Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

  • Ambiente Ondas3

    Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

  • Ambiente Ondas3

    Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

  • Ambiente Ondas3

    Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

  • Ambiente Ondas3

    Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

  • Ambiente Ondas3

    Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Açores: EUA abandonam base aérea das Lajes e deixam para trás resíduos cancerígenos

Os EUA abandonam a base aérea dos Açores e deixam para trás resíduos cancerígenos que recusam tratar, titula uma reportagem da RT.

A versão em língua portuguesa pode ser vista aqui na íntegra.

Os norte-americanos estão a abandonar a base aérea das Lajes, onde permaneceram durante 75 anos. Os terceirenses exigem a descontaminação do local, responsável, segundo cientistas, por vários casos de cancro, mas Washington discorda. 
«Os meus pais morreram de cancro. E quando eu tinha 33 anos diagnosticaram-me cancro da mama», diz Madail Ávila«É uma coincidência muito grande existirem tantos casos de cancro no seio da mesma família e na mesma área geográfica».
As queixas de pessoas como Madail Ávila são apoiadas por estudos realizados tanto pelos próprios americanos como por investigadores portugueses. «Há uma série de locais com níveis extremamente elevados de poluição causados por metais pesados, hidrocarbonetos ou PCBs», diz Félix Rodriguesprofessor de Física na Universidade dos Açores e político local(CDS-PP). «Em certas concentrações podem causar esterilidade, cancro, arritmia... Estes materiais entram na cadeia alimentar e acumulam-se nos corpos. Estamos a enfrentar venenos escondidos debaixo do tapete». Por exemplo, Rodrigues sublinha que 88 mil litros de combustível foram despejados só na década passada, e diz que o solo está 50 vezes mais contaminado do que os limites estabelecidos pelas diretivas ambientais dos principais países ocidentais.
Norberto Messias, professor de Saúde na Universidade dos Açores, diz que vizinhos da base aérea têm quatro vezes mais tumores oculares que o resto da população dos Açores. «Não temos material genético diferente, não temos uma cultura diferente, não temos hábitos alimentares diferentes, somos iguais a qualquer português. A única coisa que nos diferencia é a poluição das Lajes. A minha convicção é que existe um link», diz Messias, que está a coordenar um estudo da população local.
Há muito que os americanos conheciam os impactos da sua saída. Um relatório de 2003 referia  a existência de, pelo menos, 35 sítios contaminados na Terceira, e que ainda não foram descontaminados. Orlando Lima, um trabalhador da base, diz que o pessoal dos EUA também estava preocupado com os impactos na saúde pessoal e que, pelo menos uma vez, testemunhou a chegada de uma comissão para investigar a alegação de um ex-colaborador que havia contraído cancro terminal em resultado do seu serviço lá.

Em 2015, ficou estabelecido que os EUA pagariam, durante 15 anos, 205 milhões de dólares (167 milhões de euros) para mitigar a sua saída da base, sendo 100 milhões de euros aplicados anualmente na preservação ambiental. Mas até agora Washington não orçamentou nada. Em vez de indemnizações, os responsáveis americanos sugerem promover o turismo através da implantação de hotéis nos Açores.
Félix Rodrigues não acredita que a administração Trump avance com verbas uma vez que a Terceira pode ser substituída por qualquer outro sítio onde eles vão poder fazer o mesmo. «Isto é um inferno que se repete em várias ilhas que são ocupadas pelos americanos. Esta é quase uma política de terra queimada, onde os problemas se acumulam e o governo regional não reage, a população não tem capacidade para tomar uma posição», diz. 
Para Madail Ávila, cujo cancro de mama está agora em remissão, qualquer decisão que venha a ser tomada não será uma questão de política, mas de sobrevivência - tanto para ela como para a família. «Quero criar os meus filhos num lugar onde tenha a garantia de que lhes posso dar uma boa qualidade de vida. E esta é uma dúvida que tenho.»
Citada pela Sputnik News, a Drª Helen Caldicott considera que é urgente resolver esta grave situação de saúde pública. Caldicott fundou a Physicians for Social Responsibility, uma organização que venceu o prémio Nobel da Paz em 1985.

Nota: Em 17 de maio de 2017, este tema foi objeto de reportagem especial no Diário Insular, tendo o Ambiente Ondas3, em devido tempo, feito a devida referência.

Subsídios para melhor contextualizar o problema:

  • https://onda7.blogspot.pt/2015/02/bico-calado_11.html
  • https://onda7.blogspot.pt/2018/02/faro-revisao-do-pdm-favorece-o-turismo.html

Share:

China: 60 mil militares vão plantar árvores

Imagem colhida aqui.
  • Fafe, Braga, Porto, Cascais e Moita são as cidades portuguesas entre as mais sustentáveis do mundo em termos de consumo de energia produzida a partir de fontes renováveis.
  • O Gabão acusou o grupo francês de serviços ambientais, Veolia, de poluição generalizada na SEEG, a empresa de água e energia que opera no país.
  • No Quebec, apicultores exigem indemnizações de 20 mil dólares à Bayer e À Syngenta, duas produtoras de neonicotinoides, inseticidas responsáveis pela morte massiva de abelhas.
  • Vinte e cinco jovens colombianos estão a processar o governo por não proteger o Ambiente e prevenir a desflorestação na Amazónia.
  • A China fez distribuir 60 mil numa vasta operação de plantio de árvores em todo o país. Tenta-Pretende-se, segundo os organizadores, reduzir a poluição atmosférica responsável por um terço das mortes no país em 2016
  • Descubra a quantidade de água usada na fabricação de 10 produtos do seu dia-a-dia. Pensamento Verde.
Share:

Reflexão – Bem-vindos à Era das Migrações Climáticas

Foto: Darren Whiteside/Reuters

Bem-vindos à Era das Migrações Climáticas
por Jeff Goodell, in Rolling Stone 25fev2018.

Notas:

Cidades como Phoenix e Tucson tornar-se-ão tão quentes que atravessar a rua será uma aventura aterradora. Zonas do Middle West tornar-se-ão uma «dust bowl» permanente. O sul da Flórida e do golfo ficarão submersas. «As pessoas farão o que fazem há milhares de anos: migrarão para climas melhores», afirma Vivek Shandasprofessor de estudos e planeamento urbano na Portland State University.

