e sofrível formação ética, tendo em consideração os altos e assinalados serviços prestados à Pátria», resolveu conceder o direito à pensão por serviços excecionais e relevantes prestados ao País a membros de uma associação de malfeitores que ao longo dos anos assassinou, torturou, degredou, prendeu e humilhou o povo português.(…)» Carlos esperança, FB.
  • «(…) Em 2008, era então deputado, apresentei num debate com o primeiro-ministro o caso de um gigante que era a maior empresa mundial de produção de alumínio, a Rusal, que tinha registado uma empresa no Funchal, a Wainfleet. A Wainfleet tinha sido em 2007 a maior exportadora portuguesa, registando vendas de três mil milhões de euros, quase o dobro do que a Autoeuropa produziu e vendeu nesse mesmo ano. Só que a Autoeuropa faz mesmo os automóveis, ao passo que a Wainfleet nunca produziu um átomo de alumínio na Madeira. Era tudo falso. Mas a empresa, declarando na região uma parte dos lucros da sua operação planetária, não tinha pago um cêntimo de imposto em 2005, em 2006 e em 2007. Acresce que, para tornar a história mais picante, o dono da Rusal e da Wainfleet, Oleg Deripaska, tinha sido acusado de cumplicidade com a mafia russa na luta pelo controlo do setor e, em nome dessa suspeita, estava desde 1998 proibido de entrar nos Estados Unidos, onde corria uma investigação. Ao contrário de outras empresas na zona franca do Funchal, no entanto, a Wainfleet tinha quatro empregados na região. Seriam porventura os trabalhadores mais produtivos do mundo, dado que eram responsáveis pelo registo de vendas na ordem dos três mil milhões de euros. Já com as declarações fiscais não tinham muito trabalho, a empresa não pagava nada. (…)» Francisco Louçã.
Share:

quarta-feira, 27 de março de 2019

Matosinhos: Câmara exige conhecer pormenores de todo o projeto de ampliação do porto de Leixões


A Câmara de Matosinhos defende que a obra de prolongamento do quebra-mar do Porto de Leixões não deve ser adjudicada enquanto a autarquia não tiver acesso ao projeto global de todos os investimentos para a estrutura portuária, nomeadamente da área a contentorizar.
Na resolução aprovada em reunião extraordinária da Câmara, o Executivo solicita ainda a elaboração de um estudo externo e independente que avalie o impacto ambiental do conjunto de investimentos e refere condições que devem ser cumpridas antes, durante e após a construção.
Em causa, está uma série de investimentos programados para o Porto de Leixões. Entre eles, a construção de um novo terminal de contentores, a reconversão do terminal de contentores sul, a requalificação do porto de pesca e a construção de mais 300 metros de paredão na Praia de Matosinhos que, segundo a Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo, vai melhorar a navegabilidade na barra e criar condições para o acesso de navios de maior dimensão.
«A Câmara de Matosinhos não pode deixar de manifestar a sua profunda preocupação face aos diversos impactos urbanísticos, ambientais e ecológicos e à possibilidade de deterioração da qualidade de água e ar, ruído, alteração morfológica da praia, das ondas e excessiva contentorização após a realização dos supracitados investimentos», lê-se no documento. JN.

Recorde-se que já no início de março, a Câmara Municipal do Porto aprovara uma moção reclamando uma reavaliação da obra do prolongamento em 300 metros do quebra-mar do porto de Leixões. Alegavam-se vários impactos negativos, nomeadamente na segurança das praias e na ondulação para o surf. Criticam-se vários aspetos da avaliação do impacto ambiental, como a exclusão das praias do Castelo, Queijo, Internacional e Aquário da análise da hidrodinâmica decorrente do prolongamento do quebra-mar exterior do porto, a falta de medidas mitigadoras do efeito sedimentar da obra nas praias de Matosinhos e Internacional e a ausência de propostas sistematizadas de mitigação do prejuízo resultante da alteração das atuais condições para prática do surf. A moção dizia também que o EIA «refere um impacte pouco significativo nas condições de segurança das praias de Matosinhos e Internacional, pelo facto da situação actual para a prática balnear ser hoje de boa qualidade nestas praias», mas o executivo discordava dessa análise porque entendia que «a praia Internacional é amplamente reconhecida, quer pelos utilizadores, quer pelas entidades oficiais (Capitania do porto de Leixões) como uma praia com elevada perigosidade para a prática balnear e que as escolas de surf, agora em risco de deslocalização ou desaparecimento, desempenham um papel fundamental na prevenção da ocorrência de incidentes graves nesta praia».
Na altura, a Comunidade Portuária de Leixões, dizia-se admirada com esta atitude uma vez que a obra «foi escrutinada em todas as instâncias que sobre ela tinham de se pronunciar, sem que merecesse a reprovação de qualquer delas». 

Surpreende-nos o silêncio dos municípios de Vila Nova de Gaia e de  Espinho perante os evidentes impactos na erosão costeira provocados pelo prolongamento em 300 metros do quebra-mar do porto de Leixões. 
Em dezembro de 2018, por altura da discussão pública do Programa da Orla Costeira (POC) Caminha-Espinho, a Câmara Municipal de Espinho aliou-se a cinco autarquias para ameaçar impugnar o plano de demolições proposto pelo POC, logrando pressionar o ministério do Ambiente para rever a proibição de construção em zonas urbanas consolidadas e garantir que as habitações em perigo seriam demolidas e as famílias indemnizadas e realojadas através do Programa 1º Direito. Sublinhe-se que em nenhuma ocasião, quer por parte da autarquia de Espinho, quer por parte do ministério do Ambiente, foram equacionados os fortes impactos do prolongamento do quebra-mar do porto de Leixões sobre a erosão da orla costeira de Espinho.

Share:

Colômbia: Promigas paga impactos negativos sobre ecossistema ameaçado

  • Na Colômbia, a Promigas está a construir um gasoduto através de um ecossistema ameaçado, mas está a pagar para proteger plantas e animais em outros lugares. Será este modelo de compensação uma maneira sensata de proteger a Natureza? pergunta a Deutsche Welle.
  • Cientistas da Universidade de Birmingham desenvolveram um minúsculo conjunto de sensores que se assemelham a uma pequena mochila que pode ser amarrada nas costas dos pombos-correio. Esses pequenos sensores ajudam os investigadores a recolher dados sobre microclimas urbanos, incluindo flutuações de temperatura, humidade e ventos que podem ter grandes efeitos sobre a vida nas grandes cidades. Metro.
  • Grande parte das vastas florestas da Rússia estão ameaçadas pela má gestão, pelo abate ilegal e pela corrupção, alerta a WWF. DW.
  • Os países vizinhos do sudeste da União Europeia (Albânia, Bósnia Herzgovínia, Geórgia, Macedónia do Norte, Kosovo, Moldávia, Montenegro, Sérvia e Ucrânia) pagam cerca de € 2,4 biliões por ano em subsídios para energia a carvão, contradizendo as regras da UE que deveriam seguir e distorcendo a concorrência. Climate Home News.
  • O secretário-geral da ONU, António Guterres, publicou uma nota informativa antes da cimeira do clima em New York, em setembro. Ele exorta os países a apresentar planos e não a fazer discursos. Climate Home News.
  • Ambientalistas processam a petroquímica Formosa Plastics Corporation, acusando-a de poluir massivamente várias praias do Texas com resíduos plásticos. Em janeiro, a empresa foi multada em cerca de 122 mil dólares por poluir e, Em 2009, a empresa foi condenada a pagar uma multa de 13 milhões por infrações à qualidade do ar e da água. The Texas Tribune.
Share:

