Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

  • Ambiente Ondas3

    Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

  • Ambiente Ondas3

    Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

  • Ambiente Ondas3

    Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

  • Ambiente Ondas3

    Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

  • Ambiente Ondas3

    Notícias sobre Ambiente. Sem patrocínios privados ou estatais. Desde janeiro de 2004.

quinta-feira, 31 de julho de 2014

Quercus exige estudos de impacto para exploração de hidrocarbonetos no Algarve


Lombo Gordo, Açores. Foto: Valter Gouveia 29jul2014.
Share:

Mão pesada

Um operador de resíduos de Norwich foi multado em 24 mil libras por exercício ilegal da atividade.
Share:

Bico calado

“A avaliação aos professores talvez devesse ser alargada, pelo ministro Crato, aos membros do Governo de que faz parte. A sabatina daria resultados surpreendentes. Já não falo, por pudor, à avaliação acaso aplicada ao dr. Cavaco. Como se sabe, este ignora quantos Cantos tem "Os Lusíadas" e estabelece a mais atroz confusão ente Thomas Mann e Thomas More. Esta gente que nos governa trocou as humanidades pelos números, e se insisto nestas anotações é porque as deficiências culturais correspondem à insignificância de uma época na qual tudo parece permitido, inclusive o desprezo pelo humano.” Baptista Bastos in Os dias da ira, de Miguel Torga, e nossos, JNegócios 25jul2014.
Share:

sábado, 26 de julho de 2014

Natureza estimula corpo e mente


Imagem: Emmanuel Gauthier, 13jul2014.
  • Até que enfim dão razão àquilo que já se sabia: hospitais de Boston e de Washington DC recomendam às crianças o contato com a natureza para estimular o corpo e a mente.
  • Mosquitos transgénicos estão a ser produzidos em Campinas, Brasil, pela britânica Oxitec. Objetivo: combater a propagação do dengue.
Share:

Reflexão - Israel quer petróleo da Palestina?

A guerra que Israel move contra a Palestina tem por objetivo conquistar os seus recursos petrolíferos ao lago da costa de Gaza. Para tal tem que exterminar o Hamas e reforçar a Fatah porque, segundo os israelitas, os lucros do petróleo, nas mãos do Hamas, iriam financiar o terrorismo. Nafeez Ahmed in Ecologist de 24jul2014.
Share:

Bico calado

Share:

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Matosinhos alarga rede de ciclovias


Moinhos da aldeia da Gralheira, Serra de Montemuro. Foto Armando Ferreira 21jul2014.
  • A Câmara de Matosinhos anunciou um projecto para facilitar a utilização da bicicleta nos circuitos diários nas ruas interiores da chamada quadra marítima da cidade, delimitada, a oeste, pela rua Álvaro de Castelões. A área de expansão das ciclovias abrange vários equipamentos importantes, como o mercado, a lota e os acessos à Câmara Municipal, por exemplo.
  • Agências de relações públicas e sociedades de advogados pagaram a redação de relatórios científicos e até mesmo deputados do parlamento europeu para facilitar o avanço da tecnologia da fraturação hidráulica na extração de gás e petróleo no país, revela um relatório da Friends of the Earth Europe. Petrolíferas como a Shell, a Tota e a ExxonMobil, e ainda grupos como o BusinessEurope e a OGP são os principais implicados
  • A imensa procura de madeira por parte da China tem provocado a exploração ilegal e insustentável das florestas de Moçambique, custando ao país milhões de dólares de direitos perdidos e impostos que afetam as comunidades rurais empobrecidas, denuncia um relatório da EIA. Sobe esta temática convirá (re)ler esta, esta e esta posta, todas publicadas pelo Ambiente Ondas3 há algum tempo.
  • Comunidades de pescadores artesanais, marisqueiras e quilombolas da Ilha de Boibepa, no município de Cairú, Bahia, vêm sendo ameaçadas pela implementação do Projeto Turístico-Imobiliário Fazenda Ponta dos Castelhanos, criado em 2001 pela empresa Mangaba Cultivo de Coco Ltda. Os grupos tradicionais da região estão em luta para que se debata o processo de licenciamento do empreendimento, que já tem parte aprovada pelos órgãos ambientais, e a maneira como ele chega ao território, em que deve prevalecer o diálogo e o respeito às comunidades. Mais pormenores aqui.
  • 5 exemplos de projetos para 5 cidades resistirem à subida do nível das águas do mar, compilados pela Mashable1 New York está a construir um dique em ferradura que abraça toda a zona leste de Manhattan, com zonas de lazer e vegetação resistente ao sal; 2 Rotterdão construiu uma imensas comporta na foz do rio Scheur para minimizar o efeito conjunto da subida das águas do mar com o aumento do caudal do rio3 Nang, no Vietname, está a investir na construção de casas com muito melhores condições para enfrentar cheias; 4 Surat, na Índia, e Semarang, na Indonésia, instalaram sofisticados sistemas de monitorização, previsão e alerta em caso de cheias.
Share:

Mão pesada

Um tribunal sul-africano condenou Mandla Chauke a 77 anos de prisão pelo abate ilegal de rinocerontes.
Share:

Bico calado

  • O antigo presidente executivo do BES, Ricardo Salgado, foi detido na casa onde reside, no Estoril, numa operação ligada à Operação Monte Branco. A operação Monte Branco está relacionada com um alegado esquema de fuga ao fisco e branqueamento de capitais através da Akoya, sociedade suíça de gestão de fortunas detida por dois dos arguidos neste processo, Michel Canals e Nicolas Figueiredo, antigos quadros do banco suíço UBS, além de Álvaro Sobrinho, presidente não executivo do BES Angola. Segundo explicou o Ministério Público, em nota de Dezembro, em causa está um conjunto de movimentos financeiros, ocorridos entre 2006 e 2012, realizados no quadro de um esquema de ocultação da origem dos fundos e da sua conversão em numerário, abrangendo montantes, na totalidade, "superiores a 30 milhões de euros".  Vagamente relacionado: infografia de longa rede de colaboradores do grupo BES.
  • Um caça da Força Aérea ucraniana foi detectado a uma distância do Boeing malaio de entre 3 a 5 quilómetros", declarou numa conferência de imprensa o tenente-general Andrey Kartopolov,  chefe dos Serviços de Operações Principais do quartel-general do Exército russo, citado pela agência Efe. A Rússia também afirma que um satélite de monitoramento norte-americano sobrevoava a região separatista onde o avião caiu no dia da queda. Relacionado: Malaysia Airlines: as perguntas de Moscovo.
Share:

quinta-feira, 24 de julho de 2014

Luís Figo apoia campanha da Greenpeace


Matheran, Maharashtra, India. Imagem retirada daqui.
Share:

Reflexão – pintar a relva para ela parecer verde e fresca?