Por volta de 2100, 13 milhões de norte-americanos serão desalojados devido à subida do nível das águas do mar, alerta Mathew Hauer, da University of Georgia. Cerca de 2,5 milhões só de Miami, Fort Lauderdale and West Palm Beach. New Orleans perderá 500 mil pessoas, New York City 50 mil. Todos preferirão deslocar-se para zonas com climas mais amenos, com boas infraestruturas e economias sólidas como Atlanta, Austin, Madison, Wisconsin e Memphis.

O Sudeste será o maior perdedor devido aos prejuízos causados por inundações crescentes, maior mortalidade por calor e menor produção agrícola - em alguns dos municípios mais pobres da região, os rendimentos cairão em até um terço. Pelo contrário, o Noroeste terá maiores produções agrícolas e menores custos de energia (devido a invernos mais suaves). «O futuro parece ser bom para os estados do noroeste do Pacífico, especialmente as cidades a oeste das Cascades, como Seattle e Portland», diz Amir Jina, economista da Universidade de Chicago. «Para o Sudeste, a cena não é muito bonita».

Os EUA tornar-se-ão cada vez mais uma nação de refugiados. As imobiliárias estão perante uma espiral descendente muito difícil de reverter. «É como a dinâmica no mercado de ações», diz Hsiang, da UC Berkeley. «Quanto mais tempo insistir em aguentar-se, mais terá a perder». E, em muitos casos, as regiões do país onde o negacionismo climático é mais forte, como o Sudeste, são exatamente as regiões onde os moradores terão mais a perder. 

A falta de água é outro problema. Neste momento, o Arizona obtém 40% da sua água do rio Colorado, 40% das águas subterrâneas e o resto doe rios mais pequenos e da reciclagem de água. O acesso do Arizona ao rio Colorado é particularmente vulnerável devido à diminuição da queda de neve. 

Sair é muitas vezes mais fácil do que tentar adaptar-se. Richard Hornbeck, professor de economia da Universidade de Chicago, que estudou profundamente o Dust Bowl, argumenta que os agricultores na década de 1930 poderiam ter-se adaptado às condições de mudança, plantando culturas diferentes ou transformando os seus campos em pastagens. Mas não o fizeram. «Havia inércia em manter tudo igual, e seria necessário muito investimento em certos tipos de máquinas agrícolas, para que as pessoas fizessem as mudanças necessárias», diz Hornbeck. Em vez de se adaptar, muitos simplesmente fugiram para a Califórnia.

Asheville e Flagstaff são uma espécie de refúgio, um retiro de montanha do calor de Phoenix e Tucson. O presidente da câmara de Flagstaff, Arizona, Coral Evans, admite que as alterações climáticas vão significar gentrificação e que isso significará desigualdade. Em Miami já há gentrificação climática. 
Share:

Mão pesada

Um indivíduo de Newcastle foi multado em 7.260 libras por armazenar e tratar ilegalmente veículos e peças sem autorização, apesar de ser avisado.
Share:

Bico calado

Imagem captada aqui.
  • «Já fui duas vezes à página da Presidência da República e nada encontro sobre a morte de João Varela Gomes, um dos nossos grandes lutadores e resistentes contra o fascismo. Tivesse um português vencido um campeonato de matraquilhos na Cochinchina e lá estaria um louvor, morresse um ministro de Salazar, com um cheirinho mínimo a democrata depois do 25 de Abril, e haveria elogios de toda a espécie e presença garantida no funeral. Por desconhecimento não é: para organizar as comemorações de 5 de outubro de 1974, foi criada uma comissão, presidida por Varela Gomes. Dessa comissão, como representante do PPD, estava Marcelo Rebelo de Sousa. (…)» Joana Lopes.
  • «(…) por uma questão de honra, Diogo Piçarra já devia ter retirado a canção. Como não o fez, deve ser a RTP a tomar essa decisão. Para preservar a credibilidade de um Festival que estava de rastos e ano passado conseguiu reabilitar.  Se a canção de Diogo Piçarra fosse à final e, na pior das hipóteses, a nova versão do hino da IURD fosse escolhido para representar Portugal, seria um descrédito para  RTP e para o país. Por tudo isto, Diogo Piçarra, seja homenzinho e faça o que qualquer Homem no seu lugar faria.» Carlos Barbosa de Oliveira, in A Epifania.
Share:

terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

Ponta Delgada: milhares de filtros dão à costa na praia das Milícias

Imagem captada aqui.

Milhares de filtros plásticos deram à costa na praia das Milícias, em São Roque, S. Miguel-Açores. 

O professor David Prescott e o seu aluno de surf Bernardo Cordeiro encheram seis sacos com parte desses filtros, qualquer coisa como 42 kg. A Polícia Marítima investiga a ocorrência. Foram 3 horas de trabalho a catar e varrer centenas de milhar de filtros, conta David Prescott, que, na sua página do FB, apela à ajuda de voluntários para continuarem a limpeza da praia durante a maré vaza. 

Leitores e amigos de David Prescott localizaram a presença destes filtros também na marina de Ponta Delgada e sugerem que a ETAR da Pranchinha, a oeste da praia das Milícias, perto da Moaçor, utiliza esse tipo de filtros nos seus processos de tratamento de águas residuais.


Informação sobre estes filtros pode ser acedida através das seguintes ligações disponibilizadas pela Surfrider Foundation:

  • https://www.surfrider.eu/m%C3%A9dias-filtrants-le-jeu-des-roulettes-en-plastique-continue/
  • https://www.surfrider.eu/enqu%C3%AAte-surfrider-sur-les-media-filtrants/
  • https://www.surfrider.eu/missions-environnement-education/proteger-oceans-mers-pollution/dechets-aquatiques/pollutions-par-les-biomedias/


Share:

Reino Unido: pais querem automóveis longe das escolas nas horas de entrada e saída das crianças

  • No Reino Unido, 60% dos pais querem que o tráfego rodoviário seja desviado das escolas no princípio e no fim do horário escolar para proteger a saúde das crianças, revela um estudo da ClientEarth citado pelo The Guardian.
  • Um aterro usado pela Shell para depositar produtos tóxicos acaba de ser denunciado pela comunidade K-Dere da Ogonilnad, Nigéria.
Share:

Reflexão – Estão à espera de quê? Vamos poupar água!