terça-feira, 26 de março de 2019

Barrinha de Esmoriz: trasfega das lamas das dragagens estraga cartão-de-visita


Há décadas que a Barrinha de Esmoriz/Lagoa de Paramos serve de barragem de retenção de efluentes não tratados que lá chegam arrastados por várias linhas de água, principalmente através da Ribeira de Rio Maior.
Durante anos, a sua foz era, no verão e pela calada da noite, bloqueada pela intervenção anónima de máquinas. Tudo para impedir que esses efluentes não tratados deslizassem para sul e demandassem as praias de Esmoriz. As marés vivas do início do outono repunham a ordem e a verdade da Natureza, abrindo a barrinha.
Nos últimos tempos, a pressão de empreendedores turísticos fez o Estado «investir» milhões na requalificação daquela zona. Os passadiços são notórios, como notória é a algazarra que, aos fins-de-semana, anima os circuitos.
Agora, o que preocupa os empreendedores é a dragagem da barrinha e a transfega das lamas através de um tubo para o mar. Não poderia aquela operação ser feita de maneira mais disfarçada, quiçá escondida, e, porque não «recôndita», questionam-se.
É que assim, lá se vai o novo cartão-de-visita…
Share:

Alqueva: restrições de água para olival, amendoal, vinha e árvores de fruto

  • As restrições no acesso à água no Alqueva começaram em fevereiro. A Empresa de Desenvolvimento e Infra-estruturas do Alqueva (EDIA) está a notificar os beneficiários e potenciais interessados no fornecimento de água para rega a título precário (todos os agricultores que têm as suas explorações fora dos blocos de rega do empreendimento), que só serão aceites as propostas para a instalação de culturas anuais, como é o caso das culturas de melão, trigo, feijão e batata. Ou seja, fica de fora a autorização de fornecimento de água a novas culturas permanentes que são de alto rendimento como o olival, amendoal, vinha e árvores de fruto. A EDIA tomou esta decisão para acautelar a garantia de água no futuro. O projeto do Alqueva tem área para regar 120 mil hectares, mas as plantações e o seu fornecimento continuavam a aumentar sem controlo. Público.
  • Nerja, em Màlaga, é um dos últimos paraísos da Costa del Sol. As suas praias e bares de praia atraem dezenas de milhares de turistas durante todo o ano. O que os seus visitantes não sabem é que a cidade, com 21.061 habitantes, não possui estação de tratamento de esgotos. Eles chegam ao mar, a apenas1 Km da costa, sem nenhum filtro através de grandes tubos chamados emissários. É apenas uma das muitas irregularidades na descarga de águas residuais urbanas, denunciada pelos Ecologistas en Acción há um ano e meio e que hoje instrui diferentes tribunais na Andaluzia. El País.
  • O bilionário e chefe da Ineos ameaçou encerrar uma fábrica de produtos químicos se não o isentarem das regulamentações ambientais europeias. Unearthed.
  • As grandes inundações ao longo do rio Missouri prejudicaram o tratamento do fornecimento de água em boas condições em Kansas City, aumentando os riscos para a saúde de bebês, idosos e outros com sistemas imunológicos comprometidos, alertaram os serviços municipais de água. Reuters.
Share:

Bico calado

  • «(…) estas manobras têm como origem a “perda” do PSD por esta direita mais radical, uma orfandade de votos que o PSD trazia e que ela nunca conseguiu ter. Daí a forte nostalgia dos tempos da troika-Passos-Portas, cujo projecto e prática política foi o maior atentado ao carácter social-democrata do PSD e destruiu a identidade histórica do partido. Não sei se esta “perda” é consolidada ou temporária, suspeito, aliás, que possa ser conjuntural, mas, como já aconteceu no passado, é o PSD o alvo destas manobras e não o Governo da “geringonça”. Foi assim com o PP de Portas, filho do Independente, cujo objectivo era combater o “cavaquismo”, era esta a intenção do Observador, entre grupo de pressão contra o PSD social-democrata e órgão de defesa do “passismo” e do “ajustamento” da troika. Esta é a primeira ilusão que convém evitar: apesar da aparente fúria com o “socialismo” do Governo Costa, é o PSD de Rio o alvo. (…) O PS precisa do poder do Estado para fazer negócios e os outros partidos mantêm uma relação mais “orgânica” com os interesses. Daí uma maior exposição pública dos socialistas à corrupção que praticam com muita “fome”, enquanto nos salões da banca europeia, nos offshores e nas grandes sociedade de advogados as coisas se fazem com menos risco e mais protecções. (…)» José Pacheco Pereira, in Quem não quer ser lobo não lhe veste a pelePúblico 23mar2019.
  • «Os crimes de que Rui Pinto é acusado não são um atentado à democracia. Atentado à democracia são os negócios escuros ilegais e a corrupção endémica que habita o nosso sistema». Boaventura Sousa Santos, citado pela Rádio Renascença. Rui Pinto foi nomeado para o Prémio "Jornalistas, denunciantes e defensores do direito à informação", atribuído pelo grupo político do Parlamento Europeu Esquerda Unitária Europeia/Esquerda Nórdica Verde. A distinção é destinada a pessoas que tenham sido intimidades e/ou perseguidas por revelar a verdade e expô-la em público. Além de Rui Pinto, estão nomeados outros cinco denunciantes: o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, a ex-vice-presidente e denunciante dos lapsos de segurança alimentar da Nestlé, Yasmine Motarjemi, o denunciante do Banco Danske, Howard Wilkinson, o autor e denunciante sobre corrupção e irregularidades no exército espanhol, Luis Gonzalo Segura, e a denunciante do esquema de vistos gold do Ministério da Justiça búlgaro Katya Mateva. O vencedor será anunciado a 16 de abril em Estrasburgo e, para além da distinção, receberá também 5 mil euros. SIC. Entretanto, o Correio da Manha titula: Autoridade Tributária pede ajuda a Rui Pinto para investigar crimes fiscais no futebol português.
Share:

sábado, 23 de março de 2019

Ovar: caldeiras de árvores cimentadas foi erro de interpretação do empreiteiro


  • No centro de Ovar apareceram alguns canteiros e caldeiras de árvores tapados com cimento. O problema foi levantado na Assembleia Municipal, tendo o presidente da Câmara admitido ter havido um erro por alegada «má interpretação do empreiteiro das instruções que lhe tinham sido dadas». Ovar News.
  • A zona verde do percurso Polis entre o parque estacionamento junto ao Complexo Municipal de Piscinas de Leiria e o rio foi cortada para permitir a ampliação da área de estacionamento. A Câmara de Leiria justifica a medida com a necessidade de criar mais espaço no local para aí instalar provisoriamente o Mercado do Levante, que se realiza à terça-feira e ao sábado, enquanto decorrer a Feira de Maio. Jornal de Leiria.
  • As crianças que vivem em zonas de conflito têm 20 vezes mais probabilidade de morrer de doenças de diarreia por ingestão de água contaminada do que morrer de violência direta como resultado da guerra, concluiu a Unicef. The Guardian.
  • A capital da Noruega, Oslo, vai ser a primeira cidade do mundo a instalar sistemas de recarga sem fio para táxis elétricos. O projeto usará tecnologia de indução, com placas de carregamento instaladas nas ruas, em paragens de táxi, ligados a receptores instalados nos veículos. Reuters.
  • Cerca de 2 milhões de norte-americanos não têm água potável canalizada em suas casas, revela a Detroit Free Press. Via The Takeaway. Agora expliquem-me como vão deitar abaixo o Maduro para alegadamente resolverem problemas de infraestruturas…


Share:

Reflexão – Precisamos de uma bateria totalmente ética


A indústria de veículos elétricos precisa de «fabricar a primeira bateria totalmente ética do mundo em cinco anos», defende a Amnistia Internacional (AI). A AI acusa os fabricantes de automóveis elétricos de falhar na redução dos abusos dos direitos humanos, incluindo o trabalho infantil, ligado à mineração de minerais essenciais para as baterias. «Encontrar soluções eficazes para a crise climática é um imperativo absoluto, e os carros elétricos têm um papel importante nisso», diz Kumi Naidoo, diretor da AI. «Mas sem mudanças radicais, as baterias que alimentam os veículos verdes continuarão a ser manchadas por abusos dos direitos humanos».
A procura de carros elétricos deverá subir rapidamente, aumentando mais de trinta vezes até 2030, segundo a Bloomberg New Energy Finance. A procura de lítio deve aumentar dramaticamente na próxima década. As organizações de defesa dos direitos humanos acusam os fabricantes de produtos eletrónicos e os fabricantes de carros elétricos de não divulgarem publicamente as cadeias de fornecimento dos seus produtos, e criticam a indústria por estar frequentemente envolvida em casos de abusos de direitos humanos cometidos em minas, nomeadamente na Argentina e na República Democrática do Congo.
«As empresas que ignoram as preocupações com os direitos humanos quando limpam as suas fontes de energia estão a apresentar aos seus clientes uma falsa escolha: pessoas ou planeta», diz Naidoo. «Esta abordagem é fraca e não irá fornecer as mudanças sustentáveis que precisamos para salvar a humanidade da devastação climática.» DW.
Share:

Bico calado

  • O Supremo Tribunal dos EUA decidiu por 7-1 rejeitar a alegação de imunidade absoluta de processos judiciais da International Finance Corporation (IFC). A partir de agora, organizações internacionais como a IFC e o Banco Mundial podem ser processadas nos tribunais dos EUA, por eventuais danos provocados por impactos negativos de projetos por eles financiados. Farmland Grab.
  • Nos EUA é muito mais fácil criar uma empresa de fachada do que obter um cartão de biblioteca pública, admite a Global Financial Integrity.
  • «(…) Nenhum país na era pós-Segunda Guerra Mundial cometeu tantos crimes contra a humanidade e apoiou tantos genocídios como os Estados Unidos da América. E nenhuma outra parte do mundo assassinou mais pessoas no mundo do que a Europa. E a maioria dos norte-americanos é descendente de europeus. A "política externa" dos EUA deriva diretamente das políticas colonialistas das antigas potências europeias. Portanto, crimes contra a humanidade cometidos pelo Ocidente nunca pararam; nunca pararam durante séculos. (…) Se o ICC tiver permissão e começar a investigar crimes contra a humanidade cometidos pelo Ocidente, todo o conceito distorcido dos EUA e da Europa como sendo pioneiros da liberdade e da democracia poderá entrar fácil e rapidamente em colapso. Mesmo as críticas de Washington, Paris ou Londres a países como a Venezuela, a China ou a Rússia, pelas suas “violações dos direitos humanos”, se tornariam absurdas e grotescas. Todo o conceito de "mudança de regime" poderia ser claramente denunciado pelo que sempre foi - gangsterismo sem lei. Os governantes dos EUA estão bem cientes do facto de que este é um "momento extremamente mau" para o Império permitir desafios de alguns organismos internacionais marginalmente independentes. Eles tentam quebrar toda a dissidência. Como quando em 2018, os EUA e Israel abandonaram a Unesco. O Ocidente está claramente a perder a guerra ideológica e está em pânico. E quanto mais entra em pânico, mais agressivo fica. País após país é rotulado de “antidemocrático" e designado para "mudança de regime". Os métodos são diferentes. Há golpes suaves que conseguiram derrubar governos de esquerda na Argentina e depois no Brasil. E existem métodos duros usados pelo Império no Afeganistão, Síria, Venezuela, Irão, Iémen, grandes partes da África, Nicarágua e Coreia do Norte. O Ocidente apoia abertamente os genocídios na República Democrática do Congo, na Papua Ocidental ocupada e saqueada pela Indonésia, em Caxemira ocupada pelos indianos, bem como o apartheid perpetrado por Israel. O ICC concentra-se agora nos crimes contra a humanidade cometidos pelos Estados Unidos no Afeganistão, onde pelo menos 100.000 pessoas morreram em resultado das cerca de duas décadas de ocupação da NATO. Estes crimes são reais e indiscutíveis. Trabalho no Afeganistão e posso testemunhar que o Ocidente (e particularmente os EUA e o Reino Unido) trouxe este país orgulhoso para um estado miserável. Mas o Afeganistão poderia ser apenas o começo, uma espécie de caixa de Pandora. O mais provável é que, se ocorrerem, os julgamentos contra os EUA e seus crimes não impedirão de imediato o terror que o Ocidente está a espalhar por todo o mundo. Mas eles abririam discussões, pelo menos nos países que foram vítimas de tamanha injustiça. Esses julgamentos ajudariam também a realinhar o mundo (…) Uma grande parte do mundo já está horrorizada com os recentes ataques do Ocidente contra a Venezuela e com as tentativas de pressionar países como a China, a Rússia e a Coreia do Norte para o conflito militar. (…) Percebeu-se sempre que o Ocidente tem forçado o planeta a aceitar o seu "excepcionalismo". Mas apenas uma minoria bem informada do povo o percebeu. As últimas manchetes chegarão às massas, em todos os continentes. O Sr. Pompeo cometeu um enorme erro tático. Ele tocou o "grande tópico" que deveria ser "entendido", mas não pronunciado. Agora está às claras. O próximo passo poderia ser o reconhecimento de que o direito internacional não se aplica ao Ocidente. Uma vez admitido esse facto indiscutível, o que se segue pode ser um ultraje e, finalmente, a uma recusa em aceitar o status quo, pelo menos por parte de vários países, e em biliões de pessoas em todo o mundo. Parece que o Império foi longe demais. Como resultado, paradoxalmente, a sua impunidade poderá estar realmente em risco.» Andre Vltchek, EUA para o ICC - We Will Break Your LegsNew Eastern Outlook.
  • O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, pode enfrentar mais acusações de corrupção após a revelação de novos pormenores relacionados com o caso de um submarino. O caso submarino - conhecido como Caso 3000 - refere-se a uma série de alegações contra associados próximos de Netanyahu, que aalegadamente pressionou as autoridades de defesa israelitas a assinar um acordo com a empresa alemã ThyssenKrupp. Acredita-se que os associados também tenham "desnatado" o acordo, retirando grandes somas para si mesmos. MEM.
Share:

sexta-feira, 22 de março de 2019

Los Angeles vai deixar de aplicar herbicida à base de glifosato em todas os espaços públicos

  • Os moradores de duas cidades da região de Houston foram aconselhados a permanecer em ambientes fechados e escolas de seis comunidades foram encerradas devido aos níveis perigosos de benzeno no ar provocados por um incêndio num complexo petroquímico. Reuters. Curiosamente, ontem as autoridades tinham realçado que a qualidade do ar era um dado adquirido.
  • Los Angeles vai deixar de aplicar herbicida à base de glifosato em todas as áreas públicas, conta a NBC.
Share:

Memórias curtas

  • 22mar2017 - o proprietário de um terreno na Quinta de Val Ventos, em Turquel, Alcobaça, foi notificado a pagar uma multa de 30 mil euros por ter plantado eucaliptos.
  • 22mar2011 - A Junta de Freguesia de S. Pedro da Cova, Gondomar, local onde foram depositadas 88 toneladas de resíduos perigosos da extinta Siderurgia Nacional, exige que a população local seja compensada pelo crime ambiental cometido.
Share:

Bico calado

  • Michel Temer é preso pela Lava Jato, titula O Globo. Que maravilha, Batista – diria o Gordo da rábula de Jô Soares. Agora, expilica aí muito clarinho como é que o Temer fez o golpe para derrubar a Dilma e acabar com a corrupção é preso e a Dilma não. Aguardemos a douta opinião da Cristas para desvendar este mistério.
  • IDAI: O Ciclone que fará enriquecer muita gente, por António Zefanias, in Diário da Zambézia 21mar2019. Via Macua.
  • Biliões de fundos anónimos fluem o universo imobiliário de Toronto, revela a Transparency International Canada. Tudo aparentemente legal: No Canadá, as pessoas podem possuir uma propriedade e ocultar esse fato às autoridades fiscais e às entidades do setor privado com obrigações no combate à lavagem de dinheiro. Os registros de propriedades do Canadá permitem que proprietários beneficiados usem empresas, fundos ou representantes para manter o direito de propriedade e permanecerem anónimos, o que facilita a lavagem de dinheiro no setor imobiliário.
  • Soldados israelitas invadiram a escola Haj Ziad Jaber, em Hebron e prenderam um menino de 10 anos por alegadamente ele lhes ter atirado pedras, conta e mostra a 972Mag. Até mesmo a imprensa israelita condena os abusos do poder sobre crianças.
  • O novo rosto do terror, muito parecido com o antigo. Nacionalistas brancos violentos cada vez mais se assemelham aos jihadistas que eles odeiam, lê-se na The Economist.
Share:

quinta-feira, 21 de março de 2019

Lagoas de Melides e de Santo André abertas ao mar


  • A Agência Portuguesa do Ambiente anunciou a abertura das barras das lagoas de Melides (Grândola) e de Santo André (Santiago do Cacém) ao mar. Trata-se de um procedimento anual que «visa a renovação da água nas respectivas lagoas, melhorando a qualidade dos ecossistemas» e que «consiste na abertura de um canal profundo perpendicular ao mar, com recurso a maquinaria pesada, escavado abaixo da cota de fundo dos respetivos corpos lagunares, para que o esvaziamento seja eficiente e assim promover o arrastamento dos sedimentos lodosos do fundo». JE do Mar.
  • «Sejam quais forem as contas que sejam feitas, a ilha Terceira parece apresentar, nos últimos 20 anos, taxas de cancro largamente superiores às médias regional e nacional (…) a possibilidade de maior incidência de cancro na Terceira é um debate que tem estado aceso. Algumas vozes defendem que um eventual fenómeno dessa natureza está ligado a contaminação provocada pelas infraestruturas norte-americanas relacionadas com a Base das Lajes. No final do ano passado, por exemplo, uma série de reportagens intitulada "Lajes Confidencial", da TVI, explorava as consequências para trabalhadores portugueses que trabalharam na base ou na construção de infraestruturas militares. Um caso foi o da obra de construção do South Tank Farm, a maior estrutura de armazenamento de combustível desta natureza erguida pelas forças militares norte-americanas fora dos Estados Unidos da América. A empreitada, que envolveu centenas de trabalhadores, decorreu de 1985 a 1990.Alberto Vieira, capataz na obra do South Tank Farm, que tem sofrido vários problemas de saúde, incluindo cancro, afirmava: "Parece que não houve nenhum que não tivesse problemas. Aquele pessoal que aguentou mais tempo (a trabalhar lá). A força do pessoal que trabalhou lá, parece que não há nenhum que não tenha marcas no corpo"». Análise dos dados das duas últimas décadas, in Diário Insular. Via Félix Rodrigues.
  • Centenas de golfinhos mutilados e mortos, capturados em redes, foram descobertos numa praia de França. Todos os anos, ilhares de golfinhos são capturados acidentalmente pela indústria de pesca de mar alto. Muitos são arrastados para praias da costa atlântica de França, sendo posteriormente recolhidos e empilhados em Les Sables d'Olonne, perto de La Rochelle, pelas autoridades locais. Os golfinhos foram encontrados por voluntários da Sea Shepherd France, que explicaram que são despejados lá todas as semanas antes de serem enviados para uma fábrica de processamento. Os animais sofreram fraturas, cortes nas barbatanas e feridas profundas provocadas pelas rede. As redes de pesca capturam tudo o que encontram, fazendo com que os golfinhos morram por afogamento. UNILAD.
  • As centrais a carvão da Alemanha podem ser convertidas em «baterias» que armazenam energia eólica e solar. O projeto piloto envolverá a retirada da caldeira e sua substituição por um tanque de armazenamento térmico de sal fundido que será aquecido com o uso de energia renovável em excesso. GTM.
  • O Município de Cumbria adjudicou à West Cumbria Mining a concessão da exploração de uma mina subterrânea perto de Whitehaven, a ser conhecida como Woodhouse Colliery. A mina fica ao lado do local da antiga mina de carvão de Whitehaven, encerrada há 30 anos. «A Woodhouse Colliery trará benefícios locais significativos para Whitehaven, Copeland e Cumbria em termos de empregos e investimentos», apregoam os promotores. Mas John Sauven, diretor executivo da Greenpeace UK, diz: “Há uma semana, mais de um milhão de crianças saíram às ruas em todo o mundo exigindo que os adultos comecem a comportar-se como adultos e a agir para interromper um colapso climático completo. É chocante ver que, quando confrontados com a escolha de ajudar a garantir o seu futuro, os vereadores locais de Cumbria escolheram fazer exatamente o oposto. Estamos perante uma emergência climática e essa decisão tem uma visão curta e terrível. Não podemos dar-nos ao luxo de queimar o carvão que temos sem fritar o planeta, quanto mais cavar mais. Precisamos de vereadores locais para apoiar uma mudança radical para um futuro de energia renovável para garantir empregos e um ambiente saudável», concluiu. Energy Voice.
  • Uma coluna de fumo negra escurece durante três dias o céu sobre parte da cidade de Houston, após um incêndio num complexo petroquímico da ITC. Apesar de tudo, as autoridades fizeram questão de sublinhar que a qualidade do ar era um dado adquirido. The Texas Tribune.
  • O The Sierra Club, a National Wildlife Refuge Association e os Defenders of Wildlife avançaram com um processo no Tribunal Distrital dos EUA em Washington, alegando que alimentar alces com pelotas de alfafa para alegadamente ajudá-los a sobreviver a condições severas de inverno faz com que eles se concentrem em grupos no National Elk Refuge. Essa concentração pode facilitar a propagação da doença debilitante crónica, uma condição neurológica fatal que faz com que alces, veados e outros animais percam peso e se tornem apáticos. É semelhante à doença das vacas loucas. A doença espalhou-se por pelo menos 24 estados desde a sua descoberta numa laboratório de pesquisa no Colorado no final dos anos 1960. AP.
  • O banco Barclays é alvo de grandes críticas por parte de ambientalistas por ter subsidiado com 30 biliões de dólares projetos de combustíveis fósseis entre 2012 e 2017. The Guardian.
Share:

Reflexões – Dia Mundial da Água: quem priva os Palestinianos de água?