Anteontem contei aqui a estória de um casal californiano ameaçado de ser multado por ter deixado secar o relvado da frente da sua casa, o que fez nas melhores das intenções: reduzir o consumo de água, ordenado pelas mesmas autoridades por causa da seca prolongada que aflige aquele estado.

Pois bem. Parece que já há uma solução para livrar os californianos de multas por falta de rega nos seus jardins. Uma empresa encarrega-se de pintar a relva de verde, iludindo assim a seca e as autoridades. O que interessasão as aparências, a imagem. 
Share:

Bico calado

A memória deles pode ser curta, a minha não, por Ana Gomes in Público de 23jul2014

"A Guiné Equatorial torna-se hoje membro de pleno direito da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) por aceitação unânime de todos os Estados-membros. Apesar das denúncias de detenções arbitrárias e execuções, apesar das torturas e desaparecimentos, apesar da corrupção desenfreada e desmascarada. Pergunto, hoje, no que se tornará a CPLP?
Os actuais líderes da CPLP regozijam-se com a entrada da Guiné Equatorial na CPLP, pelos benefícios, o investimento, a "dimensão económica estratégica" trazidos por este país de riquíssimos recursos naturais, que abre oportunidades sem par para as empresas dos restantes países. Todos ganhamos, juram eles. (...)
Em Portugal, a moeda de troca foram meia dúzia de contratos de construção, sem quaisquer garantias, assumidos por algumas empresas sob duvidosíssimo patrocínio político. E foi a prometida injecção de capital no BANIF, banco resgatado com dinheiro dos contribuintes. E ainda um possível investimento no BCP, já controlado pela petrolífera estatal angolana. Pergunto-me se ficarão descansados os accionistas, investidores e depositantes destes bancos e empresas, quando passam a depender e a ser identificados como parceiros de um regime notoriamente criminoso e sem escrúpulos, que enfrenta processos judiciais em França e nos Estados Unidos por criminalidade económica e financeira? E as entidades reguladoras, poderão considerar que estes são investimentos saudáveis e isentos de riscos para as instituições bancárias e para a economia portuguesas?
Há alarmantes riscos decorrentes da promiscuidade empresarial com o regime de Obiang: veja-se o caso do empresário italiano Roberto Berardi, que criou uma empresa com o vice-presidente Teodorin Obiang: após detectar e questionar o esquema de desvio de fundos utilizado por Obiang através dessa empresa, foi preso na Guiné Equatorial e tem sido torturado, encontrando-se neste momento em risco de vida. (...)"

Relacionado com este tema, vale a pena ler o que Paulo Agostinho escreveu no Público de 23 de julho: Na Guiné Equatorial os negócios de risco podem acabar na prisão

Em 2011, por ocasião da cimeira da União Africana, foram construídos 52 palácios, um para cada um dos chefes de Estado africano que esteve em Malabo. Por todo o território estão repetidos, com a mesma traça, prédios de construção chinesa, conhecidos como habitação social. “Construíram pontes enormes, como a de Lisboa, por onde passam 20 carros por dia”, explica Andrés Esono Ondo, líder do CPDS (Conferência para a Democracia Social), o único partido da oposição com assento no Parlamento – tem um lugar em cem deputados.
“Vão construindo infra-estruturas que não servem a população” e “aqui, em Malabo, não há água potável”, tal como em Bata, acusa. E critica o investimento nas forças de segurança. “Só em Malabo, nos últimos seis anos construíram-se oito quartéis militares modernos, mas o Governo não construiu nenhuma escola pública em 35 anos de poder”, diz. (...) Oficialmente, o país produz 380 mil barris de petróleo por dia, mas há quem suspeite que a produção seja superior. O controlo da produção é assegurado pelo ministro do Petróleo, Gabriel Obiang Lima, filho do Presidente, e pela empresa pública GEpetrol, liderada por um cunhado do chefe de Estado. O jornal guinea-ecuatorial.net, liderado por exilados em Espanha, indica a multinacional Glencore como uma das responsáveis pelo desvio do petróleo do país para outros canais. Andrés Esono também duvida das contas do petróleo: Tudo serve para “lavar dinheiro” e “desviar recursos do Estado”.

Share:

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Alemanha, Polónia e Reino Unido são campeões do carvão


Share:

Reflexão – utilização de idosos na manutenção de jardins não promove mais desemprego entre a juventude?

A Câmara Municipal da Vila do Porto, em Sta Maria, Açores, quer envolver os idosos na manutenção dos espaços verdes do concelho a partir de Outubro, através do projecto “jardinagem sénior”, estimulando uma cidadania activa e o contacto entre gerações.
Além da autarquia, que apoiará o projeto financeiramente, são parceiros as juntas de freguesia, os serviços florestais e as escolas de 1.º ciclo, já que se pretende envolver também os mais novos nos trabalhos de campo. 
Cristina Moreira, presidente da autarquia, reconhece que o projecto “jardinagem sénior” irá reduzir alguns custos municipais com a manutenção dos espaços verdes. 
E a juventude a ver passar navios...
Share:

Bico calado

  • “Mesmo em férias, não obstante haver ovelhas negras que envergonham a classe, os professores conseguiram mobilizar-se e mostrar aos restantes servidores do Estado como se faz para fazer um ministro parvalhão cair do cavalo: um por todos e todos por um. E bastante falta faz recordá-lo.” Filipe Tourais.
  • Anda tanto falso virgem a mostrar-se escandalizado com a crise que lavra no BES. Nem 3 anos de presença da troika foram capazes de controlar as vigarices dos ricaços do BES. Já há 5 anos Francisco Louçã denunciara o encobrimento de milhões de dólares do ditador chileno Pinochet por parte da sucursal do BES em Miami. E que aconteceu? O BE perdeu votos...
  • “A cimeira que deveria ficar na história da CPLP pelas melhores razões (...) ficará pelas piores: será a cimeira da vergonha. Ou da sem-vergonha: aquela em que a Comunidade abdicará de fatores, valores e princípios fundamentais, para admitir um país que nada tem a ver com a nossa língua nem com as culturas que (também) nela se exprimem, e que é uma das ditaduras mais sangrentas e corruptas de África.” José Carlos Vansconcelos in Visão 17jul2014.
  • Já pouca Palestina resta. Pouco a pouco, Israel está a apagá-la do mapa, por Eduardo Galeano. Tradução em língua portuguesa aqui.
Share:

terça-feira, 22 de julho de 2014

Hortas urbanas do Grande Porto revelam elevados níveis de metais pesados



  • O município de Espinho adquiriu cerca de 75 mil euros em herbicidas para deservar espaços públicos. Abandonando a sachola e outras ferramentas de jardinagem, pulveriza-se as valetas, acreditando nas fortes potencialidades dos químicos aplicados mas ignorando a contaminação de solos e águas por infiltração ou arrastamento dos resíduos dos herbicidas para linhas de água.
  • Os níveis de metais pesados detetados em hortas urbanas e pastagens do Grande Porto (Maia, em Leça da Palmeira, em Matosinhos e em São Mamede de Infesta ) são superiores aos observados em zonas rurais, revela um estudo da universidade de Aveiro. Por exemplo, no azevém que serve de pasto a animais, os elevados níveis de cádmio, cobre e zinco excederam os critérios de qualidade para forragens animais e poderão entrar na cadeia alimentar dos portugueses. O problema é que Portugal não dispõe de procedimentos definidos para avaliação de risco para o ambiente e saúde humana nessas áreas, nem de critérios para a remediação de solos contaminados.
  • O supermercado da cadeia Sainsbury em Cannock vai passar a ter energia proveniente de uma central de digestão anaeróbica.
  • O governo de David Cameron lançou a reclassificação de espécies extintas e não as considera nativas para impedir a sua reintrodução na vida selvagem.
  • A Nestlé considera a escassez da água um problema muito mais grave e urgente de ser resolvido do que as alterações climáticas. E sabe muito bem porquê. Porque continua a extraí-la de zonas, como a Califórnia, que lutam com uma enorme escassez de água.
  • Como dormir tranquilamente nas quentes noites de verão: (1) coma uma refeição ligeira, beba muita água; (2) areje o quarto de cama antes de se deitar; (3) lave a cara, as mãos e os pés em água fria; (4) vista um pijama leve e fresco ou então deite-se nu; (5) se for casal, durma em camas separadas e (6) desligue todos os equipamentos eletrónicos, não os deixe em stand-by.
Share:

Reflexão – multado por poupar água e deixar secar o jardim?

Os impactos da prolongada seca que se abate sobre a Califórnia fez as autoridades aplicar medidas que obrigam os cidadãos a reduzir o consumo de água. Multas de 500 dólares foram estabelecidas para aqueles que desperdicem água. Porém, o casal Laura Whitney e Michael Korte enfrenta uma multa semelhante por terem deixado de regar o seu jardim, infringindo uma lei local que obriga as pessoas a conservá-los bonitos e verdejantes. 
Share:

Mão pesada

A Paul's Industrial Garage foi multada em 2.600 dólares pela descarga ilegal de resíduos na rampa de entrada de uma casa feita como retaliação pelo não pagamento de uma dívida.
Share:

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Águias contra gaivotas


Cascata das Lombadas, Ribeira Grande, S. Miguel. Foto: Pedro Silva 31mai2014.
Share:

Bico calado

“Desde o 25 de Abril que não há Governo mais intolerante e intolerável do que este, e os malefícios que tem provocado ao País registam-se como uma sinistra nota: desemprego, suicídios, fuga de milhares e milhares de jovens para o estrangeiro, encerramento de escolas e de tribunais, desertificação acelerada do interior do País, ataque ao mundo do trabalho, menos alunos no secundário e no universitário, venda ao desbarato de empresas públicas, escândalos consecutivos na banca, descrédito nas instituições, ataques absurdos ao Tribunal constitucional, cortes constantes nos salários e nas pensões, ruína moral e desespero sem remissão. Em três anos, este Executivo pôs em prática uma calamidade, com a colaboração do dr. Cavaco, cuja balança política pende para um só lado.” Baptista Bastos in Sente-se que a pátria desperta, JNegócios 18jul2014.
Share:

domingo, 20 de julho de 2014

Espinho recebe mais de um milhão para enrocamento de 500 metros


Paramos 26fev2014 - a empresa Irmãos Cavaco aplica enrocamento de proteção à ETAR de Espinho. Em primeiro plano, podem ser vistos os rombos feitos pelo mar, durante as tempestades de inverno, no esporão a sul da Capela de S. João.
  • Espinho vai receber 1 milhão e 100 mil euros do Fundo de Coesão para fazer um enrocamento de 480 metros entre a Capela de S. João e o esporão a sul, em Paramos. Citada pelo semanário Maré Viva de 2 de julho de 2014, a Assembleia de Freguesia de Paramos, reunida em 30 de junho, mostrou-se desagradada pelo facto deste obra  ter sido agendada para iniciar-se em setembro. 
  • Portugal vai ter mais de 4 mil milhões de euros para projetos relacionados com adaptação e mitigação das alterações climáticas, no âmbito do acordo de parceria relativo aos fundos estruturais até 2020, anunciou o ministro do Ambiente Jorge Moreira da Silva. Água, gestão de riscos de incêndios e proteção da costa são algumas das áreas envolvidas.
  • O Infarmed alerta para aumento do comércio de sabonetes ilegais de fabrico artesanal, alegando perigo para serem confundidos com géneros alimentícios. O Infarmed anda preocupado com a concorrência artesanal. Devia antes preocupar-se e alertar para o facto de muitos produtos de limpeza serem vendidos em recipientes que sugerem refrigerantes e como tal podem ser confundidos por crianças.
  • Duas em cada 3 fatias  de pão vendido no Reino Unido regista resíduos de pesticidas, revelam dados colhidos por organismos governamentais. E 25% das fatias analisadas continham mais do que um pesticida.
  • “Aceito que haja uma multa de 500 dólares para quem, nesta seca, regar o jardim na Califórnia e 85 mil dólares pela evacuação aérea de alguem perdido nas escarpas do parque Yosemite, porque são problemas provocados pelas pessoas. Não entendo os 11 mil dólares de multa aplicados à Freedom Industries, responsável pelo derrame de substâncias químicas perigosas no rio Elk e que contaminaram as águas que abastecem os habitantes de Charleston, na West Virginia. Serão demasiados grandes para serem punidas?" Carl Pope in EcoWatch.
Share:

Reflexão - A insustentável utilidade da Linha do Tua

A insustentável utilidade da Linha do Tua, por Daniel Conde, in Público de 19 julho 2014.