Imagem colhida aqui.
  • «(…) Para já, não faz sentido instaurar um alarmismo desnecessário. A expectativa do ministro do Ambiente, ainda pode ser concretizada. Mas face aos dados disponíveis e à realidade concreta de regiões como Trás-os-Montes ou o Baixo Alentejo, pergunta-se por que não se lançaram já campanhas de poupança de água. (…)» Manuel Carvalho, in O silêncio do Governo sobre a seca é um perigo - Público 26fev2018. Tal como não esperam por sinais do governo para abordar certos assuntos e sobre eles nos bombardearem durante dias seguidos, também neste caso os media não deveriam precisar de esperar por estímulos do governo para falarem da necessidade de poupar água. Há muito que os media já deviam ter abordado essa questão e avançado com uma campanha voluntária de poupança de água. Ou estão à espera de uns troquinhos estatais para avançarem? Se não estão, parece.
  • Em 27 de fevereiro de 2010, um relatório do WWF dizia que Portugal era o 6º país, num conjunto de 140, que mais água desperdiçava. 
Share:

Bico calado

Imagem colhida aqui.
  • Em 2014, por esta altura do ano, uma campanha juntava Assunção Cristas e Tony Carreira a tirar fotografias com roçadoras numa ação de prevenção contra incêndios florestais.
  • Carmi Gillon, o ex-diretor da secreta israelita, defendeu não só a demissão do primeiro-ministro por causa das acusações de corrupção, como ainda apelou ao ministro das Finanças, Moshe Kahlon, para pressionar a sua demissão.
Share:

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

Salvaterra de Magos: ribeira corre com água azul

  • Em Salvaterra de Magos, chegando aos semáforos antes do Zé do Moinho, entra-se na Estrada do Massapêz que vai dar ao canil municipal e depara-se com esta cena surreal: água azul a caminho da Vala Real e depois para o Rio Tejo. Por ondam a Junta de Freguesia, a Câmara Municipal e o SEPNA?
  • O Observatório da Energia, promovido pela ADENE – Agência para a Energia, pretende ser um portal de referência e de excelência com informação diversa e rigorosa sobre o sector da energia em Portugal. O Observatório disponibilizará estatísticas e indicadores sobre o sector, permitindo fazer um retrato do país (ao nível da dependência energética, défice tarifário, consumo energético por sectores de atividade, entre outros dados) e também avaliar, pela primeira vez, as políticas públicas energéticas, em parceria com instituições universitárias e de investigação.
  • O mar de Bering perdeu cerca de metade do seu gelo marinho nas últimas duas semanas.
Share:

Memórias curtas

Várzea Cova, Serra da Lameira. Foto: Portugal em caminhadas
  • 26fev2007 - Em Leiria, o mar comeu cerca de 20 metros na praia de Pedrógão. Os autarcas locais apontam o dedo aos molhes construídos no porto da Figueira da Foz que têm roubado areais das praias a sul e por isso fizeram aprovar na Assembleia Municipal uma moção a solicitar ao ministro do Ambiente que não permita o prolongamento do molhe norte do porto da Figueira da Foz em 400 metros.
Share:

Bico calado

Luís Montenegro Esteves critica Francisco Louçã por doutrinar o PS e o país. Mas anuncia que vai abandonar o parlamento para intervir na rádio, na TV e nos jornais. Momento Zen SIC Notícias 24fev2018.
Share:

domingo, 25 de fevereiro de 2018

Tejo: quem mandou roubar computador com dados da investigação à Celtejo?

Foto: Yuri Smityuk/TASS
  • Computador com dados da investigação à Celtejo foi roubado a inspetor do ambiente enquanto a técnico jantava na Mealhada. Não é a primeira vez que um responsável do Ministério do Ambiente é assaltado enquanto vai comer leitão. Há cerca de um ano, durante uma paragem para jantar em Coimbra, a viatura oficial em que seguia o secretário de Estado do Ambiente também foi alvo de furto. Na mala do carro encontravam-se duas pastas com o computador pessoal do governante e do seu adjunto, dois tablets, vários discos rígidos externos e a carteira do assessor. Só alguns dos documentos acabaram por aparecer no dia seguinte em Matosinhos. Na altura, o secretário de Estado Carlos Martins lamentou terem-lhe levado “todo o trabalho de uma vida”. No computador tinha a tese de doutoramento e mais de 40 mil fotografias e apresentações em powerpoint. Cheira-me a estória da Carochinha, com «gente» a tentar aceder a informação que não lhes terá sido disponibilizada em tempo oportuno pelas «tradicionais» vias consideradas «normais», «seguras» e «acima de qualquer suspeita».
  • No Peru, comunidades indígenas estão sob pressão cada vez maior de empresas de óleo de palma e cacau para arrasar as suas terras. Alguns lutam contra a corrupção, chegando a sofrer ameaças de violência.
Share:

Reflexão – O que é a Aliança Climática dos Estados Unidos

Imagem colhida aqui.

A Aliança Climática dos Estados Unidos é uma coligação bipartidária de estados e territórios autónomos não incorporados nos Estados Unidos que estão empenhados em defender os objetivos do Acordo de Paris de 2015 sobre as mudanças climáticas nos seus territórios, com vista a cumprir o objetivo de reduzir os gases com efeito de estufa em relação aos níveis de 2005 até 2025. 
A Aliança foi criada em 1 de junho de 2017, após Donald Trump ter anunciado que ele tinha decidido retirar os EUA do Acordo de Paris. A Aliança também forma um fórum para os seus membros desenvolverem e fortalecerem os seus Planos de ação climáticos existentes, através da partilha de informações e práticas recomendadas. 
Em 22 de fevereiro de 2018, os 17 membros da Aliança constituíam 40,66% da população dos EUA e 46,46% do PIB dos EUA em 2016. 
Membros: Califórnia, New York, Washington, Connecticut, Rhode Island, Massachusetts, Vermont, Oregon, Hawaii, Virginia, Minnesota, Delaware, Puerto Rico, Colorado, North Carolina, Maryland
Estados que apoiam o Acordo de Paris: Montana, Ohio, Pennsylvania, District of Columbia, New Jersey, New Mexico, Iowa, Illinois, Maine
Estados com alguns objetivos de redução de emissões: Arizona, Florida, Michigan, New Hampshire.
Share:

Memórias curtas

Sete Cidades, S. Miguel-Açores. Foto: Paulo Costa
Share:

Mão pesada

A Comissão Europeia processou a Polónia por incumprimento de medidas de combate à poluição do ar
Share:

Bico calado

Imagem colhida aqui.