  • Israel priva os palestinianos de usufruírem dos recursos naturais de água, o que é uma «violação das responsabilidades legais como potência ocupante», afirmou Michael Lynk, Relator Especial da ONU sobre a Situação dos Direitos Humanos no Território Palestiniano Ocupado. «Para cerca de cinco milhões de palestinianos que vivem sob ocupação, a degradação do seu abastecimento de água, a exploração dos seus recursos naturais e a deterioração do seu ambiente são sintomáticos da falta de qualquer controle significativo que têm sobre as suas vidas diárias», disse Lynk ao apresentar, em Geneve, um relatório sobre o impacto da ocupação nos recursos ambientais e naturais. «Com o colapso das fontes naturais de água potável em Gaza e a incapacidade dos palestinianos de aceder à maioria das suas fontes de água na Cisjordânia, a água tornou-se um poderoso símbolo da violação sistemática dos direitos humanos no Território Palestiniano Ocupado”, afirmou. «Desde 2017 que mais de 96% do aquífero costeiro de Gaza, a principal fonte de água para os habitantes de Gaza, tornou-se imprópria para consumo humano. As razões incluem extração excessiva por causa da população extremamente densa, contaminação com esgoto e água do mar, bloqueio de 12 anos e guerras assimétricas que deixaram a infraestrutura de Gaza severamente danificada e com uma escassez de eletricidade quase constante», acrescentou. Via MEM.
  • Nos bairros de lata urbanos, as famílias pobres pagam entre 10 e 20 vezes mais pela água do que os vizinhos mais ricos, denuncia um relatório da WaterAid citado pela Reuters. Reuters.
  • Uma crise hídrica entre o Egito, a Etiópia e o Sudão, por causa de uma barragem polémica no Nilo, pode transformar-se num conflito com «graves consequências humanitárias», alerta o laboratório de ideias International Crisis Group. Lançado pela Etiópia em 2012, o projeto hidrelétrico pretende para produzir 6.000 megawatts de energia, equivalente a seis centrais nucleares. O Egito depende do Nilo para cerca de 90% das suas necessidades de irrigação e água potável, e diz que tem «direitos históricos» ao rio garantidos pelos tratados de 1929 e 1959. O rio, que atravessa 10 países, é o mais longo da África e uma artéria crucial para o fornecimento de água e eletricidade para todos os países. O Nilo Azul nasce na Etiópia e converge com o Nilo Branco na capital do Sudão, Cartum, para formar o Nilo, que atravessa o Egito até ao Mar Mediterrâneo. O ICG diz que é «fundamental que as partes resolvam a disputa antes de barragem, cuja construção está quase concluída, comece a operar. «Os países da bacia do Nilo podem entrar em conflito porque as expetativas são muito altas: a Etiópia vê a central hidroelétrica como um projeto nacional de desenvolvimento; o Sudão cobiça a eletricidade barata e uma maior produção agrícola; e o Egito prevê a possível perda de água como uma ameaça existencial», conclui. AFP/Terra Daily.
Share:

Mão pesada

Agentes do Ibama identificaram madeira sem origem legal em 17 das 18 serrarias inspecionadas em quatro municípios de Roraima: Rorainópolis, Caracaraí, São Luiz e São João da Baliza. Foram apreendidos 4.118,53 metros cúbicos de madeira, que equivalem à carga de pelo menos 200 camiões adaptados para transporte do produto. Os agentes ambientais embargaram área de 572,93 hectares explorada ilegalmente e quatro empresas. Foram aplicados 43 autos de infração, que totalizam R$ 6,63 milhões.
Share:

Bico calado

  • «Nuno Melo foi um dos porta-vozes do “lobby” das armas quando no PE discutimos Directiva em 2017, dpx ataque terrorista Bataclã. Com extrema-direita europeia. À pala de interesses dos caçadores, desportistas, coleccionadores... Segurança é máscara. Negócio de CDS é insegurança!» Ana Gomes, Twitter.
  • Depois de dois acidentes fatais no novo 737 MAX 8 da Boeing, a Federal Aviation Administration enfrenta críticas cada vez maiores por delegar grande parte da certificação de segurança da aeronave à própria empresa aeroespacial. Pior: a prática faz-se desde os anos 1950s. The Seattle Times. E se vários países fizessem o mesmo que os EUA fizeram em relação à fraude das emissões da Volkswagen?
  • Desertores militares venezuelanos que fugiram para a Colômbia em 23 de fevereiro, dizem-se abandonados pelas autoridades colombianas e norte-americanas. TeleSur.
  • Mercenários norte-americanos e sérvios detidos no Haiti faziam parte de um esquema apressado para transferir 80 milhões de dólares do fundo governamental de petróleo para uma conta pessoal do presidente encurralado. Tudo para preservar a democracia no Haiti, cujo presidente tem sido alvo de frequentes e grandes manifestações exigindo a sua demissão. O esquema falhou, tendo os artistas recolhido ao ninho sem qualquer problema de ordem criminal. Refira-se que, entre 2008 a 2017, a Venezuela forneceu ao Haiti cerca de  4,3 biliões de dólares em petróleo barato através do Acordo Petrocaribe, assinado pela Venezuela, pelo Haiti e outros 16 países das Caraíbas e da América Central. O Haiti tinha um acordo particularmente favorável: 40% do dinheiro devido à Venezuela era reembolsável em 25 anos a uma taxa de juros anual de 1%. Entretanto, o Haiti estava livre para aumentar a receita desse petróleo para o fundo Petrocaribe. O fundo deveria apoiar hospitais, clínicas, escolas, estradas e outros projetos sociais, e ajudou a apoiar o governo haitiano após o devastador terremoto de 2010 e o furacão Matthew em 2016. Mas as sanções da administração Trump à Venezuela e a má administração financeira do governo haitiano levaram o banco central haitiano a interromper os pagamentos à Venezuela, e o acordo Petrocaribe terminou no início de 2018. Uma investigação do Senado concluiu que os cerca de 2 biliões do fundo tinham sido desviados e roubados, sobretudo sob a liderança do Presidente do Haiti, Michel Martelly, entre 2011 e 2016. Matthew Cole e Kim Ives contam muitos mais pormenores na The Intercept.
  • Anti-Defamation League  divulgou um relatório revelando que agressores com ligações a extremistas de direita mataram pelo menos 50 pessoas em 2018 nos EUA. Entre 2009 a 2018, 73% dos massacres foram perpetrados por extremistas de direita, comparando com 23% de muçulmanos e 3% de extremistas de esquerda.
Share:

quarta-feira, 20 de março de 2019

Cante pelo Clima!

  • Cante para o clima é uma grande expressão de canto que teve lugar em 22 e 23 de setembro de 2012 na Bélgica. Mais de 80 mil pessoas em mais de 180 cidades e comunidades belgas cantaram a canção «Do it Now», pedindo aos políticos que adotem medidas climáticas mais ambiciosas, tanto a nível local e nacional como  a nível internacional. Este vídeo é uma síntese de gravações que foram feitas em vários locais. O sucesso de «Sing for the Climate» prova que uma mobilização em massa em torno da crise climática ainda é possível mesmo depois da cimeira do Ambiente de Copenhague em 2015. Mas a Bélgica é um país pequeno e a crise climática é um problema global que precisa de ser enfrentado a nível internacional. Por isso, apela-se a grupos e organizações locais em todo o mundo para que organizem a sua própria versão de Sing for the Climate.
  • Em Glasgow, o programa «Nine», da BBC, convidou um negacionista do clima, Andrew Montford, para comentar as 2083 manifestações pelo clima em 125 países. Nenhum dos organizadores de manifestações em Glasgow e Edinburgo, por exemplo, foi convidado para expressar a sua opinião. DeSmogUK. Por isso a BBC usa David Attenborough para esverdear a sua imagem.
  • «(…) Estes jovens receberam o planeta desfeito e foi a minha geração, que desde os anos 80 sabe muitíssimo bem que caminha para um ponto de não retorno, que nada fez. Nem sequer por eles. A maioria preferiu não mexer um milímetro no seu conforto e deixar o inferno para os seus próprios filhos e netos. Fomos, estamos a ser, indecentes. E não devem perdoar-nos por isso. Devem continuar até assumirmos todos, não a nossa culpa, que serve de pouco, mas a nossa responsabilidade. Mas isto não deve ser uma forma de aprofundar a incomunicabilidade, mesmo que ela seja da natureza da relação de todas as gerações entre si. Porque no meio há um planeta para salvar que não pode esperar que a geração de Greta Thunberg chegue ao poder. E porque têm aliados nos adultos e terão adversários na sua própria geração, quando chegar a altura. As soluções urgentes ainda estão nas mãos dos políticos, técnicos e cientistas das gerações mais velhas. Precisam deles e dos que os elegem. Mas isso eles sabem. Estão, e muitíssimo bem, apenas a tentar envergonhar-nos.» Daniel Oliveira, in Greve pelo clima: foram só flores? - Expresso 18mar2019.
Share:

Brasil: Vale intimada a suspender atividades em duas barragens de mineração

  • A desativada mina de cobre Baal Gammon, no extremo norte de Queensland, está a drenar água tóxica por uma brecha para a ribeira de Jamie, perto de Watsonville, a sudoeste de Cairns. As autoridades cancelaram as licenças da mineira Baal Gammon Copper's (BGC) alegando que não tinham liquidado os 3 milhões de dólares de seguros. Níveis elevados de metais pesados tinham já sido detetados em análises oficiais levadas a cabo em agosto de 2018, pelo que os proprietários de terras tinham sido alertados para não usarem água dos rios e ribeiras da zona. Os proprietários da mina tentam atribuir responsabilidades a outros e às intensas chuvas que caíram nos últimos tempos. ABC.
  • A 1ª Vara Cível da Comarca de Itabira (MG) atendeu pedido do Ministério Público de Minas Gerais para que a Vale suspenda as atividades nas barragens Dique Minervino e Dique Cordão Nova Vista, até apresentação de nova declaração de estabilidade. Reuters.
Share:

Mão pesada

  • Sem licença ambiental nem licença de utilização, a instalação suinícola situada na Herdade do Colmeiro, numa encosta sobranceira a Vila Nova da Barquinha, foi mandada encerrar pela Direção Regional de Agricultura. MedioTejo.
  • Um negociante de resíduos de Wiltshire foi intimado a devolver 200 mil libras que recebeu indevidamente por atividade ilegal. Está ainda proibido de exercer aquela atividade por cinco anos. GovUK.
  • O estado de Vermont vai ser indemnizado em 3,8 milhões da BP, Citgo, Exxon-Mobil, Shell e Sunoco por as petrolíferas usarem o aditivo éter metil terciário butílico (MTBE) na gasolina, apesar de saberem que representava um risco devastador para as fontes de abastecimento de água. VTDigger.
Share:

Bico calado

  • A Democracya está a ser atacada em todo o mundo, admite o The Economist.
  • Mais dois falcões norte-americanos a defender uma intervenção militar na Venezuela. E tudo por, dizem eles, uma causa humanitária. Grave problema humanitário provocado pelas sansões económicas decretadas pelos falcões e seus amigos.


  • A ministra da Justiça de Israel, Ayelet Shaked, aparece num anúncio eleitoral que se pulveriza com um perfume chamado Fascismo. O anúncio, divulgado pelo partido da Nova Direita, supostamente zomba dos «medos de esquerda que buscam enfraquecer o poder judiciário de Israel». Mostra-se Shaked em câmera lenta enquanto desce um lance de escadas, coloca um brinco e olha diretamente para a câmera. Uma voz sussurra «revolução judicial» e «separação de poderes». No final, Shaked borrifa o frasco de perfume e diz: «Para mim, cheira a democracia».
  • Um consórcio de credores da Portucel Moçambique anunciou hoje que vai avançar com um processo-crime em Portugal contra o grupo The Navigator Company, detentor da sociedade florestal, por prejuízos de mais de 50 milhões de dólares em Moçambique. O empresário, que lidera a acção do consórcio de credores, alega que em causa estão incumprimentos de contratos, pagamentos em atraso e indemnizações por equipamento e danos causados durante a prestação de serviços de silvicultura à Portucel Moçambique, nas províncias moçambicanas de Manica e da Zambézia. Desde 2009 a empresa portuguesa desenvolve naquela região um megaprojeto florestal de 2,5 mil milhões de dólares de plantio de eucalipto ao longo de cerca de 360 mil hectares. «Esta situação já se arrasta há dois anos e vamos agora apresentar fisicamente o processo em Portugal (...) porque não tivemos sucesso algum com o representante local da Portucel [em Moçambique] e as suas firmas de advogados em Moçambique para resolver este problema», disse Izak Holtzhausen. Lusa/Macua.
  • Há assédio sexual entre os estudantes de Medicina, diz uma investigação nacional. No Canadá. Como este link se mantém surdo e mudo, talvez este, de 2018, ajude a dar uma ideia do problema. 


  • Vale a pena ouvir as intervenções do presidente do parlamento britânico expressando as suas condolências às famílias das vítimas do ataque terrorista na Nova Zelândia, e, depois, do minuto de silêncio proposto por ele, denunciar aquele bárbaro ato.
Share:

terça-feira, 19 de março de 2019

Malásia contesta redução do óleo de palma no combustível de transporte

  • O GEOTA lançou uma campanha para impedir a construção da barragem de Fridão. O projeto da EDP para o rio Tâmega está suspenso para reavaliação desde 2016 e o Governo terá de decidir até 18 de Abril se atribui à EDP a licença de produção para a central hidroelétrica. O GEOTA pretende alertar para o perigo que a barragem representa para a população de Amarante, pelos custos que acrescerá à fatura da eletricidade e para os impactos sociais, ambientais e económicos na região. Se é no concelho de Mondim de Basto que haverá maior número de construções afetadas, é o município de Amarante que corre maiores riscos, em caso de acidente e rutura da estrutura, tendo em conta a sua proximidade ao centro histórico da cidade, localizado em zona ribeirinha: cerca de 8 Km. Pelos cálculos do antigo Instituto da Água, em caso de rompimento da estrutura da barragem (que será construída numa zona de susceptibilidade sísmica), o centro histórico de Amarante será atingido por uma onda de 14 metros no espaço de apenas 13 minutos. «O pouco tempo faz com que os meios de Proteção Civil não consigam assegurar a adequada evacuação da população», refere o GEOTA. Público.
  • As empresas nucleares estatais russas e chinesas assinaram um contrato para a construção da sétima e oitava unidades de energia na Central Nuclear de Tianwan, o maior projeto conjunto de centrais nucleares entre os dois países. RT.
  • A Malásia ameaçou contestar, junto da Organização Mundial do Comércio, a intenção da União Europeia avançar com recomendações para eliminar o óleo de palma do combustível de transporte usado na sua zona. A Comissão Europeia tinha concluído que o cultivo de óleo de palma provocava a desflorestação massiva e o seu uso no combustível para transporte devia ser gradualmente eliminado. A Malásia considerou a recomendação europeia um "ato político calculado", visando remover as suas exportações de óleo de palma do mercado da UE. «Uma barreira comercial muito agressiva contra os interesses nacionais da Malásia, e contra os nossos 650.000 pequenos agricultores, não pode passar sem uma resposta forte», disse o ministro dos Negócios Estrangeiros. A Malásia é o segundo maior produtor de óleo de palma do mundo, atrás da Indonésia. Ambos os países têm lutado com governos da UE e com o parlamento europeu por causa destas tentativas de restringir as exportações de modo a combater a desflorestação desenfreada provocada pelo cultivo do óleo de palma. O ministro dos Negócios Estrangeiros da Malásia disse que o país forneceu provas consistentes da sustentabilidade do seu óleo de palma, destacando a implementação do padrão de certificação MSEA (Malaysian Sustainable Palm Oil). «O governo da Malásia não aceita que a Lei Delegada seja justificada por motivos científicos ou ambientais. Nenhuma explicação ou dados convincentes foram fornecidos para justificar a discriminação contra o óleo de palma da Malásia»”, disse. Reuters.
  • Mais de 2 mil pessoas adoeceram e tiveram de ser tratadas depois que um resíduo tóxico ter sido despejado num rio da Malásia, produzindo fumos perigosos numa vasta área. Cerca de 200 escolas e creches foram encerradas na área afetada do estado de Johor. AFP/Terra Daily.
Share:

Memórias curtas 

  • 19mar2014 - A Câmara de Vouzela vai plantar 11 mil árvores (castanheiro, carvalho, cipreste do Buçaco, bétula e freixo) no Lugar da Penoita e na Nogueira, em Alcofra.  
  • 19mar2013 - A Câmara de Beja vai plantar 300 árvores para assinalar os dias mundiais da Árvore e da Água. A de Silves vai plantar 150 para repor as cerca de 250 que foram arrancadas pelo tornado de 16 de novembro de 2012.
Share:

Bico calado

  • A Comissão Europeia dá um mês a Portugal para enviar informações adicionais sobre o benefícios fiscais na Zona Franca da Madeira. No documento dirigido ao ministério de Augusto Santos Silva, a comissão manifesta «sérias duvidas» sobre o conjunto de isenções fiscais aplicadas na Madeira. Considera que se trata de um «auxílio ilegal», que não pode ser enquadrado «nas regras do Mercado Interno». TSF.
  • «Terrorismo é terrorismo, no Médio Oriente ou nos nossos antípodas. Não lhes chamem loucos, não os tratem por atiradores, chamem-nos terroristas, tratem-nos por assassinos. Mas saibamos medir o nosso tremor europeu à sua real escala e perceber como à medida que o Daesh perde força os ataques de extrema-direita aumentam. Como ontem na Nova Zelândia.» Pedro Santos Guerreiro.
  • Nos EUA, os automobilistas negros enfrentam discriminação por parte da polícia, revela uma análise de cerca de 100 milhões de operações stop. The Economist.
  • Arlington, Virgínia, concedeu um benefício fiscal de 23 milhões para a Amazon se instalar lá. Common DreamsVergonha!


Share:

sábado, 16 de março de 2019

Jovens exigem medidas de combate à crise climática

  • Milhões de jovens manifestaram-se sexta-feira em muitas cidades um pouco por todo o mundo. Querem que os políticos e os decisores tomem medidas eficazes de combate aos impactos negativos da crise climática.
  • A Associação SOS Rio Paiva aguarda esclarecimentos da Agência Portuguesa do Ambiente acerca da indústria de suinicultura que foi construída no vale do Rio Paiva, no lugar da Mealha, freguesia de Canelas (Arouca). A Associação recebeu várias denúncias e alertas de cidadãos preocupados com os riscos de poluição associados a este tipo de equipamentos, e pelo receio que a mesma possa contribuir para a degradação da qualidade das águas do Rio Paiva e dos seus afluentes. A S.O.S. Rio Paiva manifesta a sua elevada preocupação com a construção desta exploração animal no vale do Rio Paiva e com os critérios que levaram à sua aprovação numa altura em que o rio apresenta alguns problemas de poluição ainda não resolvidos, e pelos riscos desta indústria prejudicar os investimentos turísticos no Rio Paiva, a sua fauna e a sua flora (protegidas pela Legislação Comunitária e por Convenções Internacionais). A SOS Rio Paiva aguarda os esclarecimentos das entidades nacionais acerca desta indústria de produção animal.
  • A Associação para a Defesa Ecológica da Galiza (ADEGA) e a Plataforma em Defesa da Ria de Arousa (PDRA) apresentaram ao Gabinete de Meio Ambiente do Supremo Tribunal de Justiça da Galícia uma extensa documentação que certifica os danos que a exploração da Mina de Touro está a causar em rios, nascentes e águas subterrâneas com a deposição de metais pesados e subida da acidez das águas. As análises mostram que rios, águas superficiais para consumo humano e até mesmo águas subterrâneas ultrapassam os limites legais de substâncias poluidoras, contrariando os Padrões de Qualidade Ambiental e os critérios de saúde para a qualidade da água para consumo humano.
  • Bill de Blasio, o mayor de New York, anunciou um plano radical para enfrentar as ameaças da crise climática construindo uma nova zona de Manhattan, que se estenderá por largas centenas de metros no estreito rio East, a fim de proteger Wall Street e outras áreas do centro. Orçado em 10 biliões, o projeto será parcialmente financiado por privados. The Guardian. Muito inteligentes, sim senhor.


Share:

Reflexão - a quem interessa o caos na geoengenharia?


Os EUA e a Arábia Saudita bloquearam uma iniciativa suíça para desenvolver a governança em geoengenharia na Assembleia do Meio Ambiente da ONU. A Suíça retirou a sua proposta na cimeira do Quénia depois de várias tentativas fracassadas de compromisso, admitiu o Instituto Internacional para o Desenvolvimento Sustentável (IISD), uma organização de observadores, no resumo das negociações.
A proposta teria direcionado a agência da ONU para estudar as polémicas tecnologias de geoengenharia, como um primeiro passo para discutir se e como elas deveriam ser reguladas internacionalmente.
Mas os EUA e a Arábia Saudita opuseram-se a qualquer medida que pudesse reduzir a sua capacidade de enfrentar a crise climática através da geoengenharia - e os impedisse de continuar a produzir combustíveis fósseis. O Brasil também expressou oposição, mas com menos à força. 
Janos Pasztor, diretor executivo da Iniciativa de Governança do Carnegie Climate Geoengineering, disse estar desiludido com os países que não conseguiram encontrar consenso sobre uma moção que teria dado início a uma discussão internacional tão necessária.

A geoengenharia refere-se a várias técnicas para modificar o sistema climático. As mais controversas são as ideias não testadas para atenuar a radiação solar, como liberar partículas de aerossóis no céu para refletir a luz do sol ou pulverizaras nuvens com gotas de água do mar para as tornar mais refletivas. Outras envolvem retirar dióxido de carbono da atmosfera, nomeadamente através da plantação de florestas.
Há incertezas significativas em torno de como uma intervenção como a gestão da radiação solar afetaria os padrões climáticos.
Uma das maiores preocupações é que os países poderiam usar a geoengenharia como cobertura para poderem continuar a poluir, obrigando o mundo a continuar a usar as tecnologias ou arriscar um choque catastrófico para o sistema.