“Há factos indesmentíveis que mostram por que a Linha do Tua é útil e sustentável.
No passado dia 8 de Julho deparei-me com um peculiar artigo de opinião , no Público, da autoria do arquitecto paisagista Henrique Pereira dos Santos. Nele, o colunista classificava a Linha do Tua de “inútil”, “insustentável” e que “não serve ninguém”, no mesmo artigo em que o próprio se considera um leigo em matéria ferroviária, e onde incentiva ao combate aos “preconceitos”, “antes de qualquer discussão de fundo”.
Para além das óbvias contradições explícitas no parágrafo supra, o arquitecto colunista  demonstra uma profunda ignorância sobre o que representa a Linha do Tua.  
À chegada à década de 1990, o movimento diário de mercadorias era de 500 senhas de  despachos até 20 quilos, 30 toneladas de mercadorias diversas e em média cerca de 70 toneladas  de adubo; são cinco camiões TIR num único comboio.
Em termos de passageiros, o brutal  desinvestimento aliado a horários que levavam trabalhadores e estudantes a chegarem depois  da hora de entrada e a partirem muito depois da hora de saída, levou a que numa década o  movimento passasse dos 500 mil para os 200 mil.  
Chegou o IP4, encerrou-se o troço Mirandela-Bragança na Noite do Roubo, alimentaram-se  empresas regionais rodoviárias de passageiros com contratos de prestação de serviços de  substituição do comboio, onde ao passageiro se cobrava a tarifa de comboio, mas à CP se  cobrava tarifa de autocarro (mais cara), negociou-se a venda de parte do material ferroso  passados poucos anos, e a Linha do Tua foi citada em escândalos como o “Carril Dourado” e o  “Face Oculta”, por furto e venda de carris.  
No último Verão de comboios Tua- Mirandela-Tua, em 2008, os 190 lugares disponíveis  esgotaram diversas vezes, logo à partida, com alguns casos de excursões a não poderem  embarcar no Tua. Em 2010, só nos 16 quilómetros de via disponíveis, o movimento foi de 70 mil  passageiros; são 14 vezes mais passageiros em um ano que o aeroporto de Beja em dois, e isto  falando de automotoras com o consumo de um autocarro, mas o dobro da capacidade de  passageiros.
Por fim, 2012 e 2013 foram anos consecutivos com contas a positivo para o  Metropolitano Ligeiro de Mirandela, que é mais do que se pode dizer dos metros de Lisboa ou  Porto, subsidiados pelo Estado.  
Estes são factos indesmentíveis, fruto não de preconceito e falta de conhecimento tácito,  ingredientes basilares do insulto gratuito.
Mas irei plus ultra: em Janeiro de 2013, foi requalificada uma via métrica gaulesa, que liga os  três municípios de Salbris, Romorantin, e Valençai, servindo um total de 25.210 habitantes, com  comboios a 70 km/h. A linha conecta-se com outra que se une em Tours a uma linha de Alta  Velocidade para Paris, e o investimento de 14 milhões de euros foi repartido pelas  correspondentes francesas às nossas CCDR, REFER e municípios. O projecto ganhou um prémio  de Inovação, e outro de Mobilidade.  
No eixo Mirandela-Bragança, a Linha do Tua serve três municípios com 74.967 habitantes, num  traçado para 60 a 70 km/h as it is. De Bragança à Sanábria, uma nova linha de 40 quilómetros ligaria  directamente a Linha do Tua à linha de Alta Velocidade Madrid-Corunha, deixando ambos os extremos a apenas duas horas de Bragança. Com a A4 fortemente portajada, um ano laboral de  deslocações entre Mirandela e Bragança ficará entre 2500 a 3000 euros mais caro do que indo  de comboio, comprando um passe.
Não compreendo que fontes o arquitecto colunista consultou – se consultou – antes de  classificar de forma tão leviana a Linha do Tua. As mesmas fontes que eu, certamente não foram.”
Share:

Bico calado

  • “Na quarta-feira, o dia começou com uma viagem de moliceiro pela ria, com Rangel e Melo à proa, quais homens do leme.” (sic). Expresso 23mai2014, Gente p15. E eu que pensava que o leme estava na ré...
  • “Na actual crise do GES/BES, os jornais não puderam calar mais as notícias que alguém decidiu ser o momento de as divulgar. E foram-no com um enorme estrondo. O GES/BES não tem mais capacidade para controlar a informação sobre si próprio. Mas há ainda quem  detenha essa capacidade. Ouvem-se já vozes a dizerem que o BES precisa de silêncio." Estrela Serrano.
  • NBC retira repórter que cobriu morte de 4 crianças palestinianas devido a bombardeamento israelita. Como não se pode matar a notícia, mata-se o mensageiro.
  • E se a cura para a SIDA estivesse no avião? pergunta de Trevor Stratton, investigador canadiano, acerca da morte de um grupo de cientistas a caminho de um congresso na Austrália.
Share:

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Suinicultores na mira da autarquia da Lourinhã

Lago Huron. Imagem retirada daqui.
Share:

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Caos em sistema de reciclagem de resíduos desperdiça milhões


Cascatas das Lombadas, S. Miguel. Foto: Maria de Deus 31mai2014.
Share:

Bico calado – Como as mineiras fogem aos impostos

Há empresas mineiras e empresas de auditoria que se concluiam para fugir aos impostos na República Democrática do Congo, conclui uma investigação da Southern Africa Resource Watch e da Congolese Civil Society. Por exemplo, a KCC e a TFM omitem documentos nas suas sedes de Lubumbashi que permitiriam fazer o cruzamento dedados de modo a confirmar as suas declarações, como manda a lei. Os seus dados estão depositados, respetivamente, na Suíça e em Phoenix, Arizona, fazendo com que apenas os investidores conheçam os lucros e os investimentos das empresas e as finanças fiquem de mãos a abanar.
Share:

terça-feira, 15 de julho de 2014

Alunos portugueses vencem Olimpíadas Internacionais de Biologia

Foto: Filipe Andrade 6jul2014.