«(…) Conheci muita gente, e não é retórica o “muita”, que quando acede a um lugar ou um cargo deixa de ter a economia que a maioria das pessoas sem poder tem. Arranja maneira de quase todas as despesas pessoais e nalguns casos dos seus familiares e próximos serem cobertas por dinheiros públicos, aumenta-se a si própria, de forma directa ou indirecta, através de alcavalas ou de prebendas, usa o poder que tem para beneficiar amigos, familiares ou pessoas a quem se devem favores ou se quer que fiquem a dever favores. Os instrumentos usados são muitas vezes meios que seriam legítimos em si mesmos — na verdade, ninguém deve “pagar” para ter um cargo, suportando despesas que lhe são inerentes e tem direito a que lhe paguem viagens, despesas de deslocações e estadia ou outras do mesmo género. Mas outra coisa é usar cada um destes direitos para os “aproveitar” para melhorar o seu trem de vida, com mil e uma pequenas (às vezes grandes) entorses ao que devia ser, sendo pagos por viagens e despesas hipotéticas com critérios que maximizam o que se recebe, sem apresentação de documentação, porque se está muitas vezes numa posição em que existe um poder discricionário para decidir pagamentos e prescindir de comprovativos. É isso que muitas auditorias infelizmente revelam, mesmo quando não há aparentes ilegalidades. Essas pessoas acham que isso é “natural”, não pensam que exista qualquer problema e que é uma espécie de direito próprio e conhecem mil e um truques para maximizarem os seus “aproveitamentos”. No caso do Parlamento Europeu, eu só percebi muitas das práticas habituais que se passavam à minha volta quando estava para me vir embora, porque quem as conhecia escondia-as. Algumas eram conhecidas e muitas vezes motivo de escândalo, como seja o emprego de familiares como assessores, nalguns casos pagando a uma única pessoa que ganhava o que devia financiar um gabinete, assim como a utilização de transportes e viagens desnecessárias, quando estas eram pagas por um preço simbólico, acima do valor real. (…)» José Pacheco Pereira, in A zona cinzenta – Público  24fev2018.
Share:

sábado, 24 de fevereiro de 2018

Já começou a poupar água? Está à espera de quê?

Imagem captada aqui.
  • Em fevereiro de 2008, a cimenteira da Cimpor, em Souselas, iniciou o processo de queima de resíduos industriais perigosos. Na base, estava a legislação criada 10 anos antes, pelo governo de Guterres. A contestação popular já desapareceu, mas a luta mantém-se em tribunal. «Este processo foi um sucesso, para quem estava contra a coincineração, porque a coincineração que temos agora é uma fração pequenina daquilo que se pretendia na altura coincinerar», diz João Gabriel Silva, reitor da Universidade de Coimbra e antigo dirigente da Quercus. O biólogo João Pardal, antigo presidente da junta de freguesia de Souselas, nota, por seu turno, o aparecimento de um quadro legislativo que veio impor práticas ambientais «mais adequadas» ao tratamento de resíduos e que, em Souselas, «obrigou a um conjunto de medidas de proteção ambiental na cimenteira [da Cimpor] que, por sua vez, levaram a melhorias do ambiente local».
  • Serafim Riem arrasa a indústria da celulose, que sacode os impactos negativos dos eucaliptos para os contribuintes. Há que reduzir significativamente o eucaliptal e restaurar a floresta autóctone. Praça da Alegria, RTP1 23fev2018.
Share:

França: 72% da fruta não orgânica continha resíduos de pesticidas


Yongfu, Longyan, Fujian, China. Foto: VCG via Getty Images
  • Em França, 72,6% da fruta não orgânica continha resíduos de pesticidas, revela um estudo  da Générations Future citado pela EurActiv. Os dados foram recolhidos e analisados entre 2012 e 2016 com base em elementos fornecidos pela Direction Générale de la Concurrence, de la Consommation et de la Répression des Fraudes. A fruta mais contaminada são uvas (89% das amostras), clementinas e tangerinas (88,4%) e cerejas (87,7%). Os vegetais mais contaminados são o aipo (84,6%), ervas frescas (74,5%) e endíviasvas (72,7%). O secretário de Estado do ministério de transição ecológica, Brune Poirson, afirmou que o relatório «enfatizava a necessidade de acabar com o uso descontrolado de produtos agroquímicos como o glifosato».
  • No Reino Unido, as 6 maiores empresas de energia foram acusadas de truques sujos após uma investigação do The Guardian ter revelado que elas atraem potenciais clientes com promessas de melhores preços mas acabam por cobrar aos novos clientes quase o mesmo valor que eles pagavam às concorrentes anteriores.
  • Homens do lixo abrem biblioteca com livros descartados. Em Çankaya, Ankara.
  • A Monsanto perdeu a tentativa de fazer suspender a proibição estadual sobre o uso do seu herbicida dicamba no Arkansas. O Arkansas pode agora avançar com pedidos de restrições mais rigorosas contra o dicamba junto do juiz do Tribunal de Circunscrição do Estado dos Estados Unidos.
Share:

Reflexão - O trabalho duro e desvalorizado dos “homens do lixo”

Imagem captada aqui.

«A profissão de cantoneiro de limpeza – ou “lixeiro” – foi sempre uma das mais subvalorizadas pela sociedade. Além de passar despercebida aos olhos da maior parte da população, esta é uma das atividades mais atingidas por acidentes de trabalho na região. Entre os riscos que correm diariamente contam-se lesões, cortes, doenças, infeções e até atropelamentos, sem esquecer que trabalham à noite e ao frio. No Algarve, homens como Sérgio vão pendurados num camião, de porta em porta, de contentor em contentor, para recolher o lixo dos outros. É o preço que alguém tem de pagar para limpar a região e manter a vida a correr. (…)

“Os cantoneiros trabalham todos os dias faça frio, chuva, vento ou calor. Andamos sempre em contrarrelógio para cumprir o serviço, em ritmo acelerado de trabalho, em turnos noturnos e prolongados. E os perigos são muitos”, desabafa Sérgio Cabrita ao JORNAL DO ALGARVE.
Todas as noites, o ritual deste cantoneiro de 45 anos e mais 60 colegas cantoneiros de Silves é o mesmo. Chegam às instalações do parque de viaturas municipais um pouco antes das 4h00, marcam o ponto, vestem as fardas e saem no rasto do camião do lixo para fazerem a ronda. São seis horas pendurado em cima de um “pernil” do camião do lixo, a esvaziar e carregar contentores pesados, de um lado para o outro. “No verão, chegamos a trabalhar assim sem folgas.” E o salário base que levam para casa é 580 euros.