Share:

Mão pesada

Um empresário de Stanford House, Stanford Bridge, Worcester foi condenado a um ano de prisão, suspenso por dois anos e condenado a pagar 30 mil libras por operar três centros ilegais de recolha de resíduos. GovUK.
Share:

Bico calado

  • Manuel Pinho, ex-ministro da Economia e ex-administrador do BES, tentou pedir a reforma antecipada com apenas 13 anos de descontos. O pedido foi apresentado a 20 de abril de 2017, quando Pinho tinha 62 anos. O Instituto da Segurança Social negou a pensão. Expresso.
  • «Esta semana, no parlamento europeu, foi votada a nomeação de José Manuel Campa para a Autoridade Bancária Europeia. Ou seja, a UE colocou a cabeça da supervisão bancária um alto quadro do banco Santander, um dos maiores grupos financeiros europeus. Assim fica tudo entre amigos.» Miguel Viegas.
  • O novo regime de protecção de dados está a servir de pretexto para ocultar informações, nomeadamente referentes a contratos públicos, essenciais ao escrutínio da actividade do Estado, escreve José António Cerejo, in Protecção de dados: a quem serve o caos? - Público 12mar2019.
  • O suspeito australiano que matou dezenas de fiéis muçulmanos em Christchurch, Nova Zelândia, publicou um manifesto elogiando o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e Anders Breivik, o supremacista branco norueguês que assassinou 77 pessoas na Noruega em 2011. AlJazeera.
Share:

sexta-feira, 15 de março de 2019

Espinho: Silvalde contesta local para Estação de Transferência de Resíduos


O local proposto pela Câmara de Espinho para se instalar uma Estação de Transferência de Resíduos, entre a rua das Árvores e a dos Limites, em Silvalde, está a se contestada por empresários que receiam ver os seus investimentos desvalorizados. 

«O problema é que a Lipor e a Câmara Municipal de Espinho querem instalar essa estação de transferência numa área que está a 100 metros de casas e mesmo junto a empresas que têm em curso investimentos muito grandes para os terrenos ao lado e não querem as suas novas unidades industriais coladas a um depósito de resíduos», afirmou o presidente da Junta de Silvalde, José Teixeira.
Antecipando «maus cheiros, barulho e camiões que vão andar sempre a sujar a rua toda com as suas entradas e saídas», o autarca afirma que «a câmara não pode pensar só no que vai poupar no transporte do lixo e tem que se lembrar das pessoas da freguesia, que estão muito descontentes». 
Cristina Barbosa, da administração da empresa de tapeçarias Ferreira de Sá Rugs, inclui-se entre os críticos: "Comprámos ali dois terrenos e planeamos investir 2,5 milhões de euros para lá criar uma unidade que concentre a parte artesanal da nossa produção, mas não queremos estar ao lado de um depósito de lixo», acrescentando que uma Estação de Transferência de Resíduos naquela zona iria prejudicar a imagem do núcleo empresarial ali instalado.

O projeto é da Lipor e resulta da alteração legal que exige a criação de um espaço próprio para recolha e compactagem de lixo nos concelhos que se situem a mais de 25 Km dos centros de tratamento da Lipor em Gondomar e na Maia. O objetivo é concentrar o lixo recolhido no concelho num local onde possa ser compactado antes de ser enviado para triagem e valorização em Gondomar e na Maia, o que representaria uma poupança de cerca de 90 mil euros anuais apenas em deslocações. 
Quirino de Jesus, vereador do Ambiente na Câmara de Espinho, admite que o projeto inicial foi delineado antes de a câmara ter conhecimento dos investimentos previstos por empresas de Silvalde, pelo que equaciona aranjar outra morada para a estação. «Demos 45 dias às empresas para formalizarem os seus projetos de investimento, com a apresentação de um Pedido de Informação Prévia e, caso isso se verifique, a câmara está disponível para vender o terreno que tem em Silvalde e, com essa verba, adquirir um que o substitua noutra localização", anunciou Quirino Jesus.
A Estação de Transferência de Resíduos está orçada em 960 mil euros, terá um prazo de execução de 6 meses, criando 4 postos de trabalho. DN 26fev2019.

Citada pela edição de 13 de março do semanário espinhense Maré Viva, Cristina Barbosa acusa a Câmara de ter prometido uma alternativa, «mas a verdade é que fizeram isto às escondidas de toda a gente. Acho tudo isto uma falta de consideração.»

A fazer fé nas declarações da empresária de que o processo foi conduzido «às escondidas de toda a gente», gostaríamos de perguntar:
  • O que prevê o Plano Diretor Municipal?
  • A Junta de Freguesia foi ouvida?
  • A Associação Comercial e Industrial foi ouvida?
  • O que terá a Câmara pretendido para ter escondido o processo?


Share:

França combate maré negra de 10 Km de comprimento

  • As autoridades francesas lutam para conter uma maré negra de 10 km de comprimento e 1 km de largura após o navio italiano Grande America se ter virado a 330 km da costa de La Rochelle, no oeste da França. O porta-contentores Grimaldi Lines virou e afundou após pegar fogo enquanto navegava de Hamburgo para Casablanca. A fragata Argyll, da Marinha Britânica, resgatou todos os 27 tripulantes da água. O navio carregava 2.200 toneladas de combustível pesado. Para além de combustível, o navio transportava 365 contentores, 45 dos quais com matérias perigosas como ácido clorídrico e ácido sulfúrico e mais de 2 mil veículos.
  • Grupos ambientalistas, incluindo a Greenpeace e a Oxfam, entraram com uma ação judicial sem precedentes contra o governo francês, acusando-o de não estar a tomar medidas insuficientes para lidar com a crise climática. Os grupos pretendem persuadir o tribunal administrativo de Paris a forçar o governo a aplicar as suas próprias políticas, como o plano plurianual de energia, conhecido como PPE, e os acordos internacionais como o acordo de Paris para o clima de 2015. Reuters.
  • No Reino Unido, as novas casas terão que ser construídas com sistemas de aquecimento de baixo carbono a partir de 2025. A proibição de caldeiras a gás para as novas residências será acompanhada pela obrigatoriedade na aplicação dos melhores padrões mundiais de isolamento. Cerca de 14% das emissões de gases causadores do efeito estufa no Reino Unido. The Guardian.
  • Vários grupos ambientalistas e municípios de Londres estão a contestar a aprovação do governo para uma terceira pista no aeroporto de Heathrow. Segundo eles, o governo não considerou os impactos que a pista teria sobre as alterações climáticas. The Guardian.
  • Greta Thunberg foi nomeada para Prémio Nobel da Paz, titula o Le Nouvel Observateur. É, de facto, notável o papel desempenhado por esta jovem que tem conseguido mobilizar milhares de jovens em todo o mundo no combate à crise climática. «As pessoas vão enfrentar o desafio climático, quer os líderes mundiais gostem ou não», afirmou Greta no seu famoso discurso ao líder da ONU, António Guterres, na conferência sobre as alterações climáticas em Katowice.
  • A Johnson & Johnson foi condenada  a indemnizar uma mulher por alegar ter desenvolvido mesotelioma devido à exposição ao amianto pelo uso prolongado de pós à base de talco daquela marca. E empresa vai recorrer. NPR.
  • Os EUA e a Índia concordaram reforçar a segurança e a cooperação nuclear civil, incluindo a construção de seis centrais nucleares dos EUA na Índia. Reuters.
  • Na Malásia, mais de 100 escolas foram encerradas depois do despejo de lixo tóxico num rio perto de Pasir Gudang ter causado graves problemas de saúde a centenas de pessoas, incluindo muitas crianças. Mais de 500 pessoas, muitas delas estudantes, receberam tratamento médico após inalar os fumos. The Guardian.
  • O Parlamento sul-coreano aprovou medidas de emergência para combater o desastre social da poluição do ar, depois de o país ter registado recordes de poluição no início deste mês. As medidas incluem a introdução obrigatória de purificadores de ar em escolas e creches, e o acesso a um fundo de emergência para ajudar a resolver o problema. AFP/France24.
Share:

Translate

Pesquisar no Ambiente Ondas3

Património

O passado do Ambiente Ondas3

Ver aqui.

Amig@s do Ambiente Ondas3

Etiquetas

Arquivo do blogue