Raquel Oliveira, aluna da Escola Secundária de Esmoriz, e Francisco Ramos, da Escola Secundária Quinta do Marquês, em Oeiras, conquistaram medalhas de bronze nas Olimpíadas Internacionais de Biologia, onde Portugal concorreu pela primeira vez, e que decorreram na Indonésia entre 6 e 12 de julho.
O Ambiente Ondas3 congratula-se com este feito que muito honra o Ensino em Portugal e apresenta os parabéns não só aos alunos premiados como aos professores que os apoiaram neste projeto.
Share:

Reflexão - A barragem de Foz Tua, a tara do facto consumado e a luz ao fundo do túnel

A tara do facto consumado e a luz ao fundo do túnel, por João Joanaz de Melo

“Em Portugal existe uma doença endémica, ainda não descrita pela ciência: a tara do facto consumado. É esta doença que leva à passividade perante a corrupção e incompetência, aos fracos hábitos associativos e de participação cívica, e que permitiu o desperdício de dezenas de biliões de euros em obras públicas inúteis: auto-estradas sem carros, estádios sem espectadores, escolas sem alunos, aeroportos sem aviões, barragens inúteis para o sistema energético. Em última análise, é esta a doença que levou à crise orçamental e económica. Perante estes desacatos, o comum dos cidadãos encolhe os ombros e suspira: “eles” fazem o que querem, “nós” não podemos fazer nada.
 Só há uma cura para a tara do facto consumado: é pegar em casos concretos escandalosos, aparentemente consumados, transformá-los de casos perdidos em causas a ganhar, e trabalhar a sério para a inverter a situação. O tratamento exige força de vontade, como um toxicodependente que se quer livrar do vício.
Entre os muitos casos que merecem a nossa atenção, podemos destacar um: a barragem de Foz Tua. No quadro do Programa Nacional de Barragens (colectivamente uma fraude em toda a linha) Foz Tua é ainda assim um caso especial. Se avançar, destruirá valores únicos como a centenária linha ferroviária e a paisagem fabulosa do vale do Tua; e com eles qualquer possibilidade de um turismo de qualidade e perspectivas de desenvolvimento, condenando esta (ainda) bela região ao abandono, ao despovoamento e à pobreza. Igualmente importante, a barragem de Foz Tua é a maior ameaça à integridade do Alto Douro Vinhateiro.
Foz Tua não é apenas mais uma obra má: é o símbolo de tudo o que está errado nas políticas (ou falta delas) de energia, ambiente, transportes, cultura, turismo, investimento público  e desenvolvimento regional das últimas duas décadas. Os defensores desta barragem são os mesmos que provocaram a crise económica e de valores que o País atravessa.
Após sete anos de contestação persistente e com as obras recentemente iniciadas no terreno, atingimos um ponto de viragem. Por um lado, cresceu e consolidou-se um vasto movimento de opinião contra a barragem e a favor de um modelo de desenvolvimento alternativo, envolvendo residentes locais, ambientalistas, produtores de vinho, operadores turísticos, amantes e utilizadores do rio e do comboio, advogados, empresários, cientistas, engenheiros, artistas, jornalistas, políticos, autarcas, muitos milhares de cidadãos incluindo figuras públicas destacadas, nacionais e internacionais. Por outro lado, as propostas da EDP para os projectos complementares, como a mobilidade alternativa e a linha de muito alta tensão, revelaram-se absurdas, inviáveis, ou desrespeitam frontalmente as imposições da UNESCO e da avaliação de impactes. É hoje claro que as condições consideradas essenciais para a concretização da barragem NÃO vão ser cumpridas.
Parar a barragem é a única opção que neste momento faz sentido, por todos os motivos, sociais, culturais, ecológicos, económicos e até financeiros: é claramente a opção com custos mais reduzidos para o Estado e para os consumidores-contribuintes.”
Share:

Mão pesada

Um britânico foi condenado a pena de prisão de um ano suspensa por dois anos e proibido de ser diretor de empresas por 7 anos na sequência de ilegalidades cometidas na gestão de desperdícios em Oldbury, West Midlands.
Share:

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Nova fiscalidade verde esquece verdadeiros causadores de problemas ambientais

Lagoa do Fogo. Foto: Pedro Silva 26jun2014.
  • As medidas propostas na reforma da fiscalidade verde esquecem os verdadeiros causadores dos problemas ambientais e vão sobrecarregar os portugueses com impostos, denuncia o bastonário da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas, Domingues Azevedo. O governo devia ser reposto o princípio de que quem polui é que deve pagar e não quem sofre as consequências da poluição.
  • E se o plástico reciclado viesse a ser aplicado em estradas, tipo asfalto betuminoso? Vasudevan, professor de química no Thiagarajar College of Engineering, perto de Madurai, Índia, diz que é possível. A sua Faculdade ja´registou a patente, mas ele às vezes cede-a gratuitamente. Já há 5 mil quilómetros de estradas cobertas pelo seu produto.
  • Peixes tropicais têm invadido os oceanos temperados provocando imensa desflorestação submarina, admite Adriana Verges, da universidade de New South Wales. Esta tropicalização já ocorreu, por exemplo, ao largo da costa sul do Japão, fazendo desaparecer 40% dos seus campos de algas. Fenómeno idêntico aconteceu no Mediterrâneo oriental. A solução passa por consumer esses peixes tropicais, muito embora a sua falta nos ecossistemas tropicais possa representar impactos graves.
Share:

Reflexão – preocupações ambientais de João de Araújo Correia

"O vício de ler também obriga a sofrer. Quem lê jornais e revistas fica apavorado com a perspectiva de morrermos todos se continuarmos a poluir o ar, a água e a terra. Automóveis, fogões de gás, fumos de fábrica, poluem o ar. Insecticidas e outros venenos poluem a terra e, por sua vez, todas as águas. Não haverá, dentro de poucos anos, se continuarmos a envenenar o mundo, lugar em que se viva. A Terra, como a Lua, girará pasmada, na sua órbita, como cão morto que quisesse morder o rabo. Imagine-se a tristeza dos anjos e dos bem-aventurados quando a virem passar tão morta como louca. À poluição do ar poderíamos opor, como contra-veneno, o oxigénio proveniente da vegetação. Mas, em vez de semelhante medida, recorremos a outra, que é uma rica vasilha com o fundo virado para cima. Com herbicidas, machado e serrote, destruímos a vegetação. Destruímos as fontes de oxigénio. Não nos passa pela cabeça oca a impossibilidade de vivermos sem ele. Pensamos até que não existe, porque ninguém o palpa. É, porventura, uma quimera de sábios.
Se assim é o homem do povo, se assim é o lavrador, e até o homem medíocre, dotado de instrução elementar, não deve ser assim o homem que governa. Esse, por amor ao oxigénio, benção de que não duvida, respeitará a árvore onde quer que exista. Se lhe faltar a sensibilidade precisa para se comover diante de uma árvore, suplique-a a Nosso Senhor nas suas orações.
Desapareça o tempo em que os governantes, nas cidades e vilas portuguesas, fizeram de cada árvore uma ré condenada ao patíbulo sem defesa. A olhos de poeta, não há canto de Portugal que não chore, como viúvo, a árvore que o embelezou." João de Araújo Correia in Pátria Pequena.
Share:

Mão pesada

Um propietário de terras britânico, de Raleigh, foi detido por 6 meses por violação contumaz de regras básicas de gestão de resíduos.
Share:

Bico calado - Grupo Espírito Santo: “too big to fail” ou “too holy to jail?” por Ana Gomes

“Eu proponho voltarmos a 6 de Abril de 2011 e revisitarmos o filme do Primeiro Ministro José Sócrates, qual animal feroz encostado as tábuas, forçado a pedir o resgate financeiro. Há um matador principal nesse filme da banca a tourear o poder político, a democracia, o Estado: Ricardo Salgado, CEO do BES e do Grupo que o detém e controla, o GES – Grupo Espírito Santo. O mesmo banqueiro que, em Maio de 2011, elogiava  a vinda da Troika como oportunidade para reformar Portugal, mas recusava a necessidade de o seu Banco recorrer ao financiamento que a Troika destinava à salvação da banca portuguesa.
A maioria dos comentaristas que se arvoram em especialistas económicos passou o tempo, desde então, a ajudar a propalar a mentira de que a banca portuguesa – ao contrário da de outros países – não tinha problemas, estava saudável (BPN e BPP eram apenas casos de polícia ou quando muito falha da regulação, BCP era vítima de guerra intestina: enfim, excepções que confirmavam a regra!). Mas revelações recentes sobre o maior dos grupos bancários portugueses, o Grupo Espírito Santo, confirmam que fraude e criminalidade financeira  não eram excepção: eram – e são – regra do sistema, da economia de casino em que continuamos a viver.
Essas revelações confirmam também o que toda a gente sabia – que o banqueiro Salgado não queria financiamento do resgate  para não ter que abrir as contas do Banco e do Grupo que o controla à supervisão pelo Estado – esse Estado na mão de governantes tão atreitos a recorrer ao GES/BES para contratos ruinosos contra o próprio Estado, das PPPs aos swaps, das herdades sem sobreiros a submarinos e outros contratos de defesa corruptos, à subconcessao dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo. À conta de tudo isso e de mecenato eficiente para capturar políticos – por exemplo, a sabática em Washington paga ao Dr. Durão Barroso – Ricardo Salgado grangeou na banca o cognome do DDT, o Dono De Tudo isto, e conseguiu paralisar tentativas de investigação judicial – sobre os casos dos Submarinos, Furacão e Monte Branco, etc.. e até recorrer sistematicamente a amnistias fiscais oferecidas pelos governos para regularizar capitais que esquecera ter parqueado na Suíça, continuando tranquilamente CEO do BES, sem que Banco de Portugal e CMVM pestanejassem sequer…
Mas a mudança de regras dos rácios bancários e da respectiva supervisão – determinados por pressão e co-decisão do Parlamento Europeu – obrigaram o Banco de Portugal a ter mesmo de ir preventivamente analisar as contas do BES/GES. A contragosto, claro, e com muito jeitinho – basta ver que, para o efeito, o Banco de Portugal, apesar de enxameado de crânios pagos a peso de ouro,  foi contratar (cabe saber quanto mais pagamos nós, contribuintes) uma consultora de auditoria, a KPMG – por acaso, uma empresa farta de ser condenada e multada nos EUA, no Reino Unido e noutros países por violações dos deveres de auditoria e outros crimes financeiros e, por acaso, uma empresa contratada pelo próprio BES desde 2004 para lhe fazer auditoria…
Mas a borrasca era tão grossa, que nem mesmo a KPMG podia dar-se ao luxo de encobrir: primeiro vieram notícias da fraude monstruosa do GES/BES/ESCOM no BESA de Angola, o “BPN tropical”, que o Governo angolano cobre e encobre porque os mais de 6 mil milhões de dólares desaparecidos estão certamente a rechear contas offshore de altos figurões e o povo angolano, esse, está habituado a pagar, calar e a …não comer… Aí, Ricardo Salgado accionou a narrativa de que “o BES está de boa saúde e recomenda-se”, no GES é que houve um descontrolo: um buracão de mais de mil e duzentos milhões, mas a culpa é… não, não é do mordomo: é do contabilista! 
Só que, como revelou o “Expresso” há dias, o contabilista explicou que as contas eram manipuladas pelo menos desde 2008, precisamente para evitar controles pela CMVM e pelo Banco de Portugal, com conhecimento e por ordens do banqueiro Salgado e de outros administradores do GES/BES. E a fraude, falsificação de documentos e outros crimes financeiros envolvidos já estão a ser investigados no Luxemburgo, onde a estrutura tipo boneca russa do GES sedia a “holding” e algumas das sociedades para melhor driblar o fisco em Portugal.
Eu compreendo o esforço de tantos, incluindo os comentadores sabichões em economia, em tentar isolar e salvar deste lamaçal o BES, o maior e um dos mais antigos bancos privados portugueses, que emprega muita gente e que obviamente ninguém quer ver falir, nem nacionalizar. Mas a verdade é que o GES está para o BES, como a SLN para o BPN: o banco foi – e é – instrumento da actividade criminosa do Grupo. E se o BES será, à nossa escala, “too big to fail” (demasiado grande para falir), ninguém, chame-se Salgado ou Espírito Santo, pode ser “too holy to jail” ( demasiado santo para ir preso).
Isto significa que nem os empregados do BES, nem as D. Inércias, nem os Cristianos Ronaldos se safam se o Banco de Portugal, a CMVM, a  PGR e o Governo continuarem a meter a cabeça na areia, não agindo contra o banqueiro Ricardo Salgado e seus acólitos, continuando a garantir impunidade à grande criminalidade financeira – e não só – à solta no Grupo Espírito Santo.”
por Ana Gomes.
(Notas para a meu comentário no “Conselho Superior”, Antena 1, de 3ª feira, 8jul2014.