Como se não bastasse, para além da dureza e do desgaste, a profissão de cantoneiro de limpeza também é uma das mais perigosas. À primeira vista, a maioria das pessoas diria que a atividade dos polícias e dos bombeiros é mais arriscada, porque colocam a vida em perigo, precisam de uma boa preparação física e coragem para enfrentar os desafios impostos pela sua profissão. No entanto, apesar de passar despercebida à maioria da população, a região também não conseguia (sobre)viver sem os cantoneiros.
“Nós corremos diariamente vários riscos, desde lesões e cortes, à exposição a materiais e substâncias contaminadas, doenças e infeções, passando pelo stress, ruído, calor, frio e humidade, não esquecendo o risco de atropelamento e esmagamento, além de outros ferimentos”, refere Sérgio Cabrita. E no Algarve já aconteceu tudo isto…» 
Nuno Couto, in Jornal do Algarve.


Share:

Mão pesada

  • 5 antigos e atuais funcionários do Panoche Water District foram acusados de apropriação de mais de 100 mil dólares de fundos públicos para fins pessoais e de enterrar ilegalmente barris de resíduos perigosos.
Share:

Bico calado

Imagem colhida aqui.
  • 3 mil britânicos morrem anualmente de frio, conta o Independent.
  • O governo suíço vai aliviar os requisitos dos bancos afetados pelo regime de Too Big To Fail (TBTF) para garantir que não estejam sujeitos a uma carga tributária adicional como resultado da legislação.
  • Índice de transparência de Portugal 201729º em 180 países analisados. Muito melhor do que Espanha (42), Itália (54), Grécia (59), China (77), Índia (81), Kuwait (85), Brasil (96), México/Rússia (135), Moçambique (153) e Angola (167). Os países mais «limpos» são a Nova Zelândia (1), a Dinamarca (2) e a Finlândia/Noruega/Suíça (3).
  • «O PSD pós-congresso não é um saco de gatos, é um ninho de vespas aziadas. Dos apupos à ex-braço-direito de Marinho Pinto, agora vice-presidente do PSD, passando pela voz não tão grossa, mas grosseira, de Montenegro - que afirmou no congresso: "Não deixe que o PSD se transforme no grupo de amigos de Rui Rio ou na agremiação dos amigos de Rui Rio", enquanto se preparava para formar um PSD de inimigos de Rui Rio - até à falta de Hugo Soares a uma reunião da Comissão Política, justificada por Rio e absolutamente injustificável segundo o ainda líder da bancada parlamentar, tudo leva a concluir que o PSD é um partido aos pedaços. Se a chamada Geringonça tivesse um dia assim, seria o fim. Se alcunharam o actual Governo de Geringonça, o mínimo é dar o nome de Traquitana a este PSD.» João Quadros, in Passaram ainda além da Traquitana – JNegócios 23fev2018.
  • «A NRA é uma organização terrorista. Os media deviam falar da NRA da mesma forma que fazem com o ISIS. Total de mortes nos EUA inspiradas em ISIS = 79. Graças à NRA e aos políticos que ela compra, tivemos 1,2 mil milhões de norte-americanos mortos por armas desde que John Lennon foi abatido a tiro em New York.» Michael Moore.
Share:

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

Faro: revisão do PDM favorece o turismo e o betão em prejuízo do Ambiente

Foto: Bog Kerr
  • Os açorianos não pagarão nada pela descontaminação ambiental na ilha Terceira devido ao uso militar das Lajes, garantiu o secretário regional Adjunto da Presidência para os Assuntos Parlamentares dos Açores. 
  • O trabalho de fiscalização da gestão de combustível florestal passa a ter áreas prioritárias, no âmbito do Sistema Nacional de Defesa da Floresta Contra Incêndios (SNDFCI). Estão definidas 1.049 freguesias prioritárias, localizadas em 189 dos 308 concelhos portugueses, em que 710 freguesias são de 1.ª prioridade e 339 freguesias são de 2.ª prioridade. 
  • A Almargem considera que a proposta de revisão do Plano Diretor Municipal de Faro tem vários pontos que podem abrir portas ao desenvolvimento urbanístico e turístico do concelho, deixando de lado os valores ambientais. A delimitação da Reserva Ecológica Nacional (REN) no concelho de Faro foi uma das questões que mais dúvidas levantou à Almargem. A associação «lamenta que o mesmo tipo de argumentos que são apontados para excluir certos espaços, não tenham possibilitado uma proposta de inclusão na REN, por exemplo, de toda a área do Ludo e do Pontal, onde só apenas pequenas manchas se mantêm incluídas». Os ambientalistas consideram que isto permite conjeturar que «o município prefere manter essas áreas fora da REN, o que poderá vir a ter algum peso a favor de eventuais propostas futuras de ocupação urbano-turística». Para a Almargem, o documento usa uma «linguagem tecnocrática e evasiva», no que toca à remoção da REN dos núcleos habitacionais das ilhas-barreira. «É dito que tal irá permitir ou facilitar “pré-existências construtivas”, mas não se entende se isso significa fornecer aos residentes um argumento suplementar para evitar ainda mais demolições ou garantir que eventuais futuras construções, por exemplo, de carácter turístico, fiquem desde já livres da reserva ecológica», considera a associação. «Tal como tem vindo a acontecer com os planos de intervenção governamentais, também aqui não se faz distinção clara entre zonas de risco muito mais elevado (caso da Praia de Faro) onde a ocupação urbana deveria ir sendo diminuída e não consolidada ainda mais, com outras zonas lagunares interiores de risco teoricamente menos elevado (caso da Culatra e parte dos Hangares)», acrescenta. Outro ponto a que os ambientalistas “torcem o nariz” é à intenção de retirar a via férrea da frente lagunar da cidade de Faro, ao mesmo tempo que se «exclui totalmente» esta área da REN e da Reserva Agrícola Nacional (RAN). Isto irá abrir «portas escancaradas à construção de novos empreendimentos habitacionais e turísticos», o que poderá significar que a barreira que a linha férrea representa atualmente «poderá vir a ser substituída por uma nova barreira de cimento e mamarrachos». «Para agravar ainda mais os impactos da urbanização intensiva da frente lagunar, é obviamente também mantida a hipótese de construção de três portos de recreio ou marinas, uma junto da atual doca, outra frente ao Bom João e a última no atual porto comercial, tal como foi apresentado em 2017 num projeto protagonizado pela UAlg-CCMAR e apoiado pelo município. A este respeito, a Almargem continua a defender a utilização mista do porto comercial para fins de recreio náutico, devendo ser excluídas completamente as outras duas hipóteses», concluiu a associação ambientalista algarvia.
Share:

Reflexão – Mais ondas de calor, mais seca e inundações

Imagem captada aqui.