Share:

sexta-feira, 11 de julho de 2014

Batalha com barulho a mais

Cascatas das Lombadas, S. Miguel-Açores. Foto: Pedro Silva 31mai2014.
Share:

Mão pesada

A Freedom Industries foi multada em 11 mil dólares por diversas infrações registadas na sequência de derrame de substâncias químicas ocorrido em janeiro passado numa unidade de West Virginia.
Share:

Bico calado

Share:

quarta-feira, 9 de julho de 2014

Poluição da Cimpor motiva protestos em Alhandra

Água de Pau, S. Miguel-Açores. Foto: Filipe Andrade 8jul2014.

Moradores e autarcas queixam-se de poeiras libertadas durante carregamento de cimentos na Cimpor, em Alhandra. A cimenteira utiliza o transporte por via fluvial e marítima dos materiais que exporta para o Brasil e o Paraguai, mas em dias de vento forte proveniente de sul tem havido sérios problemas de propagação de partículas nas zonas vizinhas.
Share:

Bico calado

  • Duas pessoas morreram no Faial arrastadas por uma onda e uma terceira por um boi – título do Correio dos Açores de 8jul2014.
  • “Os senhores lavradores têm que se convencer que um jipe ou uma carrinha não são propriamente alfaias agrícolas. Deste modo, a utilização do chamado gasóleo agrícola nessas viaturas é crime, ponto final.” Carlos Resendes Cabral in Correio dos Açores de 8jul2014.
Share:

terça-feira, 8 de julho de 2014

Papa Francisco: destruir a floresta tropical é pecado

Rocha dos Bordões, Ilha das Flores. Foto: Elisabete Capela Beta 10jun2014.
Share:

Mão pesada

A South West Highways foi multada em 11 mil libras por demora na retirada de andaimes na Kersham Bridge, sobre o rio Taw, perto de Chulmleigh, o que provocou retenção de resíduos aquando de chuvadas e aumento do caudal do rio, com consequentes  inundações e prejuízos numa casa. 
Share:

Bico calado

  • O banco do branqueamento de capitais da ditadura angolana., por Xatoo.
  • O PSD já tem um Banco Privado (embora falido). Então muitos parabéns ao descaramento! por Xatoo.
Share:

segunda-feira, 7 de julho de 2014

Aplicação informática permite denúncia de mau cheiro

Lagoa do Fogo, Açores. Foto: Pedro Silva 14jun2014.

Os robôs do Google e do Tweeter dizem que Southampton Football Club instala LEDs e Autoridades impedem estudo da poluição de um aquífero em Palmela? lideraram as preferências dos leitores do Ambiente Ondas3 nos últimos dias.
Os leitores vieram, por ordem descrescente, dos seguintes países: EUA, Portugal, Alemanha, Rússia, França, Brasil, Irlanda, China, Suécia e Indonésia.
Obrigado pelo interesse. Voltem sempre.
  • Desde que entrou em funcionamento a 5 de junho, a plataforma Odourmap registou 28 observações de sanjoanenses. A aplicação informática permite aos cidadãos denunciar episódios de mau cheiro na cidade. S. João da Madeira é a primeira cidade no país a testar esta plataforma da Odournet, uma multinacional holandesa especializada neste setor, com 30 anos de atividade e experiências semelhantes em Barcelona.
  • Kill Devil Hills é a última região norte-americana a rejeitar projeto de extração de petróleo e gás natural ao largo da sua costa. Os seus 20 distritos dizem que estão muito satisfeitos com os rendimentos que obtêm com o turismo, mais de 20 mil milhões de dólares comparados com os 118 milhões previstos pelas petrolíferas.
Share:

Reflexão - O lado negro da Monsanto

O lado negro da Monsanto – ligações negras ao complexo militar norte-americano, por Steven MacMillan.