Mais ondas de calor por toda a Europa, secas de maior intensidade, sobretudo no Sul, e aumento das inundações provocadas por rios nas ilhas britânicas. 

Estas são algumas conclusões de um estudo da Universidade de Newcastle sobre os efeitos das alterações climáticas, na segunda metade do século XXI (2050-2100), em 571 cidades europeias. Coordenado pela investigadora portuguesa Selma Guerreiro, especialista em hidrogeologia e alterações climáticas, este é o primeiro estudo do género a aplicar todos os modelos climáticos para prever anomalias ao nível das ondas de calor, secas e inundações.  

Aveiro, Braga, Famalicão e Barcelos são as cidades que vão enfrentar dois destes três fenómenos com uma intensidade “sem precedentes” e que, por isso, devem preparar-se para secas e inundações sem paralelo.  Lisboa aparece a par de Madrid como as duas capitais europeias cujos períodos de seca se vão agravar de forma mais severa até ao final do século.
Share:

Bico calado

  • O senador Marco Rubio (Republicano, Florida), recebeu mais de um milhão de dólares da National Rifle Association para apoiar a sua campanha eleitoral de 2016. Num recente programa da CNN, não só recusou deixar de receber apoios de uma organização que defende a venda e uso de armas, como sublinhou a vontade de continuar a receber apoios de quem concorda com as suas ideias e a sua agenda.
  • «A lista de Fernando Negrão tinha 37 pessoas. Negrão teve 35 votos. Ou seja, duas pessoas da lista de Negrão não votaram na própria lista. O PSD nem nos próprios líderes consegue votar, mas pede o voto aos portugueses.» Uma página numa rede social. E ainda por cima contou com os votos brancos a seu favor...
  • Falhas graves de higiene foram descobertas em algumas das maiores fábricas de carne dos EUA, tendo uma nova análise revelado que cerca de 15% (uma em cada sete pessoas) da população dos EUA sofre, anualmente, de doenças transmitidas por alimentos. Ativistas norte-americanos exigem a eliminação de uma lacuna legal que permite a venda de carne com salmonela e alertam para os impactos negativos da pressão sobre a indústria para acelerar a produção de carne. Ativistas britânicos alertam para a possibilidade de o Reino Unido ser inundado com "carne suja" se um acordo comercial dos EUA for assinado após o Brexit.
  • Em abril de 2011 foi lançando o satélite New Dawn, produto da união de esforços de países africanos apostados em disponibilizar Internet e comunicações móveis a alunos, enfermeiros, funcionários públicos e negócios. Acontece que as empresas que apoiaram o projeto canalizaram milhões de dólares a através de paraísos fiscais nas Maurícias. A Intelsat, baseada no Luxemburgo, usou a firma de advogados Appleby e a de contabilidade KPMG para estabelecer as companhias nas Maurícias. A sua filial nas Burmudas e a sul-africana Convergence, foram os primeiros investidores. Entretanto o projeto foi eliminado na sequência de uma anomalia técnica que o tornou inviável comercialmente.
Share:

quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Portugal: 9% em seca extrema e 52% em risco de desertificação

Agrião gigante (Cardamine raphanifolia Pour). Foto: Maria Carvalho.
  • A 15 de Fevereiro, 9% de Portugal estava já em seca extrema e 52% do território nacional está em risco de desertificação, disse o secretário de Estado das Florestas, anunciando o lançamento de um Observatório Contra a Desertificação: «O Observatório de Luta Contra a Desertificação irá permitir ter boa informação sobre os processos de evolução do ponto de vista físico, económico e social dos territórios mais desfavorecidos».
  • A Agência Portuguesa do Ambiente vai fazer um estudo sobre os custos e benefícios da instalação de um sistema mecânico de transposição de areias na barra da Figueira da Foz. A instalação de um sistema de mecânico de transposição de sedimentos (“bypass”) na barra da Figueira da Foz através de uma tubagem por debaixo do leito do rio – que permita levar a areia que acaba depositada a norte para as praias a sul, afetadas pela erosão costeira – é uma proposta defendida há cerca de oito anos pelo movimento de cidadãos SOS Cabedelo.
  • Cuidado com este agrião gigante. É mais uma invasora com potencialidades desconhecidas, alerta Maria Carvalho, dinamizadora do blogue Dias com árvores.
Share:

Espanha: rios com presença generalizada de pesticidas

  • O relatório Ríos Hormonados revela a presença generalizada de pesticidas nos rios espanhóis. Em 2016, foram rdetetados vestígios de 47 pesticidas, 70% dos quais proibidos devido à sua toxicidade e metade deles são perturbadores endócrinos. As bacias hidrográficas mais poluídas são aquelas com agricultura mais intensiva.
  • Centenas de pessoas protestaram em Dingle Bay, Irlanda, contra a instalação de quatro unidades industriais de ostras na zona. Enquanto os opositores do projeto alegam impactos negativos para a biodiversidade e o turismo local, os promotores defendem que o projeto vai precisamente beneficiar o turismo.
Share:

Reflexão - Madeira branqueada: como falhou a certificação florestal sustentável

O Forest Stewardship Council foi criado em 1993, na sequência da Cimeira da Terra, no Rio, em 1992, para criar um sistema internacional para a certificação da madeira sustentável. Mas os críticos dizem que teve um impacto mínimo sobre a desflorestação e que, por vezes, serviu apenas para encobrir o tráfico ilegal de madeira
Richard Conniff, in Yale Environment 360.
Share:

Mão pesada

Share:

Bico calado

Foto: Glen Conlan.
  • «Mas não pensem que Rio é um estudioso de dossiês. Não. Conhece-os pela rama. Mas tem uma enorme capacidade de apreender o essencial dos mesmos e de construir um discurso, normalmente básico e lógico, capaz de convencer (ou iludir!) aqueles que o ouvem. E, embora criticando o populismo, constrói muito do seu discurso à custa desse mesmo populismo - a erradicação de arrumadores, a demolição do Aleixo "para acabar com a droga", o combate aos "subsídio-dependentes" da cultura, a tese do político antipolítico (que bebeu em Cavaco, que é muito mais o seu referencial do que Sá Carneiro). Rio é um interlocutor de confiança. Com quem se pode negociar sabendo-se que cumprirá o acordado e que os pormenores da negociação não sairão da sala onde decorreram. Move-se, para além das suas convicções, por ódios de estimação (o que o faz perder racionalidade). Menezes será o caso mais evidente, mas muitos mais existem. Quem entrar para o seu índex (que inclui potenciais adversários internos ou externos) sabe que o terá à perna, muitas vezes com tentativas de assassinato de caráter, sendo que frequentemente atirará as pedras por intermédio dos seus próximos, escondendo a mão. Se arranca numa direção, dificilmente se afastará da mesma, nem que ganhe a consciência de que está num beco sem saída. Preferirá, nesse caso, criar uma manobra de diversão a reconhecer o erro. O caso do Bolhão, em que o seu modelo de privatização fracassou, é um exemplo, não reconhecendo razão a quem o tinha avisado do mau caminho, preferindo sacar um coelho da cartola (ia avançar as obras a custas da Câmara) que depois (como se sabia) não concretizou. Adora a sua imagem (ou a imagem que de si procura construir) e sofre dolorosamente com tudo (e com todos) o(s) que a possa(m) pôr em causa. O que o faz disparar, fazendo exatamente aquilo que critica aos outros (mas que, sendo feito por si, é justificável...). Critica a falta de isenção da Comunicação Social, mas foi tudo menos isento na utilização dos meios de comunicação da Câmara. Critica as fugas ao segredo de justiça, mas não se coíbe de promover fugas para a Comunicação Social de processos em segredo de justiça. Põe em causa a honestidade de Elisa Ferreira por ser apoiada por promotores de empreendimentos no Parque da Cidade, mas não vê problemas em fazer, no bairro do Aleixo, parcerias com o sócio de Duarte Lima...(…)» Rui Sá, in O Rui Rio que eu conheço - JN 21fev2018.
  • «Juncker sentiu necessidade de nos dizer que "Barroso não é um gangster". E tem toda a razão. Os gangsters vão para a prisão, os Barrosos vão para as Goldman-sachsFilipe Tourais, FB. A propósito, vale a pena ouvir Barroso, o meloso, in Mata-bicho de 21fev2018.
  • «(…) Luis de Guindos foi apresentado esta segunda-feira como o sucessor de Vítor Costâncio na vice-presidência do Banco Central Europeu (BCE). (…) o homem era o chefe do Lehman Brothers para Portugal e Espanha em 2008. O banco faliu em setembro desse ano, e foi esse o momento de viragem a partir do colapso do subprime: o mercado desbancou, o efeito dominó varreu o mundo e mergulhámos na recessão. (…) já ministro de Rajoy, foi um dos operadores dos resgates bancários que custaram 122 mil milhões de euros em Espanha, 60 dos quais injetados no capital de diversos bancos, com sucesso variado: o CAM foi engolido pelo Sabadell, o Banco de Valencia pelo CaixaBank, o Catalunya Banc pelo BBVA, e o Bankia foi consolidado, como se dizia antigamente. (…) E depois veio o Banco Popular, vendido do dia para a noite ao Santander pela quantia mágica de um euro, na base de uma avaliação da Deloitte que ainda hoje é secreta. A vida sorri quando se joga com milhares de milhões de euros de dinheiro público e quando se consegue uma concentração bancária que nem a ditadura nem a democracia tinham alcançado. Guindos merece o BCE por saber conduzir as coisas. Merece ainda a vicegovernatura por uma outra razão. (…) Amigo e temente do Opus Dei, sabe que obedece quem deve e manda quem pode. Ei-lo, cinco dias depois do referendo da Catalunha, a decretar como as empresas podem mudar a sede social e a anunciar uma fuga de capitais, para defender mais o rei e a grei do que a economia. Guindos merece o BCE porque é disto que Frankfurt precisa, um expedito decisor, um excelso banqueiro e um político arrematado. Com amigos assim, que ninguém nos pergunte se a Europa tem futuro, ou sequer algum tino.» Franciasco Louçã, in Com amigos assim, bem o merecemos – Expresso Diário 20fev2018 – via A estátua de sal.
  • «Caiu muito mal no PSD a escolha de Elina Fraga para vice-presidente. Especialmente entre os adversários de Rui Rio, a escolha representou uma afronta para o governo Pafioso. No dia seguinte a comunicação social fez jus ao seu papel de apoiante do governo Passos/ Portas e divulgou a notícia de que a ex-bastonária dos advogados está sob investigação. A celeridade em inquinar a escolha de Rui Rio, não explica apenas o estado a que chegou a justiça. Mostra também como a comunicação social assume, sem complexos, que a sua missão não é apenas informar. Tem uma agenda que passa, indubitavelmente, pelo apoio à direita mais retrógrada que governou o pais desde 1974. E se para isso for necessário recorrer à "vendetta", há media e jornalistas que não hesitam fazê-lo.» Carlos Barbosa de Oliveira.
Share:

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

SPEA produz vídeo para promover a Barrinha de Esmoriz


A SPEA acaba de publicar um vídeo sobre a Barrinha de Esmoriz por ocasião do cumprimento de dois anos de colaboração com o projeto «Cidadania pela Natureza – conservação de áreas protegidas». 
Na altura da celebração do contrato de colaboração, para além de representantes da Toyota e da SPEA, estiveram presentes representantes do Movimento Cívico Pró-Barrinha e da Junta de Freguesia de Paramos.
Share:

Poupemos água!