(1) Stephanie Seneff e Anthony Samsel publicaram em 2013 um estudo que responsabiliza o popular herbicida Roundup (e seu principal ingrediente o glifosato) por inúmeros casos de infertilidade, cancro e doença de Parkinson, entre outros problemas de saúde.
(2) Seralini, da universidade de Caen, já liderara e publicara um estudo sobre os resultados da ingestão, durante dois anos e por  ratos de laboratório, de milho transgénico NK603, produzido pela Monsanto: aumento de 200% de casos de tumores, inflamações graves no fígado e nos rins, salientando que os tuimores tinham aparecido depois de um período de 4 a 7 meses de investigação. O estudo levantou enorme celeuma, tendo sido retirado da publicação após alegadas pressões de interesses insondáveis, sendo, porém, publoicado posteriormente noutro local.
(3) A França, a Itália e a Polónia, entre outros, proibiram a importação do milho transgénico NK603, também da Monsanto, por carência de garantias de segurança alimentar. O parlamento russo aprovou uma resolução prevendo a condenação de produtores de transgénicos como terroristas. Sementes transgénicas vendidas a agricultores indianos sob o pretexto de aumentarem as suas produções levaram-nos à miséria, ao desespero e a milhares de casos de suicídio.
(4) Há cada vez mais evidências da influência das culturas transgénicas no colapso de enxames de abelhas um pouco por todo o lado.
(5) Entre 1961 e 1971, durante a guerra do Vietname, o exército dos EUA pulverizou entre 50 e 80 milhões de litros do agente Laranja, especialmente produzido pela Monsanto, sobre as florestas e campos do Vietname para destruir as fontes de alimentação das populações rebeldes. Passados todos estes anos, os efeitos ainda são visíveis em milhares de vietnamitas e nos próprios veteranos de guerra norte-americanos.
(6) Da direção da Monsanto fazem parte o antigo CEO da Lockheed Martin, Robert J. Stevens, que também foi nomeado por Barack Obama  para o Advisory Committee for Trade Policy and Negotiations, Gwendolyn S. King, também da direção da Lockheed Martin e Dr. George H. Poste, antigo membro da Defense Science Board e da Health Board of the U.S. Department of Defense.
Share:

Bico calado

  • “A novela em redor do BES e demais barraquinhas financeiras do Grupo Espírito Santo volta a revelar “Lesboa” em todo o seu esplendor provinciano. Marcelo Rebelo de Sousa é amigo de Ricardo Salgado. Não interessa se passam férias no Mediterrâneo ou na Baixa da Banheira. O local do aconchego veraneante é uma irrelevância, a relevância está na amizade que une Marcelo e Salgado. Perante este facto, o entertainer da TVI só tinha dois caminhos legítimos na relação mediática com o imbróglio BES: ou estava calado, ou criticava Salgado. Sucede que Marcelo optou pelo único caminho que não podia tomar: elogiou em público as escolhas de Salgado (Morais Pires). Em nome da salubridade do debate, Marcelo Rebelo de Sousa não pode fingir que é um anjo neutral nesta questão. Até porque a sua companheira, Rita Amaral Cabral, é administradora do BES. Marcelo Rebelo de Sousa fez carreira entre linhas, num terreno ambíguo e escorregadio entre jornalismo e política. Ao longo dos anos, transformou-se num vaporzinho de segredos palacianos. Mas, no caso do BES, já era tempo de o Dr. Marcelo acabar com os seus próprios segredinhos. No fundo, o Prof. Doutor e restantes donos de “Lesboa” têm de perceber uma coisa: isto não é tudo de Suas Excelências." Henrique Raposo in Jornal Expresso 3 de Julho de 2014
  • “É um erro persistente do Ocidente apelidar esta crise uma ‘crise de valores’. Porque há muito que pensadores e filósofos mostraram que ‘os valores’ foram fabricados para a boa consciência dos que os utilizaram afim de dominar e retirar benefícios e mais-valias de vida à outra parte da humanidade.” José Gil in A Terra por vir, I - Visão 3jul2014.
Share:

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Autoridades impedem estudo da poluição de um aquífero em Penela?

Ribeira do Guilherme, Nordeste, S. Miguel-Açores. Foto: Pedro Silva 19jun2014.
Share:

Bico calado

  • “A resposta é óbvia: porque a família Espírito Santo é demasiado grande e o país demasiado pequeno. Enquanto a família esteve unida, formou um bloco inexpugnável, pela simples razão de que o seu longo braço chegava a todo o lado, incluindo partidos (alguém já ouviu António José Seguro, sempre tão lesto a dar palpites sobre tudo, comentar o caso BES?), comunicação social (quem não se recorda do corte de relações com o grupo Impresa em 2005, na sequência de notícias sobre o envolvimento do BES no caso Mensalão?) e até aos próprios comentadores, por via das relações pessoais que Ricardo Salgado mantém com gente tão influente quanto Marcelo Rebelo de Sousa ou Miguel Sousa Tavares.” João miguel Tavares in Marcelo, Miguel, o BES e nós, Público de 1jul2014.
  • “A bandeira nacional não serve para fins artísticos. A bandeira nacional é sagrada, e destina-se apenas a propósitos mais altos, como vender cerveja em anúncios televisivos, ser desfraldada em varandas em apoio de jogadores de futebol, ou enfeitar lapelas de governantes enquanto eles desempenham a nobre missão de confiscar salários. Intervenções artísticas com o estandarte nacional estão exclusivamente a cargo do Presidente da República, que o pendura às avessas como metáfora da circunstância de não o saber pendurar como deve ser.” Ricardo Araújo Pereira in Visão 26jun2014.
  • “Primeiro, Cavaco Silva previu uma espiral recessiva. E a economia começou a crescer timidamente. Agora, Cavaco Silva disse que o medo devia dar lugar à esperança. E a economia dá sinais de recuo e estagnação. De duas, uma: ou a economia anda a zombar do Presidente da República ou eles, na universidade de York, dão doutoramentos a quem não percebe nada do assunto”. Ricardo Araújo Pereira in Visão 19jun2014.
Share:

terça-feira, 1 de julho de 2014

Southampton Football Club instala LEDs

Vila fresca, Azeitão. Foto de Maria Poeiras 2012.
Os atuais moralistas locais terão vencido os seus homólogos dos anos 50. Nos anos 50, não conseguiram abater esta árvore. Em 2014, fizeram-no. 
Share:

Bico calado

  • Rapariga de skate choca com uma vaca.
  • "Agora, neste mesmo instante, é o Cristiano Ronaldo, que se passeia num Lamborghini para satisfazer a nossa inveja. Ele é a nossa vingança momentânea, também ela momentânea e precária, enchemos as praças públicas, transferindo para ele as nossas frustrações e as nossas derrotas. Perdemos. Levámos uma cabazada, e o inchaço da pequenina esperança, tudo pequeno sempre muito pequeno, esvaziou-se como um balão. Lá vamos, cantando e rindo, diz o hino mentiroso. Lá vamos." Baptista Bastos in As três sílabas do nosso remorso, DN de 18jun2014.
Share:

Translate

Pesquisar no Ambiente Ondas3

Património

O passado do Ambiente Ondas3

Ver aqui.

Amig@s do Ambiente Ondas3

Etiquetas

Arquivo do blogue