Guxinde, Ourense. Foto: Os cinco naturezas.
  • Filipe Duarte dos Santos, investigador  e especialista em alterações climáticas, apelou à poupança e à redução das perdas de água na distribuição ao domicílio. 
  • A Direcção Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos (DGRM) contratou oito novos elementos que vão reforçar o corpo de inspeção de pesca. O presente recrutamento reforça o empenhamento de Portugal no cumprimento das obrigações de controlo e inspeção das regras da Política Comum das Pescas, designadamente no exercício das competências da DGRM enquanto Autoridade Nacional de Pesca.
  • Persiste a extração ilegal de areias em zona afeta à Reserva Agrícola Nacional, fronteira das freguesias de Árvore, Macieira da Maia, Retorta e Touges. Trata-se de uma estação de tratamento e reciclagem de terras e entulhos de construção civil que opera há mais de 20 anos, diz a Câmara de Vila do Conde, que só fez queixa À DRAP-Norte após denúncia do JN. A Câmara diz garante não ter visto qualquer indício de extração de areias, pesar da empresa em causa fazer disso publicidade na internet.
  • A tribo Waswanipi Cree conta com o apoio do NRDC na luta pela defesa do que resta da  floresta virgem boreal alvo dos apetites da indústria madeireira do Quebec. O NRDC acaba de pedir que o Quebec abandone o seu plano de abate de árvores durante cinco anos proposto para a bacia hidrográfica do Broadback, uma região florestal vital intacta no território dos Waswanipi Cree. O projeto do Quebec seria devastador para os Waswanipi, que já têm mais de 90% do seu território reservado para caça severamente afetado pela exploração industrial de madeirei. Além disso, assistir-se-ia não só à destruição do habitat crítico do caribou boreal mas a todo um ecossistema crucial para mitigar as alterações climáticas globais.
Share:

Reflexão: quem lê o Ambiente Ondas3 e quais as preferências?


No Ambiente Ondas3, os três textos mais populares da última semana foram, segundo a Google Analytics:
Durante o mesmo período, as visitas vieram, por ordem decrescente, dos seguintes países: Portugal, EUA, Brasil, Alemanha, Espanha, Angola, Finlândia, Reino Unido, Índia e Itália.
Ainda durante este período, a proveniência, também por ordem decrescente, dos leitores de língua portuguesa, foi a seguinte: Lisboa, Porto, Coffeyville, Espinho, São Paulo, Coimbra, Gaia, Amadora e Almada.
Share:

Bico calado

Imagem colhida aqui.
  • «(…) E no campo da ética e da transparência, a situação é preocupante e exige uma radical mudança de atitude por parte do actual executivo [da câmara municipal de Ovar]. É necessário que a adjudicação de empreitadas tenha mais em conta os méritos do que as influências (um problema infelizmente transversal ao nosso país), e mais do que tudo, histórias pouco bonitas como a angariação e transporte de militantes têm forçosamente de acabar porque está em causa a imagem do nosso concelho. Na política, não pode valer tudo, e nem o lema de Maquiavel em que os "meios justificam os fins" deve ser utilizado como método de inspiração. E é aí que o edil [Salvador Malheiro] e a sua equipa têm perdido sucessivas batalhas morais umas atrás das outras. Claro que para muitos as batalhas morais não interessam para nada e são apenas "desculpas dos derrotados", mas a verdade é que o país não avança por causa desta mentalidade de que tudo vale para vencer. (…)» Via Cusquices de Esmoriz.
  • «(…) Rio orgulha-se do rigor na gestão orçamental da Câmara do Porto, sem referir que foi conseguido à custa de redução do investimento (de 100 para 21 milhões) e da venda de imóveis sem escrutínio (nunca chegou a haver um inventário). A frugalidade e o rigor com que se apresenta contrastam com a sua condução de dossiers polémicos: o dinheiro gasto nas corridas de automóveis, incluindo as obras da Av. da Boavista, pagas em adiantado pela Metro do Porto sem autorização do Governo; a participação da Câmara no fundo imobiliário para reconstrução do bairro do Aleixo, que nunca construiu uma casa, mas onde se juntaram o Grupo Espírito Santo e Vítor Raposo (ex-deputado do PSD com ligações ao BPN condenado num processo centrado em Duarte Lima); os contratos swap ruinosos assinados pela Metro do Porto com o seu conhecimento quando era administrador não-executivo; ou as PPP do Bolhão e do Palácio de Cristal, que nada deram a não ser em prejuízo. À luz dos mandatos de Rio, a crítica velada à insensibilidade social de Passos não passa de oportunismo. João Salaviza lembrou, a propósito do seu novo filme em competição em Berlim, o momento em que Rio assistiu, num barco de luxo no Douro, à implosão de uma das torres do Aleixo, perante o desespero dos moradores. (…) Rio fala do desinvestimento na Saúde, quando os gastos públicos na Saúde estão a aumentar (pouco, é certo). Mas diz, ao mesmo tempo, que faria "igual ou pior" que Maria Luís Albuquerque nas Finanças, quando a regra eram os cortes. Também já defendeu o regresso à Educação de Crato. Falta saber muito sobre o programa do PSD, mas já sabemos muito sobre Rio, e dificilmente pode alguém ser quem não é.» Mariana Mortágua, in Rui quê?JN 20fev2018.
  • O ministro da Defesa de Portugal, Azeredo Lopes, entregou dez lanchas à Marinha de Guerra de Moçambique no âmbito da cooperação bilateral entre os dois Estados. Em abril de 2016, o Wall Street Journal divulga escândalo: «Moçambique escondeu de investidores empréstimo de 622 milhões. O dinheiro foi obtido em 2013, ano do auge das descobertas de gás natural no país, e serviu para financiar a compra de navios e radares para combater a pirataria, em vez de ter sido usado para reestruturar a dívida da Empresa Moçambicana de Atum (EMATUM), como tinha sido decidido.
  • O ex-chefe da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, pressionou a atual comissão em nome da Goldman Sachs, confirmou um dos vice-presidentes da comissão numa carta datada de 31 de janeiro de 2018 e enviada ao ativista do Corporate Europe Observatory. Via EUObserver.
  • «(…)  a saída do Reino Unido da UE liberta 73 mandatos no PE. Como explicar que um estado-membro, como Portugal, que perdeu sucessivamente deputados com anteriores alargamentos da UE, voltasse novamente a perder quando esta "encolhe" com a saída do Reino Unido? (…) os maiores beneficiários desta proposta acabam por ser os estados-membros que reconhecidamente já detêm um poder excessivo no processo de decisão do Conselho (o outro órgão codecisor), agravando uma injustiça preexistente. (…)» João Ferreira in Uma derrota feita "vitória" - JN 20fev2018.
  • O filho mais velho de Trump deslocou-se a New Delhi para promover a venda de apartamentos de luxo construídos por Trump nos arredores da capital indiana. AP.
Share:

Translate

Pesquisar no Ambiente Ondas3

Património

O passado do Ambiente Ondas3

Ver aqui.

Amig@s do Ambiente Ondas3

Etiquetas

Arquivo do blogue